Sábado, 26 de Março de 2005
The Lake Isle of Innisfree de William Butler Yeats

Vou levantar-me e ir agora, e ir para Innisfree,

Uma pequena cabana de argila construída aí, de colmo as telhas,

Nove filas de feijão, e uma colmeia de abelhas e mel, aí

E viverei só na clareira onde zunem as abelhas.

 

E teria alguma paz por aí, já que a paz goteja lenta,

Gota a gota dos véus da manhã até onde o grilo canta;

Toda a noite alta é luz fosca por aí, e o meio dia, púrpura, em luz violenta,

E, cheia com as asas dos pintarroxos, a tarde se levanta.

 

Vou levantar-me e ir agora, para sempre, noite e dia,

Ouvir o som alto da água nas margens do lago em convulsão;

Enquanto junto ao caminho, ou sobre o pavimento acinzentado me veria,

Ouvindo-o no mais fundo do cerne do coração.

 

Versão de Manuel Anastácio

Artigos da mesma série:
publicado por Manuel Anastácio às 02:11
link do post | Dizer de sua justiça | Adicionar aos favoritos
.pesquisar