.Últimos bocejos

. Todas as águas

. Todos os poemas

. Hold back your love, Whit...

. Hallelujah Money, Gorilla...

. 4

. 3

. Love & Hate, Michael Kiwa...

. T-shirt weather in the ma...

. Yonkers, Tyler, the Creat...

. 2

. 1

. i

. Anacreonte

. Educação do meu imbigo

. Voltei! Ou talvez não (co...

. Uma arte, de Elizabeth Bi...

. Uma arte, de Elizabeth Bi...

. Manual de Etiqueta e boa ...

. Aurora dos Pinheiros

. Versículos angélicos

. (19/01/2014)

. Cristianismo

. Arbeit macht frei

. Isso

. Limite

. Resignação solene

. LXXVIII

. Florentino Ariza num dia ...

. I've seen horrors... horr...

. Se bem me esqueço

. Enciclopédia Íntima: Pátr...

. LXXVII

. Experimental como o desti...

. Ruy do car(v)alhinho

. LXXVI

. Overgrown, James Blake

. MS MR - Hurricane

. Buscas pedidas: "filmes s...

. Para Thatcher

. S&M

. LXXV

. Mails da treta: Ímans e a...

. LXXIV

. Agnes Obel

. Amar, casar, perverter

. LXXIII

. LXXII

. LXXI

. Amar é dizer parvoíces

. Orgasm (Rock Cave), de Cr...

.Velharias

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Agosto 2016

. Maio 2016

. Janeiro 2015

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Janeiro 2006

. Novembro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Março 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

. Dezembro 2003

Domingo, 3 de Setembro de 2006
Buscas pedidas - "Sinfonia das Canções Tristes"

Pietá em granito monolítico pintado, na Capela de Nossa Senhora da Piedade, Igreja de São Tiago, em Belmonte. Quando tirei a foto, em 2005, estava a capela efeitada com tubos de ensaio flutuantes suportando plantas ornamentais.

A Sinfonia das Canções Tristes, de Henryk Mikołaj Górecki sempre se assemelhou, a meus olhos, a um tríptico sacro sobre a maternidade e a morte. É composta por três andamentos em torno de três poemas. O primeiro, a "Lamentação do Mosteiro da Santa Cruz", do século XV é um estranho pedido da Virgem a Cristo, pedindo-lhe a graça de se manter no papel de mãe, ao sentir o abandono a que é por ele votada. Quem não se chocou com as duras palavras de Jesus, quando este, a dado passo do Evangelho, a ignora?  A Paixão de Cristo é, no entanto, para Maria, o momento em que volta a ocupar o lugar materno - é de forma justa que as pietás se tornaram arquétipos artísticos da dor da mãe privada de seu filho - um estado de amputação sem nome.

Synku mily i wybrany,
Rozdziel z matka swoje rany;
A wszakom cie, synku mily,
/w swem sercu nosila,
A takiez tobie wiernie sluzyla.
Przemow k matce,
bych sie ucieszyla,
Bo juz jidziesz ode mnie,
moja nadzieja mila.

Meu filho escolhido e dilecto
Compartilha as tuas feridas com tua mãe,
Não vês, meu querido filho,
Que sempre te guardei no coração,
E, leal, sempre te servi,
Fala com a tua mãe,
Alegra-a,
Ainda que, minha cara Esperança,
Me estejas agora a abandonar.

O segundo andamento, ainda sob o signo mariano, desenvolve-se em torno de uma pequena oração escrita por Helena Wanda Blazusiakowna, uma jovem polaca de dezoito anos, em 1944, nas paredes de um cela da Gestapo, em Zakopane, na noite anterior à sua execução.

Mamo, nie placz nie, nie
Nieblos Przecyzsta Krolowo
Ty zawsze wspieraj mnie
Zdeowas Mario

Mãe, não, não chores,
Casta Rainha dos Céus,
Guarda-me sempre.
Avé Maria.

