.Últimos bocejos

. Buscas pedidas: "Posso ma...

. Buscas pedidas: "É mentir...

. Buscas pedidas: "Flor de ...

. Buscas pedidas: O Bem e o...

. Buscas pedidas: "Que quer...

. Buscas pedidas: "Galos co...

. Buscas pedidas - 125 gram...

. Buscas (des)pedidas: "Ven...

. Buscas pedidas: "história...

. Buscas pedidas: foto do e...

. Buscas pedidas: "cordel d...

. Buscas pedidas - "Ribeira...

. Buscas pedidas - "Ribeira...

. Buscas pedidas - "Ribeira...

. Buscas pedidas - "sobre a...

. Buscas pedidas - "tony ca...

.Velharias

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Agosto 2016

. Maio 2016

. Janeiro 2015

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Janeiro 2006

. Novembro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Março 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

. Dezembro 2003

Quinta-feira, 7 de Abril de 2011
Buscas pedidas: "Posso matar andorinhas?"

Não, não pode. Dá um azar do caraças. Graves tragédias acontecem a quem mata uma andorinha. Cada ninho destas aves que é destruído por pessoas preocupadas com a pintura das paredes faz cair sobre os seus destruidores ondas negativas que não só interferem com o equilíbrio dos chacras como com as redes neuronais, provocando, inclusivamente, tumores cerebrais, hemorróidas e impotência sexual - tudo no cérebro ou no coração. São várias as histórias que testemunham o quanto é perigoso matar uma andorinha. José Alcaire, de Cova da Beira, só para falar de um português, é um caso sintomático. Ter destruído um ninho no beiral da sua casa por causa do cocó que lhe escorria pelos vidros da marquise foi apenas o início de um desenrolar de acontecimentos fatídicos que terminaram com a total perda das suas faculdades mentais, tendo inclusive, começado a interessar-se de forma excessiva por filatelia, o que causou o repúdio da população que, chocada pela perversidade dos seus novos hábitos, o matou de forma sanguinária e particularmente sádica, sem que as autoridades fizessem alguma coisa (consta, aliás, que o procurador público felicitou os mentores do linchamento e propô-los para receber a Ordem de Santiago da Espada). O professor John Doe, da Universidade de Birmingham, no Norte da Colúmbia Britânica, prémio Nobel em Medicina Alternativa, assegura, aliás, que a morte de andorinhas é um dos factores mais relevantes a ter em conta, depois das brincadeiras com cigarros na boca dos sapos, para o aumento da ocorrência de sismos violentos em todo o mundo, ainda que não tenha grandes certezas quanto ao aquecimento global. De facto, não há grandes provas de que a morte de andorinhas bebés (que são aquelas mais fáceis de matar) tenha influência no buraco de ozono e, apesar de as adultas andarem sempre de um lado para o outro e, assim, furarem a atmosfera, crê-se, através de fotografias usando película especial de dicromato de magnésio, que em volta de uma andorinha bebé se encontra uma aura de cor azulada, mas não esférica, o que parece indicar que há poderes que não devem ser perturbados nesta sua fase de desenvolvimento. Franz Ferdinand, professor da Jackass Academy, em Nova Iorque chega mesmo a admitir que a aura, no caso das andorinhas adultas, é ainda mais poderosa e que sempre que se mata uma andorinha há uma dispersão de neutrinos que desestabiliza o equilíbrio cósmico em torno do animal, afectando especialmente quem a mata. Há experiências que indicam, ainda, que um fenómeno semelhante ocorre nos ninhos destruídos. De facto, mais de 50% das casas vendidas em hasta pública no último ano tinham vestígios de ninhos de andorinha destruídos, apesar da brancura imaculada das suas paredes. Por outro lado, as casas que mantiveram os ninhos de andorinha, apesar de sujas, pertenciam quase todas a pessoas com rendimentos estáveis e cujo estado financeiro não foi comprometido com a Crise.

 

Ah, claro, e as andorinhas comem grandes quantidades de moscas e mosquitos (incluindo as fêmeas, que são as melgas que nos zunem aos ouvidos à noite e que aqui no Norte são chamadas de trupeteiros), o que, em termos de higiene, é mais vantajoso que a brancura das paredes. Mas como argumentos destes não pegam com o povo que temos, pode ser que os que estão no parágrafo anterior sejam mais convincentes.

Artigos da mesma série:
publicado por Manuel Anastácio às 21:17
link do post | Dizer de sua justiça | Quem disse o que pensou (8) | Adicionar aos favoritos
|
Quarta-feira, 27 de Maio de 2009
Buscas pedidas: "É mentira, é mentira, é mentira sim senhor"

Teresa Żylis-Gara e Franco Corelli, no Già nella notte densa do "Otello" de Verdi. Porque me apetece. Ou talvez seja uma associação entre a tez de Otello e a das azeitonas... sabe-se lá...

