Domingo, 18 de Julho de 2004
Tese - antítese e síntese (vai dar tudo ao mesmo)

Lyre1913.JPG

Nos olhos do desgosto

os anjos

Deus

Os Deuses

O Diabo a sete.

Nos braços da claridade

a música gravada em pedra

a um tacto mudo.

 

Não sei o que há na música e na poesia. Não sei para que serve. Abomino a sua serventia. A mensagem, o disse que não disse, a ambiguidade.

Abomino a antiguidade.

Em vez de gritos, mais vale morrer calado.

Para quê tentar Deus com orações

quando é o silêncio que sobe em agrado a um nariz infecto?

São apressadas conclusões, não?

Silogismos de pé cortado. Seja.

Queimemos Santo Agostinho na sua piedade arrependida e pornográfica

para que veja

que a Igreja

Maniqueísta que recusou

é a única válida na Arte

pela parte de quem a usou.

Artigos da mesma série:
publicado por Manuel Anastácio às 13:42
link do post | Dizer de sua justiça | Adicionar aos favoritos
.pesquisar