.Últimos bocejos

. Mário Elias (1934 - 11 de...

. A Ópera dos Malandros I

. Ombra mai fu

.Velharias

. Agosto 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Agosto 2016

. Maio 2016

. Janeiro 2015

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Janeiro 2006

. Novembro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Março 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

. Dezembro 2003

Segunda-feira, 17 de Outubro de 2011
Mário Elias (1934 - 11 de outubro de 2011)

 

Um copo vazio à espera

De lábios sedentos da carícia

de uma Primavera.

Uma qualquer, desde que cheire a poejos pisados

Sobre os calhaus rolados

Numa calçada de Mértola.

Nunca li um poema teu

Para além dos quadros com Alentejanos

e porcos, sempre os mesmos.

Óleo ou acrílico sobre fotocópia

Pouco importa.

Um copo vazio à espera

Com osgas e mosquitos à volta

E ninguém para cravar mais uma bebida.

Natureza morta.

Mértola já tinha morrido há muito

E agora...

Artigos da mesma série: ,
publicado por Manuel Anastácio às 22:54
link do post | Dizer de sua justiça | Quem disse o que pensou (5) | Adicionar aos favoritos
|
Terça-feira, 2 de Março de 2010
A Ópera dos Malandros I

Bryn Terfel com a The Orchestra of the Welsh National Opera, conduzido Gareth Jones. Cantor que tantas vezes lancei no éter de Mértola, numa altura em que ele cantava bem melhor que nesta relativamente fraquinha, mas bem humorada versão da "Madamina..."

 

Corria o ano de 1997 e era o primeiro ano em que iria trabalhar naquilo que julgava que seria um emprego minimamente conforme às minhas aspirações de intelectual de meia tijela. Menos de um mês antes de saber que tinha caído em Mértola, tinha comprado a "Grande Reportagem", na altura dirigida por este agora intragável Miguel Sousa Tavares, fruto degenerado de uma tão bela árvore... Minto... a reportagem desse senhor só veio mais tarde... o que eu tinha lido sobre a escola de Mértola estava algures numa página do "Jornal de Letras" onde, com orgulho, se expunha aos olhos incrédulos dos portugueses um improvável reconhecimento da OCDE em relação a uma escola num sítio onde Judas nem podia lavar o cu se não quisesse morrer de disenteria. Eu tinha acabado de tirar o curso e tive a felicidade de ser o penúltimo professor a ser colocado numa escola, na primeira fase dos concursos, o que era também algo improvável, mas que me aconteceu, para espanto da senhora da CAE que foi verificar se havia engano - que alguém como eu, com a cara roída de acne juvenil, não era pessoa para entrar na primeira fase.

 

O dia em que os meus pais encheram a carrinha com a tralha necessária para me instalar naquela terra de maravilhas e desenganos, no preciso instante em que Amélie Poulain  descobria uma caixa escondida numa parede, conhecia eu o Miguel Correia que, por qualquer improvável acaso, já tinha alugado um quarto num rés-do-chão, restando outro que foi por mim alugado ao chegar lá. O Miguel, a quem eu chamava e ainda chamo Nuno (o Nuno de Mértola, que agora é o Nuno do Porto - tal como eu, árvore meridional transplantada no coração de uma Valquíria nórdica) foi como um cometa de sabedoria e ponderação num ano breve mas tão cheio de tudo, numa terra onde não havia nada a não ser achados arqueológicos e lutas políticas acéfalas e incompreensíveis para o comum dos mortais.

 

