.Últimos bocejos

. Todas as águas

. Todos os poemas

. Hold back your love, Whit...

. Hallelujah Money, Gorilla...

. 4

. 3

. Love & Hate, Michael Kiwa...

. T-shirt weather in the ma...

. Yonkers, Tyler, the Creat...

. 2

. 1

. i

. Anacreonte

. Educação do meu imbigo

. Voltei! Ou talvez não (co...

. Uma arte, de Elizabeth Bi...

. Uma arte, de Elizabeth Bi...

. Manual de Etiqueta e boa ...

. Aurora dos Pinheiros

. Versículos angélicos

. (19/01/2014)

. Cristianismo

. Arbeit macht frei

. Isso

. Limite

. Resignação solene

. LXXVIII

. Florentino Ariza num dia ...

. I've seen horrors... horr...

. Se bem me esqueço

. Enciclopédia Íntima: Pátr...

. LXXVII

. Experimental como o desti...

. Ruy do car(v)alhinho

. LXXVI

. Overgrown, James Blake

. MS MR - Hurricane

. Buscas pedidas: "filmes s...

. Para Thatcher

. S&M

. LXXV

. Mails da treta: Ímans e a...

. LXXIV

. Agnes Obel

. Amar, casar, perverter

. LXXIII

. LXXII

. LXXI

. Amar é dizer parvoíces

. Orgasm (Rock Cave), de Cr...

.Velharias

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Agosto 2016

. Maio 2016

. Janeiro 2015

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Janeiro 2006

. Novembro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Março 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

. Dezembro 2003

Sábado, 24 de Fevereiro de 2007
Quem controla a Wikipédia - Parte V


Eugenia buxifolia - foto de B.navez que, graças à Wikipédia, é de todos nós, porque está em Creative Commons. Porque "a Myrtaceae by day, keeps the sanity away", como cantaria a Marlene para o Gary, em Marrocos. Não - esses ainda não estão em Domínio Público.

Uma das críticas mais frequentes à Wikipédia prende-se ao facto de ela ser escrita pelas mãos e, pior ainda, pelas mentes não iluminadas de amadores - exceptuamos, obviamente, o caso dos vândalos que, em termos gerais, só vandalizam a Wikipédia porque querem demonstrar que ela não é fiável (é como se eu me tornasse assassino para provar que a humanidade não tem emenda), isto é, vandalizam por uma boa razão. Foi assim que recebi um mail de um senhor chamado xxxxx[nome removido a pedido desse senhor] que me remetia para um artigo de Antonio Luiz Monteiro Coelho da Costa. Pena é que eu não possa estabelecer um diálogo com este senhor, como estabeleci com o Orlando Braga (cujo site desapareceu desde o meu último post, de forma muito estranha e suspeita) ou mesmo com o Janer Cristaldo, que até parecia disposto a dialogar comigo mas que deixou de me responder assim que saiu o número da "Nature" que comparava a Wikipédia à Britânica (não que esse estudo venha comprovar nada do que eu defendo - até porque eu não defendo a fiabilidade da Wikipédia). Pedi o contacto do autor do "Referência Fast Food", mas ninguém me respondeu da sua meritória revista. Os detractores da Wikipédia têm uma fobia aguda a conversas e argumentações - é por isso mesmo que nunca poderão contribuir para um meio de (des)informação tão estimulante como a Wikipédia. Entenda-se que escrevo (des)informação sem qualquer sentido pejorativo. A Wikipédia exige uma participação activa do leitor. Se é daquelas pessoas que nunca carregará no "editar" de um artigo da Wikipédia, o meu conselho é, simplesmente: não vá lá, que não aprenderá nada. A Wikipédia só informa verdadeiramente quem com ela interage. Quem duvida, quem procura, quem reescreve, quem discute. É claro que há sempre aqueles que vão apenas à procura de disparates ou que tentam descobrir os podres da poderosa máfia que controla a Wikipédia e pretende enganar o povo... Ora, o povo só é enganado pela Wikipédia se for muito parvo - e se usa o copy-paste em vez de usar o cérebro. A Wikipédia é a Enciclopédia escrita pelo povo, apagada pelo povo, desfigurada pelo povo e reconstruída pelo povo. Eu compreendo, é revolucionário de mais, não é?... Os partidários da Reacção preferem, mesmo, um mundo onde o Mestre e o Doutor vão deixando cair migalhas aos famintos que se rojam passivamente a seus pés. 

