Sábado, 11 de Outubro de 2008
Problemas de comunicação

Restaurante "O Abocanhado", em Brufe, Terras de Bouro.

 

No artigo anterior, apresento como enigma a placa que encontrei em Brufe, Terras de Bouro. Como não tinha localizado especificamente este Brufe, é natural que alguns leitores, pouco conhecedores da geografia do Norte montanhoso de Portugal, pudessem pensar, depois de uma consulta a Santo Google, que me referia à freguesia de Brufe, em Famalicão. A internet e os meus posts podem, de facto, levar a essa conclusão errada. Em artigos anteriores, tenho exposto algumas fotografias de milheiros na paisagem montanhosa da Serra da Amarela, apenas com a menção de "Brufe". Se eu for, entretanto, à Wikipédia no momento em que escrevo este artigo, encontro na página "Brufe" a desambiguação para duas freguesias com o mesmo nome, uma em Famalicão, outra em Terras de Bouro. Acontece que a fotografia que ilustra o Brufe de Famalicão é um milheiro, no meio de couves galegas recém-postas e murchinhas de sede, num alto montanhoso. É natural, portanto, que se julgue (para quem não conheça as notórias diferenças entre Famalicão e Terras de Bouro), que eu falava do Brufe de Famalicão. Entretanto, já pus, na Wikipédia, a fotografia no lugar certo.

 

O Brufe de Terras de Bouro, situado onde Judas perdeu as botas é, entretanto, um local actualmente muito na moda graças a um restaurante de simples mas eficaz arquitectura contemporânea ("O Abocanhado"), sobre uma paisagem de maravilhas, e ao lado de uma aldeia de belos recantos de granito.

 

Entretanto, a Carla ajudou-me a clarificar algumas coisas, no mesmo sentido que a intervenção do Luís Bonifácio, cujas visitas muito me honram, a despeito das nossas claras diferenças ideológicas. Citando Manuel Antunes, no Blog Vento Norte: "[a Independência] pedimo-la [os de Terras de Bouro] logo em 1139, ainda antes da existência de Portugal, quando, na Veiga da Matança, em Valdevez, ajudámos (às ordens do normando Gonçalo de Abreu, descendente dos reis de França, vindo para Portugal com o Conde D. Henrique, donatário de Brufe, aldeia vizinha de Vilarinho) D. Afonso Henriques e os seus homens, contra o Reino de Leão. E lutámos por essa independência (a de Portugal), ao lado de D. João I e ao lado de D. João IV. Por isso é que, desde o princípio da nacionalidade, os reis de Portugal concederam às Terras dos Búrios (actual Terras de Bouro) o "privilégio" de os seus mancebos não participarem no exército do reino, com a condição de defenderem a fronteira com o país vizinho, nomeadamente na Portela do Homem, na Portela da Amarela, no Castelo de Bouro, etc. (...). "Privilégio" esse que perdurou até 1834."

 

O Luís Bonifácio, contudo, em comentário anterior ao da Carla dizia "No caso de Brufe, um dos direitos que tinha era o de não dar mancebos para o serviço militar, ao contrário do que sucedia com outras povoações ali perto. E porque é que Brufe tinha esse direito?" - pergunta... E responde: "Basta ler a placa!" - não, não basta ler a placa! A placa não explica, em lado algum a razão do privilégio (entretanto esclarecido pela Carla). Apenas diz que apesar desse privilégio, Brufe "honrava o país na luta contra o invasor"! Mas qual a razão da referência específica a 1706? E qual era esse invasor? O Luís diz: "os seus habitantes se notabilizaram por feitos heróicos na sua defesa [na defesa de quê, ao certo?], muito provavelmente durante a Guerra da Restauração, pois na Guerra da Sucessão Espanhola (1701-1714) não ocorreram quaisquer combates no norte do país." - ora, a Guerra da Restauração terminou em 1668, por isso continuo a considerar como enigma aquela data, naquela placa. E, tal como o Luís diz, na Guerra da Sucessão Espanhola (1701-1714) não ocorreram quaisquer combates no norte do país. Por isso, por que razão aparece 1706???

 

O enigma persiste. Para mim, pelo menos.