 

 Alguém caiu de novo no meu blogue à procura de uma letra do Tony Carreira. Por incrível que pareça, encontrou-a. E disse que o meu blogue já tinha servido para alguma coisa. Valha-nos isso. E pediu: já agora podias dar a letra do "É mentira, é mentira, é mentira sim Senhor"? Claro, sempre às ordens. A canção, de melhor valor poético que uma letra do Paulo Coelho, perdão, do Tony Carreira, não tem o título indicado pelo meu leitor casual e que provavelmente não aqui voltará à procura dela, mas aquele que agora apresento a negrito. Por hoje é tudo. Tenho três livros a pedirem palavras minhas por aqui e ainda não li nenhum. Ide às azeitonas e ponde uma, acabada de apanhar, na boca. Acreditavam os meus colegas de escola que após algum tempo apareceria gravada na casca a inicial da pessoa amada. Ide. Fazei. Lede. Se vos aprouver.

 

A Azeitona já está preta

A azeitona já está preta, a azeitona já está preta,
Já se pode armar aos tordos, já se pode armar aos tordos
Diz-me linda rapariga, diz-me linda rapariga,
Como vais de amores novos, como vais de amores novos.

É mentira, é mentira
É mentira, sim senhor
Eu nunca pedi um beijo
Quem mo deu foi meu amor!!!
É mentira, é mentira
É mentira, sim senhor
Eu nunca pedi um beijo
Quem mo deu foi meu amor!!!

Ai que lindo chapéu preto, ai que lindo chapéu preto
Naquela cabeça vai, naquela cabeça vai...
Ai que lindo rapazinho, ai que lindo rapazinho
Para genro do meu pai, para genro do meu pai...

É mentira, é mentira
É mentira, sim senhor
Eu nunca pedi um beijo
Quem mo deu foi meu amor!!!
É mentira, é mentira
É mentira, sim senhor
Eu nunca pedi um beijo
Quem mo deu foi meu amor!!!

Quem me dera ser colete, Quem me dera ser colete,
Quem me dera ser botão, Quem me dera ser botão,
Para andar agarradinha, Para andar agarradinha,
Juntinha ao teu coração... Juntinha ao teu coração...

Artigos da mesma série:
publicado por Manuel Anastácio às 22:11
link do post | Dizer de sua justiça | Quem disse o que pensou (2) | Adicionar aos favoritos
|
Domingo, 25 de Janeiro de 2009
Buscas pedidas: "Flor de Miosótis'"

Naquelas associações que aprendemos a papaguear na escola a respeito das cores, há uma associação frequente entre o azul e os miosótis. Se pedirem a alguém para dizer o nome de uma flor amarela, branca ou vermelha, os nomes variarão, embora, mais tarde ou mais cedo alguém pense em rosas. Mas, se pedirem o nome de uma flor azul, a escolha recairá quase invariavelmente nos miosótis. Mas poucas pessoas reconhecem os miosótis. Eu mesmo, que julgava que os sabia identificar, segui um longo caminho até os saber reconhecer. Todos começamos por aprender que são flores azuis. Não rosas.

 

 

As rosas azuis são sempre rosas brancas coloridas artificialmente, pondo corante azul na água que subirá pelos seus vasos condutores, por capilaridade. Qualquer pessoa o pode fazer. Mas há mais flores azuis. A da chicória-do-café, ou almeirões, por exemplo. Planta muito apreciada para saladas, em casa dos meus pais, misturada com batata cozida para suavizar o amargo da erva.

 

 

Outra flor azul, que em nada se relaciona com os miosótis para além da sua cor, são as chamadas viúvas (Trachelium caeruleum). Flor que é muito frequente nos muros que sobem em direção ao Bom Jesus de Braga, mas que, um dia, encontrei na minha terra natal, junto à Cruz Carril, lugar de fantasmas e bruxaria. Desconhecendo eu tal flor - que nunca mais por lá vi, julguei, nessa altura, que fossem estes os miosótis.

 

 

Mas não. Os miosótis têm as flores dispostas em espigas e não em umbela. Têm uma corola composta por cinco pétalas azuis. Mas isso não basta para ser miosótis. Como no caso dos olhos-de-gato (Pentaglottis sempervirens).

 

 

Ou no caso das flores de algumas espécies do género Omphalodes, como uma a que os ingleses chamam de Maria-de-olhos-azuis ou, ainda, miosótis-rastejantes, apesar de não serem verdadeiros miosótis.

