.Últimos bocejos

. Das couves

. Viagens ao fundo da escad...

. Viagens ao fundo da escad...

. Viagens ao fundo da escad...

. Vendo a noite por um canu...

. Gosto de... museus

. Gosto de... Guimarães

. Vénus reflectindo sobre o...

. Aves e ovídios

. São Longuinhos do Bom Jes...

. Pormenores - Pia Baptisma...

. Pomenores - O músico do p...

.Velharias

. Agosto 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Agosto 2016

. Maio 2016

. Janeiro 2015

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Janeiro 2006

. Novembro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Março 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

. Dezembro 2003

Quinta-feira, 10 de Novembro de 2011
Das couves

Graças à Ana Ramon, que me mandou o artigo a que faço referência no post anterior, dei de caras com uma couve que me dizia alguma coisa. As couves têm, no Reino das Plantas, o desprezado lugar da burrice que, no Reino dos Animais, é reservado às galinhas. Diz-se de uma pessoa que está em coma que está como uma couve, ou que se reduz ao estado de uma couve. Poderia agora discorrer sobre a capacidade, comprovada cientificamente, de as couves, como outra planta qualquer, comunicar com outras plantas da mesma espécie. Não comprovado cientificamente, mas bem capaz de ser possível, será a sua capacidade de comunicar com outros seres vivos que com elas interajam interespecificamente (afídios, lagartas da borboleta-das-couves, moscas-brancas, ervas de toda a espécie e bactérias alojadas nas raízes, incluindo as que fazem o tão detestado "potro" que se manifesta com a formação de tubérculos nas raízes das mudas jovens de couve ratinha que os meus pais rejeitavam e que eu, caridosamente, plantava num canto da horta e, não raramente, davam boas folhas durante um ano ou dois). Também podia discorrer sobre a falsa burrice das galinhas, especialmente dos pintainhos que parecem ter capacidades paranormais, se for a acreditar nos livros da coleção "Labirinto" das Edições 70. Mas quando a Ana Ramon me enviou um mail sobre as virtudes nutritivas da couve-galega (que na minha terra é couve-ratinha), quando abri o link derramou-se sobre os meus olhos uma imagem familiar. A imagem não dizia: "foste tu que me fizeste". Tirar uma fotografia tem pouco de autoria, que me desculpem os fotógrafos. É apontar e disparar. Eu sei que o ângulo, a luz e tudo o resto conta e transfigura a realidade natural em objeto artístico, mas não é disso que agora quero falar. Aquela couve falava comigo por si mesmo. As suas folhas azuladas (eu sei que eram azuladas, mas a Gláucia alertou-me novamente, e de forma terna e cúmplice para esta peculiaridade), o fundo repleto de japoneiras (que é como aqui se chama àquilo que na minha terra natal apenas é designado de "camélias") e o muro com aspeto de muralha castreja dizia-me que, por alguma razão, estava no quintal dos meus sogros, de onde se vê Braga por um canudo. Era uma couve já de mais de dois anos ou perto disso, de onde já se tinha tirado muita folha para sopa, para galinhas e coelhos, sem falar nos "netos" que são os rebentos que vão crescendo ao longo do longo do caule e com os quais se fazem um belo e bracarense arroz de netos (ao modo das sensaboronas couves de bruxelas, mas sem formar bolinhas). Ao ler os comentários do artigo, contudo, descobri muita gente a dizer que a fotografia não era uma couve galega. E o meu sangue começa a ferver perante disparates, sejam eles do foro político, estético, filosófico ou botânico. Aquilo é e sempre foi uma couve galega. Mas havia gente a dizer... imagine-se o absurdo, que era uma couve-lombarda! Aí apeteceu-me rebentar. Até que, entre os comentadores, alguém que assinou por "Zé das Couves" disse: "será que sou o único aqui a saber o que é uma couve-galega? Aquilo é uma couve-galega!". Muito agradecido fiquei ao Zé por tão preclara sabedoria. Fiquei a saber, depois, que a minha amadora fotografia foi uma segunda escolha do pessoal do Público. Ao que parece, puseram lá, em primeiro lugar, antes das críticas da acéfala multidão da internet, uma couve-lombarda belissimamente fotografada por um fotógrafo que ganha algum a disparar flashes, o que não é o meu caso. As minhas fotografias, boas ou más, são de toda a gente e toda a gente as pode utilizar para o que bem quiser sem me dar um centavo (já que vamos voltar aos dracmas é melhor readaptar a linguagem). As dos fotógrafos profissionais são protegidas por direitos de autor.  Pois, a couve-lombarda podia ser muito bonita, mas não era uma couve-galega. Os jornalistas, coitados, lá tiveram de recorrer à Wikipedia e, não tendo melhor, porque os fotógrafos profissionais não gostam de couves-ratinhas, lá tiveram de utilizar a minha soberba couve-galega-ratinha do quintal dos meus sogros, soberba não à conta do meu mérito de fotógrafo, mas à conta do seu mérito de resistente exemplar de esguia generosidade. Mas continuo orgulhoso. Ser segunda escolha não é de desprezar, quando somos a escolha acertada.

Artigos da mesma série: , , , ,
publicado por Manuel Anastácio às 21:32
link do post | Dizer de sua justiça | Quem disse o que pensou (2) | Adicionar aos favoritos
|
Sábado, 27 de Novembro de 2010
Viagens ao fundo da escada - Travassos, Póvoa de Lanhoso (3): De como a morte me mostrou a filigrana com que tudo se desenha.

