Sábado, 26 de Agosto de 2006
Elogio da Loucura - O jardim de Erasmo

Jardim com girassóis de Gustav Klimt.

"O Elogio da Loucura" de Erasmo de Roterdão é uma obra essencial, não só como documento cuja leitura é imprescindível para compreender o humanismo renascentista, mas também para reflectirmos no pouco que evoluímos desde a época em que foi escrito. Erasmo era um fervoroso católico, amigo do fervoroso mártir do catolicismo (e da coerência) Thomas More, a quem a obra é explicitamente dedicada. O próprio título, em grego, "Moriae Encomium" pode ser lido como "Elogio a More".

É a própria Loucura (má tradução esta, mas já tradicional entre nós: melhor seria "estultícia" ou mesmo "estupidez") quem nos acolhe nestas páginas de erudita frescura, onde não há lugar para bolor nem para ratos de biblioteca.

É difícil dizer quem é, de facto, esta deusa, dispensatriz da felicidade humana - a Loucura, filha de Pluto e da Mocidade. Pluto é o deus das riquezas. A Economia, portanto. Bem a representou Frank Capra no seu "Mr. Deeds Goes to Town" (com a feliz tradução, em Portugal, de "Doido com Juízo"), quando a insanidade do seu protagonista é transformada em gráficos em tudo semelhantes aos que registam a evolução dos indicadores económicos.

Nasceu esta Loucura (a não confundir com Insanidade) nas Ilhas Afortunadas, onde foi amamentada pela Rusticidade, filha de Pã e pela Embriaguez, filha de Baco. O rol de parentes é digno de nota e reflexão. Mas quedo-me, por hoje, perante a descrição, botanicamente interessante, da sua terra natal. Somos imediatamente advertidos de que ali não crescem plantas inúteis como "narcisos, malva, cebolas ou feijões" mas, no seu jardim de Adónis, "arruda, angélica, erva-viperina, manjerona, trevo, rosas, violetas e lírios" - segundo a minha tradução a partir da que foi feita por John Wilson em 1668. A lista proposta por Álvaro Ribeiro (Guimarães Editores) coloca entre as primeiras "o asfódelo, malva, esquila, lupino e favas" e, entre as segundas, "moli, panaceia, nefentes, amaracus, ambrósia, lótus, rosa, violeta e jacinto". Os nomes propostos por Álvaro Ribeiro são, de longe, mais poéticos. Principalmente porque ninguém os usa. Sei que esquila (além de significar "tosquia") é, de facto, um tipo de cebola (cebola-albarrã - valha-nos o Santo Houaiss). Mas entre narcisos e asfódelos (sem acento na edição que tenho entre as mãos), pouco há de semelhanças, a não serem as ressonâncias mitológicas (os Campos Elíseos teriam uma grande profusão de asfódelos, se formos a confiar em Homero, na "Odisseia"; e o narciso, esse, era o tal que sofria de Filáucia*). Quanto a nefentes, tanto quanto sei, são plantas insectívoras e cujo cheiro pouco terá a condizer com o jardim de Adónis. A moli é uma planta fictícia, também referida na Odisseia, capaz de dissolver feitiços, como o perpetrado por Circe aos companheiros de Ulisses, transformados em porcos e que é considerada a planta que se opõe ao lótus, aqui colocada no mesmo rol. Panaceia, além da cura de todos os males, pode ser também o nome do Solanum cernuum ou Solanum martii, conhecidos respectivamente por Braço-de-preguiça e Braço-de-mono, mas duvido que Erasmo, ou qualquer outro europeu as conhecesse na época (e hoje, ainda assim...). Ambrosia é também do rol da mitologia - néctar de que se alimentam os deuses, ainda que também exista um género botânico com o mesmo nome, além da erva-de-santa-maria (Chenopodium ambrosioides) que também aceita a olimpíaca designação. Finalmente, amaracus será o mesmo que amáraco ou orígano (do tipo dos orégãos, para não complicar).

Não poderei dizer muito quanto à simbologia de tal jardim (e da sua antítese) - a não ser que a inutilidade das primeiras é uma simples ironia. Mas prometo que vou investigar.

Estão dadas as pistas. Ajuda será bem vinda.

*Amor-próprio, no código proposto por Erasmo.

P.S. Esqueci-me de dizer que lupino é o mesmo que tremoços.
Artigos da mesma série: , ,
publicado por Manuel Anastácio às 22:58
link do post | Dizer de sua justiça | Adicionar aos favoritos
2 comentários:
De Artur a 28 de Agosto de 2006 às 19:33
If i seem a little strange... well, that's because i am...

O que eu gosto na mitologia é a capacidade de tudo explicar de forma poética.
De Manuel Anastácio a 29 de Agosto de 2006 às 10:06
Não creio que explique. Mas dá uma ajuda na copmpreensão.

Dizer de sua justiça

.pesquisar