Terça-feira, 12 de Julho de 2005
a) Nerium oleander
Contavam à minha mãe que era o suicídio mais doce: um ramo de aloendros debaixo da almofada... Na verdade não sei de ninguém que desta forma se tenha rendido... Mas, mito ou não, percorre-me um frio na espinha sempre que vejo estas flores a arder no escuro da noite e o silêncio que se desprende delas. Faz lembrar os romances de Zola, como a donzela de "O crime do Padre Mouret" que se suicida sufocada em flores; como o cemitério de "A Fortuna dos Rougon", repleto de ervas daninhas furiosamente adubadas pelos corpos em putrefacção, onde os dois amantes se encontram; como a estufa exótica de "O Regabofe" onde o drama grego do incesto se repete, entrelaçado com o retorcer das plantas venenosas e belas: o apelo e a náusea vegetal, a armadilha de Vénus: a morte escondida no paraíso. A mais forte das drogas; fazendo lembrar o conto infantil que li em criança, de um livro de que não me lembro, a não ser da imagem de uma bela donzela sentada numa pilha de caveiras, numa gravura a negro sobre papel amarelecido... O conto de um pobre estudante de medicina que não soube, em determinada altura, dizer qual era o mais forte narcótico do mundo; o mesmo pobre estudante que, sem o saber, vê todos os seus desejos, para sua má sorte, realizados e que por serem realizados o levam ao patíbulo onde tem direito ao seu último desejo. E pede, perante o fantasma da morte dolorosa, o mais forte narcótico do mundo... Que lhe é misericordiosamente administrado pelo machado do carrasco. Já não me lembro bem da história - ficaram apenas farrapos. Hoje em dia as crianças já não lêem contos destes. É tudo suavizado e em tom pastel - e as crianças vingam-se, trazendo à luz o sadismo que têm no íntimo mas que não lhes é administrado por contos que, mais que povoar os sonhos com fantasmas , nos faziam conviver face a face com os fantasmas que já nascem connosco.
Artigos da mesma série:
publicado por Manuel Anastácio às 02:38
link do post | Dizer de sua justiça | Adicionar aos favoritos
2 comentários:
De Manuel a 12 de Julho de 2005 às 19:26
Obrigado, Cláudia. Mas, de facto, o template é de Miguel Ângelo!...
De Cludia a 12 de Julho de 2005 às 16:55
É a primeira que visito o seu blog. Gostei imenso e ainda para mais colocou um template de Leonardo Da Vinci. Perfeito!

Dizer de sua justiça

.pesquisar