.Últimos bocejos

. Os filhos não devem ser o...

. Todas as águas

. Todos os poemas

. Hold back your love, Whit...

. Hallelujah Money, Gorilla...

. 4

. 3

. Love & Hate, Michael Kiwa...

. T-shirt weather in the ma...

. Yonkers, Tyler, the Creat...

. 2

. 1

. i

. Anacreonte

. Educação do meu imbigo

. Voltei! Ou talvez não (co...

. Uma arte, de Elizabeth Bi...

. Uma arte, de Elizabeth Bi...

. Manual de Etiqueta e boa ...

. Aurora dos Pinheiros

. Versículos angélicos

. (19/01/2014)

. Cristianismo

. Arbeit macht frei

. Isso

. Limite

. Resignação solene

. LXXVIII

. Florentino Ariza num dia ...

. I've seen horrors... horr...

. Se bem me esqueço

. Enciclopédia Íntima: Pátr...

. LXXVII

. Experimental como o desti...

. Ruy do car(v)alhinho

. LXXVI

. Overgrown, James Blake

. MS MR - Hurricane

. Buscas pedidas: "filmes s...

. Para Thatcher

. S&M

. LXXV

. Mails da treta: Ímans e a...

. LXXIV

. Agnes Obel

. Amar, casar, perverter

. LXXIII

. LXXII

. LXXI

. Amar é dizer parvoíces

.Velharias

. Agosto 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Agosto 2016

. Maio 2016

. Janeiro 2015

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Janeiro 2006

. Novembro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Março 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

. Dezembro 2003

Segunda-feira, 9 de Julho de 2007
Wikipédia: Enciclopédia?

Bráulio e Santo Isidoro de Sevilha - Meister des Codex 167

Continuando as respostas ao Hélder Beja:
- Considera ter os conhecimentos suficientes para participar na feitura de uma "enciclopédia universal"?

Ninguém tem conhecimentos suficientes para escrever uma enciclopédia universal. E a Wikipédia não é uma enciclopédia universal. Eu mesmo não considero a Wikipédia uma enciclopédia. Como já referi atrás, a Wikipédia é um recurso de conteúdos livres, constantemente em actualização e em debate, além de estar sempre vulnerável a vandalismos de ordem vária. Por isso, é absurdo imaginar a Wikipédia como fonte bibliográfica para um estudo sério. Mas, e puxando a brasa à minha sardinha, se alguém quiser começar a estudar, por exemplo, os afídeos, encontrará na Wikipédia um texto que é, provavelmente, o mais completo sobre o assunto publicado na Internet em língua portuguesa. Eu sei que esse artigo foi escrito por mim com toda a seriedade, baseado em fontes bibliográficas que estão discriminadas no próprio artigo. Um estudante que pegue naquele texto, não vandalizado, terá uma excelente base de apoio para um estudo próprio que deverá ser apoiado por investigação em outras fontes bibliográficas. Há quem veja a Wikipédia como uma inimiga dos suportes bibliográficos tradicionais. Isso é uma estupidez. A Wikipédia, bem usada é, antes, uma enorme aliada dos suuportes bibliográficos tradicionais porque a Wikipédia exige uma leitura crítica. A Wikipédia não serve a papinha toda feita, como alguns críticos dizem (e mal). A papinha da Wikipédia está tudo menos pronta para consumo imediato – exige reflexão, consulta de fontes alternativas, confrontação de dados. E, claro, o melhor meio para isso será contribuir para a própria Wikipédia, melhorando os textos (a nível ortográfico, de organização e a nível da própria informação veiculada) e participando na discussão dos artigos. Cada artigo tem na parte superior uma aba que diz "discussão" onde podemos criticar o artigo e propor melhorias ou justificar as melhorias que fizemos no artigo. Claro que, por vezes, aquilo que consideramos melhorias é visto como vandalismo por outros utilizadores que se poderão sentir lesados nas suas crenças ou opiniões políticas devido ao conteúdo dos artigos. Nesse caso, a discussão dos artigos serve como excelente meio de diálogo e de "negociação da verdade". Esta "negociação da verdade", que tanta comichão provoca num dos meus colegas Wikipedistas, é na verdade, a essência política da Wikipédia. Muitos críticos chamam-na de "marxismo cultural" ou, simplesmente, da ditadura do "politicamente correcto". Na minha visão das coisas, a Wikipédia terá, de facto, de ser sempre politicamente correcta porque pretende ser objectiva, limitando-se aos factos. Para isso é necessário encontrar uma formulação textual que agrade a Gregos e a Troianos – o que é difícil e, mais que isso, um processo que nunca acaba. Basta verificar o histórico dos artigos sobre religiões. Alguém insere uma crítica ou acusação a essa religião e outra pessoa apaga essa crítica. Discute-se o assunto com muitas reviravoltas e ânimos exaltados - como acontecia, aliás, quando não existia ainda Wikipédia: a diferença é que na Wikipédia, se os utilizadores estão de boa fé, estão interessados realmente em encontrar uma solução de compromisso. A maior parte das vezes, o texto fica um pouco estropiado e instável, alternando o ataque com a defesa de determinadas opiniões. Muita gente critica esse estilo atabalhoado de muitos artigos da Wikipédia. Isso seria, de facto, criticável, se o texto da Wikipédia fosse um artigo literariamente acabado. Não é. Estamos perante um processo. E como os conteúdos da Wikipédia são livres, todos são livres de pegar nesses textos e, publicando-os ainda em GFDL (que permite a alteração dos conteúdos e o seu uso comercial), de escrever um artigo, publicado noutro local qualquer, onde se poderá dar a coerência de conjunto que tanta gente valoriza. Eu, por mim, preferirei sempre o texto atabalhoado, não fixo, da Wikipédia, porque na Wikipédia o texto funciona como um organismo vivo sujeito a mutações e a metamorfoses, a doenças e mesmo à extinção – mas também ao amadurecimento, ao desenvolvimento e à disseminação. E todos têm acesso a essa história de cada artigo: basta carregar na aba superior, acima de cada artigo, para esse efeito. Claro que isso exige tempo. É que a Wikipédia, sendo um produto da Internet e da "rapidez" do fluir da informação é, paradoxalmente, um excelente meio para a valorização da leitura lenta, crítica e atempada. Claro que uso frequentemente a Wikipédia para encontrar alguma informação que me seja necessária no momento, sem grandes preocupações de rigor, dependendo do objectivo que tenho na altura. Por exemplo, para me informar sumariamente sobre quem foi uma pessoa, a Wikipédia pode servir perfeitamente para me informar. De facto, até as fontes bibliográficas tradicionais têm erros – e muitos. Aliás: quando estou a escrever artigos para a Wikipédia é que me apercebo da quantidade de erros que existem em livros de autores conceituados. O que é ainda mais perigoso que encontrar um erro na Wikipédia, porque aí, o erro passa a ter autoridade por ter sido escrito por alguém que tem essa autoridade. Enquanto que se eu disser que uma determinada informação foi retirada da Wikipédia, o meu interlocutor pensará duas vezes antes de acreditar. Isso não é mau. É muito bom. É por isso que continuo a defender que a Wikipédia deve continuar a poder ser escrita por todos – e, principalmente, por aqueles que ainda estão, assumidamente, num processo de formação (os alunos do ensino básico, por exemplo). Os utilizadores formados academicamente serão, com certeza, uma mais valia para o projecto – mas serão ainda mais se aceitarem esse carácter universal do escritor da Wikipédia. Uma enciclopédia onde Freud não teria, nunca, a primazia para escrever um artigo sobre a psicanálise, porque o objectivo aqui não é dar voz aos autores consagrados em determinada área, mas voz aos leitores – a todos os leitores, até àqueles que escrevem mal e que interpretam mal o que lêem. Na Wikipédia estamos sempre a ler "leituras" pessoais. Quem não tiver a abertura de espírito para compreender o que isso é não deve utilizar a Wikipédia, porque não saberá o que está a fazer.