Ora, o artigo do senhor Antonio Luiz Monteiro Coelho da Costa é muito interessante e está cheio de legítimas preocupações a que eu, como professor, não me posso furtar. Se um aluno meu me trouxer um "trabalho" que é uma cópia da Wikipédia, receberá um raspanete. Se me disser, contudo, que fez uma alteração num artigo - e a alteração for positiva, terei, pelo menos, muita fé nesse aluno. Mas se esse aluno me trouxer uma cópia de um outro texto qualquer, de um livro escrito por académicos consagrados, o raspanete será na mesma medida. E o exemplo que vou dar nasceu exactamente da leitura do artigo do senhor Coelho da Costa que refere, a dado passo, o verbete "Arianos". Interessante referir que essa versão, anterior à minha, tinha tido participação de um dos raros "Doutores" participantes na Wikipédia: o senhor Carlos A. P. Campani (é certo que Doutor em Ciências da Computação e não em Antropologia, mas, ainda assim, um Doutor - claro que, agora, com o Tratado de Bolonha, o que não vão faltar são Doutores, pelo menos em Portugal). Decidi, então, eu, leigo, fazer o que o senhor Coelho da Costa não fez (porque se ele escreve alguma coisa é para ser pago... ia lá agora trabalhar para aquecer...) e comecei a melhorar o artigo. E a aprender coisas. A dada altura desisti de melhorar e tive de reescrever tudo. A falta de referências bibliográficas do artigo anterior à minha intervenção não permitia reutilizar informação alguma. Para começar, consultei as obras de referência (poucochinhas, que o ordenado de professor não dá para bibliotecas) que tenho em casa. E dou de caras com o verbete "Arianos" da Enciclopédia Luso Brasileira de Cultura, da Editorial Verbo, Edição Século XXI (isso do século XXI é treta, asseguro-vos). Se o artigo da Wikipédia era mau (que era), este aqui... não, não era mau. Estava bem escrito e até não estaria mau se a Enciclopédia se chamasse Enciclopédia Luso-Brasileira de Cultura, Edição Século XIX. Afinal, é só mudar um I na numeração romana. Para os editores desta Enciclopédia nem sequer se pôs a hipótese de esclarecer os leitores de que aqueles dados "científicos" pertencem ao tempo da Maria Cachucha e que o autor, José Domingues Lampreia, foi um antropólogo da "Junta de Investigações do Ultramar". Isto só para contextualizar, que não sei se a Junta tinha alguma ligação ou não com o Ministério da Propaganda.

Pois bem, o artigo que passo a transcrever serviu muito bem, como fonte bibliográfica, para o primeiro esboço do artigo que tenho em mãos (a versão do artigo "Arianos" ao momento em que escrevo este post não é uma versão definitiva, mas um ponto de partida), principalmente para uma das secções.
Peço desculpa se violo - aqui, não na Wikipédia - algum direito de autor, mas creio que, neste caso, o interesse público sobrepõe-se ao interesse dos particulares.

Arianos - ANTR. Do sânscrito arianam. Povos de raça branca que se supõe originários do Sul da Ásia, mais determinadamente da região de Hindu-Kusch, no Pamir, e consignados no Genesis como descendentes de Jafet. Essencialmente braquicéfalos, eram dotados de estatura elevada. Tradicionalmente atribui-se a Chemsid a divisão dos A. em quatro grupos ou castas: Catures ou sacerdotes, Asgares ou guerreiros, Sebaisas ou agricultores e Anuqueques ou artífices. Primitivamente pastores, aprenderam mais tarde a agricultura com os povos do Ocidente, com os quais se cruzaram, devido às contínuas migrações que durante séculos realizaram, tendo-se difundido por toda a Europa. Conservaram uma identidade de origem demonstrada por alguns ritos e tradições comuns, ainda existentes, e uma unidade linguística, supondo-se o sânscrito como um aperfeiçoamento da originária língua ariana. Nos tempos védicos desconheciam a escrita, mas mais tarde conheceram e aperfeiçoaram os caracteres cuneiformes. Atribui-se-lhes também a invenção do tijolo. Agrupavam-se em grandes famílias ou clãs, chefiadas pelo pater familia. Praticavam a cremação dos cadáveres, encerrando depois as cinzas em vasos de barro. Divinizavam a vaca, a que rendiam culto.

