.Últimos bocejos

. Enciclopédia Íntima: Airo

. Ninfas

. Curtíssima (comprida) 3

. Curtíssima 2

. Architectonica perspectiv...

. Gosto de... bichos e de p...

. Gosto de... museus

. Gosto de... bichos e de p...

. Gosto de... bichos

.Velharias

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Agosto 2016

. Maio 2016

. Janeiro 2015

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Janeiro 2006

. Novembro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Março 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

. Dezembro 2003

Sexta-feira, 8 de Outubro de 2010
Enciclopédia Íntima: Airo

Airo, arau-comum (Uria aalge)

 

 

- Porque é que os ursos polares não comem pinguins?...

Os meus alunos olham-me entre o tédio, a indiferença e o interesse calculado. Vão dando as suas sugestões. São venenosos. Sabem mal. São mais espertos que os ursos - os pinguins, segundo eles, não os alunos (espertos, digo eu).

- Há pinguins em Portugal?

Eu disse, um dia, que não. Mas como estava a jogar Trivial Pursuit, errei. As respostas do Trivial Pursuit estão sempre certas, mesmo quando estão erradas (há aquela cena do Seinfeld sobre os Moops, conhecem? Não? Aqui vai, abençoado Youtube:

 

Quem invadiu a Espanha (Espanha? Península Ibérica, seus jerks!) no século oitavo? Os moops ou os moors?

 

Fecha parêntesis e ponto final. (...) Segundo a versão portuguesa do Trivial Pursuit que eu estava a jogar, havia pinguins em Portugal. Faz-me isso lembrar a altura em que uma colega minha fez uma apresentação sobre plantas em Marte e eu demonstrei a minha arrogância (é como classificam a minha atitude de espanto perante a burrice extrema) ao perguntar repetidamente: "há plantas em Marte?" - e, perante a minha colega que dizia que, se eu quisesse, me dava a bibliografia, eu volta a perguntar: "estás a dizer que há plantas em Marte?". E ela dizia que sim. O tal livro que ela tinha consultado dizia que sim. Nunca consultei o livro, mas devia ser "O Noddy em Marte" ou qualquer coisa do género - bibliografia ao nível do melhor que se publicou na Science ou na Nature. Eu juro que a história é verdadeira mas, obviamente, não vou citar o nome da minha colega. Já me basta ter citado o nome de outra colega minha, de nome Filomena Baião, que foi, provavelmente, a pessoa mais asquerosa que me passou à frente, juntamente com o parolo do João Sebastião, que agora é moço de recados do governo actualmente em funções - sabendo eu que os dois já aqui devem ter caído guiados pela sacrossanta mão do Anjo Google, e ficado a saber que um tal de Manuel Anastácio, que já foi aluno deles, disse cobras e lagartos dos mesmos. A Filomena Baião era um ser repelente que acabou por me levar, a mim, criançola que era, a agir de forma igualmente repelente, e o João Sebastião é um dos arautos da igualdade, sendo o primeiro a discriminar de forma vergonhosa e humilhante, para além de ser um péssimo professor e pior pessoa. Isto é só para ter a certeza que eles voltam aqui, guiados pelo Google e pela falta de vergonha na cara que não devem ter ganho entretanto. Por isso repito os nomes: João Sebastião (estás a ouvir, Google? João Sebastião - aquele dos estudos sobre os ciganos, que deu aulas ou uma coisa a que se chamava aulas na ESE de Santarém, e Filomena Baião, aquela gaja que deu aulas no Sardoal e se gabava, no alto da sua indigência intelectual, de ser licenciada!... LOL... Por esta altura, já deve ter o Doutoramento Honoris Causa). Adiante, que se faz tarde. Perdoem-me o lavar de roupa suja em público, mas é uma atitude mais ecológica - isto de usar máquina de lavar aumenta muito as emissões de dióxido de carbono. O lavadouro público com a laje de granito, o sabão macaco e o alguidarzinho com OMO é outra coisa. É de gente pobre, mas como diria o Jacinto do Eça, na primeira noite em Tormes, ao cheirar os lençóis, "ao menos cheira a sadio...". E... onde é que eu ia?... Pois, sei lá. Eu divago, e já dei a mão à palmatória quanto a isso. Mas não sei escrever de outro modo. Quando não divago, não me sai nada de jeito. Se escrevesse um romance, seria como Joyce. Ninguém perceberia nada, mas seria uma obra prima.