Há no trabalho de moldar o ouro a angústia de cada átomo que se perde só de tocar naquela matéria amarela com que se moldam os sonhos. Francisco de Carvalho e Sousa, de Travassos, sabe bem que varrer o chão não é a simples tarefa que a tradição do macho luso impõe às mulheres ou às carochinhas das histórias. Varrer o chão de uma oficina de ourivesaria é a repetição da dolorosa procura de migalhas imperceptíveis de sol com que as minúsculas pepitas iniciaram o seu percurso de objecto arrancado das trevas da Terra para as trevas da cobiça humana. Bela palavra: trevas. Li-a pela primeira vez numa Bíblia que fui lendo durante as Férias. Eu lia muito durante as Férias. Mas lia mais quando não estava de Férias porque, nas Férias, tinha de trabalhar. Entre a poeira que se intrometeu nas páginas, sacras ou não, que ia lendo, não havia pepitas de ouro. Só cimento, lascas de madeira e ferrugem de pregos das obras a que, tão bem apelidadas, se dá o nome de toscos. O trabalho de Francisco de Carvalho e Sousa nas Férias, pelo contrário, de tosco nada tinha. Por razões diferentes das minhas, ou talvez nem tanto, o Senhor que permitiu a abertura deste Museu foi espoliado, na infância, da Magia da palavra Férias, mas, ao contrário de mim, trocou uma Magia por outra. Enquanto eu procurava a Magia que me faltava nos baldes de argamassa nas páginas da Bíblia ou de algo tão diferente como "A Dama das Camélias" ou a "Guerra e Paz", sem contar com imensos volumes de Enid Blyton, Francisco, sem o saber, lia Tolkien e ouvia a Tetralogia do Poder à medida que esticava o fio de ouro com um impressionante tronco de tortura exposto na primeira sala, aberta para a luz, seguindo a mesma orientação espacial de todas as oficinas, novas ou antigas, de Travassos. Aqui desenvolveu a arte da filigrana de quatro fios. Como os quatro cantos do Mundo ou os quatro evangelistas. Número instável, ao contrário do três, daí as discordâncias no texto sagrado. Eram de prata e não de ouro as moedas que levaram Judas à morte. Por enforcamento, diz Mateus; de cabeça rachada e tripas à mostra, diz Lucas, noutro escrito pós-evangélico. Eram de prata, contudo,as moedas da traição. O ouro seria mal empregue para tão barata mercadoria. Não sei como se entrançam os quatro fios da concórdia solar de Francisco de Carvalho e Sousa. Mas o Museu, simpático, sem as ostentações que o seu nome poderá fazer imaginar a quem deseje a matéria quando, aqui, o que conta é o ofício, abre-se em janela para aquilo que um dia será um mundo sem crianças espoliadas da palavra férias. Porque o Museu, em vez de valorizar o ouro, valoriza o mestre, o artesão, o trabalhador, o artista, e quando estes são valorizados, as crianças passam a ter o direito a serem crianças. É sempre a vil cobiça dos donos do ouro que desvaloriza o trabalho humano, que, de parca valia, se socorre dos mais fracos braços e dos mais contrariados passos. Os pais de Francisco não o queriam por aí aos perdidos, pelos caminhos. Havia, talvez, uma intenção pedagógica que, diga-se de passagem, resultou em amor por tal trabalho. Com quatro fios se entraçaram corações nesta oficina e com quatro fios sempre haverá quem deseje entrançar mais. Ao valor da raridade do metal, nascia aqui o valor artístico coberto pela pátina escura da tradição. E, num mundo onde o valor das coisas decresce à medida que devia aumentar, perante o gasto absurdo e desregulado de recursos do planeta que caem directamente na fossa daqueles que compram sem, sequer usufruir para além do inefável prazer de apenas possuir, não temos outro caminho senão o de valorizar o estilo de um povo, de um lugar, tornando cada objecto transaccionável numa mensagem que precisa de ser decodificada, lida em profundidade, como que em busca de pepitas minúsculas de pureza no seio da sujidade. O maior problema ecológico advém da incapacidade do ser humano médio em usufrir das coisas para além de breves segundos. A abundância de bens consumíveis contrasta com a brevidade da vida e, por isso, corremos atrás de todos os livros, todos os filmes, todas as notícias, todos os jogos de computador, todas as canções, todas as piadas, todas as perversões, todos os crimes. Tudo. Queremos tudo quando nada nos é dado para sempre, a não ser que o sempre seja transmutado a partir de cada momento. Mas isso implicaria paciência, rotina, disciplina, coisas que, pouco humanas, poderá ser verdade, não conduzem a uma melhor humanidade, mas conduzem, com certeza, a uma humanidade mais perdurável e consciente. Mas ninguém quer coisas duráveis (a não ser ouro e diamantes) e, muito menos, consciência. A consciência dói. Já basta nascer para saber o que é doer. E, assim, sabendo-se que o narcótico da morte é inevitável, andamos a fingir que não e, na melhor das hipóteses, saboreamos sucedâneos prematuros. Na pior das hipóteses, convocamos a mais certa das companhias antes que venha de sua livre vontade. Seja como for, ao morrer arrependemo-nos sempre de qualquer coisa.