 

 

Esses, os verdadeiros, pertencem ao género Myosotis., que inclui cerca de cinquenta espécies, como o miosótis-de-água (Myosotis palustris).

 

 

Ou o miosótis-do-campo (Myosotis arvensis) que, como muitos outros, podem até não ser azuis.

 

 

 Aliás, a flor de miosótis costuma distinguir-se dos falsos miosótis dos géneros Pentaglottis e Omphalodes pelo seu centro amarelo aureolado de branco, sobre fundo de pétalas azuis, enquanto que estes géneros costumam ter centros brancos. Mas se isso é verdade para os Pentaglottis sempervirens (Cinco-línguas sempre verde), já não o é para algumas espécies de Omphalodes, como o Omphalodes scorpioides.

 

 

Haverá, com certeza, alguma vantagem evolutiva nesta forma floral para que se repita, de forma convergente em tantas espécies geneticamente desavindas. O mesmo se passa, aliás, com o padrão de amarelo aureolado de branco sobre o azul pentapartido. Ouro sobre azul. Nunca entendi bem a origem da expressão. A Natureza parece que sim.

 

Carregar nas fotografias para mais informações e créditos fotográficos.

Artigos da mesma série: ,
publicado por Manuel Anastácio às 01:19
link do post | Dizer de sua justiça | Quem disse o que pensou (5) | Adicionar aos favoritos
|
Terça-feira, 20 de Janeiro de 2009
Buscas pedidas: O Bem e o Mal nos Contos de Fadas

"Fairytale" ("Shrek"), música de Harry Gregson-Williams, interpretada por Joseph M. Rozell.

 

A escrita para crianças deve focar, a nível da sua construção narrativa, as questões mais difíceis de entender ou de explicar por parte dos adultos. E deve fazer isso usando imagens que, por vezes, são particularmente cruéis, outras vezes oniricamente falsas e, muitas vezes assentes nos mais básicos estereótipos que, aqui, servem de símbolos a que não se deve retirar a sua força, a pretexto de não querer traumatizar os meninos. De nada nos serve querermos inculcar nas crianças mais jovens valores de tolerância relativista. O quadro mental inicial de uma criança é puramente maniqueísta e resume-se ao que é bom e ao que é mau. A pedagogia que subjaz, contudo, à maioria dos textos recentes para crianças aponta exactamente para o arredondar das arestas cortantes dos contos de antigamente. Para a proteção de um suposto mundo imaculado onde vive a criança. Isso é mau. Nascemos geneticamente preparados para enfentarmos a violência da nossa condição animal e humana, até porque nascemos já capazes das maiores violências sobre os outros, e é a educação que, gradualmente nos vai inserindo num pacto social de concórdia e tolerância. Não defendo, é certo, a violência como meio educativo (reguadas, vergastadas e bater com o cinto) - mas é um facto que a criança exige resoluções violentas para as suas angústias. A madrasta má deve sofrer de um fim mais sádico que aquele que a justiça deveria reclamar. Eram assim as histórias originais dos Irmãos Grimm. Hoje, a Gata Borralheira, mui cristãmente, perdoa à madrasta. Isso estará correto, com certeza, do ponto de vista de um adulto ou de uma criança já a caminho da pré-adolescência, mas é um erro que, por extensão, se julgue que também deve ser assim para quem o mundo é apenas uma sucessão de situações fantasmagóricas. É nesta fase que se deve apelar aos conceitos de bem e mal. É aqui que radicam todos os valores que a criança mais tarde desenvolverá. Usando a nomenclatura de Kieran Egan, ao modo somático de entender as coisas (dá prazer / dá dor) segue-se esta fase, o modo mítico de compreensão do Universo. Só depois se entra progressivamente na compreensão da realidade como coisa complexa, com os estádios romântico (em que se apreende a diversidade), filosófico e, finalmente, irónico (estádio a que já chegou a Manuela Ferreira Leite, mas não o comum dos portugueses). Como na velhinha teoria da recapitulação, que postulava que o embrião passava por todas as formas biológicas da sua árvore filogenética, e que sendo uma teoria refutada não deixa de ser útil para o nosso entendimento, também Egan postula que as nossas necessidades educativas passam por estádios que correspondem à evolução histórica da humanidade ou, pelo menos, da história das suas ideias (sempre no sentido da compreensão da complexidade dos fenómenos humanos). Ora, isso coloca alguns problemas interessantes: é lícito continuar a dizer que o mau era o lobo? Ou que o mau era muito feio, e que a bruxa tinha uma verruga no nariz? Ou que as personagens boazinhas são sempre bonitas? A minha opinião é: não, não é necessário, no caso das características dos seres humanos que não se prendem diretamente à sua bondade ou à sua maldade. Nestes casos é conveniente escreverem-se histórias em que os bons sejam feios (o caso do Shrek, no cinema, é um exemplo muito louvável, nesse sentido) ou em que as madrastas sejam boas ou, mesmo, que as madrinhas sejam más. O que importa, no que ao ser humano diz respeito, sempre, é a dicotomia bem / mal. Mas será sempre necessário apelar ao simbolismo dos elementos narrativos que devem ser facilmente reconhecidos como bons ou maus. É aqui que a fábula aparece como excelente meio de compromisso entre as necessidades de compreensão da criança e os pruridos do politicamente correto. O lobo pode perfeitamente ser exemplo de crueldade. Os valores ecológicos de preservação da biodiversidade não serão postos em causa pelo seu papel simbólico. Basta que as crianças não terminem a sua evolução no estádio mítico. Infelizmente, muitas terminam. E algumas até chegam a lugares cimeiros da administração pública.

