.Últimos bocejos

. Todas as águas

. Todos os poemas

. Hold back your love, Whit...

. Hallelujah Money, Gorilla...

. 4

. 3

. Love & Hate, Michael Kiwa...

. T-shirt weather in the ma...

. Yonkers, Tyler, the Creat...

. 2

. 1

. i

. Anacreonte

. Educação do meu imbigo

. Voltei! Ou talvez não (co...

. Uma arte, de Elizabeth Bi...

. Uma arte, de Elizabeth Bi...

. Manual de Etiqueta e boa ...

. Aurora dos Pinheiros

. Versículos angélicos

. (19/01/2014)

. Cristianismo

. Arbeit macht frei

. Isso

. Limite

. Resignação solene

. LXXVIII

. Florentino Ariza num dia ...

. I've seen horrors... horr...

. Se bem me esqueço

. Enciclopédia Íntima: Pátr...

. LXXVII

. Experimental como o desti...

. Ruy do car(v)alhinho

. LXXVI

. Overgrown, James Blake

. MS MR - Hurricane

. Buscas pedidas: "filmes s...

. Para Thatcher

. S&M

. LXXV

. Mails da treta: Ímans e a...

. LXXIV

. Agnes Obel

. Amar, casar, perverter

. LXXIII

. LXXII

. LXXI

. Amar é dizer parvoíces

. Orgasm (Rock Cave), de Cr...

.Velharias

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Agosto 2016

. Maio 2016

. Janeiro 2015

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Janeiro 2006

. Novembro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Março 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

. Dezembro 2003

Segunda-feira, 21 de Julho de 2008
Magnólias brancas e dois haikai

 

Bachianas Brasileiras, de Heitor Villa-Lobos, por Hayley Westenra.

 

Vai avançada a altura das magnólias brancas. Tem o meu sogro uma destas árvores de cor verde escura lustrosa que dá apenas uma flor por ano. E, ao que parece, oferece o resplendor branco da flor apenas por um dia. Uma noite passada e já as folhas esmorecem com cor de ferrugem. Nunca vi a flor dessa árvore, floresce sempre um dia antes de lá ir, mas pelo simples facto de ser única e durar apenas um dia, quando olho para essa árvore, julgo que nela mora uma fénix, invisível ao meu olhar, mas que, sem dúvida alguma, lá permanece. Em contrapartida, em Guimarães há muitas destas magnólias brancas, como estas que fotografei no parque da cidade, há uma semana atrás.

 

 

I.

Na concavidade

Clara de tépala rara,

Voluptuosidade.

 

II.

Vai ao branco a Obra

Da luz sobre os braços nus

Do dia que dobra.

Artigos da mesma série: , ,
publicado por Manuel Anastácio às 21:02
link do post | Dizer de sua justiça | Adicionar aos favoritos
|
7 comentários:
De Cláudio Rodrigues (Spicka) a 22 de Julho de 2008 às 14:36
Em Guimarães há muitas, sim, (http://zineocio.blogspot.com/2007/03/botnica-magnlia.html) e descobri há poucos meses atrás que em Barcelos também, mesmo ao lado do campo da feira. :) São lindas!
De Manuel Anastácio a 22 de Julho de 2008 às 15:15
Por acaso, lembrei-me desse teu post ao escrever este. :)
De Cris a 24 de Julho de 2008 às 00:53
Poderás vê-las nos Jardins do Palácio dos Biscainhos, agora Museu, se passeares pelo jardim.
Não darás o tempo por perdido, mas antes, encontrarás um motivo (vou ser ousada e dizer que encontrarás muitos!) para por lá permanecer, horas!...
Vais ver uma colecção de presépios bem portugueses, única!
Quando fores para os jardins, delicia-te a olhar o edifício do final do séc. XVII, inicio do séc.XVIII
Barroco em todo o seu esplendor, Manuel!
Vale a pena a visita, pelas magnólias, por tudo!
Vais ver como é belo "o trabalho de parto da poesia" ali!
;-)
Bom gosto o teu, Manuel.
Não percas a oportunidade de vir ver as magnólias, soberbas, não vaidosas em demasia, mas antes, belas princesas...
Até conseguirás "ouvir" o casco dos cavalos, a "castanholar" cá em baixo, naquele cháo lindíssimo que vais percorrer até abrires a porta e "entrares" no jardim.
Perde-te por lá...

