Sábado, 30 de Agosto de 2008
Eu sou uma força do Passado - Pier Paolo Pasolini

Excerto de "O requeijão" de Pier Paolo Pasolini

 

Eu sou uma força do Passado.

Só na tradição está o meu amor.

Venho das ruínas, das igrejas,

Dos retábulos, das aldeias

Abandonadas sobre os Apeninos e os Pré-alpes

Onde viveram os irmãos.

Percorro a Tuscolana como um doido,

Pela Ápia como um cão sem dono.

Tanto contemplo o crepúsculo, a aurora

Sobre Roma, sobre a Ciociaria, sobre o mundo

Como os primeiros actos da Pós-memória

A que assisto, por privilégio censitário

Da orla extrema de qualquer idade

Sepulta. Monstruoso quem é nascido

De vísceras de mulher morta.

E eu, feto adulto, cirando,

O mais moderno de todos os modernos,

Procurando irmãos que o não são mais.

 

Pier Paolo Pasolini in Poesia in forma di rosa

versão de Manuel Anastácio

Artigos da mesma série:
publicado por Manuel Anastácio às 11:36
link do post | Dizer de sua justiça | Adicionar aos favoritos
2 comentários:
De Gerana a 31 de Agosto de 2008 às 03:26
Excelente o trabalho, fico ótimo em português.
É um poema danado de forte, né não?
Viu "Das Pedras" lá no leitora?
De Manuel Anastácio a 2 de Setembro de 2008 às 07:25
Sim, já vi Gerana. Sinto-me sempre a inchar de vaidade quando lá vou e leio os comentários. Em breve enviar-te-ei mais qualquer coisa. Beijos

Dizer de sua justiça

.pesquisar