 

 

Paisagem da Serra da Amarela, Brufe, Terras de Bouro.

publicado por Manuel Anastácio às 19:51
link do post | Dizer de sua justiça | Adicionar aos favoritos
3 comentários:
De Luís Bonifácio a 12 de Outubro de 2008 às 18:30
Brufe teve Foral?
Geralmente nas cartas de Foral eram listados os direitos e deveres do concelho.
Terá havido em 1706 alguma confirmação desse direito por parte do Rei D. Pedro II?
De Manuel Anastácio a 12 de Outubro de 2008 às 18:37
Se descobrir algo, depois digo...
De JOSÉ DA SILVA MAURÍCIO a 31 de Maio de 2010 às 15:55
Olá Bloguista em BRUFE (Terras de Bouro).

Divulga o seguinte documento na tua ESCOLA, na tua JUNTA DE FREGUESIA e na tua CÂMARA MUNICIPAL.


Viva os Bloguistas. Vivam as Juntas de Freguesia. VIVA A REPÚBLICA. Viva Portugal.


--- As 2 (duas) Juntas de Freguesia MAIS TRANSPARENTES de Portugal.
-------

A 1ª Junta de Freguesia mais transparente de Portugal é a Junta de Freguesia de BENFICA (Lisboa).

E.S.P.E.C.T.A.C.U.L.A.R.: Têm 26 (vinte e seis) CONTACTOS ELECTRÓNICOS.

Ver em http://www.jf-benfica.pt / Contactos (canto superior direito). Com a Barra do lado direito desloque para baixo.



Para quem GOSTA DE LER POUCO, o documento termina aqui.


Para quem GOSTA DE LER ASSIM-ASSIM, o documento continua.



A 2ª Junta de Freguesia mais transparente de Portugal é a de CARNIDE (Lisboa).

Tem 19 (dezanove) endereços electrónicos.

Todos os elementos do Executivo têm email, http://www.jf-carnide.pt/jf_composicao.php

Todos os Deputados da Assembleia de Freguesia têm Email, http://www.jf-carnide.pt/as_composicao.php



NOTA 1: Repararam que estas Juntas de Freguesia SÃO TODAS DE LISBOA !?!?!?!?!?

NOTA 2: A maior parte das Juntas só tem UM OU DOIS (1 ou 2) endereços electrónicos (emails).

NOTA 3: As Juntas de Freguesia do NORTE e do INTERIOR de Portugal NÃO SÃO TRANSPARENTES devido ao sistema político aí vigente há muitas, muitas décadas: A MONARQUIA RELIGIOSA!

E estes monarcas-religiosos fartam-se de ROUBAR E ALDRABAR O SEU PRÓPRIO POVO e depois dizem-lhes que os culpados pelo seu atraso são os gajos e as gajas de Lisboa!!!! Tá-se mesmo a ver. Tá-se, tá-se.


Para quem GOSTA DE LER ASSIM ASSIM, o documento acaba aqui.


Para quem GOSTA DE LER, o documento continua.



--- CURIOSIDADE:

Quais são as INSTITUIÇÕES PORTUGUESAS mais e menos transparentes?


As Instituições Portuguesas MAIS TRANSPARENTES são:

as Universidades Públicas,

os Institutos Politécnicos Públicos

e a mais transparente de todas: Assembleia da República EMAILS em http://www.parlamento.pt/DeputadoGP/Paginas/Deputados.aspx (E ainda, o PÚBLICO PODE ASSISTIR aos debates. E ainda, o trabalho deles é FILMADO E VISUALIZADO pelas pessoas).



As Instituições Portuguesas MENOS TRASPARENTES (mais corruptas) são:

as Escolas Básicas e Secundárias (Públicas e Privadas) - por isso o Ensino em Portugal não presta –,

as Juntas de Freguesia e a

Presidência da República.



ÚLTIMA HORA (11.11.2009):

Descobri a ESCOLA MAIS TRANSPARENTE DE PORTUGAL.

E.S.P.E.C.T.A.C.U.L.A.R.: Tem 70 ( setenta) emails no seu Site.

É a Escola Externato Infante D. Henrique. Ruílhe. Braga. Ver em http://www.eidh.eu/magazine , Contactos (menu lado esquerdo).



Cidade de Mesquita Machado (ex-Braga) ( mas Lisboeta ) 25.6.2009.

JOSÉ DA SILVA MAURÍCIO para os que não gostam de Anónimos.

ANÓNIMO para os que não gostam de armantes.

E para os restantes, J#o? d/ sI&v? Ma+/+u)io (Assinatura ilegível).

jose.mauricio.102@gmail.com

Blog "Eu Não Desisto", http://eunaodesisto.blogs.sapo.pt (apagaram-me os artigos. E não foi o Salazar).

Dizer de sua justiça

.pesquisar