Dois ou três anos depois de ter saído de Mértola, sem o ter visto depois de termos deixado aquele anel de rocha granítica e água estagnada, o Nuno convidou-me para o seu casamento. Eu, que me desfazia em disparates ao pegar num volante, nem pensei duas vezes e segui, para mal dos pecados do Nuno, que me teve de resgatar por interposta pessoa, perdido algures em Canelas na véspera do casamento, para o Porto onde, talvez na Igreja Matriz de Paranhos (seria? acho que nunca cheguei a saber em que igreja foi), ele fez-me ler uma das leituras da cerimónia do casamento, porque bem sabia como eu, agnóstico doente da alma, gostava daquelas palavras. Foi a primeira e última vez que fui chamado a ler durante uma missa. Mais tarde, quando me casei no Santuário do Bom Jesus do Monte (sem hipocrisias religiosas: o meu agnosticismo é muito católico), convidei o Nuno a ler a mesma passagem sagrada. E, enquanto o meu sogro se desfazia em lágrimas, e o Mau Ladrão, num dos cantos do altar, se furtava aos olhares dos crentes, acreditei que tudo neste mundo tem a secreta marca de água da bondade. E até os malandros têm direito à sua courela no Paraíso. Mesmo que tenham tido a infelicidade de dizer gravosos disparates sobre a Carmen de Bizet Fora de Mértola. Sem sair de Mértola...

Artigos da mesma série: ,
publicado por Manuel Anastácio às 01:04
link do post | Dizer de sua justiça | Quem disse o que pensou (1) | Adicionar aos favoritos
|
Sábado, 23 de Junho de 2007
Ombra mai fu

O contratenor David Daniels, cantando "Ombra mai fu", da Ópera Xerxes, de Handel, conduzido por Julius Rudel. Nova Iorque, 1997
 
Estava eu a desligar a televisão quando começou um documentário-entrevista de uma série que se chama "O meu bairro". Parecia interessante, mas estava cheio de sono. Mas o sono passou quando vi que o "bairro" de que se iria falar era sobre o "bairro" de Cláudio Torres - ou, seja, Mértola. E, não sei por que razão - alguma característica vestigial-animal e irracional, por certo - tinha de ver aquilo que já conhecia. Acordei logo. Se fosse sobre outro sítio qualquer para mim desconhecido (isto é, se fosse um programa que me fosse ensinar alguma coisa de totalmente nova), teria apagado a televisão. Mas este gosto em rever as coisas, em saber notícias do torrão por nós já pisado é forte. Muito forte. Ainda mais quando o programa se chamava "O meu bairro" - ora, o bairro de alguém não se limita às ruas e às casas - às edificações - mas às gentes que o habitam. De facto, a minha perspectiva parece reflectir-se nas palavras de Jorge Wemans, director da RTP2 ao Jornal de Notícias:  "Pretendemos mostrar que existem espaços que não só lugares edificados mas são também pessoas e relações que se estabelecem". Ora, ainda há dias, a respeito do filme "Então é assim...", falei de Mértola em tons menos abonatórios (tudo o que não seja laudatório é, na blogosfera, considerado menos abonatório quando não mesmo ofensivo). E referi-me às gentes. Ora, lembro-me bem de alunos que eram excelentes pessoas, lembro-me de colegas de Mértola com quem fazia rádio pirata na escola, mesmo à noite,, com quem fazia gaspacho ao final do dia, antes de uma saída ao Bar Lancelote, lembro-me de alguns alunos de coração grande sem venenos de calculismo, lembro-me do café onde me convidavam para participar da açorda fervente e perfumada de poejos. Lembro-me dos dois alunos com síndrome de Down que não abandonavam a sala de professores - especilamente de um, que desconfiando que eu fosse extra-terrestre ou enviado do diabo, ainda assim me doutrinava sobre o demonismo, com um livro das Testemunhas de Jeová numa das mãos e o "Evangelho Segundo Jesus Cristo" do Saramago na outra. Lembro-me das vezes que tive de entrar na casa das vizinhas para expulsar as osgas. Lembro-me do Mário Elias a cravar copos de vinho aos visitantes e a demonstrar pela enésima vez que sabia o significado da palavra "polímato". Lembro-me do João - que, estando eu de visita a Mértola, na minha lua de mel, com a Carla, nos cantou, apenas para com os dois como espectadores, entre os arcos brancos da antiga mesquita, o "ombra mai fu" de Handel com uma voz de contralto contratenor1 que nos alagou os olhos. Para mim, o bairro Mértola estendia-se ainda à pizaria "A paragem", na minúscula aldeia de Corvos,  a uma dezena de quilómetros da vila, onde comíamos  massa italiana com nomes operáticos (Turandot,  Turiddu...) e pizas divinas mas, principalmente,  o alentejano cozido de grão, a punheta de bacalhau numa mesa cá fora, entre o horizonte de terra cansada e um céu paciente. Esse foi o meu bairro. Era a Mértola que valia a pena. Hoje, a terra está mais sofisticada, tem outras coisas que valem a pena: pedras, cacos, colunas, mosaicos, calçadas, muros, muralhas, alcachofras de pedra à Cutileiro - os núcleos museológicos são visitáveis (têm a porta aberta!!!...), mas já não é o meu bairro. Foi-o apenas por uma ano.