Artigos da mesma série: , ,
publicado por Manuel Anastácio às 20:00
link do post | Dizer de sua justiça | Adicionar aos favoritos
|
Sábado, 3 de Janeiro de 2009
Buscas pedidas: "Que queria dizer Machado de Assis com 'olhos de ressaca'"?

Excerto da minissérie "Capitu", de Luís Fernando Carvalho. Absolutamente indispensável que uma televisão portuguesa a adquira e exiba. E já. [Ou talvez não... Ver comentários.]

 

Já foram muitas as vezes que entraram neste blogue à procura dos olhos de ressaca de Capitu, do romance "Dom Casmurro", de Machado de Assis. Creio que Assis não pretendia dar qualquer ambiguidade à expressão. Hoje em dia, o leitor médio, pouco habituado ao vocabulário marítimo, desconhece o que seja ressaca. Pensará, porventura, que aquela mulher tinha os olhos cansados de quem abusou do álcool na noite anterior, o que poderá, de certa forma, coadunar-se com o que é dito, também, a respeito do seu modo de ser oblíquo e dissimulado. Mas não. A palavra ressaca resulta da anteposição da partícula "re" ao verbo sacar. Trata-se, portanto, do acto de sacar algo de forma repetida. A expressão "saca e ressaca" aplica-se ao fluxo e refluxo das ondas do mar, e que tem como resultado a sucção, por vezes fatal, de objetos para o abismo das profundezas aquáticas. Hoje em dia, Machado de Assis bem poderia dizer que os olhos de Capitu eram como buracos negros, mas duvido que a imagem fosse tão eficaz. Os buracos negros podem ser mais fortes que o movimento das marés, mas pertencem aos conceitos que, ainda que se refiram a realidades factuais, não pertencem à esfera da experiência sensível de quem quer que seja. As imagens, na literatura, têm, geralmente, de apelar à realidade sensível, a não ser que se trate de literatura com pretensões metafísicas. E mesmo essa costuma necessitar de uma certa tradução sensorial.

 

Diz Machado de Assis:

 

Tinha-me lembrado a definição que José Dias dera deles, “olhos de cigana oblíqua e dissimulada”. Eu não sabia o que era oblíqua, mas dissimulada sabia, e queria ver se se podiam chamar assim. Capitu deixou-se fitar e examinar. Só me perguntava o que era, se nunca os vira; eu nada achei extraordinário; a cor e a doçura eram minhas conhecidas. A demora da contemplação creio que lhe deu outra idéia do meu intento; imaginou que era um pretexto para mirá-los mais de perto, com os meus olhos longos, constantes, enfiados neles, e a isto atribuo que entrassem a ficar crescidos, crescidos e sombrios, com tal expressão que...
Retórica dos namorados, dá-me uma comparação exata e poética para dizer o que foram aqueles olhos de Capitu. Não me acode imagem capaz de dizer, sem quebra da dignidade do estilo, o que eles foram e me fizeram. Olhos de ressaca? Vá, de ressaca. É o que me dá idéia daquela feição nova. Traziam não sei que fluido misterioso e enérgico, uma força que arrastava para dentro, como a vaga que se retira da praia, nos dias de ressaca
.

