Domingo, 4 de Novembro de 2007
Cristo no Monte das Oliveiras III, de As Quimeras" de Gérard de Nerval

Nebulosa de Caranguejo


Parte I


Parte II

 

“Destino imóvel, muda sentinela,

Fria Necessidade! Azar que arranca

P’lo deserto, que eterno gelo vela

O Todo em gradual algidez branca.

 

“Saberás o que a prima Causa anela,

Crerás que um sopro eterno se destranca

P’ra sóis defuntos em mútua querela,

Do que morre para o que novo arranca?...

 

“Meu Pai! És mesmo tu que sinto em mim?

Vencerás tu a morte para que eu viva

Ou cederás à final tentativa

 

“Do nocturno anátema querubim?...

Sinto-me só, em pranto e a sofrer,

Se morro é porque tudo irá morrer!”

 

 

(Versão de Manuel Anastácio)

Artigos da mesma série: ,
publicado por Manuel Anastácio às 19:37
link do post | Dizer de sua justiça | Adicionar aos favoritos
1 comentário:
De Gerana Damulakis a 5 de Novembro de 2007 às 01:01
Já que você se aventura no lance das traduções, vou fazer um desafio: tem um poema de e. e. cummings que eu amo de paixão e tenho dele umas cinco traduções para nossa língua. Nenhuma delas me satiafaz totalmente. por exemplo: se gosto de encontrar o verbo carregar para traduzir "to carry", não gosto de broto e, sim, botão para bud. preciso deste poema na plenitude de sua beleza na língua portuguesa. Obviamente, você topará se quiser.
I carry your heart with me

I carry your heart with me ( i carry it in
my heart). I am never without it ( anywhere
I go you go, my dear; and whatever is done
by only me is your doing, my darling)
I fear
no fate (for you are my fate, my sweet) I want
no world (for beautiful you are my world, my true)
and it's you are whatever a moon has always meant
and whatever a sun will always sing is you

here is the deepest secret nobody knows
(here is the root of the root and the bud of the bud
and the sky of the sky of a tree called life; which grows
higher than the soul can hope or mind can hide)
and this is the wonder that's keeping the stars apart

I carry your heart ( I carry it in my heart)

É belíssimo. Cameron Diaz diz este poema em um filme. Divirta-se! E consiga passar isto para a nossa língua com sucesso. Eu agradeceria muito.

Dizer de sua justiça

.pesquisar