Segunda-feira, 15 de Janeiro de 2007
Natal

Natal de 2006, Presépio ao vivo em Priscos, Braga, Foto minha em Creative Commons

Foi Natal.
Foi uma noite de fogueiras.
Havia pastores.
Havia Senhores, havia o Mal.
Havia putas - ou rameiras. Havia...
Havia o Bem.
E havia anjos no céu estrelado.
Mas desses não deu notícia ninguém
- apesar de terem cantado.
-  apesar de em Ramá chorar alguém
Porque subiam anjos para o Teu lado
Quando Tu descias até nós...
- Ai! Não! Que me falha a voz...
Para esses, não há um círculo de luz difusa?...
Por onde há suspiros em vez de gritos,
Desiludidos em vez de aflitos
E uma benignidade confusa?
Aí, onde Homero e Virgílio descansam,
No repouso dorido em que os versos dançam...
Aí, onde nada esperam porque, de onde Vieste...
E para onde Foste,
- Após uma breve pausa
de três dias -
Aí, não há Doutoramentos Honoris causa.
Nem gratuitas mordomias.

Foi Natal.
Nem sequer foi em Dezembro.
Numa altura de que não me lembro
Nem bem nem mal.
Foi numa altura qualquer,
Por altura de um qualquer
Recenseamento,
Numa Terra sem acolhimento.
Como hoje.
Foi numa noite.
Num sítio nem perto nem longe.
Tenho a certeza.
Sem tripla realeza,
E apenas a noite como visita.
E, se nas palhas alguém deitado havia,
Dúvidas não tenhais,
Homens, que a pintais
Assim, ajoelhada:
Esse alguém era Maria.
Aconchegando o corpo de um Deus Menino
Tão indefeso e pequenino!
Aconchegando-o, ao Único Deus,
Como diziam os judeus,
Ao seu corpo impuro de mulher que sangra.
Tão impuro e imaturo quanto a ideia de um certo Deus.
- Uma ideia que sangra,
Como contam os judeus,
E adivinham os outros,
No cálice da transubstanciação,
- Tão impuro quanto a ideia da Criação.
Tão impuro e pleno de vício
Quanto o sangue escuro
E a bosta quente
Numa noite tão pura quanto indecente
Que não foi, sequer, num qualquer solstício.
Artigos da mesma série:
publicado por Manuel Anastácio às 22:14
link do post | Dizer de sua justiça | Adicionar aos favoritos
3 comentários:
De Rosa_brava a 16 de Janeiro de 2007 às 01:56
Natal és tu
Natal sou eu
Natal somos nós
E eles, e eles…
Natal é sempre que dás a mão
Natal é perdão
É Amor, alegria, sofrimento e dor...
Natal é sempre que ajudas alguém
aquele com um andar oscilante,
com uma lágrima constante,
por um caminho diferente…
Natal foi ontem
Natal é hoje
E, será amanhã…



Na simplicidade das minhas palavras, para lhe dizer que gostei do teu Natal...

Um barço ;)
De Maria Helena a 16 de Janeiro de 2007 às 08:46
Tão divinamente humano...
De Cláudia Oliveira a 16 de Janeiro de 2007 às 17:55
Bom blog

Dizer de sua justiça

.pesquisar