Quinta-feira, 23 de Novembro de 2006
Curta 7
Se ele há pessoas de quem gosto muito, também é verdade que há pessoas por quem tenho o maior desprezo. Uma dessas pessoas dá pelo nome de João Sebastião. Um professor de Sociologia (que, infelizmente, foi um dos meus não-professores, já que não me ensinou coisíssima nenhuma) e cuja aula mais comentada foi, de facto, uma vez em que teria estado com a braguilha aberta. Eu, por mim, não me esqueço dos meus colegas a apresentarem trabalhos e ele a desenhar uma espécie de Batman, com uns batsapatos, uma batbicicleta e outras batretas. No final, ainda, teve o mau gosto de deixar a sua obra de arte na sala para que os pobres palestrantes soubessem da atenção que lhes tinha prestado. Um nojo. Na altura, era conhecido no meio educativo como um dos maiores especialistas em cultura cigana - era simples e rasteiro: os ciganos eram sempre bons; nós (ele não incluído, claro) éramos maus porque não queríamos compreender a cultura dos ciganos. Até podia ter alguma razão, mas o seu extremismo e a sua falta de visão preconceituosa levava-o a sobrevalorizar aqueles que ele considerava coitadinhos e a detestar e a humilhar aqueles que ele considerava privilegiados (aqueles que ele considerava, apenas pela "pinta"! Não quer dizer que o fossem de facto). Então como professor, era um vómito: perorava sobre um assunto e pedia opiniões à assistência. Quem tentasse dizer algo de novo ou desenvolver o assunto, recebia o seu olhar de desprezo. Mas ficava deliciado e dizia maravilhas de quem repetia ipsis verbis o que tinha acabado de dizer.

É verdade. À conta disso tive a pior nota que alguma vez me foi atribuída enquanto estudante. Mas devo-lhe uma coisa: tenho o prazer de saber que a minha pior nota foi dada por um ser abjecto que se julga moralmente superior aos outros.  Esse pedaço de verme, ao que parece, dá actualmente aulas no ISCTE (coitada da escola - deve estar muito mal para fazer tais contratações). É verdade. Estou a destilar veneno. Não é bonito, eu sei. Mas sabe bem.

Fiquei a saber que essa besta " veio concluir que a violência não aumentou nos últimos anos. A investigação, de Abril de 2004, intitulada "Escola e violência - conceitos, políticas e quotidianos", chegou a resultados que contrariam o senso comum. "Não encontrámos dados nem indícios de que as situações de violência em meio escolar tenham assumido nos últimos anos uma dimensão que possa ser considerada como correndo o risco de se encontrar fora de controlo", adianta a equipa de investigação."... LOL LOL LOL

Retiro o que disse. O João Sebastião é apenas um pândego. Era melhor que fosse trabalhar em vez de continuar a tentar fazer carreira de humorista.

Não há mesmo nenhum smiley para sorriso amarelo?
Artigos da mesma série:
publicado por Manuel Anastácio às 23:00
link do post | Dizer de sua justiça | Adicionar aos favoritos
8 comentários:
De artur a 24 de Novembro de 2006 às 14:51
felizmente que esse nunca me calhou. mas calharam-me outros, pouco menos mentecaptos, que de professor tinham apenas o estatuto.
De Manuel Anastácio a 24 de Novembro de 2006 às 22:47
Mas, por outro lado, tivémos, ambos, a Maria do Céu Roldão, que eu venero como sacerdotiza pedagógica e, tu, nem por isso... ... Os gostos variam...
De Filipe a 24 de Novembro de 2006 às 14:52
Sorriso amarelo, uma proposta, já derivada da tua altíssima necessidade

:)@

@ de amarelo
De Filipe a 24 de Novembro de 2006 às 14:54
Ou será melhor assim

:@)
De Manuel Anastácio a 24 de Novembro de 2006 às 22:40
Obrigado ao Filipe...Mas o primeiro smiley parece uma pessoa sorridente e pensativa (com o punho fechado abaixo do queixo, como o Pensador do Rodin) - fica antes como "estou a sorrir e a pensar no quer estás a dizer". O segundo smiley parece mais alguém que sorri e tem duas narinas enormes (uma maior que a outra) - tipo porco assimátrico... :) Acho que ainda não é desta que me calha um sorriso amarelo... Mas valeu a tentativa. Obrigadão.
De Manuel Anastácio a 24 de Novembro de 2006 às 22:42
assimatrico não - assimétrico...
De Maria Helena a 24 de Novembro de 2006 às 17:12
Mas que desabafo...

São, também, as referências negativas que nos impedem a imitação...
Quase que estou grata ao tal pacóvio Sebastião por tão negativa e forte impressão em si!
O resultado é dos melhores! :-))... (não é amarelo, é franco!).
De Manuel Anastácio a 24 de Novembro de 2006 às 22:33
:-)) Cara Maria Helena: a minha sempre presente leitora, ainda que na sombra (de certeza que não tem um blogue?). É sempre bom quando dá um sinal de que ainda não desistiu de visitar o meu canto. É por sinais de persistência deste género (eu mesmo duvido se teria tanta pachorra para o que escrevo) que ainda fico angustiado quando passa um dia sem um artigozito que seja... Fossem todas as angústias como esta.

Dizer de sua justiça

.pesquisar