Serviu bem como fonte bibliográfica. Mas leiam o artigo actual da Wikipédia. Daqui a uma semana, voltem à Wikipédia e leiam o mesmo artigo. Depois, voltem a ler este. Talvez se faça luz, então, sobre quem controla a Wikipédia.



Para ler o artigo actual da Wikipédia basta carregar neste link (não confundir com o link para a versão que existia na altura em que escrevi este post, e que apresento no texto - de facto, desde essa altura para cá, já houve alterações no artigo, pelo que se quiserem participar no mesmo - corrigindo erros ortográficos, por exemplo - devem procurar a versão mais recente: esta).

Artigos da mesma série:
publicado por Manuel Anastácio às 17:38
link do post | Dizer de sua justiça | Adicionar aos favoritos
|
21 comentários:
De JLCA a 25 de Fevereiro de 2007 às 23:41
Wikipédia, uma nova seita?

É a pergunta que me faço quando vejo reacções deste tipo às críticas feitas à Wikipédia. Dizem os especialistas (um grupo de pessoas pelos quais o autor deste blogue parece ter um particular desprezo) que os membros das seitas tendem a ver o mundo em termos maniqueístas e a reagir de forma extremamente negativa a críticas. Para além disso, julgam que a sua seita trará algo de novo e revolucionário à humanidade, o que inevitavelmente será alvo de uma tentativa de destruição por parte de "gente malvada".

Mas não me alongo, deixo apenas um link para um texto interessante em francês que começa justamente por se referir ao lado mais "fanático" dos Wikipédistas http://www.framasoft.net/article4294.html
De Manuel Anastácio a 26 de Fevereiro de 2007 às 17:06
Caro JLCA: o seu comentário é totalmente despropositado e, além do mais, falta à verdade. Tenho todo o respeito pelos especialistas. Quando me quero informar correctamente, é a eles que recorro em primeiro lugar. Acontece que alguns fanáticos anti-Wikipédia não ouvem os meus argumentos que em nada opõem a Wikipédia aos académicos conceituados. Antes pelo contrário - a Wikipédia é um excelente local de formação dos futuros especialistas. Especialistas capazes de dialogarem e respeitarem as opiniões alheias e de lerem o que os outros escrevem antes de os criticar. O JLCA está apenas furioso com a Wikipédia por razões que aqui não cabem e às quais sou totalmente alheio.

Ainda não li esse artigo, mas, ainda antes de o ler, devo dizer que o fanatismo existe, de facto, entre alguns Wikipedistas. Mas creio que não me pode acusar disso, caro amigo, a não ser que, como já o disse, não tenha lido nada do que escrevi, ou tenha lido na diagonal.

Fique bem.
De Anónimo a 3 de Setembro de 2007 às 18:39
"Tenho todo o respeito pelos especialistas. Quando me quero informar correctamente, é a eles que recorro em primeiro lugar." Isso é muito certo e bonito, mas será que funciona na wikipédia realmente? Será que todos pensam assim? Estou observando!
De Manuel Anastácio a 7 de Setembro de 2007 às 17:07
A Wikipédia funciona sendo aquilo que é. O seu comentário demonstra que não entendeu aquilo que tenho dito sobre o projecto. A Wikipédia serve para discutir e trocar ideias com pessoas que pensam de forma diferente de nós. Eventualmente, levando-nos a acessos de raiva... mas há quem se enraiveça mais e quem se enraiveça menos. Eu aconselho menos raiva.

Podia desenvolver o assunto e responder melhor ao comentário acima. Mas não gosto de comentários anónimos. O anonimato na Wikipédia é uma coisa. Aqui é outra. Lá, é normal. Aqui, é cobardia.
De JLCA a 27 de Fevereiro de 2007 às 23:32
Num mundo ideal um aluno tomaria a atitude descrita pelo Manuel. Sim, num mundo ideal. Os alunos também não devem usar cábulas, mas no entanto alguns recorrem a elas. Se os adultos não possuem uma capacidade crítica em relação à informação que recebem, ainda mais os jovens. A verdade é que muitos alunos consultam a Wikipédia e infelizmente assimilam os seus disparates. Eu próprio testemunhei como um jovem vizinho, que tinha pedido para aceder à Internet aqui de minha casa para procurar material para um trabalho, limitou-se a copiar um artigo da Wikipédia para o Word.

