Sexta-feira, 20 de Junho de 2008
Pornografia e erotismo

Cena de "Tampopo" de Juzo Itami.

 

Esta cena de um dos meus filmes preferidos (que no Brasil recebeu o nome ridículo de "Os Brutos também comem Spaghetti")  é o exemplo perfeito que posso utilizar para diferenciar erotismo de pornografia. Há quem diga que, em certos casos, os dois campos se confundem. Contudo, não é assim. O erotismo existe para excitar a alma, fazendo referência ao corpo e ao prazer. A pornografia existe para excitar o corpo. Simples. Assim, as fotografias da Luciana Abreu, da Ana Malhoa e das Coelhinhas da Playboy, são pornográficas porque não têm qualquer intenção espiritual, num sentido lato - reparem, contudo, que não estou a fazer qualquer juízo de valor em relação à pornografia. Estou apenas a fazer um pequeno exercício de categorização. Este excerto, contudo, que chocará alguns dos meus caros visitantes pelas mais diversas razões (pelo que não deverão visioná-lo a não ser que tenham o espírito aberto) é um exemplo de poesia visual e sonora que, como as ostras, deve ser consumido cru. Luchino Visconti bem pode roer-se de inveja por Itami ter conseguido fazer com a música de Mahler a mais perfeita das conjuções entre o mundo abstracto dos sons e do ritmo da montagem e a carnalidade figurativa de cada plano. Claro que "Morte em Veneza", de Visconti - a obra cinematográfica que celebrizou a peça musical que se ouve também aqui - é uma obra completa e coesa, enquanto que "Tampopo" é um conjunto de curtas-metragens unidas em si apenas por um fio condutor temático, e umas mais perfeitas que outras. Também é certo que "Morte em Veneza" não é um filme erótico, porque o fascínio pederasta da personagem principal não é explorado na sua vertente sexual, mas como elemento corrosivo de um corpo que já está em decomposição quando segue em direcção ao Lido. O erotismo é sempre sobre a vida. Não existem elegias eróticas.

Artigos da mesma série:
publicado por Manuel Anastácio às 01:25
link do post | Dizer de sua justiça | Adicionar aos favoritos
8 comentários:
De Manuel Anastácio a 27 de Fevereiro de 2009 às 23:57
De modo algum. Gosto de ser roubado! :)
De lili a 28 de Fevereiro de 2009 às 00:01
:) Ainda bem, é que tem textos tão bonitos, como por exemplo a críitica ao ''Sonata de Outono'', que só dá vontade de roubá-los.
De Manuel Anastácio a 28 de Fevereiro de 2009 às 00:35
Bem... faço tenção de escrever uma crítica ao "Sonata de Outono", mas ainda não o fiz - sendo um dos filmes da minha vida, não quero ser leviano na escrita de algo que tanto significa para mim. Usei apenas um excerto para ilustrar um texto pessoal, não crítico.

Obrigado pela opinião tão favorável. Já deixei comentário no LiveJournal, mas tive de postar como anónimo.

Beijo.

Dizer de sua justiça

.pesquisar