"O meu bairro", conduzido pela sempre simpática Ana Sousa Dias, guiada pela mão de Cláudio Torres, seguiu-se pelas ruas de Mértola. Qual é o bairro de Cláudio Torres, pelo que se percebeu por este documentário? As pedras. Incluindo a antiga mesquita, hoje igreja, onde ouvi o ombra mai fu. Pedras... Ainda se entreviu um restaurante (O Migas, provavelmente, mas sem certezas). Mas e as pessoas? Não há gente em Mértola? Fiquei apenas a saber que o Cláudio Torres foi lá aceite pelo pessoal (e aceite é a palavra) que via com benevolência aquela gente que em vez de ir para a praia (Vila Real de Santo António ali tão perto...) ia desenterrar cacos... Pouco mais se falou das gentes. Não se viu ninguém de Mértola. Vila vazia. Vila Museu, diz a entrada. Compreendi - ou serei muito mauzinho?... - que os habitantes de Mértola que enchem o bairro de Cláudio Torres são os fantasmas que residem entre o pó e a intersecção de ruínas do antigo gânglio linfático do Guadiana. Serei mauzinho? Talvez. Talvez não.

Um óptimo local para ouvir o ombra mai fu, sem dúvida.

Ombra mai fu
di vegetabile,
cara ed amabile,
soave più.

Jamais a sombra
Cara e amável
Dos vegetais
Foi tão suave.

1Contratenor, claro. Obrigado à Ana Ramon pelo aviso de tal disparate.
Artigos da mesma série:
publicado por Manuel Anastácio às 11:45
link do post | Dizer de sua justiça | Quem disse o que pensou (1) | Adicionar aos favoritos
|
.Nada sobre mim
.pesquisar
 
.Agosto 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
.Artigos da mesma série

. notas

. cinema

. livros

. poesia avulsa

. política

. só porque

. curtas

. arte

. guimarães

. música

. estupidez

. traduções

. wikipédia

. religião

. poesia i

. gosto de...

. ono no komachi

. narrativas

. tomas tranströmer

. buscas pedidas

. plantas

. arquitectura

. enciclopédia íntima

. blogues

. braga

. fábulas de esopo

. as quimeras

. gérard de nerval

. carvalhal

. animais

. blogs

. cultura popular

. disparates

. Herbário I

. poesia

. póvoa de lanhoso

. estevas

. pormenores

. umbigo

. bíblia

. ciência

. professores

. vilar formoso

. barcelos

. cinema e literatura

. coisas que vou escrevendo

. curtíssimas

. educação

. Guimarães

. rádio

. receitas

. ribeira da brunheta

. teatro

. vídeo

. da varanda

. economia

. família

. leitura

. lisboa

. mails da treta

. mértola

. Música

. os anéis de mercúrio

. cachorrada

. comida

. cores

. dança

. diário

. direita

. elogio da loucura

. escola

. esquerda

. flores de pedra

. hip hop

. história de portugal

. kitsch

. memória

. ópera

. profissão

. recortes

. rimas tontas

. sonetos de shakespeare

. terras de bouro

. trump

. Álbum de família

. alunos

. ângela merkel

. arte caseira

. aulas

. avaliação de professores

. ayre

. benjamin clementine

. citações

. crítica

. ecologia

. edgar allan poe

. ensino privado

. ensino público

. evolucionismo

. facebook

. todas as tags

.O que vou visitando
.Segredos
  • Escrevam-me

  • .Páginas que se referem a este site

    referer referrer referers referrers http_referer
    .Já passaram...
    .quem linka aqui
    Who links to me?
    .Outras estatísticas
    eXTReMe Tracker
    blogs SAPO
    .subscrever feeds