.Últimos bocejos

. Hold back your love, Whit...

. Hallelujah Money, Gorilla...

. 4

. Overgrown, James Blake

. MS MR - Hurricane

. Agnes Obel

. Orgasm (Rock Cave), de Cr...

. Thom Yorke e Nigel Godric...

. The Medium is the Massage

. Searching for Sugar Man, ...

. Indian Tempest, dos Foots...

. Emanuel Salvador: Concert...

. Metamorfoses

. Fausto I

. L

. Já que explodes...

. Como vais?

. U smile, Justin Bieber 80...

. IX

. VI

. Místico como um nenúfar n...

. Os amentilhos dos choupos...

. Forró esferográfico

. Turn the white snow red a...

. O Messias

. Enciclopédia íntima: Memó...

. Da Música e Outros Demóni...

. A pior canção do mundo

. O Véu Diáfano

. Ayre I

. Onde está a Arte?

. Intemporalidade

. Arte e iniciação

. Arte e escravidão

.Velharias

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Agosto 2016

. Maio 2016

. Janeiro 2015

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Janeiro 2006

. Novembro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Março 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

. Dezembro 2003

Terça-feira, 14 de Fevereiro de 2017
Hold back your love, White Lies

Um poema perfeito.

Há videoclips maiores que a vida.

Amor

Solidão

Perdão

Desgosto

A vida.

 

Artigos da mesma série: , ,
publicado por Manuel Anastácio às 22:07
link do post | Dizer de sua justiça | Adicionar aos favoritos
|
Quinta-feira, 19 de Janeiro de 2017
Hallelujah Money, Gorillaz, ft. Benjamin Clementine

Música de intervenção contra muros e promessas de pureza unicorniana. Benjamin Clementine recita em tom apocalíptico. Tudo sobre um fundo onde alternam imagens das procissões de La Candelaria (remetendo para a imagem do ku Klux Klan), gueixas, tribos africanas, do Triunfos dos Porcos e de Clint Eastwood (apoiante de Trump e homónimo do primeiro single dos Gorillaz, onde se fazia, curiosamente referência a uma citação de "O Bom, o Mau e o Vilão", em que o cavaleiro sem nome diz trazer raios de sol num saco - os mesmos raios de sol adorados por Trump), passarinhos, poços de petróleo em chamas e palhaços de filme de terror. Enquanto o elevador da Trump Tower nos leva ao susto. 

 

Artigos da mesma série: , , , ,
publicado por Manuel Anastácio às 00:16
link do post | Dizer de sua justiça | Adicionar aos favoritos
|
Terça-feira, 17 de Janeiro de 2017
4

Fazer a América grande outra vez é difícil. Principalmente se não houver uma banda sonora de jeito. Fiona Apple gravou por telefone um cântico antitrump a dizer que as mulheres não querem aquelas mãozinhas nas suas cuequinhas.Seja. Embora não seja o que consta.

 

Depois de Jennifer Holliday ter desistido de cantarolar na cerimónia do degredo (como se não estivesse definitivamente queimada pelo simples facto de ter ponderado cantar ao lado de gente do KKK), apetece agora um cantor de soul que não conheço, nem farei tenção de conhecer, de nome Sam Moore, da dupla Sam & Dave (não se sabe o que o Dave, que Deus tem, acharia disso) a aceitar o convite ou, sabe-se lá, a fazer-se de convidado.

 

Diz ele que Trump tem uma boca grande, como ele mesmo. E que, concordemos ou não com ele, ao menos sabemos aquilo que lhe passa pela cabeça. E diz ainda para darem uma oportunidade ao gajo. Ele nem sequer disse ainda o "sim, aceito ter o poder de foder isto tudo".  E termina com a muito democrática sentença: se não gostarem dele nos próximos 4 anos, não votem nele outra vez...

 

Se houver outra vez.

 

Artigos da mesma série: , ,
publicado por Manuel Anastácio às 22:58
link do post | Dizer de sua justiça | Quem disse o que pensou (5) | Adicionar aos favoritos
|
Domingo, 14 de Abril de 2013
Overgrown, James Blake

Quando Harry Potter se cruza com Ingmar Bergman, James Blake pode funcionar como banda sonora.