Um beijo e aproveito para dizer o quanto gostei de te ler aqui, no teu texto, umas quantas palavras abaixo deste outro, e lá, na casa da "Poesia Portuguesa" da Otília(a MM)

Cris
De Manuel Anastácio a 24 de Julho de 2008 às 01:06
E Braga aqui tão perto... Obrigado pela dica, Cris.
De palavrasdealgodao3 a 28 de Julho de 2008 às 01:44
Voltei aqui, não para te falar das magnólias, de palácios, mas para te deixar, do VGM, algo de que vais gostar, e, que até conhecerás, não sei, logo me dirás :-)

alma de cântaro

uma tarde, no japão,
o paulo rocha explicou-me
as técnicas do haiku.

íamos dentro de um
autocarro a caminho
do cimo de um monte,

vendo a paisagem mais
ou menos azulada, sem dar
pelos solavancos.

sou mau aluno. faço
um exercício em casa,
sem contar muito as sílabas:

"no cântaro de barro
cresce a sardinheira:
alma em flor de cântaro?"

Delicioso, não é?
Um beijo,

Cris
De Manuel Anastácio a 28 de Julho de 2008 às 07:50
Delicioso, mas eu sigo outras regras para os meus haikai: cinco sílabas métricas no primeiro verso, sete no segundo, cinco no último. Rima entre o primeiro e o último verso; rima interna entre a segunda sílaba métrica do segundo verso e a última do mesmo verso...

É um pouco mais difícil do que o que VGM faz, benza-me Deus...
De cris a 30 de Julho de 2008 às 02:14
Agora, sim, apetecia-me um bom café, uma boa conversa. Eu, que sei o "básico" sobre o Haicai , a sério que me apetecia "saborear" este tema.
Deixei-te o poema do VGM , porque, se o leres, vais ver (começo a pensar que quem vai levar com uma série de impropérios ainda vou ser eu.. rsss …por isso, vou comentar e vou “pôr-me a toques”) como ao longo do poema "tu vês" o que é um haicai , no que consiste. Foi o que achei interessante.
Ele fala-te no Japão, ele toca no fundamento do haicai enquanto filosofia de vida, de que tudo é transitório (principio budista. em que o importante é ter a noção (interiorizar) de que nada é estanque (veja-se a forma como eles encaram a morte, p. ex., duma forma tão natural como a vida, e das vezes que se tem que "voltar" até que nos "purifiquemos".
Não há receio, há sim, a absoluta serenidade... e continuaria por aqui fora e desviar-me-ia, porque não consigo, por nada, ser concisa! Defeito meu, eu sei!). A importância que é dada ao facto de sermos fruto de uma constante mudança tal como a natureza e as estações (repara como o VGM teve o cuidado de "aprender" e te fala na primavera).
É como um voo planado, isto, numa forma muito pueril de olhar a essência deste género poético.
Vês as regras a que um haicai deve obedecer, com a estrutura métrica, por ti também usada: terceto em 17 sílabas, e a forma, atrever-me-ia a dizer, como o VGM diz ser um mau aluno a matemática (alusão à contagem das sílabas) (não é, ele sabe-o e no seu discurso, ele não é capaz de o esconder, o que, diga-se, não abona nada a favor dele. Não há bela sem senão, Manel !.)
E agora, meu caro e querido (verdade, gosto de dizer quando sinto, e chamo-te “querido” com todo o respeito, porque gosto muito deste teu espaço) prepara-te porque te vou "bater". Falas em rimas que usas nos teus haicais .
Ora, uma das regras gerais, no haicai é o "desaconselhamento das rimas e títulos, já que elas acabam por…” (e vou usar uma expressão da Gerana ) "travar”…o fluir natural dos versos e limitam o poema, retirando-lhe a sua brandura..
Não te bato em relação ao uso de títulos, porque não os usaste…

Concluindo, pois que esta conversa poderá ter pano para mangas, quem sabe, quando vieres até Bracara Augusta, foi por ter achado que, apesar de tudo, o VGM , foi buscar de uma forma clara, quanto a mim, o que consiste um haiku , que te deixei este "alma de cântaro".