Este artigo da "Carta Capital" não traz nada de novo. Quem acompanha os vários artigos que têm saído na Internet sobre a Wikipédia verá que o autor limitou-se a fazer um "apanhado" das críticas presentes nesses artigos: as informações não são fiáveis, os bons editores desaparecem porque não querem lidar com pessoas bizarras, etc. Talvez o mais interessante de tudo foi a exposição dos disparates da Wikipédia lusófona, que pelo menos já serviu para que se procurasse melhorar o verbete "Arianos" (um lado positivo das críticas, não temos que levar tudo a mal...). Pode ser também que os editores da Wikipédia tenham mais cuidado com as informações que inserem nos artigos. Talvez graças ao artigo alguns pais e professores lancem o alerta para que os jovens não confiem cegamente na Wikipédia.

Não sei se o doutor Campani será o culpado pelo estado em que estava o artigo (acho que andaram ali anónimos), mas de qualquer forma este era um usuário adepto de teorias esotéricas, às quais eu não me oponho, mas é preciso ter presente que o plano da crença e o plano da história nem sempre são coincidentes.
De Manuel Anastácio a 28 de Fevereiro de 2007 às 08:19
JLCA: não compreendi essa do mundo ideal... Eu acabei de escrever que o que os alunos fazem é exactamente aquilo que dizes!!! E é por fazerem exactamente aquilo que dizes, que eles precisam de contribuir para a Wikipédia, aprendendo o que ela tem para ensinar no que diz respeito aos direitos de autor, à citação de fontes, ao diálogo construtivo e ao desenvolvimento do espírito crítico. Acabar com a Wikipédia terá apenas um resultado: deixar de ter este meio pedagógico (que, aliás, já utilizei com alunos meus - não num mundo ideal) e voltarmos a uma internet pamonha como tínhamos antes da Wikipédia, controlada por serviços pagos (que a maior parte das pessoas não pode pagar) e por páginas amadoras, cheias de erros, que nem sequer podem ser editadas, mas que passam a ser vendidas como gato por lebre. A única coisa que eu defendo é que se explique claramente às pessoas o que é a Wikipédia - e aos professores em particular. É uma vergonha que quase professor nenhum fale em plágio com os alunos e que não os ensinem a criar em vez de copiar...

Volto a dizer (e a concordar contigo - é engraçado é tu não concordares comigo por princípio): não vivo num mundo ideal. E é por isso mesmo que a Wikipédia é útil - se as pessoas forem informadas para que serve... Nada mais.
De Manuel Anastácio a 28 de Fevereiro de 2007 às 08:27
Mas concordo numa coisa: as críticas destes senhores têm reflexos positivos na Wikipédia, o que significa que levamos a sério as críticas, e de forma construtiva... Mas, o interessante é que há gente, incluindo o JLCA, que fica indignado porque os apologistas da Wikipédia, eu incluído, ficam indignados com a forma pouco informada com que eles falam de algo que não conhecem... Ora bolas...
De JLCA a 28 de Fevereiro de 2007 às 12:06
Mas eu não estou aqui a defender o fim da Wikipédia! Concordo que como ferramenta pedagógica tem as suas potencialidades e sei mesmo que a tecnologia wiki tem sido usada em escolas e universidades. Li uma notícia no jornal israelita Haaretz onde se dizia que a Universidade Hebraica tem ordenado que os alunos escrevam na Wikipédia (http://www.haaretz.com/hasen/spages/826437.html). Agora se se considerar a Wikipédia como "produto final" e fonte de referência as coisas são diferentes (já sei que vai dizer que a Wikipédia não é um produto final). Estou a pensar nos riscos de manipulação, através de inserção de informações falsas... Mais uma vez, nem todos os leitores possuem capacidades críticas. A informação deve ser o mais rigorosa possível e os meios que transmitem informações devem assegurar isso. Estou a pensar no caso do chamado "arrastão" (que afinal não existiu ou pelo menos não existiu nos termos em que foi relatado) e nas consequências que pode ter tido ao nível do acentuar na população portuguesa de sentimentos de xenofobia e racismo. O caso John Seigenthaler Sr. (jornalista falsamente acusado na Wikipédia de participar nas mortes dos irmãos Kennedy) também já mostrou o lado negativo da Wikipédia. Num artigo John Seigenthaler disse "I am interested in letting many people know that Wikipedia is a flawed and irresponsible research tool."http://www.usatoday.com/news/opinion/editorials/2005-11-29-wikipedia-edit_x.htm