 

Artigos da mesma série:
publicado por Manuel Anastácio às 20:51
link do post | Dizer de sua justiça | Adicionar aos favoritos
|
MS MR - Hurricane

Amor e terror andam de mãos dadas. O pesadelo e a confusão vivem nas paredes do abrigo que nos conforta e dá certezas.

 

Artigos da mesma série:
publicado por Manuel Anastácio às 20:36
link do post | Dizer de sua justiça | Adicionar aos favoritos
|
Domingo, 7 de Abril de 2013
Agnes Obel

 

Agnes Obel, cantautora dinamarquesa, uma descoberta que fiz graças ao jrd, dona de um porte bergmaniano, de uma voz e um estilo musical muito contemporâneo mas sereníssimo, como se fosse um fresco rebento de uma Gymnopedie de Satie, bem visível nos acompanhamentos de piano, vale bem uns momentos de atenção.

 

Riverside, de Agnes Obel.
 Just So, de Agnes Obel
Artigos da mesma série:
publicado por Manuel Anastácio às 11:40
link do post | Dizer de sua justiça | Quem disse o que pensou (3) | Adicionar aos favoritos
|
Quinta-feira, 4 de Abril de 2013
Orgasm (Rock Cave), de Cromagnon

Se a música serve para desinquietar, como pretende qualquer arte digna do nome, e não criar ambiente, como mera arte decorativa, os Cromagnon, banda dos anos 60, saberiam dar ao mundo uma boa dose de desinquietação, caso o mundo quisesse dar ouvidos a miúdos que, se calhar, só queriam provocar. O que já não é mau como projeto artístico, digo eu. O seu álbum “Orgasm”, que mais tarde foi republicado sob o título de Cave Rock não será, provavelmente do agrado de muita gente. Logo na primeira e mais famosa das faixas, Caledonia, sons guturais e volumes sincopados de toneladas de decibéis, que associamos hoje às bandas de Heavy Metal, em conjunto com referências primitivas, folclóricas (no melhor sentido da palavra) e mesmo visceralmente biológicas, formam um objeto sonoro a que qualquer amante da arte dos sons não devia ser indiferente. Ritual Feast of the Libido, a segunda faixa, dificilmente será considerada fruto de uma mente equilibrada. O som de rochas e gritos e regurgitações cavernícolas é capaz de provocar pesadelos ao mais resiliente dos ouvidos, mas é, definitivamente, uma experiência marcante. Organic sundown, mais tribal e xamânico, decepciona um pouco quem se tenha entusiasmado com o início do álbum, dado o seu carácter mais introspectivo. Em Fantasy, as gargalhadas e grunhidos iniciais e sons vocais semelhantes a flatulências dão lugar a ruídos urbanos contemporâneos que se diluem num tema terno que regressa após uma sucessão de estática com fragmentos radiofónicos sobre a linha persistente e aguda de uma sirene, desembocando em vozes que exigem liberdade. É difícil de dizer qual a verdadeira intenção, se é que há intenção nesta forma de indisciplina estética e de alegre desprezo pelas normas. Seja uma forma de humor ou um ato de pura contracultura, não se pode, contudo, considerar que isto seja lixo sonoro. A utilização da guitarra acústica em registo de mera repetição em Crow Of The Black Tree e as suas vocalizações uivadas tornar-se-ia, a certa altura, totalmente convencional na criação de um ambiente pagão tendente ao transe não fosse a liberdade escarninha que desconcentra tudo, tornando-se a canção num objeto que nega qualquer intenção séria do ponto de vista artístico, se considerarmos os estados alterados de consciência uma forma legítima de usufruir da dita cultura séria (quase exclusivamente aquela que não está institucionalizada). Genitalia, por sua vez, parece repegar na imagem dos corvídeos, conseguindo converter gemidos orgásmicos num frenesi a capella, dando conta do experimentalismo versátil de um álbum que não se sabe bem localizar na história da música, se em precedência de estilos musicais que viriam depois, se em vias paralelas. O ambiente religioso de um cântico gregoriano ou de um mantra em sobreposição e alheio a um louco solo de guitarra eléctrica termina um álbum tantas vezes amado pelo seu sopro de loucura profética, mais vezes ainda odiado pelo desconforto e estranheza que provoca e, mais ainda, injustamente ignorado, até pelos mais irreverentes e indisciplinados dos vanguardistas.  