Artigos da mesma série: ,
publicado por Manuel Anastácio às 11:32
link do post | Dizer de sua justiça | Quem disse o que pensou (2) | Adicionar aos favoritos
|
Quarta-feira, 27 de Outubro de 2010
Viagens ao fundo da escada - Travassos, Póvoa de Lanhoso (2): como ao entrar no museu fui assaltado por vozes demoníacas que me queriam afastar da verdadeira fé da indissociabilidade entre a forma e o conteúdo, e como resisti a tais tentações (...)

(...) apenas destinadas a engrossar as fileiras de outras estéticas infernais, em nome do Ouro Nosso Senhor, Ámen

 

Estou eu a entrar no pequeno pátio que ladeia a Casa de Alfena, um belo edifício do século XVIII utilizado actualmente como unidade de Turismo de Habitação, antes de entrar na oficina de ourivesaria, quando um espírito de outro lugar me sussura que estilo e conteúdos são coisas diferentes. Não se trabalham nesta terra os diamantes. As minhotas, desde os tempos castrejos (eventualmente, antes, seriam muito provavelmente os minhotos, mas essa é outra história) usam ouro e não diamantes. Mas os diamantes dão-me o mote para o desenvolvimento daquilo em que penso, ainda antes de entrar no Museu do Ouro, arriscando-me a, tal como duas personagens do Tristram Shandy, levar uma eternidade a descer uma escada - eu demorarei o tempo que for preciso a pagar o ingresso no Museu, já que são os diamantes que agora me ocupam o pensamento. Um diamante e um pedaço de grafite, aquele mineral que está dentro dos vulgares lápis que os meninos levam para a escola, são duas formas do mesmo material. Ambos são constituídos por átomos de carbono. O conteúdo é o mesmo? Não. Um é um diamante, outro é um material de rápido desgaste. O conteúdo não é o mesmo, ainda que a matéria seja a mesma. Aquilo a que chamamos estilo não é mais que a disposição das coisas de modo a produzir um outro conteúdo com uma matéria que, disposta de outra forma, dá outro conteúdo. Posso descrever a minha entrada no Museu do Ouro apenas com as informações típicas de um roteiro turístico e acrescentar o preço dos bilhetes de várias formas. Posso ser sucinto e objectivo. Mas posso também transformar a tabela de preços num poema, se assim me apetecer; ou posso ainda reflectir, a partir do preçário, a respeito das políticas de turismo e de apoio à cultura. O conteúdo é o mesmo? Não. É certo que, ao fazer a crítica do preçário estou a acrescentar matéria à matéria inicial, o que, inevitavelmente dará outro conteúdo. Mas pensemos agora na oficina. O ouro é lá trabalhado e transformado de um corpo amorfo, em primeiro lugar, num fino fio de arame que será a matéria prima da filigrana. Continua a ser a mesma matéria. É o mesmo conteúdo? Não creio. Há uma forma associada que transformou aquele material noutra coisa - com ouro amorfo não se pode fazer filigrana, com o arame fininho, já se pode. A forma deu à mesma matéria uma outra função, uma outra finalidade. O objecto não é o mesmo, logo, o conteúdo também não é. Com o arame pode-se fazer um coração minhoto ou, sabe-se lá, uma flor. A matéria é a mesma - ouro. Pode-se dizer o mesmo do conteúdo? Não. A minha perspectiva é que a forma altera radicalmente o objecto, modificando-lhe o uso e a percepção que dele se tem. A forma, o estilo, é parte do conteúdo. Não é separável. É impossível lermos o mesmo conteúdo com estilos diferentes. Alguém que conte os Lusíadas em forma de narrativa jamais poderá, na minha opinião, dizer que o conteúdo é o mesmo. Note-se, aliás, que aquilo que foi escolhido para ser contado nos Lusíadas, isto é, a matéria prima do que é narrado, esteve sempre dependente da forma poética utilizada pelo autor. A fonte dessa matéria, a mina onde repousam os conceitos, é a história da humanidade, a história de Portugal, a mitologia grega, a ciência da época, e por aí fora. Mas até a escolha da matéria foi condicionada pela forma. Ao falar da Lua, o poeta diz "com três rostos, debaixo vai Diana". Se dissesse que o astro que se seguia era Lua, que apresenta quatro fases (uma das quais não é visível) - o conteúdo não era o mesmo, ainda que a matéria fosse, parcialmente, a mesma. É que para dar o verso pretendido, o poeta foi buscar uma pepita de outro metal a outra mina: à da mitologia romana, enquanto que, em linguagem escorreita e sem artifícios poéticos, cingindo-se à descrição astronómica, a Lua jamais seria identificada com a deusa da caça. A forma, o estilo, transformou a mesma mensagem de base num conteúdo diferente, num objecto diferente. É a diferença entre uma jóia e um pedaço de carvão, tenha sido a Natureza ou o homem a dispor as coisas num ou noutro sentido. Mesmo que consideremos que o conteúdo é o assunto, ficamos na dúvida com tal palavra. O que é o assunto: o metal usado ou a mina de onde vem? Na minha perspectiva, é a mina. E ao lermos algo que trata do mesmo assunto em estilos diferentes estaremos a ler conteúdos diferentes, ainda que os referentes sejam próximos. A mina de onde saiu o ouro para fazer o colar da Academia pode muito bem ter dado o ouro para fazer o coração em filigrana que está no piso superior do museu onde vou entrar ou a talha dourada de uma igreja que visitarei um dia destes, mas o conteúdo não é o mesmo. Aliás: nem a matéria, que apenas pertence à mesma classe de coisas. Mas quem fala de palavras tem sempre pano para mangas, mas com o qual se poderá também fazer colarinhos - o mesmo tipo de matéria, conteúdos diferentes. Mas, em pleno Vale do Ave, a indústria têxtil terá de ficar para outra altura. A literatura de viagens só não é literatura quando dispõe as pepitas sem as transformar em filigrana. O autor de um livro de viagens pode ser um simples garimpeiro, claro, mas há quem tenha o toque de arrancar jóias perfeitas dos caminhos que trilha. Aliás: todos os livros são livros de viagens, bem vistas as coisas.

