Sábado, 19 de Julho de 2008
Enciclopédia Íntima: Quelidónia-maior

Quelidónia-maior, foto minha em Creative Commons

 

Ao contrário das estevas e das pútegas, não havia erva-das-verrugas na terra onde nasci e cresci. Hoje há, mas não lhe chamam erva-das-verrugas. Chamam-lhe "betadine" ou "erva-do-mercúrio" e, tendo sido cultivada nos jardins, começa agora a aparecer aqui e ali de forma espontânea (sem grandes hipóteses de se tornar numa planta invasora). Quando se corta uma folha ou um caule, forma-se uma gota de seiva que, aplicada numa ferida, ajuda a estancar o sangue e facilita a cicatrização, desde que não haja o perigo de entrar na corrente sanguínea - ou seja, no caso de uma ferida aberta. Eu já usei, e fiquei bem servido. Há livros que dizem que é uma planta perigosa, de seiva altamente tóxica e corrosiva, como se nos seus vasos corresse ácido sulfúrico a fumegar. Por mim, só se aproveita do aviso a precaução necessária de a não ingerir, até porque esta flor amarela, não parecendo, é uma papoila.

 

Pois, é que nem todas as papoilas são vermelhas e comunistas. Há-as amarelas e extremamente reaccionárias. Estas adoram agarrar-se aos muros das igrejas, conventos e solares minhotos, gostam de alguma sombra, e mesmo quando crescem no entulho (como alguns reaccionários - que nem todos nascem em berço de ouro) necessitam de água como de pão para a boca. Os comunistas também necessitam de água, mas costumam florescer mais em terra seca e sol aberto.

 

É ainda chamada de quelidónia-maior (que as quelidónias menores nem sequer são quelidónias, mas ranúnculos, flores amarelas e de pétalas brilhantes que nascem junto às ribeiras) e erva das andorinhas - o que vai bem com a palavra grega que dá origem ao nome científico e ao semi-vulgar "quelidónia", Chelidón, que significa "andorinha" porque floresce com a chegada das andorinhas e volta à discrição da verdura com a partida destas aves em Setembro.

 

Com a partida do "Dias com árvores" cabe-nos a nós, herdeiros da mais bela das realizações blogosféricas nacionais, manter viva a vontade de olhar para o ímpeto verde da natureza que a estupidez humana tão eficientemente quer travar. Quis, por isso, aplicar um pouco de seiva na ferida. Um pouco de betadine. Antes que as andorinhas partam definitivamente.

Artigos da mesma série: ,
publicado por Manuel Anastácio às 13:44
link do post | Dizer de sua justiça | Adicionar aos favoritos
1 comentário:
De espreitando a 21 de Julho de 2008 às 00:31
Não posso estar mais de acordo consigo quando diz que a (ERVA DAS VERRUGAS) é boa para ajudar a curar certas mazelas eu inclusivamente a cheguei a usar quando era mordido pelos mosquitos :
Por isso um abração amigo por me fazer recordar tempos da minha infância :
( BELLEVILLE , NJ . ESTADOS UNIDOS:

Dizer de sua justiça

.pesquisar