.Últimos bocejos

. Todas as águas

. Todos os poemas

. Hold back your love, Whit...

. Hallelujah Money, Gorilla...

. 4

. 3

. Love & Hate, Michael Kiwa...

. T-shirt weather in the ma...

. Yonkers, Tyler, the Creat...

. 2

. 1

. i

. Anacreonte

. Educação do meu imbigo

. Voltei! Ou talvez não (co...

. Uma arte, de Elizabeth Bi...

. Uma arte, de Elizabeth Bi...

. Manual de Etiqueta e boa ...

. Aurora dos Pinheiros

. Versículos angélicos

. (19/01/2014)

. Cristianismo

. Arbeit macht frei

. Isso

. Limite

. Resignação solene

. LXXVIII

. Florentino Ariza num dia ...

. I've seen horrors... horr...

. Se bem me esqueço

. Enciclopédia Íntima: Pátr...

. LXXVII

. Experimental como o desti...

. Ruy do car(v)alhinho

. LXXVI

. Overgrown, James Blake

. MS MR - Hurricane

. Buscas pedidas: "filmes s...

. Para Thatcher

. S&M

. LXXV

. Mails da treta: Ímans e a...

. LXXIV

. Agnes Obel

. Amar, casar, perverter

. LXXIII

. LXXII

. LXXI

. Amar é dizer parvoíces

. Orgasm (Rock Cave), de Cr...

.Velharias

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Agosto 2016

. Maio 2016

. Janeiro 2015

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Janeiro 2006

. Novembro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Março 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

. Dezembro 2003

Domingo, 16 de Março de 2008
De luto por um país que nunca foi nem quer ser

Acácias em Briteiros, Guimarães. Ou como o nada tudo devora e até se parece com alguma coisa. Foto minha. Todos os direitos reservados. Não abro a mão das misérias que me restam.


Era uma vez um país à beira de ser engolido no vazio. Esse país sempre vivera à beira desse vazio e habituara-se aos buracos que iam engolindo cada pedaço de alguma coisa que quisesse aparecer. Esses buracos eram, aliás, feitos pelos próprios habitantes do país, que julgavam que ao semear buracos de vazio, colhiam promessas messiânicas de um lugar no futuro de alguma coisa mundial. Todos aqueles que traziam alguma coisa nas mãos ou nas cabeças, para além de buracos de nada, eram obrigados a despejar essa alguma coisa no desaparecimento, quando não eram, simplesmente, para lá empurrados, perante multidões sorridentes e crentes. De vez em quando, vinham revoluções em que se prometiam coisas. Mas só vinha o nada. Numa dessas revoluções, em que o vermelho das flores parecia ser alguma coisa, e em que o vento da poesia parecia querer varrer o nada das ruas, os habitantes, cheios de coisas que é impossível nomear, gritaram, cantaram, e semearam sonhos. Quase parecia que os partilhavam. Mas não. Era, de novo, o nada a trabalhar. Era um nada a que quiseram dar o nome de liberdade, enquanto tudo se contaminava de um outro nada a que queriam dar o nome de socialismo. Mas tudo era nada, nem uma coisa só. Primeiro, quiseram destruir um buraco de nada chamado autoridade. E aqueles contaminados pelas corrosivas emanações daquele nada chamado socialismo, quiseram humilhar aqueles que envergavam os ceptros e ceptrozinhos da coisa nenhuma. Um tipo particular de ceptrozinhos, as palmatórias, era venerado como um direito consignado na constituição do nada, escrita à base de coisas que pretendiam ser coisas, mas que falhavam na sua afirmação de coisa por pretenderem em vez de serem. E os funcionários que envergavam esses ceptrozinhos, às vezes a contragosto, e que até queriam abraçar os troncos das coisas que nasciam por entre as pedras passaram a ser perseguidos pelas coisas nenhumas que, raivosas, queriam pagar o nada com o nada. As coisas nenhumas gostavam de mostrar as mãos fechadas, sem nada, para se afirmarem contra as coisas nenhumas de antes da revolução que abriam as mãos com a palma virada para o chão, também sem nada. Mudava apenas a disposição dos dedos. O nada das coisas que se chamavam de socialistas oscilava entre as promessas do alguma coisa com a lúcida e corajosa força do nada que, no fundo, era o espírito que movia todo o país. Os funcionários das palmatórias, agora encarregados de semear alguma coisa nas mãos fechadas dos socialistas e nas mãos abertas dos fascistas, só conseguiam desperdiçar sementes. Nascidos do nada, desesperavam na sua tentativa de fazer coisas, quando viam apenas alastrar cada vez mais o coisa nenhuma. Até que as mãos fechadas começaram a esmurrar aqueles pobres pedaços de nada com que se enganava os olhos vazios da populaça, enquanto que as mãos abertas fingiam, através da lisonja, acariciar-lhes o rosto. As mãos trementes dos pobres funcionários, tão habituados ao nada, começaram a tremer tanto que todas as sementes de alguma coisa caíam directas na boca voraz  de um monstro que rasgava o chão, vindo do abismo do nada sem fundo. E esse monstro, cavalgado por uma prostituta chamada Socialista, a Grande, que vinha de mãos abertas, viradas para o chão, devorava aqueles que alguma coisa faziam germinar, enquanto que recompensava de entre os que mais sementes desperdiçavam, a aleatoridade com que a morte engole a vida.