Coração minhoto de filigrana. Museu do Ouro, Travassos, Póvoa de Lanhoso. Foto de Luís Santos.

Artigos da mesma série: ,
publicado por Manuel Anastácio às 22:18
link do post | Dizer de sua justiça | Quem disse o que pensou (1) | Adicionar aos favoritos
|
Terça-feira, 26 de Outubro de 2010
Viagens ao fundo da escada - Travassos, Póvoa de Lanhoso (1)

Não há metal mais mal gasto nem menos gasto que o ouro. No Brasil, a expressão "lavar a égua" significa ter grande proveito em qualquer actividade que se empreenda. Na zona de Minas Gerais, conta Joaquim Magalhães de Castro num livrinho de viagens que ganhei de graça num passatempo promovido pela sua editora, os mineiros eram obrigados a rapar o cabelo e a sairem nus das minas de ouro, não fossem eles levar alguns gramas de pepitas de ouro nas pilosidades naturais ou artificiais anexas ao templo da sua alma. Acontece que as éguas, coitadinhas, não precisavam de ser rapadas, pelo que havia sempre a possibilidade de, entre a pilosidade da pileca, passarem algumas poeiras áureas. Aquele que ficasse incumbido de lavar a égua tinha, por consequência, a possibilidade de recolher a água que dela escorresse e, dessa água e parca lama, extrair as microscópicas migalhas de ouro, também chamadas de pepitas e que não são mais que pequenas escamas de caspa do nosso planeta, que já deve ter amaldiçoado a hora ou o século em que tal matéria nele surdiu a imitação da cor do sol. As pepitas do tamanho de nozes, que os livros do Patinhas, da Editora Morumbi, nos impingiam não existem na realidade. Para fazer a magrinha aliança que tenho na mão direita, muita poeira teve de ser dissolvida no venenoso mercúrio, prenúncio do venenoso caminho que o ouro seguirá, daí para a frente. Seja na talha dourada que nos conforta a fé ou o simples deleite visual, seja no colar da Imortalidade com que a minha querida amiga Gláucia Lemos foi recentemente e merecidamente honrada, há um todo caminho de dor, de cobiça e de inevitável desgraça. Da mesma forma, quando me extasio perante uma pedra ricamente lavrada ao modo flamejante da arquitectura gótica, ou perante a obra de arte, tosca, do granito escavado de uma igreja românica, sei que me extasio perante a dor de quem a lavrou com os dedos em sangue. Há nas coisas belas, sempre, um abismo de dor. Não me conformo com isso. Beleza haverá sempre nos gestos, nos sons e nas palavras com que gravaremos sempre a dor de existir. Pior é, e será, se nos conformarmos com a dor daqueles que dão à luz a beleza que os seus próprios olhos jamais conseguirão distinguir da narcótica beleza da bebedeira com que se disfarça a insuportável obrigação de manter a vida para o gáudio de outros. Sei que jamais poderei viajar fazendo disso a minha vida. Mas ao ler o livro do Joaquim Magalhães de Castro "No Mundo das Maravilhas", em que este se limita a cumprir um roteiro quase turístico (ainda que com alguns percalços de aventureiro pelo meio) pelas Maravilhas de Origem Portuguesa no Mundo, senti-me tão desencantado como a Gerana, acérrima detractora deste género de não-literatura. É que, de facto, os livros de viagens não são literatura. São relatos para aqueles que não poderão fazer o mesmo, criando uma sensação que substitui a experiência de uma viagem de facto, ao permitir ao viajante de sofá a inserção de pormenores contextuais no seu imaginário. É um tipo de ersatz, tal como a verdadeira literatura, mas com uma função diversa. Ambas as formas de escrita são subjectivas, não é aí que reside a diferença. A literatura serve-nos a realidade condensada em algo que, ao visar o transcendente ou o sublime (inalcançáveis, a não ser a um nível íntimo e intransmissível) nos liga à vida ou a possíveis sentidos para a vida, seja por via do absurdo, da alegoria ou da apologia, seja na forma de poesia ou ficção, seja ao nível de um romance proustiano seja à superfície da turva qualidade de um romance de Danielle Steel, seja na clara e imediata mensagem de uma quadra de António Aleixo, seja nos enigmas órficos de Herberto Hélder. Isso é literatura, tal como as viagens de Alice no País das Maravilhas ou as viagens de Gulliver (maus exemplos, já que ambos tratam de viagens imaginárias). A Gerana chama-lhe estilo. Eu chamo-lhe conteúdo. A literatura de viajens não é literatura porque se limita a contar coisas e a tapar buracos naquilo que poderemos saber a partir das enciclopédias e livros de História e Geografia. Tapar buracos? Claro. É que se no Google e na estante podemos passar de Ouro Preto para a Bahia de Todos os Santos sem grandes percalços, na realidade temos os transportes ou a falta deles e as pessoas que se cruzam connosco pelo caminho. Muito do que melhor se lê na literatura de viagens reside nestas conversas com aqueles que nos preenchem os buracos vazios do percurso. Só aí reside um relance de literatura. Na parte que existe apenas por arrasto. Na parte do caminho. A literatura de viagens acaba, assim, por nos reconciliar com o caminho e desvalorizar as metas. Não sendo literatura é, paradoxalmente, capaz do mesmo efeito que a literatura que se lê. Que se escava. A literatura que nos permite viajar por nós mesmos em vez de lavarmos a égua daquele que viajou por nós, na esperança de ficarmos com um grão de poeira da cor do milho. Hoje pensei em começar uma viagem imaginária por caminhos que pisei e por caminhos que não pisei, juntando pessoas que conheci com pessoas que inventarei. E não me perguntem quem existe e quem não. A Natacha do Guerra e Paz sempre existiu, tal como a Blimunda, que Deus as tenha connosco. Estou frente ao Museu do  Ouro em Travassos, Póvoa de Lanhoso, Braga, Portugal. Pronto para lavar a égua a partir do Aleph, logo abaixo das escadas que dão para a cave. Tinha de começar pelo ouro. Aquele que nos torna invisíveis, poderosos, imortais, belos, soberbos, magnânimos, cultos, bondosos, sábios, perfeitos. Lendários. Como num conto infantil que a Gláucia poderá um dia escrever, como sugeriu no seu discurso de posse da cadeira número catorze da Academia de Letras da Bahia, seguindo as pegadas de Tolkien e de Wagner (não na Academia, claro, mas no caminho dourado e mágico do metal onde dorme em pesadelos de grandeza grande parte da desgraçada humanidade).

