.Últimos bocejos

. 3

. Love & Hate, Michael Kiwa...

. T-shirt weather in the ma...

. Yonkers, Tyler, the Creat...

. 2

. 1

. i

. Anacreonte

. Educação do meu imbigo

. Voltei! Ou talvez não (co...

. Uma arte, de Elizabeth Bi...

. Uma arte, de Elizabeth Bi...

. Manual de Etiqueta e boa ...

. Aurora dos Pinheiros

. Versículos angélicos

. (19/01/2014)

. Cristianismo

. Arbeit macht frei

. Isso

. Limite

. Resignação solene

. LXXVIII

. Florentino Ariza num dia ...

. I've seen horrors... horr...

. Se bem me esqueço

. Enciclopédia Íntima: Pátr...

. LXXVII

. Experimental como o desti...

. Ruy do car(v)alhinho

. LXXVI

. Overgrown, James Blake

. MS MR - Hurricane

. Buscas pedidas: "filmes s...

. Para Thatcher

. S&M

. LXXV

. Mails da treta: Ímans e a...

. LXXIV

. Agnes Obel

. Amar, casar, perverter

. LXXIII

. LXXII

. LXXI

. Amar é dizer parvoíces

. Orgasm (Rock Cave), de Cr...

. LXX

. LXIX

. Thom Yorke e Nigel Godric...

. Soneto retro fashion

. LXVIII

.Velharias

. Janeiro 2017

. Agosto 2016

. Maio 2016

. Janeiro 2015

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Janeiro 2006

. Novembro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Março 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

. Dezembro 2003

Sexta-feira, 2 de Janeiro de 2009
A maldade da Saicil

Excerto de "The Land Before Time" ("Em Busca do Vale Encantado").

 

A minha prima Cila, que, ao modo da linha de Sintra/Cascais, tem transformado o seu nome, pelo uso, num chamamento pseudo-inglês (Sáicile), não acredita em dinossauros. Talvez a descrença não seja assim tão efectiva. A Saicil é, acima de tudo, uma mulher de braço de ferro, que não gosta de vergar, embora, no fundo, seja flexível como um junco. Cada um é livre de não acreditar no que entende. É claro que não acreditar naquilo de que se tem provas evidentes é uma atitude, quanto a mim, repreensível, especialmente quando tal descrença vem, geralmente, acompanhada de outras crenças sem qualquer fundamento. As pessoas que não acreditam que o homem tenha ido à lua são as primeiras a acreditar em lobisomens. Cada um tem direito a viver no seu próprio universo, povoado com as criaturas que entender e segundo as leis naturais que entender. Se, depois, o universo não obedecer às leis que escolhemos, sempre podemos dizer que é ele, o universo, e não nós, que está errado.

 

A minha prima Cila diz que é má. Como um Tiranossaurus rex? Eu diria que não. A Cila é mais um Velociraptor. Mas é má? Vejamos... Quando eu era pequeno, pequenino, a Saicil era muito mandona e intransigente. Cada pecadilho que eu, pobrezito, cometia, era severamente castigado pela Cila com palavras ásperas que me faziam berrar e chorar como as comportas de Castelo Bode. Mas não havia momento mais alegre, nos dias que passava em Chão de Meninos, que a altura em que a Cila decidia fazer bolos e me deixava mexer na massa. Já gostava menos quando ela se decidia a fazer sopa de feijão verde com tomate, coisa que ainda hoje me arrepia... Mas o melhor, mesmo, em Chão de Meninos, era a colecção completa de "Os Sete", da Enid Blyton que a Cila e a Bela (irmã dela e minha comadre) tinham no quarto. Pasava horas a ler aqueles livrinhos, mas como o tempo me parecia pouco (mal sabia eu que era realmente pouco) comecei por ler à Marcelo Rebelo de Sousa, tudo na diagonal. E foi a Saicil quem, com a sua maldade incontrolável, me ensinou a ler como deve ser, obrigando-me a recontar tudo aquilo que tinha lido, fazendo perceber que um leitor não se mede pelas páginas saltadas, mas pelas páginas onde nos demoramos. É claro que a esta maldade boa, tinha sempre, para equilibrar, a maldade (a pior de todas) que foi a de me racionar o número de horas de leitura. Que lia demais. Que assim não podia ser. Que havia todo um mundo lá fora. E fez-me passear com um rapaz lá do sítio com quem nada tinha a ver e que, bem feita, passou uma tremenda seca comigo - e eu idem. E vá a Cila de ralhar com o pobrezito Léi. Que eu devia ter conversas mais interessantes... E blá blá blá... Por mim, aprendi desde essa altura que quem está mal muda-se, e que quem não quer estar comigo, que não me procure. É talvez por isso que o meu blogue tem tão pouca audiência. Pouca? Bem, nem por isso. Não me posso queixar das qualidades humanas de quem me lê e que elevam o pequeno número a um expoente que não mereço, mas que aceito de bom grado. A Cila, ao criticar-me, nessa altura, fez com que algo dela passasse para mim. Se não fossem estes episódios, provavelmente não teria hoje o gosto que ainda mantenho pela leitura e não manteria, impassível, os meus interesses, ignorando solenemente aqueles que supostamente me aproximariam de outras pessoas. A alguma assertividade (palavra na moda) que tenho, devo-a em grande parte à Cila.

 

É por isso, Cila, que digo para continuares má como sempre foste. É assim que gosto de ti. É assim que gostamos de ti. E quem estiver mal, que se mude.

