Quinta-feira, 9 de Novembro de 2006
O Seringador

Imagem de capa de "O Seringador" (Lello Editores)


Quando era pequeno, o meu pai comprava, invariavelmente, no final de cada ano, um almanaque, com dicas para agricultores à moda antiga, que se apresentava como "Reportório Crítico-Jocoso e Prognóstico", de seu nome "O Seringador". Já na altura a distribuição editorial tinha o seu quê de idiota, já que as dicas de sementeira eram claramente adequadas às condições climáticas do Norte de Portugal e não do Centro-Sul, onde morava. Mas era bonito descobrir que, quando as previsões meteorológicas do Instituto de Meteorologia e Geofísica falhavam, o mesmo já não acontecia com as do Seringador que de modo atempado sempre alertava contra as secas e as inundações (com uma margem de erro de cerca de uma semana, mais coisa menos coisa, é certo, mas ainda assim bastante aceitável, tendo em conta que as contas empíricas eram apenas feitas pelo empírico conhecimento dos efeitos dos quartos da Lua e outras influências astrológicas). Na primeira página, cinco estrofes de um estilo popular e pouco musical dava entrada às três dezenas de páginas com um cheiro característico e rugoso que ao longo do ano mais áspero se ia tornando ao absorver o cheiro da adega e despensa: a sementes, a batatas, a maçãs de inverno.

Estive eu a falar desta relíquia ainda há dias e, pouco depois, surpresa das surpresas, encontrei-a à venda num quiosque da Estação de São Bento (que ainda há dias comprei por uns bons dois contos na versão velha do Monopoly). Tinha levado para a viajem a biografia de D. Pedro IV, de Eugénio dos Santos mas roubei alguns minutos para ler as anedotas e ditos preconceituosos que enxameiam as páginas (com um forte cheiro a populismo carunchoso), mas, essencialmente, para ler os prognósticos e conselhos de cada semana, rematados sempre com adágios finamente urdidos pela sabedoria popular:

Seda em Janeiro, fantasia ou pouco dinheiro.

Bons dias em Janeiro vêm a pagar em Fevereiro

Por S. Matias, noites iguais aos dias.

Chuva de Fevereiro vale por estrume.

Se Março dá de rabo, nem fica orelha parida nem pastor açamarrado. (não será antes "ovelha" em vez de "orelha"???)

Quando o Março sai ventoso, sai o Abril chuvoso.

Água de Março, quanta o gato molhe o rabo.

O que Abril deixa nado, Maio deixa-o espigado.

Vinha que rebenta em Abril, dá pouco vinho para o barril.

Não há mês mais irritado do que Abril zangado.

A boa cepa, Maio a deita.

Maio que não der trovoada não dá coisa estimada.

As águas da Ascensão das palhinhas fazem pão.

Chuva em Junho, mordedura de víbora.

Na manhã de S. João berra o pulgão (?????!!!)

Até S. Pedro tem o vinho medo.

Em Julho reina o gorgulho.

Quem em Julho ara e fia, ouro cria.

Pela Senhora de Agosto, às sete é sol posto.

Trovoadas em Agosto, abundância de uva e mosto.

No pó semeia que Setembro te pagará.

Pelo S. Mateus, faz conta das ovelhas que os borregos são teus.

Quem se ajusta pelo S. Miguel, não se assenta quando quiser.

Por S. Simão, favas no chão.

Em Novembro, chuva, frio e sol e deixa o resto.

Pelo S. Martinho semeia o teu cebolinho.

Em Dezembro, a uma lebre galgos cento.

O que não se faz no dia de Santa Luzia faz-se no outro dia.

No dia de São Silvestre, não comas bacalhau, que é peste.
Artigos da mesma série:
publicado por Manuel Anastácio às 22:10
link do post | Dizer de sua justiça | Adicionar aos favoritos
5 comentários:
De Ana Ramon a 10 de Novembro de 2006 às 10:28
Também tenho "O Seringador" mas referente ao ano 2002 (137º ano da sua publicação). Em Janeiro pasta a lebre no lameiro e o coelho à beira do regueiro; Quando não chove em Fevereiro, nem bom pão nem bom lameiro; Março, marcegão, cura meadas, esteiras não (e nós, as mulheres de Março, somos bastante bonitas, possuimos uma imaginação sempre em actividade, propensas à mentira fácil e inconsciente e a nossa exaltação frequente leva-nos por vezes ao misticismo ); No princípio ou no fim, Abril sói ser ruim; Maio chuvoso ou pardo faz o pão vistoso e grado; Feno alto ou baixo, em Junho é segado; Julho quente, seco e ventoso, trabalha sem repouso; Quando chove em Agosto, não metas teu dinheiro em mosto; Se por acaso em Setembro a cigarra cantar, não compres trigo para o vir a guardar; Outubro recolhe tudo; Novembro à porta, geada na horta; Em Dezembro descansa, mas não durmas.
E para terminar um conselho culinário: Para que as batatas fritas às rodelas fiquem bem estaladiças, depois de as cortar, deixe-as de molho durante pelo menos 1 hora em bastante água, à qual tenha adicionado um pouco de cerveja. Só depois as deve fritar.
Um almanaque cheio de surpresas. Um abraço
De Manuel Anastácio a 10 de Novembro de 2006 às 11:15
Que bela recolha!!!
De Artur a 11 de Novembro de 2006 às 13:00
Ah, a velha sabedoria intemporal alicerçada em séculos de observação constante. Podia não ser rigorosamente exacta, mas ia acertando...
De espreitando a 27 de Julho de 2008 às 05:01
Por favor não deixem acabar o almanaque o seringador(Pertence ao povo) bem hajam
De orlando a 1 de Março de 2010 às 23:52
Olá, tb só a pouco conheci o Seringador. tenho a Edição de 1890 o Almanaque para o ano todo :) original

Dizer de sua justiça

.pesquisar