.Últimos bocejos

. Os filhos não devem ser o...

. Todas as águas

. Todos os poemas

. Hold back your love, Whit...

. Hallelujah Money, Gorilla...

. 4

. 3

. Love & Hate, Michael Kiwa...

. T-shirt weather in the ma...

. Yonkers, Tyler, the Creat...

. 2

. 1

. i

. Anacreonte

. Educação do meu imbigo

. Voltei! Ou talvez não (co...

. Uma arte, de Elizabeth Bi...

. Uma arte, de Elizabeth Bi...

. Manual de Etiqueta e boa ...

. Aurora dos Pinheiros

. Versículos angélicos

. (19/01/2014)

. Cristianismo

. Arbeit macht frei

. Isso

. Limite

. Resignação solene

. LXXVIII

. Florentino Ariza num dia ...

. I've seen horrors... horr...

. Se bem me esqueço

. Enciclopédia Íntima: Pátr...

. LXXVII

. Experimental como o desti...

. Ruy do car(v)alhinho

. LXXVI

. Overgrown, James Blake

. MS MR - Hurricane

. Buscas pedidas: "filmes s...

. Para Thatcher

. S&M

. LXXV

. Mails da treta: Ímans e a...

. LXXIV

. Agnes Obel

. Amar, casar, perverter

. LXXIII

. LXXII

. LXXI

. Amar é dizer parvoíces

.Velharias

. Agosto 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Agosto 2016

. Maio 2016

. Janeiro 2015

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Janeiro 2006

. Novembro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Março 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

. Dezembro 2003

Segunda-feira, 19 de Fevereiro de 2007
Réquiem pela Wikipédia

O alemão louco colaborando na Wikipédia. Não aconselhável a quem não gosta de gritaria gratuita.

Eram quatro da manhã e ainda estava a meio de um artigo sobre o Feneco. O MSN, ligado, piscava de minuto a minuto com o H2mnO a perguntar-lhe se em Portugal se dizia "percebo" em vez de "entendo". De vez em quando, para desanuviar, saltava até às Páginas Recentes e verificava as contribuições de mais uns vinte anónimos. Um tinha acabado de substituir a biografia de Marie Curie por "Nuno Álvares é viado", mas o OS2WARRR já tinha feito a reversão... Metido!... Mais uma edição a menos na sua lista de Wikipedistas mais activos. Tinha mas era de começar a fazer como o Lípido: começar a gravar a cada frase que fizesse. Um só artigo valer-lhe-ia cerca de 15 edições, o que lhe permitiria aceder aos cinco mais... Parou. Censurou-se. Não! Não podia fazer isso! Estava a usar de forma egoísta os recursos da Wikimedia, fundação sem fins lucrativos que precisa de alguns milhões de dólares anuais, vindos apenas de donativos, para manter a funcionar um dos sites mais usados do Mundo sem qualquer dependência de publicidade. E arrepiou-se: é preciso que haja mais gente como eu, nesta febre louca, para que isto se mantenha em pé? Vendo que vacilava na fé, fustigou-se com o teclado. Teria de gravar o artigo sobre o menor dos canídeos (carece de fontes... o Lijó diz que carece de fontes... Ora porra... Onde é que tinha lido isso: encontrou algures que os canídeos "variam muito de tamanho (desde o pequeno feneco até ao lobo)"... Isso significa que o lobo é o maior dos canídeos???... Será? Quanto é que mede uma hiena? Não... as hienas pertencem são
hienídeos - nem sequer aos felídeos... Existem felídeos? Foi  ver... Sim, aliás: não existe a espécie hiena - esse é apenas um nome genérico para todos os animais dessa família...  Mas e os tamanhos? Como fazer as contas? Relação entre comprimento e envergadura? E onde raio é que ia encontrar essas medidas? Até podia ter uma data de Fenecos em casa - mas não podia ser, só com fontes bibliográficas é que valia). Entretanto, o artigo sobre a IURD estava sob fogo cruzado. Um IP escrevia "Cambada de LADRÕES" e outro escrevia "A Igreja Universal do Reino de Deus (IURD) é uma igreja cristã de linhas neopentecostais..." Hum... O artigo sobre Neopentecostais deveria chamar-se como? Existiria algo como Neopentecostalismo. Santo Google nos valha... Não é que existe mesmo? E começou a modificar o artigo que, afinal, já existia. Espera aí: ele, que há segundos atrás estava a pensar em fenecos e nada sabia sobre neopentecostais, estava agora a expandir um artigo sobre uma corrente religiosa? E daí? Estava apenas a fazer a massa. Os pormenores seriam, mais tarde, refinados por quem soubesse. Terminou o Feneco e deu uma olhadela à Esplanada. Os Fairusistas acabavam de, supostamente, comprovar astuciosamente que a Wikipédia Lusófona era ilegal porque apresentava como conteúdo livre material que o não podia ser. Foi até ao site da Sociedade Portuguesa de Autores e mandou um mail ao Webmaster para esclarecer dúvidas... Mas, provavelmente, ninguém responderia. Ninguém faz trabalho de advogado gratuitamente. Ninguém faz nada gratuitamente. Gravou o artigo do Feneco, fez o redireccionamento de "Vulpes merda" para... Merda! Vai ser gozado por todos: era Vulpes zerda e não merda!... E o m nem sequer está perto do z... Vai de marcar com "Eliminação Rápida", justificação: "erro meu" - eram 5 da manhã. Tinha de acordar às 8. Ao "salvar", apareceu uma caixa amarela na parte superior do monitor. Mensagem: "Caro senhor, este Wikipédia [este? Que raio de vontade de masculinizar A Wikipédia...] é uma vergonha censuraram-me o artigo sobre a "Igreja dos Egrégios Santos do Novo Mundo", dizendo que não é enciclopédico, quando há tantos artigos sobre Pokémons ainda mais quando acabei de ler um que diz que o Tricachu tem 25 pontos de força e 90 de resistência o que é falso aliás tenho aqui a caderneta de cromos que indica claramente que tem 45 de cada, excepto quando se aproxima de qualquer Ungilimon com ligações ao elemento fogo por isso esta enciclopédia é uma vergonha os administradores são uma escória uma máfia uma panela de viados que querem impor a sua visão mesquinha do mundo... etc etc etc". Respirou fundo - valeria a pena ler o resto?... Uma coisa era certa, os artigos dos Pokémons eram do piorio. Mas não seria, com certeza, ele a procurar uma caderneta de cromos dos mesmos para verificar a fiabilidade de cada um dos parâmetros dos bicharocos. O Feneco era mais importante. E tinha, obrigatoriamente, de descobrir onde é que vira que era o menor dos canídeos, antes de dormir. Lembrou-se ainda de ir ao site pt-wikipediasentinel-letrasfuradas.blogger.com onde viu que os seus argumentos da noite anterior eram rebatidos com uma lista de provérbios. Um deles dizia «Quem torto nasce, tarde ou nunca se endireita.»... Subscrevia... Depende do que é que está torto: o espírito ou a matéria?