É por isso que já existem projectos que utilizam a tecnologia e conceitos wiki, mas que estão a tentar difundir a informação de forma mais responsável, como o Citizendium.
De Manuel Anastácio a 28 de Fevereiro de 2007 às 20:42
Então, JCLA: temos exactamente a mesma posição! Eu também estou ciente dos perigos da Wikipédia, como estou ciente de todos os perigos da própria Internet, como da comunicação social tradicional. O erro, a mentira e a manipulação estão em todo o lado. E nesse sentido, creio (mas essa é uma opinião pessoal), a Wikipédia é a menos perigosa dos três que citei. Principalemente se nos empenharmos nela com exigência - hoje, a Wiki é mais exigente que no início, as coisas vão mudando na cabeça das pessoas, e isso é bom - e, principalmente, se ensinarmos as pessoas a participar nela como instrumento pedagógico. Proibir a Wikipédia nas escolas é tolice - temos é de ensinar as escolas a lidar e a tirar o maior proveito da Wikipédia que nunca poderá ser lida como produto final, mas como ponto de partida (o que já é muito útil em muitos dos casos: repara que há temas que só encontras na net em português, na Wiki, ou que foram aí abordadas pela primeira vez).

Espero que voltes a participar lá. Volto a referir: podia não ter grande relação de simpatia contigo, e podia não concordar com muito do que dizias e fazias, mas a Wikipédia precisa de mais gente exigente como tu. Apenas precisam de ter um pouco mais de tacto diplomático, que raramente tiveste - seria uma das coisas que a Wikipédia te poderia ensinar... Olha: a mim, ensinou a levar a Internet com maior desportivismo. Participo em discussões, mas já não me sinto como o alemão louco...

Abraço.
De JLCA a 28 de Fevereiro de 2007 às 22:54
Hmmm, ok! Mas não participarei mais lá.

Cumprimentos...
De Anónimo a 20 de Julho de 2007 às 04:42
Oi, meu nome é Kleylton Ramos
e-mail: kleyltonramos@gmail.com

Então eis que o Sr Manuel Anastácio. Gostaria de saber porque usou meu nome em um blog sem a minha autorização? Você que sempre defendeu o contrário.

Eu nem sabia que meu nome estava sendo citado aqui.

"Foi assim que recebi um mail de um senhor chamado Kleylton Ramos que me remetia para um artigo de Antonio Luiz Monteiro Coelho da Costa. Pena é que eu não possa estabelecer um diálogo com este senhor"

São 00:31 aqui e não vou postar nada agora. Mais lembrem-se, escreverei aqui se me permitirem e irei até o fim na discussão.

Escreverei algumas coizinhas e postarei aqui. Tomara que não cortem os pedaços antes o depois de postados como fizeram em minha tentativa de contribuir com um manual sobre a Linguagem C na wiki.

Sim, eu tentei contribuir na wiki, sobre Linguagem C e meu texto foi cortado depois de horas de dedicação.

Leiam aqui
http://pt.wikipedia.org/wiki/Usu%C3%A1rio_Discuss%C3%A3o:200.195.127.130
De Anónimo a 20 de Julho de 2007 às 22:37
Kleylton Ramos
email: kleyltonramos@gmail.com

Os últimos e-mails que recebi do Sr. Anastacio continham a seguinte mensagem:

"Va levar no rabo"

apenas isso e o último

"Vamos dar uma trégua"

Isso é pelo fato de o Sr. Anastacio ter ficado nervoso quando escrevi à ele para relembrar uma discussão de 2004. Assunto: a wiki estava querendo adotar
uma postura que eu defendera 3 anos antes de acontecer. Apesar de eu defender uma postura que não era permitida na Wiki, eu nunca protiquei tal postura
na wiki. Sou a favor do Fair Use e o Sr. Manuel Anastacio é contra o Fair Use.

Uma pessoa que solicita trégua e que não é a favor do "Fair Use" deveria ter o caráter e a boa postura de não utilizar, sem autorização, o meu nome.
Ainda mais depois de me pedir trégua por e-mail. Porque não contou isso as pessoas nas quais você posta o meu nome, sem autorização, Sr Emanuel?

É fácil utilizar o nome das pessoas e criticá-las sem dizer a elas que isso foi feito. Tem medo que eu consigo, mais uma vez, me defender de suas
ambiguidades em público? Típico comportamento de pessoas que sabem estar cometendo erros, típico de pessoas que sabem estar erradas e típico de
pessoas que sentem medo da verdade.