Artigos da mesma série:
publicado por Manuel Anastácio às 03:20
link do post | Dizer de sua justiça | Adicionar aos favoritos
|
Terça-feira, 2 de Abril de 2013
Thom Yorke e Nigel Godrich no Poisson Rouge
Naquele momento em que a embriaguez se deixa cegar pela madrugada e na nuca se estendem os vermes que nunca dormem...




Artigos da mesma série:
publicado por Manuel Anastácio às 23:05
link do post | Dizer de sua justiça | Adicionar aos favoritos
|
Segunda-feira, 1 de Abril de 2013
The Medium is the Massage

 

The Medium is the Massage, em 1967, foi um livro que, de alguma forma e através de uma forma gráfica ora ilustrativa, ora redundante, ora provocante nas questões capaz de suscitar, pretendia dar aos sentidos uma experiência consentânea com as teses de Marshall McLuhan. A interferência entre imagem e texto ficou nas mãos do artista gráfico Quentin Fiore, com a coordenação Jerome Agel. O livro marcou não uma geração, mas todas as gerações a partir da década da confusão e, provavelmente, aquilo que tanta confusão fazia a quem se esforçava por entender o pensamento de McLuhan, já que se utilizavam ferramentas e modelos interpretativos do passado para compreender um futuro de perigosidade e confusão obrigatória é hoje igualmente difícil para quem nasceu imerso na própria extensão electrónica de uma rede de sistemas nervosos centrais e tem apenas como referências ferramentas e modelos interpretativos de um passado onde o indivíduo não era o que é hoje. Um ano depois do livro, John Simon, da Columbia Records, decide pegar no conceito subjacente ao livro e traduzi-lo numa gravação. Mantém os créditos do livro e dá origem a uma fascinante montagem ao modo de colagem de sons e música(s), evocativos da aparente descoordenação dos média e da televisão em particular, com citações, predominantemente de McLuhan, mas também de autores como John Cage, Joyce, Sócrates, Lewis Carroll, numa série de vozes diferenciadas na sua interpretação e no seu posterior tratamento. Não é por acaso que Joyce aparece entre as vozes dispersas, já que o fluxo de consciência que constitui grande parte da sua obra não é apenas percursor como é a própria forma adotada por esta narrativa sonora prenunciadora do zapping (anos 80) e da conversão da sociedade linear ocidental ao hipertexto e hipermédia (termos vindos à luz em 1963), bem como a um esquema mental que pouco difere das paranomásias de McLuhan, espelhado nas próprias formas de humor da era do Facebook. O medium é a mensagem (message), a era da confusão (mess age), a era das massas (mass age) e a massagem (massage - como aparece no título, supostamente graças a um erro de impressão que foi bem recebido e apropriado por McLuhan). Aqui vos deixo as duas partes desta gravação que alterou a percepção da realidade a muita gente e ainda o pode fazer hoje em dia. Podem acompanhar as citações aqui à medida que vão ouvindo esta ópera ainda contemporânea.

Artigos da mesma série: ,
publicado por Manuel Anastácio às 13:10
link do post | Dizer de sua justiça | Adicionar aos favoritos
|
Domingo, 31 de Março de 2013
Searching for Sugar Man, de Malik Bendjelloul