Artigos da mesma série:
publicado por Manuel Anastácio às 08:00
link do post | Dizer de sua justiça | Adicionar aos favoritos
|
8 comentários:
De Saicil a 2 de Janeiro de 2009 às 09:10
Olá primo, gostei de ler o teu artigo, revi-me completamente, e até fiquei de certo modo envergonhada e arrependida pelas maldades que te fiz,desculpa, eu sei que agora de nada serve, mas sabes eu sou feita daquele barro muito difícil de moldar, eo pior é que há dias que me orgulho disso,
mas quero que saibas que sempre foste o meu primo favorito, talvez por teres tido forças para aguentares a maldade, que na altura para mim era uma forma de educar, vê tu eu que até gosto de crianças é verdade, mas não tenho paciencia nenhuma para elas, felizmente há 5 anos encontrei a minha alma gémea em relacão ás crianças, não queremos, não por não gostarmos delas, porque gostamos temos 8 sobrinhos, mas por opção, há quem ache que é egoísmo,talvez , com a maldade vêm sempre algo mais atráz,ainda sou assim apesar da idade , isto não melhora, digo tudo na hora seja para quem for, ninguém me pára fiquem indignados se quiserem,acredito que ás vezes é perigoso, mas á que correr riscos, é para isso que aqui andamos,
portanto primo, obrigada por teres mostrado a nudez da minha alma para quem pense que sou uma santa(acho que ninguém) sou eu mesma, deixa lá os dinossauros, como disseste cada um acredita naquilo que quer....
Beijinhos para ti
Saicil
De Manuel Anastácio a 3 de Janeiro de 2009 às 00:15
Beijinhos e volta sempre.
De sandra a 2 de Janeiro de 2009 às 22:34
Olá Manuel! tentei ligar-te mas não fui bem sucedida de qualquer forma existem estes novos meios ao nosso dispor e devemos tirar proveito deles... (e agora ia já escrever sobre o paradoxo da papelada... mas adiante) assim, FELIZ ANO cheio de momentos felizes !!!! são os votos sinceros de uma amiga Bjocas e até qq dia.
De Manuel Anastácio a 3 de Janeiro de 2009 às 00:16
Feliz Ano Novo para ti também. E, espero, até breve.
De Saicil a 4 de Janeiro de 2009 às 17:42
Olá Pardinho
Tenho tentado contactar-te, para te pedir ajuda,mas não atendes o telef, mas é assim o meu problema , é que apaguei sem querer os meus artigos do meu blog, sabes se há forma de os recuperar?
fico á espera de uma resposta
beijinhos e as melhoras do Mies (como está ele?)
De Carla Cristiana de Carvalho a 4 de Janeiro de 2009 às 19:23
Olá Cila! Ao que parece apagaste mesmo o teu blog, e assim sendo não há maneira de recuperar os posts. Só mesmo criar um novo blog e começar a escrever outros posts...
Quanto ao Manuel raramente sabe do telemovel, e grande parte do tempo tem-no desligado ou sem som, o que me irrita imenso!
Quando precisares de uma ajudinha liga-me a mim! Beijinhos
De Carla Cristiana de Carvalho a 4 de Janeiro de 2009 às 19:33
Entretanto após uns minutos de pesquisa afinal é possível reanimar o teu blog. Vê aqui:
http://groups.google.com/group/google-pt-blogger/browse_thread/thread/428ad7e4fe5d1570?fwc=1&pli=1
De Saicil a 4 de Janeiro de 2009 às 23:20
Olá Carla, obrigada, acabei de ir espreitar mas não percebi nada daquilo, mas amanhã vou pedir aqui aos crackes dos computadores para eles me fazerem, muito obrigada
beijinhos
Saicil

Dizer de sua justiça

.Nada sobre mim
.pesquisar
 
.Janeiro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
.Artigos da mesma série

. notas

. cinema

. livros

. poesia avulsa

. só porque

. curtas

. política

. arte

. guimarães

. música

. estupidez

. traduções

. wikipédia

. religião

. poesia i

. gosto de...

. ono no komachi

. narrativas

. tomas tranströmer

. buscas pedidas

. plantas

. arquitectura

. blogues

. enciclopédia íntima

. blogs

. braga

. fábulas de esopo

. as quimeras

. gérard de nerval

. carvalhal

. animais

. cultura popular

. disparates

. Herbário I

. póvoa de lanhoso

. poesia

. estevas

. pormenores

. umbigo

. bíblia

. ciência

. professores

. vilar formoso

. barcelos

. cinema e literatura

. coisas que vou escrevendo

. curtíssimas

. Guimarães

. rádio

. receitas

. ribeira da brunheta

. teatro

. da varanda

. economia

. educação

. família

. leitura

. lisboa

. mails da treta

. mértola

. Música

. os anéis de mercúrio

. vídeo

. cachorrada

. comida

. cores

. dança

. diário

. direita

. elogio da loucura

. escola

. esquerda

. flores de pedra

. hip hop

. história de portugal

. kitsch

. memória

. ópera

. profissão

. recortes

. rimas tontas

. sonetos de shakespeare

. terras de bouro

. Álbum de família

. alunos

. ângela merkel

. arte caseira

. aulas

. avaliação de professores

. ayre

. citações

. crítica

. ecologia

. edgar allan poe

. ensino privado

. ensino público

. evolucionismo

. facebook

. fausto

. felgueiras

. todas as tags

.O que vou visitando
.Segredos
  • Escrevam-me

  • .Páginas que se referem a este site

    referer referrer referers referrers http_referer
    .Já passaram...
    .quem linka aqui
    Who links to me?
    .Outras estatísticas
    eXTReMe Tracker
    blogs SAPO
    .subscrever feeds