Sexta-feira, 30 de Maio de 2008
Vénus reflectindo sobre o que lê

Vénus reflectindo sobre o que lê. Escultura em granito, data desconhecida, Paço de Ançariz, Escudeiros, Braga. Foto minha em Creative Commons

 

 

É terreno privado. Pedras privadas. Interesse público. O lugar é o Paço de Ançariz, Angariz ou Ancariz, em Escudeiros, Braga, e que terá sido pertença do arcebispo Dom Diogo de Sousa, que o terá trocado pelo Campo da Vinha – conta a anfitriã que pouco sabe contar daquilo que vi. Como passava por lá frequentemente, e tendo eu manifestado interesse em conhecer os jardins e as pedras, conhecimentos houve que me abriram o portão ao lado da capela. Das pedras que vi, e das quais me falta bibliografia e palavra ajuizada para as compreender, restou-me o encanto e a revolta. Encanto, porque não há Miguel Ângelo nem Brancusi que me enterneça mais que os rudes talhadores de  granito das terras lusitanas. Não há igreja românica ou gótica que passe indiferente à minha vista. Cada rosa, signo-saimão, entrelaçado, flor-de-lis, carantonha, ave, monstro, sereia, esfinge ou pormenor pornográfico que se insinue na pedra medieval é por mim admirado à exaustão. Sou daqueles chatos que se demoram nas visitas em museus a olhar os pormenores que quase ninguém quer ver. Infelizmente, grassa a praga, nos museus, de se proibirem as fotografias (mesmo sem flash). Por isso, não são poucas as vezes em que gostaria aqui de falar de alguns desses pormenores, e não falo, porque me falha a pena, faltando-me a janela.

 

Faz-me impressão a apropriação por privados daquilo que devia ser pertença de todos. Há em Campo Maior um menir que foi transformado em acessório de uma discoteca. Menos mau é o caso, que a reutilização da Arte não é mais que prolongar-lhe a vida. Pior é quando a arte cai nas mãos de quem a esconde aos olhos de quem a quer ver. Ainda mais quando essa arte é um testemunho histórico que a torna indubitavelmente pertença de todos, usufruída apenas por alguns. A minha conversa de esquerda enjoará a muitos, com certeza, numa época em que ninguém é de esquerda, incluindo os adversários do nosso socrático governo. Mas ninguém me tira da cabeça que há coisas que não podem ter dono, ou cuja posse deveria ser criteriosamente regulada por leis que permitissem o acesso de todos os cidadãos ao seu usufruto. Não proibiria simplesmente a posse desses tesouros da nossa história aos privados porque sei, simplesmente, que na mão das entidades públicas provavelmente ficariam em pior estado ou guardadas com o cadeado da arrogância institucional das nossas ipparescas vergonhas. A história da arte portuguesa há muito que se escoou por entre os dedos dos ladrões liberais anticlericais que despojaram os nossos mosteiros e, depois, entre as palmas apertadas de quem gosta de ter bibelôs de luxo, mesmo que os considere, apenas, pedras sem fala.

 

Ao ir-me embora daquele recinto, de que falarei mais vezes, em breve, vi ao cimo da dupla escada de granito, o corpo deitado dela. Julguei ser uma Senhora da Boa Morte, mas em boa hora me enganei. Não sei o que é. Faltam-me os pergaminhos e o olho clínico. Mas é figura pagã. Não sei o que tem entre as mãos, se é um frasco, se é o próprio coração. Por vezes, dá-me a sensação de que lê. Parece ser para um livro que o seu olhar seguia antes de o ter fechado (ao olhar), como quem reflecte. Pode não ser um livro. É provável que não seja. Para mim, é. Noto nos requintes do lavor de toda a parte superior da estátua, a testa alta, o cabelo voluptuosamente espalhado e… o sorriso. Digno de inveja por parte daquela outra que todos conhecem. Seria isto uma pedra tumular? Não compreendo a forma arcada e abatida do nicho. Não compreendo, sem sei se há quem compreenda. E vacilo entre a vontade de querer saber quem é aquela mulher (sim, estou a citar Buraka) e o desejo de ficar para sempre na ignorância. Mas a elas voltarei. À mulher. E à minha ignorância.

 

Artigos da mesma série: , ,
publicado por Manuel Anastácio às 01:39
link do post | Dizer de sua justiça | Adicionar aos favoritos
4 comentários:
De Gerana a 31 de Maio de 2008 às 00:06
Na maior parte das vezes é melhor ficarmos imaginando: quanto mais imaginamos, mais ampliamos as possibilidades, enquanto a realidade é uma só. A mim me parece uma menina lendo, há um livro aberto, ela sonha ou tenta tecer a imagem do que leu. O que me intrigou foi o que ela tem na mão. Uma boneca? Seria a princesa do conto de fada que ela está lendo? Ou é um vasinho de flores? Ela está deitada na grama de um jardim, ia colher flores para colocar no vaso, mas antes resolveu desfrutar de alguns momentos prazerosos com a leitura do livro.
De Manuel Anastácio a 31 de Maio de 2008 às 01:08
De facto, não sei se é um livro. Mas gostaria de pensar que sim.
De Gerana a 31 de Maio de 2008 às 02:44
O livro está na frente de "Vênus" (digamos que aceitei este fato, ela é Vênus porque o rosto é parecido com o da Vênus de O nascimento de Vênus, de Botticelli) e na mão esquerda é que parece um vaso para colocar flores. É lindo, me encantou.
De Menina_marota a 1 de Junho de 2008 às 19:01
"...Faz-me impressão a apropriação por privados daquilo que devia ser pertença de todos. "

Também a mim!

Excelente texto, que me despertou a curiosidade e a vontade de ir conhecer tal local...

Um abraço e grata pela partilha ;)

Dizer de sua justiça

.pesquisar