 

Assis faz uso de uma interessante apóstrofe ao evocar a Retórica dos namorados. E a Musa inspira-o com uma expressão de pura força física que, ainda por cima, se consegue traduzir de forma quase automática na linguagem obscura, mas tão recorrente, das "energias" e dos "fluidos misteriosos". O narrador não circunscreve o efeito do olhar de Capitu à atração física que provoca. A utilização da expressão é também utilizada, de forma magistral, como premonição de uma morte que se concretiza, literalmente, graças à ressaca marítima, ao mesmo tempo que funciona como leitmotiv mais ou menos explícito em todas as situações ambíguas que, em constante fluxo e refluxo, cobrem e descobrem a personagem de Capitu, até ao inevitável encerramento enigmático no abismo da eterna dúvida.

Artigos da mesma série: ,
publicado por Manuel Anastácio às 08:00
link do post | Dizer de sua justiça | Quem disse o que pensou (4) | Adicionar aos favoritos
|
Segunda-feira, 9 de Junho de 2008
Buscas pedidas: "Galos com o rabo muito grande"

 


Galos. Copyright desconhecido.

 

Mesmo não tendo eu muito tempo para escrever para o blogue, parece-me por bem responder ao pedido de alguém que entrou por aqui à procura de “galos com o rabo muito grande”. Lembrei-me, a este propósito, de um conjunto de fotografias sobre galináceos que a Ana Ramon me enviou. Não sendo estes dois os mais interessantes dos espécimes, são, pelo menos, aqueles que melhor arvoram uma cauda de respeito. Ainda assim, nenhum rivaliza, de facto, com o galo de Barcelos, ainda que o mesmo estivesse depenado, degolado e morto na altura em que cantou miraculosamente, provando a inocência do galego que terá, segundo a tradição, esculpido o cruzeiro onde é contada a História e em cujo verso estão duas (ou quatro) figuras que muito me intrigam e que merecerão artigo à parte, a seu tempo. Nesta parte da frente, além do crucificado, do enforcado e do juiz que acorre a salvá-lo do nó lasso que lhe atarda a morte, vemos o galo com um rabo de respeito, como bem seria do agrado do visitante que daqui saiu, com certeza, desconsolado. Pode ser que volte, quem sabe…

Cruzeiro do Galo de Barcelos, Museu Arqueológico de Barcelos, foto minha em  Creative Commons

 

Artigos da mesma série: ,
publicado por Manuel Anastácio às 22:34
link do post | Dizer de sua justiça | Adicionar aos favoritos
|
Quinta-feira, 7 de Junho de 2007
Buscas pedidas - 125 gramas de açucar quantas colheres de sopa são?
Ora, segundo a Maria de Lourdes Modesto, são 6 colheres de sopa rasas mais uma colher de chá.

125 g de farinha, por seu lado, são 10 de sopa. Sempre rasas. Mais uma de chá, mal cheia.

O sal grosso segue as mesmas medidas do açúcar, no que a colheres de sopa diz respeito, mas já não é directamente proporcional às outras medidas. Uma chávena de açúcar não pesa o mesmo que uma chávena de sal grosso - ainda que uma colher de sopa de açúcar pese o mesmo que uma colher de sopa de sal grosso. Mas como o sal é sempre que baste, esta é uma informação absolutamente inútil.
Artigos da mesma série: , ,
publicado por Manuel Anastácio às 18:26
link do post | Dizer de sua justiça | Quem disse o que pensou (1) | Adicionar aos favoritos
|
Segunda-feira, 4 de Dezembro de 2006
Buscas (des)pedidas: "Veneno para andorinhas"

Andorinhas num ninho - foto de Immanuel Giel (2004), em GFDL

Alguém entrou no meu blogue à procura de "veneno para andorinhas". E isso é como entrar no Blogue do Gandhi à procura de actos de terrorismo para atingir determinados fins. Eu sei que a primeira coisa que temos de saber sobre todas as ferramentas informáticas é que são, essencialmente, burras, mas há limites. As andorinhas são, de todas as aves que marcam o nosso tempo cíclico europeu, aquelas que melhor encarnam a poesia da fecundidade e da vida. Para não falar na quantidade astronómica de moscas a que nos poupam. Está bem que cagam as paredes todas, abaixo dos beirais onde decidem colocar os seus ninhos de lama. Está certo que os montes de esterco que se formam nas varandas, repletos de exosqueletos quitinosos, não são agradáveis de ver. Mas será tão mais difícil limpar o chão do que colocar veneno em pontos estratégicos para que estes benévolos seres deixem de conspurcar as lindas superfícies brancas, tão caras à arquitectura moderna? Aproveito o momento para retomar a minha reflexão sobre o Kitsch. Querer matar andorinhas porque estas cagam paredes (não concebo outra razão para querer assassinar estes arautos da Primavera) é, na pior acepção da palavra, o extremo do Kitsch. Algum arquitecto, daqueles que detestam amores-perfeitos, dirá que as andorinhas é que são Kitsch e que só a Floribella se lembraria de as defender. Pois bem, vou socorrer-me das palavras de Milan Kundera para sustentar que as andorinhas têm todo o direito de marcarem com listas de merda as lindas maquetes dos nossos arquitectos (incluindo os "arquitectos" conhecidos como "desenhadores"), a bem do bom gosto e do bom senso - e da inteligência.