A Wikipédia era uma batalha, apenas. Uma batalha do que é torto pela rectidão. Teve de desligar o computador e deitou-se. Fechou os olhos... Ainda tinha uma lista de arquitectos sem biografia para terminar. Que percebia ele de arquitectos? Nada. Não percebia nada de nada. Mas aprendera alguma coisa.

Ao menos, era melhor que jogar Tetris. E adormeceu, beatificamente (ainda pensou no artigo sobre a Beata Alexandrina que precisava de uma nova imagem porque a que lá estava ia ser eliminada no Commons - havia de ir a Balazar no fim de semana seguinte...). E lembrou-se, ainda, de a "História do Cerco de Lisboa" - onde um revisor acrescentou um não às palavras dos cruzados que (não) ajudaram Afonso Henriques a conquistar Lisboa. Havia coisa mais bonita que a Wikipédia, no que à escrita diz respeito? Não, não havia. Um dia, tudo acabaria - os fundadores do projecto desapareceriam debaixo de um processo de fraude, os governos proibiriam os seus conteúdos depois de descobrirem que as suas biografias os faziam descender do cruzamento de ratos com galinhas, além de os descreverem como "Drag Queens" malucas (informação, por certo, verdadeira, o que a tornaria ainda mais perigosa). O interessante era saber até onde é que tudo iria. Por quanto tempo é que a boa vontade conseguiria manter à tona a mais disforme e fascinante das Bibliotecas que a humanidade alguma vez concebeu.