Sinceramente Sr. Emanuel, você é uma pessoa que tenta defender uma ponto de vista até o fim, mesmo que, para isso, tenha que utilizar de caráter
hipócrita e ambíguo.

Porque você nem não tem coragem de assumir aos presentes que eu tentei participar com material decente para a wikipedia antes de começar a mostras os
pontos negativos da wiki? O Sr fala que existem mais não cita quais? Que é isso então? Está tentando nos enganar co falsa humildade, para depois, poder
dizer que já concordou em algo afim de discordar de outro assunto qualquer?

Porque você não diz aos presentes que você se sente um DEUS com capacidade para determinar quem pode postar o que? Você realmente pensa que ninguém
mais além de você tem capacidade! Você se acha melhor do que todo mund e pensa que ninguém mais conhece algo além de você. Quantas vezes julgou mal?
E quantass vezes teve coragem para julgar a si mesmo e assumir que você estava errado? Quantas vezes teve coragem de pedir desculpas?
De Anónimo a 20 de Julho de 2007 às 22:38
KLeylton Ramos
kleyltonramos@mail.com

Porque pediu trégua por e-mail e depois me criticou em um blog sem me avisar? Se você tinha argumentos, porque postou em um blog sem me avisar? Para que eu
não pudesse me defenter? Encontrei meu nome aqui sendo criticado por acaso. Porque utilizou meu nome indevidamente e sem autorização se você é contra o
Fair Use? Porque você mente? Porque?

O Sr. é muito bom para argumentar sobre situações que não dizem respeito ao seu caráter pessoal. Isso eu também sei fazer, qualquer um
sabe. Porque? Tem medo de descobrir a pessoa que você realmente é? Tem medo que as pessoas lhe digam a verdade sobre o lado negativo do seu caráter?
Tem medo, de perceber, que aquilo que você pensa ser, não é aquilo que você demonstra ser e não é aquilo as pessoas pensam de você?

Quando eu estou errado em relação a determinado assunto, pelo menos, eu tenho a humildade de dizer que eu estava errado, tenho a humildade de destruir uma
postura antiga e a humildade de cultivar uma nova postura que contribua com o meu crescimento humano. Conhecimento e sabedoria são coisas diferentes, você
pode ler e estudar muito, isso eu faço e qualquer um pode fazer, mais a sabedoria não se encontra em livros, a sabedoria se constrói com humildade e
sinceridade, sabedoria é experiência de vida ecarada com sinceridade. Coisa que lhe falta o tempo todo.

Existem muitas perguntas que eu fiz ao Sr. no passado e que até hoje estão sem respostas. Todas essas perguntas sem respostas referiam ao seu comportamento
como ser humano. Você vive muito fora de si mesmo e nenhuma introspecção. Não espero que o Sr. saiba o significado dessa palavra.

Lembre-se bem Sr. Emanuel Anastacio, pensar ter razão nem sempre é estar com a razão. Saiba abrir mão de um ponto de vista quando o Sr. estiver errado,
saiba pedir desculpas, mais faça isso com humildade, por sentir necessidade, caso contrário continuarás a ser um hipócrita. Saiba se arrepender. Digo isso,
porque, defender um ponto de vista errado, custe o que custar, é fanatismo. Você é o verdadeiro vândalo da wikipedia, você está destruindo aquilo que você
mesmo acredita. Antagônico. Está fazendo isso para impedir que pessoas decentes postem material decentes, você está impedindo que a wiki cresça. E porque?
Porque só o Sr. quer fazer parte? Vaidade? Já lhe disse antes, a vaidade vai pro túmulo, aproveite para ser decente enquanto ainda vive.

Se você gastasse, na wikipedia, desenvolvendo material, o tempo que gasta discutindo com as pessoas, a wikipedia cresceria ainda mais. Agora some esse tempo
desperdiçado ao tempo que você já gasta contribuindo com algo e verá que as pessoas gostarão de você.