Artigos da mesma série: ,
publicado por Manuel Anastácio às 21:14
link do post | Dizer de sua justiça | Quem disse o que pensou (3) | Adicionar aos favoritos
|
Segunda-feira, 20 de Julho de 2009
Vendo a noite por um canudo

A Nebulosa do Anel, como eu não a conseguiria ver, de qualquer forma, há duas noites atrás. Carregar na imagem para os devidos créditos.

 

As noites já não podem ser tão escuras quanto aquela que guiou a alma do poema de São João da Cruz. Não nas cidades. Quando, pequeno, tinha de seguir pelas Oliveiras entre a paragem da carreira, o fundo da estrada, e subir junto à mancha de pinheiros que ainda hoje se mantém imune aos incêndios que transofrmaram Carvalhal num enorme eucaliptal, sentia-me como a Branca de Neve a fugir aos ternos braços das árvores, transformados pela escuridão em monstros que sobrepunham sombras a sombras. Só o primeiro candeeiro da Rua da Glória me acalmava os passos. Mas aquilo que ilumina o chão tem o triste condão de apagar o céu à noite.

 

Ó ditosa ventura, a de ver claramente vista a estrada que seguia para Santiago e que, em certa parte bifurcava o destino das almas destinadas ao Paraíso ou o adiava no Purgatório... Ditosa a ventura de inventar constelações, não tendo eu livros de astronomia nem internetes que me ensinassem a distinguir Vega da Próxima Centauri. Ditosa a ventura de ver mais de quinze estrelas cadentes a riscar o céu numa só noite, deitado nos montes de caruma cheios de carraças da minha infância. Lembro-me bem de sonhar, à noite, num céu legendado, onde a minha imaginação acordada pelo sono dispunha as constelações como figurinhas perfeitas e luminosas a imitar os bonecos que enfeitavam os signos que a minha prima Donzília lia na Crónica Feminina. Hoje, quando chego a casa dos meus pais, invariavelmente à noite, no fundo da rua, entre os fatais eucaliptos que vão dar para os negrumes da Valada e do Cã das Bouças, onde dou a volta ao carro, saio por vezes para voltar a entrever um pouco desse céu, mas já não é o mesmo. Teria que me aventurar pelos caminhos agora cobertos de silvas e, reduzindo o meu horizonte a sul, entrever pelos ramos das árvores, esquecido das sombras, aquele pó luminoso que torna as noites escuras perfeitas imagens de felicidade. Basta um candeeiro para apagar o céu à noite.

 

Há dois dias atrás, fui fisgado de poder ver algo semelhante no alto do Bom Jesus de Braga. Prometeram apagar as luzes até à meia noite para que astrónomos amadores e profissionais me mostrassem, hoje, aquilo com que sonhava em criança. Ao chegar, julguei que me tivesse enganado no dia - na noite. Mas não. Os eventos culturais e científicos em Portugal têm este condão de se ofuscar perante as luminárias broncas das entidades que os promovem. Luz por todo o lado, a iluminar os hotéis a abarrotar de ricaços do futebol que não podem andar às escuras, não fossem ficar lesionados ao tropeçar numa pedrita da calçada. Os astrónomos  eram todos amadores - nem um profissional, ao contrário do que tinha sido prometido. Não que tenha qualquer queixa a fazer dos astrónomos amadores, simpáticos, pacientes e cujo brilho nos olhos apenas reflectia o das estrelas, não o obscurecendo. Não fossem eles e mais rota teria sido a iniciativa, apenas remendada pelo Coro Académico da Universidade do Minho, que, junto às estátuas da Fé, Esperança e Caridade encheram o espaço demasiado iluminado até que a EDP, finalmente apagou um terço das lâmpadas, incluindo as que iluminavam o Coro que teve, depois, de cantar sem o apoio de microfones e banda sonora adicional. Depois do recital, três astrónomos desiludidos pelo falso apagão, lá me mostraram os anéis de Saturno, a Nebulosa do Anel e, com uns raios laser todos catitas me foram apontando as constelações e as estrelas que teimavam em brilhar mais que o manto de escuridão luminosa que apagava por completo o horizonte sobre Braga (há quem se encante com as luzes das cidades, à noite...).

