Terça-feira, 10 de Outubro de 2006
Pormenores: Cruz, Paixão e Morte, Barcelos

"Cruz, Paixão e Morte", Conceição Sapateiro

Caldas da Rainha e Barcelos são duas cidades que têm em comum uma produção cerâmica tradicional de excepção. Infelizmente, a maioria das pessoas só pensa nos falos das Caldas (desculpem-me o pudor de dizer "falos" em vez de outra coisa) e nos galos de Barcelos. De Barcelos, contudo, tenho uma preferência especial pela sua arte sacra popular com aspecto caricatural. A religiosidade nortenha não se escandaliza, em nada, em representar os santos - e até Jesus Cristo - com orelhas de abano, olhos esbugalhados, ar invariantemente sorridente e proporções corporais copiadas aos bebés. Ceramistas como Rosa e Júlia Côta ou Conceição Sapateiro transformam o barro num arraial minhoto de cores e brilhos que ofuscam qualquer galo de Barcelos. De Conceição Sapateiro (autora de uma série de figuras alegóricas sobre os sete pecados capitais, de que ressalto a obscenidade recatada da luxúria - que pode ser apreciada no Museu de Cerâmica de Barcelos) é esta belíssima cruz exposta num nicho da fachada ocidental da Câmara Municipal de Barcelos, com a representação dos momentos chave da Paixão de Cristo. Apesar, contudo, da ressurreição coroar o conjunto, é interessante que o título da obra limita-se a numerar a ideia do sacrifício: "Cruz, Paixão e Morte".

Vale a pena ver a sério. Mas a Câmara já podia ter mandado alguém limpar o vidro que protege o nicho...
Artigos da mesma série: , ,
publicado por Manuel Anastácio às 19:57
link do post | Dizer de sua justiça | Adicionar aos favoritos
5 comentários:
De Artur a 10 de Outubro de 2006 às 22:31
A arte popular tem o condão de olhar inocentemente para as grandes questões que nos dilaceram.
De Ana Ramon a 10 de Outubro de 2006 às 23:39
Olá Manuel. Eu vou passando por aqui diariamente, lendo os teus textos mas não tenho deixado marcas da minha passagem. Contudo este post interessou-me de uma forma diferente: gostava de comprar umas peças de cerâmica tradicional que não fossem daquelas só para turista ver e comprar. Nas visitas que fazes, achas que ainda se consegue adquirir uma peça ou outra dos nossos ceramistas e que ainda valha a pena? (Desculpa. Estava-se aqui num ambiente silencioso, recatado de admiração pela Cruz , Paixão e Morte e apareço logo a vandalizar essa ambiência, fazendo barulho e a perguntar se se vendem outras, por quanto e aonde. Ok. Saio já. Beijinhos) :))))))))))))
De Manuel Anastácio a 11 de Outubro de 2006 às 11:16
Olá, Ana.

Respondi-te por mail. Beijos.
De Filipe a 11 de Outubro de 2006 às 00:08
...morte e Alegria.
E o primeiro milagre relatado foi transformar água em vinho numa festa.
De Manuel Anastácio a 11 de Outubro de 2006 às 11:15
Sim... deve haver algo de vinho verde nestas estéticas... ;)

Dizer de sua justiça

.pesquisar