Ora, eu queria falar de airos, também chamados de araus-comuns. São uns passarocos (aves, Manuel... aves: passarocos é linguagem popular chula) que vivem nas Berlengas, de nome científico Uria aalge, da família dos Alcídeos. Vivem nas Berlengas, que não ganharam o lugar no pódio de sete lugares das Maravilhas Naturais de Portugal, e muito bem, porque são uma série de rochedos cobertos de caca e gaivotas mortas. E, segundo o Trivial Pursuit, são Pinguins... Os airos, não as gaivotas mortas - os tipos da edição portuguesa do Trivial podem ser os mesmos que tentaram a primeira versão de uma Playboy à portuguesa, mas não devem ser assim tão estúpidos. Agora um pássaro (ave, Manuel: ave!) passa a ser pinguim só porque é branco e preto, forma colónias quando procria (pro! Menino Joãzinho, pro! - não é "cadáver adiado, que porcaria!" é "cadáver adiado que procria!" - ai coitado do Fernando Pessoa), anda em pé em terra e é excelente nadador, batendo as asas debaixo de água por vários minutos e usando as patas como leme?... (pausa) Passa? Parece que passa... Não é essa a definição de pinguins?... Talvez seja para a maioria inculta da humanidade (onde eu me incluo, apesar de jamais conceder razão a quem diz que existem pinguins em Portugal sem ser no Jardim Zoológico). Mas não é assim para Deus que, assessorado por Darwin e Francis Crick (que o Watson ainda esta semana em Portugal esteve, sem intenção disso, a fazer campanha pelo PSD ao lado do Marcelo Rebelo de Sousa, Leonor Beleza e o Passos das caganitas) sabe perfeitamente que são exemplos de evolução convergente. Os pinguins e os airos, chegaram à mesma forma e mesmo estilo comportamental por caminhos diferentes e com antepassados diferentes. Que lição nos dá a Natureza. Bresson no seu melhor: oh Jeanne, que raio de merda de caminho tive eu de andar para chegar até ti...

 

Cena final de Pickpocket, 1959, de Robert Bresson
Pois, e como já deviam saber, os ursos polares não comem pinguins, porque os ursos polares vivem no Polo Norte e os pinguins vivem no Polo Sul.
Ah: e os airos sabem voar, ao contrário dos pinguins. Voam mal, mas melhor que eu.
Artigos da mesma série:
publicado por Manuel Anastácio às 21:04
link do post | Dizer de sua justiça | Adicionar aos favoritos
|
Sexta-feira, 16 de Janeiro de 2009
Ninfas

Cisnes brancos, foto de S Sepp em Creative Commons e GFDL.

 

Hoje (ontem, em relação à data de publicação deste artigo) a Wikipédia fez oito anos. O colega Eduardo Pinheiro foi à Antena 3 falar sobre aquele que, para mim, é o maior feito da Internet desde que se decidiram juntar computadores a uma escala global. É há de continuar a ser. Entretanto, penso em implementar projectos a nível da escola, para que possa, de novo, voltar a participar naquele projeto que tanto amo sem que tenha de roubar tempo às atividades de carácter pedagógico. O que é complicado. É que os computadores da escola são claramente insuficientes para fazer algo do género, e os computadores da e-escola continuam por aparecer para a grande maioria dos alunos (será que serão entregues na próxima legislatura?).

 