publicado por Manuel Anastácio às 03:39
link do post | Dizer de sua justiça | Adicionar aos favoritos
|
2 comentários:
De Gerana a 23 de Março de 2008 às 21:56
Um texto retado de bom!!!!!
De ALB a 1 de Abril de 2008 às 15:41
Passei por acaso. Até que enfim um blog que não fala só das moscas, nem do sexo dos anjos! Força!

Dizer de sua justiça

.Nada sobre mim
.pesquisar
 
.Março 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
.Artigos da mesma série

. notas

. cinema

. livros

. poesia avulsa

. só porque

. política

. curtas

. arte

. guimarães

. música

. estupidez

. traduções

. wikipédia

. religião

. poesia i

. gosto de...

. ono no komachi

. narrativas

. tomas tranströmer

. buscas pedidas

. plantas

. arquitectura

. blogues

. enciclopédia íntima

. blogs

. braga

. fábulas de esopo

. as quimeras

. gérard de nerval

. carvalhal

. animais

. cultura popular

. disparates

. Herbário I

. poesia

. póvoa de lanhoso

. estevas

. pormenores

. umbigo

. bíblia

. ciência

. professores

. vilar formoso

. barcelos

. cinema e literatura

. coisas que vou escrevendo

. curtíssimas

. Guimarães

. rádio

. receitas

. ribeira da brunheta

. teatro

. vídeo

. da varanda

. economia

. educação

. família

. leitura

. lisboa

. mails da treta

. mértola

. Música

. os anéis de mercúrio

. cachorrada

. comida

. cores

. dança

. diário

. direita

. elogio da loucura

. escola

. esquerda

. flores de pedra

. hip hop

. história de portugal

. kitsch

. memória

. ópera

. profissão

. recortes

. rimas tontas

. sonetos de shakespeare

. terras de bouro

. trump

. Álbum de família

. alunos

. ângela merkel

. arte caseira

. aulas

. avaliação de professores

. ayre

. benjamin clementine

. citações

. crítica

. ecologia

. edgar allan poe

. ensino privado

. ensino público

. evolucionismo

. facebook

. todas as tags

.O que vou visitando
.Segredos
  • Escrevam-me

  • .Páginas que se referem a este site

    referer referrer referers referrers http_referer
    .Já passaram...
    .quem linka aqui
    Who links to me?
    .Outras estatísticas
    eXTReMe Tracker
    blogs SAPO
    .subscrever feeds