 

É triste dizê-lo. Mas nem para apagar a luz temos gente capaz. Proponho ao Engenheiro e à Doutora Milu que abram cursos das Novas Oportunidades para o efeito. O céu agradeceria.

Artigos da mesma série: , ,
publicado por Manuel Anastácio às 16:51
link do post | Dizer de sua justiça | Quem disse o que pensou (5) | Adicionar aos favoritos
|
Segunda-feira, 20 de Outubro de 2008
Gosto de... museus

Estatueta romana de um javali em bronze. Proveniência desconhecida. Espólio do Museu de Évora, em exposição no Museu D. Diogo de Sousa, Braga.

Artigos da mesma série: , ,
publicado por Manuel Anastácio às 00:32
link do post | Dizer de sua justiça | Adicionar aos favoritos
|
Domingo, 12 de Outubro de 2008
Gosto de... Guimarães

Guimarães, parque da cidade, domingo de manhã.

 

Ali ao lado, e agora

O Braga joga com o Vitória.

Faz-se História.

Por vezes, a terra treme,

Tal a emoção que

Irradia

de uma bola e de um relvado.

 

Ali mesmo ao lado,

As terras tremem.

E gritam que a outra é merda.

Com mútuo consentimento.

 

Ali, ao lado, e agora

O Braga joga com o Vitória.

Ou talvez não.

Talvez seja a Selecção.

Eu é que não sei.

 

Ali ao lado e agora,

Em transmissão directa,

Enquanto eu, pseudo, fingindo-me poeta,

Vaidoso de nem saber se a bola é redonda,

Recosto-me na paz dos ignorantes.

 

Ali ao lado e agora

E agora como dantes,

O Braga joga com o Vitória.

Dia de insigne memória.

Empataram.

 

Ao que parece.

A mim, nem me aquece nem me arrefece.

 

6 de Outubro de 2008

 

 

 

Artigos da mesma série: , , ,
publicado por Manuel Anastácio às 11:51
link do post | Dizer de sua justiça | Quem disse o que pensou (4) | Adicionar aos favoritos
|
Sexta-feira, 30 de Maio de 2008
Vénus reflectindo sobre o que lê

Vénus reflectindo sobre o que lê. Escultura em granito, data desconhecida, Paço de Ançariz, Escudeiros, Braga. Foto minha em Creative Commons

 

 

É terreno privado. Pedras privadas. Interesse público. O lugar é o Paço de Ançariz, Angariz ou Ancariz, em Escudeiros, Braga, e que terá sido pertença do arcebispo Dom Diogo de Sousa, que o terá trocado pelo Campo da Vinha – conta a anfitriã que pouco sabe contar daquilo que vi. Como passava por lá frequentemente, e tendo eu manifestado interesse em conhecer os jardins e as pedras, conhecimentos houve que me abriram o portão ao lado da capela. Das pedras que vi, e das quais me falta bibliografia e palavra ajuizada para as compreender, restou-me o encanto e a revolta. Encanto, porque não há Miguel Ângelo nem Brancusi que me enterneça mais que os rudes talhadores de  granito das terras lusitanas. Não há igreja românica ou gótica que passe indiferente à minha vista. Cada rosa, signo-saimão, entrelaçado, flor-de-lis, carantonha, ave, monstro, sereia, esfinge ou pormenor pornográfico que se insinue na pedra medieval é por mim admirado à exaustão. Sou daqueles chatos que se demoram nas visitas em museus a olhar os pormenores que quase ninguém quer ver. Infelizmente, grassa a praga, nos museus, de se proibirem as fotografias (mesmo sem flash). Por isso, não são poucas as vezes em que gostaria aqui de falar de alguns desses pormenores, e não falo, porque me falha a pena, faltando-me a janela.

 

Faz-me impressão a apropriação por privados daquilo que devia ser pertença de todos. Há em Campo Maior um menir que foi transformado em acessório de uma discoteca. Menos mau é o caso, que a reutilização da Arte não é mais que prolongar-lhe a vida. Pior é quando a arte cai nas mãos de quem a esconde aos olhos de quem a quer ver. Ainda mais quando essa arte é um testemunho histórico que a torna indubitavelmente pertença de todos, usufruída apenas por alguns. A minha conversa de esquerda enjoará a muitos, com certeza, numa época em que ninguém é de esquerda, incluindo os adversários do nosso socrático governo. Mas ninguém me tira da cabeça que há coisas que não podem ter dono, ou cuja posse deveria ser criteriosamente regulada por leis que permitissem o acesso de todos os cidadãos ao seu usufruto. Não proibiria simplesmente a posse desses tesouros da nossa história aos privados porque sei, simplesmente, que na mão das entidades públicas provavelmente ficariam em pior estado ou guardadas com o cadeado da arrogância institucional das nossas ipparescas vergonhas. A história da arte portuguesa há muito que se escoou por entre os dedos dos ladrões liberais anticlericais que despojaram os nossos mosteiros e, depois, entre as palmas apertadas de quem gosta de ter bibelôs de luxo, mesmo que os considere, apenas, pedras sem fala.