Hoje andei às voltas com a palavra "ninfa", no que diz respeito às metamorfoses dos insectos. Ensinei numa aula que é a fase intermédia entre a fase larvar e o inseto adulto. Depois, li algures: "o gafanhoto passa por metamorfose simples, passando apenas por uma fase larvar ou ninfa". E fiquei confuso. Teria, na próxima aula, de fazer errata das minhas afirmações. Não sou propriamente dos professores que nunca erram e raramente têm dúvidas. E há muitos destes últimos: não me refiro apenas a um certo professor de economia. E, ao contrário da maioria dos meus colegas, não tenho medo de responder "não sei" às perguntas que os alunos fazem (e são muitas), apelando à sua própria pesquisa. Contudo, não é assim. Julgo eu, agora. Ninfa é uma palavra utilizada indiscriminadamente, em português, tanto para definir a forma larvar já algo semelhante ao imago (insecto adulto) dos insetos hemimetabólicos, como a cigarra, como para se referir à fase inativa, intermédia entre larva e imago nos insetos holometabólicos. Como é hábito, a nomenclatura científica em português é confusa a esse respeito. A Wikipédia reflete essa confusão e o artigo Ninfa da Wikipédia em português ainda não esclarece a confusão. Mas há de esclarecer. Acredito que a Wikipédia serve como centro gerador de conteúdos científicos. Sei que os académicos portugueses fogem da Wikipédia-cruz-credo-canhoto-canhoto como o diabo supostamente foge da cruz, mas isso é apenas sinal do provincianismo da nossa elite cultural. Os conteúdos da Wikipédia estão sujeitos a muitos erros, mas ao abrir os portões à participação de todos, principalmente aos não especialistas, está-se a criar um ponto de referência que poderá congregar e descodificar a linguagem obscura que os académicos portugueses tanto gostam de cultivar, para mal do progresso da Ciência em território nacional. E grande parte dessa obscuridade advém de cada académico usar as palavras de forma rigorosa, admito-o, mas cujo rigor se limita ao campo lexical da sua panelinha que, provavelmente, difere de Universidade para Universidade. Um país tão pequeno com tamanho separatismo vocabular a nível das elites é coisa que espanta. A coisa piora, claro, quando passamos a englobar nestas diferenças académicas as versões brasileiras (que as outras lusófonas ainda não têm qualquer expressão). É por isso que é importante cutivar a Wikipédia em português: porque é o único recurso que temos para podermos vir a compreender tanta gíria obscurantista. A Ciência é só uma. A sua linguagem devia ser também, tendencialmente, una. A Wikipédia Lusófona é ainda apenas um reflexo fantasmático do que poderá vir a ser um dia. Mas está a dar frutos. Não nela própria, mas fora das suas fronteiras, entre outras fontes ditas mais confiáveis que começam a reagir criando e disponibilizando conteúdos que, não fosse a Wikipédia, se manteriam nos cofres dos senhores ciosos da sua egoísta sabedoria.

Artigos da mesma série: , ,
publicado por Manuel Anastácio às 00:13
link do post | Dizer de sua justiça | Quem disse o que pensou (9) | Adicionar aos favoritos
|
Quarta-feira, 14 de Janeiro de 2009
Curtíssima (comprida) 3

Besouro-das-rosas (Cetonia aurata). Foto de Chromps, em Creative Commons e GFDL.

 

O

im

portan

te

 

é

a

rosa

.

 

O te

xto

 es

 ass

im

 

porqu

e

 o

 pro

grama

de

ediç

ão

 do

 blo

gue

 est

á

 doi

do

.

Até amanhã.

Artigos da mesma série: ,
publicado por Manuel Anastácio às 21:17
link do post | Dizer de sua justiça | Quem disse o que pensou (6) | Adicionar aos favoritos
|
Curtíssima 2

Esquilo-cinzento, foto de Diliff em Creative Commons e GFDL

 

Do grego Σκίουρος (skiouros). Aquele que faz sombra com a cauda. É trágico, se levar acento.

Artigos da mesma série: ,
publicado por Manuel Anastácio às 01:27
link do post | Dizer de sua justiça | Quem disse o que pensou (2) | Adicionar aos favoritos
|
Quarta-feira, 24 de Dezembro de 2008
Architectonica perspectiva

Foto de G & Poppe

 

É um univalve, ou molusco de uma só concha, como os caracóis e os búzios. Tem uma concha em espiral que, vista de lado, parece a maquete de um sonho. O nome científico foi-lhe dado por Lineu em 1758.

 


Foto de G & Poppe

 

Quando vi pela primeira vez uma destas conchas, no caso, fossilizada, mais que a perfeição da espiral, que constitui a menos arquitectónica perspectiva que se pode ter desta maravilha natural, fiquei encantado com o nome tão belamente escolhido por Lineu. Fui, depois, à procura de mais imagens na Internet. E descobri o claustro circular que tinha imaginado para o meu conto da Bela Adormecida.