Artigos da mesma série:
publicado por Manuel Anastácio às 23:53
link do post | Dizer de sua justiça | Adicionar aos favoritos
|
3 comentários:
De a 17 de Julho de 2007 às 03:07
Boa tarde!
Antes de mais,parabéns pelo blog!
Ainda por cima com um tema ligado ao dia-a-dia da maioria de nós!

Convido-o agora a visitar também a acrescentar o meu link à vossa barra de links laterais:

http://aguia-de-ouro.blogspot.com/

Obrigado!
De Anónimo a 3 de Setembro de 2007 às 18:27
Um resumo que me acorre ao comentário do Manuel Anastácio é: a Wikipédia , que naum é uma Enciclopédia, diz-se enciclopédica por redondo engano de uns idealistas. Na realidade, a wikipédia sempre foi um projecto cobaia, e quem escreve nela com competência acaba sendo julgado - por editores pseudo intelectuais com poder decisório - como um herói ou um pobre coitado.
De Manuel Anastácio a 7 de Setembro de 2007 às 17:03
Era uma vez um anónimo que fala de competência... Como é que é possível averiguar a competência de um anónimo que nem sequer dá exemplo das suas contribuições competentes???

Dizer de sua justiça

.Nada sobre mim
.pesquisar
 
.Agosto 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
.Artigos da mesma série

. notas

. cinema

. livros

. poesia avulsa

. política

. só porque

. curtas

. arte

. guimarães

. música

. estupidez

. traduções

. wikipédia

. religião

. poesia i

. gosto de...

. ono no komachi

. narrativas

. tomas tranströmer

. buscas pedidas

. plantas

. arquitectura

. enciclopédia íntima

. blogues

. braga

. fábulas de esopo

. as quimeras

. gérard de nerval

. carvalhal

. animais

. blogs

. cultura popular

. disparates

. Herbário I

. poesia

. póvoa de lanhoso

. estevas

. pormenores

. umbigo

. bíblia

. ciência

. professores

. vilar formoso

. barcelos

. cinema e literatura

. coisas que vou escrevendo

. curtíssimas

. educação

. Guimarães

. rádio

. receitas

. ribeira da brunheta

. teatro

. vídeo

. da varanda

. economia

. família

. leitura

. lisboa

. mails da treta

. mértola

. Música

. os anéis de mercúrio

. cachorrada

. comida

. cores

. dança

. diário

. direita

. elogio da loucura

. escola

. esquerda

. flores de pedra

. hip hop

. história de portugal

. kitsch

. memória

. ópera

. profissão

. recortes

. rimas tontas

. sonetos de shakespeare

. terras de bouro

. trump

. Álbum de família

. alunos

. ângela merkel

. arte caseira

. aulas

. avaliação de professores

. ayre

. benjamin clementine

. citações

. crítica

. ecologia

. edgar allan poe

. ensino privado

. ensino público

. evolucionismo

. facebook

. todas as tags

.O que vou visitando
.Segredos
  • Escrevam-me

  • .Páginas que se referem a este site

    referer referrer referers referrers http_referer
    .Já passaram...
    .quem linka aqui
    Who links to me?
    .Outras estatísticas
    eXTReMe Tracker
    blogs SAPO
    .subscrever feeds