 

Ao ir-me embora daquele recinto, de que falarei mais vezes, em breve, vi ao cimo da dupla escada de granito, o corpo deitado dela. Julguei ser uma Senhora da Boa Morte, mas em boa hora me enganei. Não sei o que é. Faltam-me os pergaminhos e o olho clínico. Mas é figura pagã. Não sei o que tem entre as mãos, se é um frasco, se é o próprio coração. Por vezes, dá-me a sensação de que lê. Parece ser para um livro que o seu olhar seguia antes de o ter fechado (ao olhar), como quem reflecte. Pode não ser um livro. É provável que não seja. Para mim, é. Noto nos requintes do lavor de toda a parte superior da estátua, a testa alta, o cabelo voluptuosamente espalhado e… o sorriso. Digno de inveja por parte daquela outra que todos conhecem. Seria isto uma pedra tumular? Não compreendo a forma arcada e abatida do nicho. Não compreendo, sem sei se há quem compreenda. E vacilo entre a vontade de querer saber quem é aquela mulher (sim, estou a citar Buraka) e o desejo de ficar para sempre na ignorância. Mas a elas voltarei. À mulher. E à minha ignorância.

 

Artigos da mesma série: , ,
publicado por Manuel Anastácio às 01:39
link do post | Dizer de sua justiça | Quem disse o que pensou (4) | Adicionar aos favoritos
|
Domingo, 14 de Janeiro de 2007
Aves e ovídios

Portal lateral do Mosteiro de Vilar de Frades (Areias de Vilar) - foto minha, em Creative Commons

Se há imagem que me intriga entre os granitos que vejo aqui pelo Norte, nos capitéis e nos portais de Igrejas são as figuras humanas ladeadas de um par de pássaros que lhes depenicam o corpo (mais especificamente a cabeça e a zona dos ouvidos). Este género de iconografia é comum já no Românico e manteve-se até tarde, sendo muito frequente no Gótico final (vulgo Manuelino). Semelhantes "aves devoradoras" (serão, de facto, devoradoras?) aparecem, sei-o eu, algures na Sé de Braga (não me lembro onde, mas sei que na altura fiz uma certa associação entre a escultura e Santo Ovídio de que falarei mais à frente) e em São Pedro de Rates. Sabemos que os religiosos portugueses sempre foram amigos de sincretismos religiosos - coisa bonita, não fosse a confusão que faz germinar entre as mentes dos fiéis analfabetos, que vão assimilando a coisa de forma poética e pouco teológica. Para meu gáudio (que gosto destas fantasias populares), indiferença de muitos dos religiosos institucionais (que julgam que Lázaro já se contenta com as migalhas que lhe caem da mesa farta) e para desespero dos missionários que se esforçam por ensinar a religião como ela é...

Camilo Castelo Branco, no já aqui citado "O Santo da Montanha" (a que voltarei mais tarde), descreve com alguma minúcia as festas do "Corpus Christi" em Braga, a 24 de Maio 1687. Se há pormenores que me escapam (e que também escapavam a Camilo) como a "serpe" que vinha atrás da Cruz da Confraria, a qual seria, tão somente "uma bicha festiva aos rapazes" (seja lá o que isto quer dizer), outros parecem-me pintados com todas as cores - pena que eu não tenha paciência nem tempo para fazer um OCR ao capítulo de que aqui falo. Muitas são as referências mitológicas que, já na altura, se utilizavam para explicar os mistérios da fé, para complicação das almas estupefactas que se alcandoravam das varandas do Campo da Vinha, como o autor deliciosamente descreve. Um dos números, o "Triunfo Eucarístico" constava da representação de um bailado-drama cujas personagens seriam Apolo e Latona - onde estas duas últimas personagens assumiam, respectivamente, o papel do Divino Sacramento e da Virgem a calcar a Serpente demoníaca. Ora, se tais identificações eram consideradas de grande piedade, tudo me faz crer que o mito de Prometeu, cujo fígado era repetidamente devorado por uma águia ou abutre, era aqui, também, tomado de forma simbólica. Os portais, seguindo a milenar tradição que remonta aos monumentos castrejos, não deveriam ser apenas a decoração de uma entrada, mas um objecto sacralizador da passagem do espaço público para o espaço interior e sagrado da Igreja - ainda que os mestres cantoneiros se dessem, por vezes, a liberdades obscenas que ou passavam despercebidas ou recebiam uma simples indulgência dada pelo desprezo (ou conivência) dos religiosos em relação assuntos de pedra talhada.

O tema das aves devoradoras pode relacionar-se facilmente com o sacramento da Eucaristia - o que pode explicar a forma cordata como o homem segura, aqui, os dois pássaros que dele se alimentam, assim como Cristo dá o seu corpo aos fiéis que desta forma comungam com o mundo espiritual de que as aves são símbolo. De facto, o tema das aves que debicam uma taça é igualmente frequente, neste caso, simbolizando o sangue de Cristo. Note-se que as aves têm um lugar privilegiado no espectro de animais presente nos bestiários medievais, inclusive em textos moralistas, como no "Livro das Aves" do Mosteiro de Santa Cruz de Coimbra.