No capítulo 3 da sexta parte de "A Insustentável Leveza do Ser", depois de o narrador expôr as suas apreensões infantis quanto  ao pensamento blasfemo de imaginar Deus Nosso Senhor (feito à nossa imagem - desculpem, é ao contrário, enganei-me) com intestinos, este diz:

"Os gnósticos antigos sentiam-no tão claramente como eu, aos cinco anos. Para acabar de uma vez por todas com este maldito problema, Valentino, gão-mestre da Gnose do século II, afirmava que Jesus 'comia, bebia, mas não defecava'.

A merda é um problema teológico mais difícil do que o mal. Deus ofereceu a liberdade ao homem e, portanto, pode admitir-se que ele não é responsável pelos crimes da humanidade. Mas a responsabilidade pela existência da merda incumbe àquele que criou o homem, e só a ele."

O capítulo 4 é interessante, e remete para a relação entre teologia e escatofilia e dará tema para uma postagem futura. Passemos ao capítulo 5:

"Todas as crenças europeias, sejam elas religiosas ou políticas, têm por detrás de si o primeiro capítulo do Génesis, do qual se infere que o mundo foi criado tal como devia ser, que o ser é bom e, por consequência, que procriar é uma coisa boa. Chamemos a esta crença fundamental acordo categórico com o ser.

Se, ainda recentemente, a palavra merda era substituída nos livros por três pontinhos, não era seguramente por uma questão de moral. Apesar de tudo, ninguém pode pretender que a merda seja imoral! O desacordo com a merda é metafísico. O instante da defecação é a prova quotidiana do carácter inaceitávelda criação. Das duas, uma: ou a merda é aceitável (então porque é que se fecham na casa de banho?) ou a maneira como nos criaram é que é inadmissível.

Daqui se infere que o acordo categórico com o ser tem como ideal estético um mundo onde a merda é negada e onde todos se comportam como se ele anão existisse. Esse ideal estético chama-se kitsch.

É uma palavra alemã que apareceu em meados do século XIX, sentimental, e que depois se vulgarizou em todas as línguas. mas a sua utilização frequente fê-la perder todo o valor metafísico original: o kitsch é, por essência, a negação absoluta da merda; tanto no sentido literal como no sentido figurado, o kitsch exlui do seu campo de visão tudo o que a existência humana tem de essencialmente inaceitável."

O desejo de se viver em ambientes controlados e assépticos é velho para o ser humano. Aliás, o ser humano é, talvez, a única espécie que evoluiu graças a uma involução no que diz respeito a habilidades físicas em decorrência da sua escolha voluntária em modificar o meio em vez de aceitar a ditadura do meio no que diz respeito à sobrevivência. Em vez de sobreviver o mais forte, devido ao sentimentalismo humano, preferiu-se providenciar meios para que os mais fracos pudessem vingar e procriar. E isso só é possível isolando os mais fracos  dos perigos que o meio natural comporta. A arquitectura moderna lida com o problema de duas formas: uma, mais reflexiva e crítica, consubstancia-se na alegoria de "Os Prisioneiros Voluntários da Arquitectura", que integra o volume  "S, M, L, XL" de Rem Koolhaas - outra, mais pragmática, consiste no New Urbanism. No primeiro caso, pretende-se expor a nossa humanidade à aterradora visão de um Admirável Mundo Novo onde tudo decorre de forma limpa e organizada para que, paradoxalmente, compreendamos que o extremo da limpeza é a maior das badalhoquices. No segundo caso, quanto a mim, mais aterrador, porque não consiste em ficção, trata-se de aceitar-se explicitamente a condição de figurante num filme de Walt Disney. E isso implica, no mundo real, matar andorinhas para as substituir por um sucedâneo de plástico. Claro que os sucedâneos de plástico não migram (boa: não disseminam a gripe das aves!) logo, deixando de anunciar as estações, deixam de constituir um dos elos de ligação entre homem, habitante do tempo linear, e a Natureza, mansão do tempo circular. O elemento figurativo "andorinha" passa a ser apenas uma referência a um mundo do qual apenas se quer filtrar aquilo que parece belo.