Um Haicai ou Haiku é um um momento muito íntimo, vivido até à última instância, sentido intensamente, por quem o escreve. Dizer muitíssimo em tão pouco.
Como li, e, vou voltar a citar, “De referir que, no Oriente, o conceito de união entre o homem e a natureza é diferente do ocidental: o homem também é a natureza, por isso, o conceito de união remete para aquele momento específico em que o homem reconhece essa natureza a que ele também pertence.”

E vou, antes que leve com uma “raiz fasciculada”
Deus já te abençoou, Manel, quando tiveste a feliz ideia de escrever ao provedor :-) sobre aquele infeliz programa feito por parvos vestidos de meninos a fazer perguntas completamente idiotas a meninos vestidos de parvos (salvo o devido respeito por toda e qualquer criança) pelos miúdos que não têm a mínima culpa de que os pais sejam uns perfeitos imbecis que até gravam o programa em alta definição para mostrar depois aos amigos e babarem-se todos:
- ´ta a ver, rico, tão giro que o meu João Maria é, e, tão inteligente! Aquela camisola é da Gant , nota-se, não nota? Adorei! Já reparou como ele "vai" tão bem, ali, na televisão???
Bolas, que volta ao estômago!
Adorava ver a cara do provedor, ao ler o teu comentário. Queria ser mosca, acredita!

Beijo,

Cris

Dizer de sua justiça

.Nada sobre mim
.pesquisar
 
.Março 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
.Artigos da mesma série

. notas

. cinema

. livros

. poesia avulsa

. só porque

. política

. curtas

. arte

. guimarães

. música

. estupidez

. traduções

. wikipédia

. religião

. poesia i

. gosto de...

. ono no komachi

. narrativas

. tomas tranströmer

. buscas pedidas

. plantas

. arquitectura

. blogues

. enciclopédia íntima

. blogs

. braga

. fábulas de esopo

. as quimeras

. gérard de nerval

. carvalhal

. animais

. cultura popular

. disparates

. Herbário I

. poesia

. póvoa de lanhoso

. estevas

. pormenores

. umbigo

. bíblia

. ciência

. professores

. vilar formoso

. barcelos

. cinema e literatura

. coisas que vou escrevendo

. curtíssimas

. Guimarães

. rádio

. receitas

. ribeira da brunheta

. teatro

. vídeo

. da varanda

. economia

. educação

. família

. leitura

. lisboa

. mails da treta

. mértola

. Música

. os anéis de mercúrio

. cachorrada

. comida

. cores

. dança

. diário

. direita

. elogio da loucura

. escola

. esquerda

. flores de pedra

. hip hop

. história de portugal

. kitsch

. memória

. ópera

. profissão

. recortes

. rimas tontas

. sonetos de shakespeare

. terras de bouro

. trump

. Álbum de família

. alunos

. ângela merkel

. arte caseira

. aulas

. avaliação de professores

. ayre

. benjamin clementine

. citações

. crítica

. ecologia

. edgar allan poe

. ensino privado

. ensino público

. evolucionismo

. facebook

. todas as tags

.O que vou visitando
.Segredos
  • Escrevam-me

  • .Páginas que se referem a este site

    referer referrer referers referrers http_referer
    .Já passaram...
    .quem linka aqui
    Who links to me?
    .Outras estatísticas
    eXTReMe Tracker
    blogs SAPO
    .subscrever feeds