Contudo, o meu fascínio por estas figuras tão presentes nos templos nortenhos liga-se à figura de Santo Ovídio, terceiro bispo da Sé de Braga, que se tornou santo protector das doenças de ouvidos pelo simples facto de ter um nome que soa a ouvidos... Não consta que tivesse feito, em vida, algum milagre entre os surdos. Documentos hagiográficos do século XVI descrevem-no como cidadão romano nascido na Sicília com o nome de "Auditus" e que foi enviado para Portugal pelo papa Clemente I no ano de 95. Terá sido martirizado em 135. Designado de "Ouvido" pelas gentes, que assim decidiram aportuguesar o seu nome em latim, foi novamente baptizado no século XVI e XVII como Ovídio, que seria um nome mais bonito que o de um simples apêndice da cabeça humana. A lápide sepulcral, que antes trazia gravado "† ossa b. Audit. Episcopi" foi, então, mudada para " † ossa s. Ovidii tertii bracarensis episcopi". Entretanto, os ex-votos em forma de orelhas de cera acumulam-se na Sé e, ao que parece, os surdos faziam fila para enfiarem as orelhas em dois furos que existiriam no túmulo episcopal.

Como as aves parecem, tantas vezes enfiar os bicos nas orelhas da figura humana que compõe o eixo de simetria destas composições, haverá aqui algo de propiciador para o milagre da cura da surdez? Talvez sim, provavelmente não. Fica apenas registado que me ocorreu.
Artigos da mesma série: , ,
publicado por Manuel Anastácio às 22:44
link do post | Dizer de sua justiça | Quem disse o que pensou (1) | Adicionar aos favoritos
|
Sexta-feira, 1 de Setembro de 2006
São Longuinhos do Bom Jesus do Monte

São Longuinhos
, tema de um dos meus posts anteriores, continua a envergar a lança sagrada sobre a dispensável paisagem urbana de Braga. Em sua volta não vi ninguém a dar três voltas. Ao lado, o célebre canudo já não existe. Mas o Upa e o Cupa, os dois elevadores hidráulicos, já estão de novo a funcionar. Dizem os bracarenses que quando o Upa sobe, o Cupa "dece" - pelo que não é posível dizer ao certo qual é o Upa ou o Cupa, a não ser que alternem de nome.

Os canteiros em torno do cavaleiro, sob o sol de fim de Agosto enxameiam-se de cravos-xaropes (ou cravos-jaropes?), como são designados no Minho - cravos-espanhóis, como são chamados no Centro de Portugal; cravos-de-defunto, como são designados por outros sítios (como no México onde enfeitam os cemitérios no dia dos Fiéis Defuntos) e Tagetes erecta como são conhecidos no mundo inteiro.  São reputados como biopesticidas, dando cabo de nemátodos e algumas espécies de insectos, embora as suas folhas possam alimentar as larvas da traça Melanchra persicariae.

Tive, é claro, de descer no Cupa, para depois subir pela escadaria das virtudes acima. Perto da Caridade, lá o vi de novo, sobranceiro às capelinhas dos passos de onde exalava o típico  cheiro pestilencial da cera queimada e do mofo. Nunca percebi isso das velas queimadas. Muito mau gosto olfactivo têm os santos...
Artigos da mesma série: ,
publicado por Manuel Anastácio às 14:01
link do post | Dizer de sua justiça | Adicionar aos favoritos
|
.Nada sobre mim
.pesquisar
 
.Agosto 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
.Artigos da mesma série

. notas

. cinema

. livros

. poesia avulsa

. política

. só porque

. curtas

. arte

. guimarães

. música

. estupidez

. traduções

. wikipédia

. religião

. poesia i

. gosto de...

. ono no komachi

. narrativas

. tomas tranströmer

. buscas pedidas

. plantas

. arquitectura

. enciclopédia íntima

. blogues

. braga

. fábulas de esopo

. as quimeras

. gérard de nerval

. carvalhal

. animais

. blogs

. cultura popular

. disparates

. Herbário I

. poesia

. póvoa de lanhoso

. estevas

. pormenores

. umbigo

. bíblia

. ciência

. professores

. vilar formoso

. barcelos

. cinema e literatura

. coisas que vou escrevendo

. curtíssimas

. educação

. Guimarães

. rádio

. receitas

. ribeira da brunheta

. teatro

. vídeo

. da varanda

. economia

. família

. leitura

. lisboa

. mails da treta

. mértola

. Música

. os anéis de mercúrio

. cachorrada

. comida

. cores

. dança

. diário

. direita

. elogio da loucura

. escola

. esquerda

. flores de pedra

. hip hop

. história de portugal

. kitsch

. memória

. ópera

. profissão

. recortes

. rimas tontas

. sonetos de shakespeare

. terras de bouro

. trump

. Álbum de família

. alunos

. ângela merkel

. arte caseira

. aulas

. avaliação de professores

. ayre

. benjamin clementine

. citações

. crítica

. ecologia

. edgar allan poe

. ensino privado

. ensino público

. evolucionismo

. facebook

. todas as tags

.O que vou visitando
.Segredos
  • Escrevam-me

  • .Páginas que se referem a este site

    referer referrer referers referrers http_referer
    .Já passaram...
    .quem linka aqui
    Who links to me?
    .Outras estatísticas
    eXTReMe Tracker
    blogs SAPO
    .subscrever feeds