Eu não preciso da wikipedia para ajudar as pessoas, eu disponibilizo muito material em fóruns e em alguns sites onde pessoas como o Sr. não existem.
Essa é a última vez que me reporto ao Sr. e que me defendo. Persistir no erro é burrice, desisto dde você Sr. Emanuel. Persistir com o Sr é perder meu
tempo e burrice extrema. Vou gastar meu tempo com algo que valha, porque você mente muito Sr. Emanuel. "Onde falta a razão é um perigo estar com a razão".
Passar bem!
De Manuel Anastácio a 22 de Julho de 2007 às 00:37
Boring... Vou ter que o gramar? Não tenho paciência para gente como você. Ah: não sabia que era preciso pedir autorização para citar o nome de alguém!!! LOL. Eu sempre defendi o contrário??? Defendi? Onde? E mais não digo.
De Anónimo a 3 de Setembro de 2007 às 18:46
vamos a uma mediação informal de conflitos a maneira de alguns da wikipédia?
De Manuel Anastácio a 7 de Setembro de 2007 às 17:09
??????

Não entendo a provocação.
De Kleylton Ramos a 6 de Março de 2013 às 23:14
Com algumas pessoas você não pode ter diálogo porque és um mentiroso. Quando você defendeu algo? Quando foi a favor do fair use. Quando cloqueou conteúdo com autorização, quando envia e-mails para as pessoas com dizeres "va levar no rabo" ou pedindo trégua nas discussões. Quando mesmo após pedir trégua de uma discussão você cita o nome da pessoa, para a qual você pediu trégua e julga essa pessoa em seu blog como se você fosse o dono da verdade e sem se importar em avisar a pessoa para que ela tenha o direito de se defender. Estou mentindo? Isso me da o direito de sair escrevendo sobre você na internet e colocar em todos os search engines do mundo. Por favor tire meu nome do seu post eu não concordo com o que você disse. Se tirar meu nome do seu post pode tirar todos os meus posts sobre você.
De Kleylton a 6 de Março de 2013 às 23:16
Corrigir:
de "Quando foi a favor do fair use"
para "Quando foi contra o fair use"

de "Quando cloqueou"
para "Quando bloqueou"
De Manuel Anastácio a 21 de Março de 2013 às 23:26
Peço desculpa, mas não entendi nada do que disse, exceto que: acusa-me de ter mandado mails a mandar levar no rabo. Se o fiz, peço desculpa, é um insulto homofóbico com o qual não concordo. O seu nome foi removido.
De Kleylton Ramos a 7 de Março de 2013 às 12:30
Por favor, tire meu nome do seu blog
De Manuel Anastácio a 21 de Março de 2013 às 23:22
Com certeza. Quer que apague também os comentários que fez?

Dizer de sua justiça

.Nada sobre mim
.pesquisar
 
.Março 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
.Artigos da mesma série

. notas

. cinema

. livros

. poesia avulsa

. só porque

. política

. curtas

. arte

. guimarães

. música

. estupidez

. traduções

. wikipédia

. religião

. poesia i

. gosto de...

. ono no komachi

. narrativas

. tomas tranströmer

. buscas pedidas

. plantas

. arquitectura

. blogues

. enciclopédia íntima

. blogs

. braga

. fábulas de esopo

. as quimeras

. gérard de nerval

. carvalhal

. animais

. cultura popular

. disparates

. Herbário I

. poesia

. póvoa de lanhoso

. estevas

. pormenores

. umbigo

. bíblia

. ciência

. professores

. vilar formoso

. barcelos

. cinema e literatura

. coisas que vou escrevendo

. curtíssimas

. Guimarães

. rádio

. receitas

. ribeira da brunheta

. teatro

. vídeo

. da varanda

. economia

. educação

. família

. leitura

. lisboa

. mails da treta

. mértola

. Música

. os anéis de mercúrio

. cachorrada

. comida

. cores

. dança

. diário

. direita

. elogio da loucura

. escola

. esquerda

. flores de pedra

. hip hop

. história de portugal

. kitsch

. memória

. ópera

. profissão

. recortes

. rimas tontas

. sonetos de shakespeare

. terras de bouro

. trump

. Álbum de família

. alunos

. ângela merkel

. arte caseira

. aulas

. avaliação de professores

. ayre

. benjamin clementine

. citações

. crítica

. ecologia

. edgar allan poe

. ensino privado

. ensino público

. evolucionismo

. facebook

. todas as tags

.O que vou visitando
.Segredos
  • Escrevam-me

  • .Páginas que se referem a este site

    referer referrer referers referrers http_referer
    .Já passaram...
    .quem linka aqui
    Who links to me?
    .Outras estatísticas
    eXTReMe Tracker
    blogs SAPO
    .subscrever feeds