Há histórias verdadeiras que parecem mentira pelo simples facto de conjugarem em si uma infinita beleza a essa tão rara aparição chamada justiça. Seria justo todos encontrarmos o amor, e não são poucos aqueles que nele tropeçam e injustamente o rejeitam como lixo. Seria justo recebermos a retribuição dos outros conforme o nosso esforço, dedicação e mérito. Mas é tão rara esta carícia do Universo, que todo aquele que teve a felicidade do seu beijo retribuído devia, por força, seguir o caminho dos justos - infelizmente, há quem sendo justamente acarinhado pelo Universo, pela sua ingratidão consiga transmutar a justiça em perversão. Não é o caso de um cantor norte-americano, Sixto Rodriguez, que escreveu e interpretou algumas das peças musicais mais verdadeiras da sua época. Em 1970, lançou um álbum chamado Cold Fact e em 1971, o álbum Coming from Reality. Neste último, uma das canções começa pelo verso “Cause I lost my job two weeks before Christmas“. É uma canção com um suporte poético perfeito, na forma e no sentido. Curiosamente, era também uma certeira profecia. Rodriguez, duas semanas antes do Natal viu o seu contrato rescindido, já que os seus álbuns tiveram vendas praticamente nulas e desapareceu, tal como os seus discos. Podia terminar aqui. Mas às vezes, o Universo ri-se da nossa humilde ignorância. Não se sabe como, os álbuns de Sixto Rodriguez chegaram a uma África do Sul amordaçada pelo Apartheid, e tornaram-se, durante décadas, um símbolo de justa subversão para os sul-africanos de etnia europeia. Rodriguez tornou-se naquela metade daquele país, mais importante e popular que Elvis. Nos Estados Unidos ninguém sabia quem era. Na África do Sul, ouvido e amado, ninguém sabia também quem era o bardo das suas inquietações, e nasceu o mito de um cantor-poeta maldito que se tinha imolado no fogo em palco. Até que dois sul americanos quiseram saber mais sobre este homem, e como tinha sido a sua morte heroica, e descobriram que o seu profeta era vivo. A história, simplesmente emocionante, é contada no filme que ganhou, este ano, o Óscar para Melhor Documentário, “Searching for Sugar Man” e é digna de ser contada a todos, não porque haja qualquer moral  ou verdade metafísica a retirar-se de um caso absolutamente excepcional, ocorrido com um ser humano absolutamente excepcional, mas porque todos precisamos, por vezes, de um conto de fadas. E quando esse conto de fadas nos é oferecido pela própria realidade, é como se fosse a nós, sapos, que coubesse a sorte de sermos beijados pela princesa... e quantas vezes não o somos, sem o sabermos.

Artigos da mesma série: ,
publicado por Manuel Anastácio às 03:31
link do post | Dizer de sua justiça | Adicionar aos favoritos
|
.Nada sobre mim
.pesquisar
 
.Março 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
.Artigos da mesma série

. notas

. cinema

. livros

. poesia avulsa

. só porque

. política

. curtas

. arte

. guimarães

. música

. estupidez

. traduções

. wikipédia

. religião

. poesia i

. gosto de...

. ono no komachi

. narrativas

. tomas tranströmer

. buscas pedidas

. plantas

. arquitectura

. blogues

. enciclopédia íntima

. blogs

. braga

. fábulas de esopo

. as quimeras

. gérard de nerval

. carvalhal

. animais

. cultura popular

. disparates

. Herbário I

. poesia

. póvoa de lanhoso

. estevas

. pormenores

. umbigo

. bíblia

. ciência

. professores

. vilar formoso

. barcelos

. cinema e literatura

. coisas que vou escrevendo

. curtíssimas

. Guimarães

. rádio

. receitas

. ribeira da brunheta

. teatro

. vídeo

. da varanda

. economia

. educação

. família

. leitura

. lisboa

. mails da treta

. mértola

. Música

. os anéis de mercúrio

. cachorrada

. comida

. cores

. dança

. diário

. direita

. elogio da loucura

. escola

. esquerda

. flores de pedra

. hip hop

. história de portugal

. kitsch

. memória

. ópera

. profissão

. recortes

. rimas tontas

. sonetos de shakespeare

. terras de bouro

. trump

. Álbum de família

. alunos

. ângela merkel

. arte caseira

. aulas

. avaliação de professores

. ayre

. benjamin clementine

. citações

. crítica

. ecologia

. edgar allan poe

. ensino privado

. ensino público

. evolucionismo

. facebook

. todas as tags

.O que vou visitando
.Segredos
  • Escrevam-me

  • .Páginas que se referem a este site

    referer referrer referers referrers http_referer
    .Já passaram...
    .quem linka aqui
    Who links to me?
    .Outras estatísticas
    eXTReMe Tracker
    blogs SAPO
    .subscrever feeds