O terceiro andamento volta, simetricamente, a centrar-se na perspectiva parental, através de uma canção folclórica no dialecto da região de Opole:
Kajze mi sie podzioł
mój synocek miły?
Pewnie go w powstaniu
złe wrogi zabiły.
Para onde foi,
O meu querido filho?
Morto pelo inimigo,
Talvez em rebelião.
Wy niedobrzy ludzie,
dlo Boga świętego
cemuście zabili
synocka mojego?
Ó vós, malvados
Em nome de Deus Santo
Dizei-me por que o mataste
Ao meu querido filho.
Zodnej jo podpory
juz nie byda miała,
chocbych moje
stare ocy wypłakała.
Nunca mais
Terei a sua protecção
Mesmo que se desfaçam em lágrimas
Os meus velhos olhos.
Choćby z mych łez gorkich
drugo Odra była,
jesce by synocka
mi nie ozywiła.
Mesmo que as minhas lágrimas amargas
Façam correr um novo Oder,
Mesmo assim não o trarão,
Ao meu filho, à vida.
Lezy on tam w grobie,
a jo nie wiem kandy,
choc sie opytuja
miedzy ludzmi wsandy.
Jaz na sepultura
Não sei onde,
Embora pergunte à gente
Por onde passo.
Moze nieborocek
lezy kaj w dołecku.
a mógłby se lygać
na swoim przypiecku.
Talvez esteja estendido
Numa áspera trincheira
Em vez de descansar
Numa cama quente.
Ej,  ćwierkeycie mu tam,
wy ptosecki boze,
kiedy mamulicka
znalezć go nie moze.
Cantai-lhe
Pequenas aves canoras de Deus,
Já que a sua mãe
Não o encontra
A ty, boze kwiecie,
kwitnijze w około,
niech sie synockowi
choć lezy wesoło.
E vós, pequenas flores divinas
Flori em volta
Para que ele possa, enfim,
Dormir feliz.

E é na calma simples da elegia que
Górecki faz florir, em simplicidade, cantos tristes, sob a abóbada arqueada do céu, onde Deus, nosso filho, repousa em paz. Não consigo ouvir esta música de outra forma.
Artigos da mesma série: ,
publicado por Manuel Anastácio às 14:54
link do post | Dizer de sua justiça | Adicionar aos favoritos
|
4 comentários:
De Artur a 3 de Setembro de 2006 às 16:33
Um mp3zinho não ia mal...
De Manuel Anastácio a 3 de Setembro de 2006 às 18:07
Aqui há uma gravação ao vivo com Kathleen McCalla - o som não é dos melhores e as palmas, no início, assustam - mas dá para perceber o essencial. Claro que será preferível ouvir em outras condições.
De Manuel Anastácio a 3 de Setembro de 2006 às 18:08
Aqui em http://www.kathleenmccalla.com/Gorecki3aSinfonia.mp3 -- Esqueci-me, no comentário anterior, do mais importante.
De Manuel Anastácio a 3 de Setembro de 2006 às 18:14
Aqui http://www.manesandtailsorganization.org/Henryk-Gorecki-Lento.mp3 pode-se ouvir o primeiro andamento em condições bem aceitáveis. Não faço ideia de quem sejam os intérpretes.

Dizer de sua justiça

.Nada sobre mim
.pesquisar
 
.Março 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
.Artigos da mesma série

. notas

. cinema

. livros

. poesia avulsa

. só porque

. política

. curtas

. arte

. guimarães

. música

. estupidez

. traduções

. wikipédia

. religião

. poesia i

. gosto de...

. ono no komachi

. narrativas

. tomas tranströmer

. buscas pedidas

. plantas

. arquitectura

. blogues

. enciclopédia íntima

. blogs

. braga

. fábulas de esopo

. as quimeras

. gérard de nerval

. carvalhal

. animais

. cultura popular

. disparates

. Herbário I

. poesia

. póvoa de lanhoso

. estevas

. pormenores

. umbigo

. bíblia

. ciência

. professores

. vilar formoso

. barcelos

. cinema e literatura

. coisas que vou escrevendo

. curtíssimas

. Guimarães

. rádio

. receitas

. ribeira da brunheta

. teatro

. vídeo

. da varanda

. economia

. educação

. família

. leitura

. lisboa

. mails da treta

. mértola

. Música

. os anéis de mercúrio

. cachorrada

. comida

. cores

. dança

. diário

. direita

. elogio da loucura

. escola

. esquerda

. flores de pedra

. hip hop

. história de portugal

. kitsch

. memória

. ópera

. profissão

. recortes

. rimas tontas

. sonetos de shakespeare

. terras de bouro

. trump

. Álbum de família

. alunos

. ângela merkel

. arte caseira

. aulas

. avaliação de professores

. ayre

. benjamin clementine

. citações

. crítica

. ecologia

. edgar allan poe

. ensino privado

. ensino público

. evolucionismo

. facebook

. todas as tags

.O que vou visitando
.Segredos
  • Escrevam-me

  • .Páginas que se referem a este site

    referer referrer referers referrers http_referer
    .Já passaram...
    .quem linka aqui
    Who links to me?
    .Outras estatísticas
    eXTReMe Tracker
    blogs SAPO
    .subscrever feeds