Quando era pequena, a minha mãe julgava que as "senhoras finas" não cagavam. Quando eu era pequeno, ouvi dizer que as andorinhas eram "as galinhas de Nossa Senhora". Aprendi que quando estas voavam a rasar o chão, muitas vezes em direcção a mim, estavam a adivinhar chuva. Eram animais sagrados. Até que vi uma funcionária da escola, com uma vara, a destruir os ninhos dos beirais. Por uma razão de higiene. Desde essa altura que tenho pó à palavra higiene. Nada contra o sabão,  a água e o desodorizante: mas higiene... faz-me lembrar o cheiro gélido dos hospitais, batas brancas e muita lixívia. Veneno. Prefiro um monte de cocó de andorinha na varanda, para limpar. Faz-me lembrar que nem tudo está, ainda, perdido. Por vezes é preferível remediar a prevenir.
Artigos da mesma série:
publicado por Manuel Anastácio às 00:50
link do post | Dizer de sua justiça | Quem disse o que pensou (5) | Adicionar aos favoritos
|
Domingo, 1 de Outubro de 2006
Buscas pedidas: "histórias infantis sobre o outono"

Outono em Akiyamago, foto de Kropsoq (em GFDL e Creative Commons Atribuição - Compartilhamento pela mesma licença 2.1 - Japão)

Houve uma, primeira, a espreitar o sol da Primavera, espreguiçando-se no seu botão apertado. Nessa altura, olhava com tristeza para os ramos desolados da árvore onde nascera, invejando os ramos verdes dos pinheiros que via ao longe. Demorou um dia até que outras se espreguiçassem e, enrugadas, a olhassem, invejando a sua cor verde escura e o seu colar de orvalho. Eram todas muito invejosas. Não falavam entre si, cada uma a lutar por um raio de sol mais a jeito, sobrepondo-se umas às outras, sem se importarem com as dos ramos mais baixos, que murmuravam contra a escuridão a que estavam condenadas. Na sua ignorância, invejavam tudo. Ficavam até furiosas quando viam que os pulgões preferiam consumir até à última gota a folha do lado, julgando que a escolha se devia à falta de doçura da sua própria seiva e olhavam para o outro lado, despeitadas. Olhavam com inveja para a melada com que os pequenos insectos pretos cobriam as irmãs, salpicadas com as cascas que estes iam despindo e abandonando, à medida que cresciam e se reproduziam à conta do trabalho das suas frágeis manitas. Estas, cada vez mais fracas, invejavam o corpo liberto das irmãs saudáveis, julgando que o seu silêncio era apenas sinal de vaidade. Assim, deixavam-se morrer lentamente, sem nada esclarecer, em silêncio. Quando o vento as abanava, contudo, parecia que as invejas se dissolviam no ramalhar conjunto dos ramos. Sem que cada uma deixasse de ser quem era, só a árvore passava a ser verdadeiramente. Só a árvore, maior que elas, lhes perdoava a sua pequenez, enquanto abanava os ramos. Porque elas julgavam, nessa altura, que era a árvore que estava zangada. E que lhes ralhava:

- Entendam que são iguais!... Entendam que a doçura que em vós nasce é partilhada por todas, para que, de vós, nasçam frutos e sementes!...

...Era um ralhar doce. Enquanto oscilavam em conjunto, esqueciam as suas pequenas diferenças. As suas diferentes moradas em diferentes ramos tornavam-se uma só morada, um só ramo, numa só folha. E faziam música com o seu próprio silêncio. E entendiam. Até que o vento amainava e cada uma voltava ao seu lugar e à quietude do seu ramo. Olhavam, então, à volta. E esqueciam-se. Olhavam para o corpo esburacado da folha de baixo, onde uma lagarta verde a devorava sem piedade. Invejavam, então, o rendilhado do verme, enquanto a folha esburacada invejava a linha perfeita e inteira das outras. Os frutos, entretanto, amadureciam.

Com o tempo, chegou a moda dos amarelos e castanhos. Algumas, invejosas, perdiam o verde de inveja e coravam-se de dourados brilhantes ou de vermelha vaidade, ainda que lhes doesse a transformação. Consumiam-se nesta corrida. Sentiam o seu pé a fraquejar, junto ao ramo, mas não desistiam. Sentiam-se doentes e inúteis - a seiva parara de correr do seu corpo em direcção aos frutos, já maduros e cheirosos - mas a sua vaidade nunca fora tão acesa.

Até que os ventos voltaram a acariciar os ramos. E começaram a cair uma após outra. Enquanto se afastavam do seu ramo e rodavam, no ar, em conjunto com outras folhas, de outros ramos ou doutras árvores, ainda tentavam pedir perdão pela sua arrogância. Mas, neste tempo todo, não tinham aprendido, sequer, a falar. Nem a ouvir o mesmo grito no silêncio da queda das outras.