 


Foto de Roberto Verzo

 

Não há na mente humana criação alguma que a Natureza, em algum lugar, não tenha já concretizado. Ainda que na inconsciência das coisas perfeitas.

Artigos da mesma série: ,
publicado por Manuel Anastácio às 08:56
link do post | Dizer de sua justiça | Adicionar aos favoritos
|
Segunda-feira, 20 de Outubro de 2008
Gosto de... bichos e de pedras

Formigueiro, Monte do Merouço, Aldeia de Carreira, Sobradelo da Goma, Póvoa de Lanhoso

Artigos da mesma série: ,
publicado por Manuel Anastácio às 21:58
link do post | Dizer de sua justiça | Quem disse o que pensou (2) | Adicionar aos favoritos
|
Gosto de... museus

Estatueta romana de um javali em bronze. Proveniência desconhecida. Espólio do Museu de Évora, em exposição no Museu D. Diogo de Sousa, Braga.

Artigos da mesma série: , ,
publicado por Manuel Anastácio às 00:32
link do post | Dizer de sua justiça | Adicionar aos favoritos
|
Quarta-feira, 15 de Outubro de 2008
Gosto de... bichos e de pedras

Gafanhoto sobre granito. Mimetismo. Camuflagem. O reino animal vestindo as formas intemporais do reino mineral. Monte de Merouço, Aldeia de Carreira, Sobradelo da Goma, Póvoa de Lanhoso.

 

Em pormenor, já que o saltitão (como dizem os meus alunos) consentiu em posar calmamente para a sessão fotográfica:

Artigos da mesma série: , ,
publicado por Manuel Anastácio às 07:23
link do post | Dizer de sua justiça | Quem disse o que pensou (4) | Adicionar aos favoritos
|
Segunda-feira, 13 de Outubro de 2008
Gosto de... bichos

Formiga-leão no estado adulto. Monte de Merouço, Aldeia de Carreira, Sobradelo da Goma, Póvoa de Lanhoso

Artigos da mesma série: , ,
publicado por Manuel Anastácio às 19:04
link do post | Dizer de sua justiça | Quem disse o que pensou (1) | Adicionar aos favoritos
|
.Nada sobre mim
.pesquisar
 
.Março 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
.Artigos da mesma série

. notas

. cinema

. livros

. poesia avulsa

. só porque

. política

. curtas

. arte

. guimarães

. música

. estupidez

. traduções

. wikipédia

. religião

. poesia i

. gosto de...

. ono no komachi

. narrativas

. tomas tranströmer

. buscas pedidas

. plantas

. arquitectura

. blogues

. enciclopédia íntima

. blogs

. braga

. fábulas de esopo

. as quimeras

. gérard de nerval

. carvalhal

. animais

. cultura popular

. disparates

. Herbário I

. poesia

. póvoa de lanhoso

. estevas

. pormenores

. umbigo

. bíblia

. ciência

. professores

. vilar formoso

. barcelos

. cinema e literatura

. coisas que vou escrevendo

. curtíssimas

. Guimarães

. rádio

. receitas

. ribeira da brunheta

. teatro

. vídeo

. da varanda

. economia

. educação

. família

. leitura

. lisboa

. mails da treta

. mértola

. Música

. os anéis de mercúrio

. cachorrada

. comida

. cores

. dança

. diário

. direita

. elogio da loucura

. escola

. esquerda

. flores de pedra

. hip hop

. história de portugal

. kitsch

. memória

. ópera

. profissão

. recortes

. rimas tontas

. sonetos de shakespeare

. terras de bouro

. trump

. Álbum de família

. alunos

. ângela merkel

. arte caseira

. aulas

. avaliação de professores

. ayre

. benjamin clementine

. citações

. crítica

. ecologia

. edgar allan poe

. ensino privado

. ensino público

. evolucionismo

. facebook

. todas as tags

.O que vou visitando
.Segredos
  • Escrevam-me

  • .Páginas que se referem a este site

    referer referrer referers referrers http_referer
    .Já passaram...
    .quem linka aqui
    Who links to me?
    .Outras estatísticas
    eXTReMe Tracker
    blogs SAPO
    .subscrever feeds