Obrigado, Wikipédia. Se não durares mais três meses, como dizem, continuarás a ser uma semente. Uma luz. Uma fé. Uma escuridão. Uma droga, um amor-ódio. Uma dependência. Uma espada de destruição e um tijolo. Um motivo para pensar. Para não dormir. Para aprender que ninguém sabe o quer que seja, mas o que vale é acreditar, procurar e tentar, quando se acredita procura e tenta com e através do amor - amor por todos, pela humanidade - ... pela almofada... Há alguma coisa que valha a pena?... Sim: dormir. E amar. Dar...
Artigos da mesma série: ,
publicado por Manuel Anastácio às 23:01
link do post | Dizer de sua justiça | Adicionar aos favoritos
|
4 comentários:
De Artur a 20 de Fevereiro de 2007 às 18:04
que gosto... ufa, ler o teu post deixou-me cansado. E julgo eu que sou um obcecado capaz de ficar horas a controlar nós em desenhos vectoriais... isso sim, a wikifebre é que é uma obsessão... muito saudável!
De Manuel Anastácio a 20 de Fevereiro de 2007 às 20:48
Saudável não diria... ehehe
De Ulisses G. T. a 20 de Fevereiro de 2007 às 19:00
Eu costumava ajudar na Wikipédia em língua portuguesa a alguns anos atrás mas desisti por causa da cambada de portugas filhos da puta que habitam aquele lugar. Os merdas portugas modificavam até artigos de cidades do interior do Brasil que eles nunca ouviram sequer falar só porque não estavam escritos na ortografia porca deles.

Se houver 200 mil artigos na Wikipédia em língua portuguesa pelo menos 190 mil foram escritos por brasileiros, mas os portugas escrotos insistem em querer ser os maiorais e modificar o que foi escrito pelos brasileiros.

Talvez eu volte a contribuir na Wiki algum dia se o Brasil finalmente ganhar sua versão independente da dos vermes portugas desde que nessa Wiki brasileira a cambada de portugas salafrarios sejam banidos ou impedidos de modificar algo.
De Manuel Anastácio a 20 de Fevereiro de 2007 às 20:42
É: não é só em Portugal que existe gente estúpida. O Brasil também tem a sua conta. Nem sequer vou comentar a extrema parvoíce deste último comentário. Apesar de alguns termos obscenos, vou mantê-los como prova de que a idiotia é uma característica universal. Não vou escrever nenhum conto tipo "Noli me tangere". Teria de ser um autor brasileiro a fazê-lo. Felizmente, sei que o Brasil está cheio, também de gente boa. Saravá para esses.

AH: Ulisses, a Wikipédia passa bem sem as suas "contribuições" (deviam ser jeitosas, deviam...).

Dizer de sua justiça

.Nada sobre mim
.pesquisar
 
.Agosto 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
.Artigos da mesma série

. notas

. cinema

. livros

. poesia avulsa

. política

. só porque

. curtas

. arte

. guimarães

. música

. estupidez

. traduções

. wikipédia

. religião

. poesia i

. gosto de...

. ono no komachi

. narrativas

. tomas tranströmer

. buscas pedidas

. plantas

. arquitectura

. enciclopédia íntima

. blogues

. braga

. fábulas de esopo

. as quimeras

. gérard de nerval

. carvalhal

. animais

. blogs

. cultura popular

. disparates

. Herbário I

. poesia

. póvoa de lanhoso

. estevas

. pormenores

. umbigo

. bíblia

. ciência

. professores

. vilar formoso

. barcelos

. cinema e literatura

. coisas que vou escrevendo

. curtíssimas

. educação

. Guimarães

. rádio

. receitas

. ribeira da brunheta

. teatro

. vídeo

. da varanda

. economia

. família

. leitura

. lisboa

. mails da treta

. mértola

. Música

. os anéis de mercúrio

. cachorrada

. comida

. cores

. dança

. diário

. direita

. elogio da loucura

. escola

. esquerda

. flores de pedra

. hip hop

. história de portugal

. kitsch

. memória

. ópera

. profissão

. recortes

. rimas tontas

. sonetos de shakespeare

. terras de bouro

. trump

. Álbum de família

. alunos

. ângela merkel

. arte caseira

. aulas

. avaliação de professores

. ayre

. benjamin clementine

. citações

. crítica

. ecologia

. edgar allan poe

. ensino privado

. ensino público

. evolucionismo

. facebook

. todas as tags

.O que vou visitando
.Segredos
  • Escrevam-me

  • .Páginas que se referem a este site

    referer referrer referers referrers http_referer
    .Já passaram...
    .quem linka aqui
    Who links to me?
    .Outras estatísticas
    eXTReMe Tracker
    blogs SAPO
    .subscrever feeds