Nota: Não sei se é uma história infantil (o que será uma história infantil?), mas foi o que consegui fazer, a pensar num leitor que, talvez, não volte aqui...
Artigos da mesma série: ,
publicado por Manuel Anastácio às 13:59
link do post | Dizer de sua justiça | Quem disse o que pensou (4) | Adicionar aos favoritos
|
Sábado, 30 de Setembro de 2006
Buscas pedidas: foto do escritor wilhelm meisters lehrjahre

Retrato de Goethe na Campânia, em 1787, por Johann Heinrich Wilhelm Tischbein (1751 - 1829)

Sei que é maldade troçar da ignorância dos outros, principalmente quando ignorância é algo que não nos falta. Mas confesso que tenho, por vezes, o pouco edificante hábito de me rir com os disparates dos outros. É impossível, quando estou a corrigir um teste, não me rir com a existência de vida na "Drodisfera" ou quando fico a saber que "o sangue venoso é mais venenoso que o sangue arterial". Lembro-me de um aluno que indicava como uma das razões para as invasões francesas, o facto de "o Cavaco Silva ter comido as ovelhas todas". Ou aquele que, depois de ter consultado o dicionário Português - Inglês, escreveu  "I like spoon flowers" (querendo dizer "gosto de colher flores") ou "My sister flame Mary" ("A minha irmã chama-se Maria") ou, ainda, aquele que disse que os gâmetas masculinos eram os espera tomate zóides. Sei que é feio rir dessas coisas. Da mesma forma, alguém procurou, por estas bandas, pela foto do escritor Wilhelm Meisters Lehrjahre. Que não me acusem apenas de registar o disparate: não houve qualquer escritor com este nome, mas um romance (Bildungsroman ou "romance de formação"), de Johann Wolfgang von Goethe , cuja tradução para português é "Os Anos de Aprendizagem de Wilhelm Meister" (publicação em Portugal, em três volumes, pela "Relógio d'água", com tradução de Paulo Osório de Castro). É nesse romance que aparece um poema que me é particularmente caro e que traduzi há já algum tempo, "O país dos limoeiros". Não é possível, portanto, apresentar qualquer retrato (menos ainda, foto) de Wilhelm Meister, mas fica, ali em cima, a do autor.
Artigos da mesma série: ,
publicado por Manuel Anastácio às 12:38
link do post | Dizer de sua justiça | Quem disse o que pensou (2) | Adicionar aos favoritos
|
.Nada sobre mim
.pesquisar
 
.Março 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
.Artigos da mesma série

. notas

. cinema

. livros

. poesia avulsa

. só porque

. política

. curtas

. arte

. guimarães

. música

. estupidez

. traduções

. wikipédia

. religião

. poesia i

. gosto de...

. ono no komachi

. narrativas

. tomas tranströmer

. buscas pedidas

. plantas

. arquitectura

. blogues

. enciclopédia íntima

. blogs

. braga

. fábulas de esopo

. as quimeras

. gérard de nerval

. carvalhal

. animais

. cultura popular

. disparates

. Herbário I

. poesia

. póvoa de lanhoso

. estevas

. pormenores

. umbigo

. bíblia

. ciência

. professores

. vilar formoso

. barcelos

. cinema e literatura

. coisas que vou escrevendo

. curtíssimas

. Guimarães

. rádio

. receitas

. ribeira da brunheta

. teatro

. vídeo

. da varanda

. economia

. educação

. família

. leitura

. lisboa

. mails da treta

. mértola

. Música

. os anéis de mercúrio

. cachorrada

. comida

. cores

. dança

. diário

. direita

. elogio da loucura

. escola

. esquerda

. flores de pedra

. hip hop

. história de portugal

. kitsch

. memória

. ópera

. profissão

. recortes

. rimas tontas

. sonetos de shakespeare

. terras de bouro

. trump

. Álbum de família

. alunos

. ângela merkel

. arte caseira

. aulas

. avaliação de professores

. ayre

. benjamin clementine

. citações

. crítica

. ecologia

. edgar allan poe

. ensino privado

. ensino público

. evolucionismo

. facebook

. todas as tags

.O que vou visitando
.Segredos
  • Escrevam-me

  • .Páginas que se referem a este site

    referer referrer referers referrers http_referer
    .Já passaram...
    .quem linka aqui
    Who links to me?
    .Outras estatísticas
    eXTReMe Tracker
    blogs SAPO
    .subscrever feeds