.Últimos bocejos

. Todas as águas

. Todos os poemas

. Hold back your love, Whit...

. Hallelujah Money, Gorilla...

. 4

. 3

. Love & Hate, Michael Kiwa...

. T-shirt weather in the ma...

. Yonkers, Tyler, the Creat...

. 2

. 1

. i

. Anacreonte

. Educação do meu imbigo

. Voltei! Ou talvez não (co...

. Uma arte, de Elizabeth Bi...

. Uma arte, de Elizabeth Bi...

. Manual de Etiqueta e boa ...

. Aurora dos Pinheiros

. Versículos angélicos

. (19/01/2014)

. Cristianismo

. Arbeit macht frei

. Isso

. Limite

. Resignação solene

. LXXVIII

. Florentino Ariza num dia ...

. I've seen horrors... horr...

. Se bem me esqueço

. Enciclopédia Íntima: Pátr...

. LXXVII

. Experimental como o desti...

. Ruy do car(v)alhinho

. LXXVI

. Overgrown, James Blake

. MS MR - Hurricane

. Buscas pedidas: "filmes s...

. Para Thatcher

. S&M

. LXXV

. Mails da treta: Ímans e a...

. LXXIV

. Agnes Obel

. Amar, casar, perverter

. LXXIII

. LXXII

. LXXI

. Amar é dizer parvoíces

. Orgasm (Rock Cave), de Cr...

.Velharias

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Agosto 2016

. Maio 2016

. Janeiro 2015

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Janeiro 2006

. Novembro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Março 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

. Dezembro 2003

Sábado, 26 de Agosto de 2006
Elogio da Loucura - O jardim de Erasmo

Jardim com girassóis de Gustav Klimt.

"O Elogio da Loucura" de Erasmo de Roterdão é uma obra essencial, não só como documento cuja leitura é imprescindível para compreender o humanismo renascentista, mas também para reflectirmos no pouco que evoluímos desde a época em que foi escrito. Erasmo era um fervoroso católico, amigo do fervoroso mártir do catolicismo (e da coerência) Thomas More, a quem a obra é explicitamente dedicada. O próprio título, em grego, "Moriae Encomium" pode ser lido como "Elogio a More".

É a própria Loucura (má tradução esta, mas já tradicional entre nós: melhor seria "estultícia" ou mesmo "estupidez") quem nos acolhe nestas páginas de erudita frescura, onde não há lugar para bolor nem para ratos de biblioteca.

É difícil dizer quem é, de facto, esta deusa, dispensatriz da felicidade humana - a Loucura, filha de Pluto e da Mocidade. Pluto é o deus das riquezas. A Economia, portanto. Bem a representou Frank Capra no seu "Mr. Deeds Goes to Town" (com a feliz tradução, em Portugal, de "Doido com Juízo"), quando a insanidade do seu protagonista é transformada em gráficos em tudo semelhantes aos que registam a evolução dos indicadores económicos.

Nasceu esta Loucura (a não confundir com Insanidade) nas Ilhas Afortunadas, onde foi amamentada pela Rusticidade, filha de Pã e pela Embriaguez, filha de Baco. O rol de parentes é digno de nota e reflexão. Mas quedo-me, por hoje, perante a descrição, botanicamente interessante, da sua terra natal. Somos imediatamente advertidos de que ali não crescem plantas inúteis como "narcisos, malva, cebolas ou feijões" mas, no seu jardim de Adónis, "arruda, angélica, erva-viperina, manjerona, trevo, rosas, violetas e lírios" - segundo a minha tradução a partir da que foi feita por John Wilson em 1668. A lista proposta por Álvaro Ribeiro (Guimarães Editores) coloca entre as primeiras "o asfódelo, malva, esquila, lupino e favas" e, entre as segundas, "moli, panaceia, nefentes, amaracus, ambrósia, lótus, rosa, violeta e jacinto". Os nomes propostos por Álvaro Ribeiro são, de longe, mais poéticos. Principalmente porque ninguém os usa. Sei que esquila (além de significar "tosquia") é, de facto, um tipo de cebola (cebola-albarrã - valha-nos o Santo Houaiss). Mas entre narcisos e asfódelos (sem acento na edição que tenho entre as mãos), pouco há de semelhanças, a não serem as ressonâncias mitológicas (os Campos Elíseos teriam uma grande profusão de asfódelos, se formos a confiar em Homero, na "Odisseia"; e o narciso, esse, era o tal que sofria de Filáucia*). Quanto a nefentes, tanto quanto sei, são plantas insectívoras e cujo cheiro pouco terá a condizer com o jardim de Adónis. A moli é uma planta fictícia, também referida na Odisseia, capaz de dissolver feitiços, como o perpetrado por Circe aos companheiros de Ulisses, transformados em porcos e que é considerada a planta que se opõe ao lótus, aqui colocada no mesmo rol. Panaceia, além da cura de todos os males, pode ser também o nome do Solanum cernuum ou Solanum martii, conhecidos respectivamente por Braço-de-preguiça e Braço-de-mono, mas duvido que Erasmo, ou qualquer outro europeu as conhecesse na época (e hoje, ainda assim...). Ambrosia é também do rol da mitologia - néctar de que se alimentam os deuses, ainda que também exista um género botânico com o mesmo nome, além da erva-de-santa-maria (Chenopodium ambrosioides) que também aceita a olimpíaca designação. Finalmente, amaracus será o mesmo que amáraco ou orígano (do tipo dos orégãos, para não complicar).

Não poderei dizer muito quanto à simbologia de tal jardim (e da sua antítese) - a não ser que a inutilidade das primeiras é uma simples ironia. Mas prometo que vou investigar.

Estão dadas as pistas. Ajuda será bem vinda.

*Amor-próprio, no código proposto por Erasmo.

P.S. Esqueci-me de dizer que lupino é o mesmo que tremoços.
Artigos da mesma série: , ,
publicado por Manuel Anastácio às 22:58
link do post | Dizer de sua justiça | Adicionar aos favoritos
|
2 comentários:
De Artur a 28 de Agosto de 2006 às 19:33
If i seem a little strange... well, that's because i am...

O que eu gosto na mitologia é a capacidade de tudo explicar de forma poética.
De Manuel Anastácio a 29 de Agosto de 2006 às 10:06
Não creio que explique. Mas dá uma ajuda na copmpreensão.

Dizer de sua justiça

.Nada sobre mim
.pesquisar
 
.Março 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
.Artigos da mesma série

. notas

. cinema

. livros

. poesia avulsa

. só porque

. política

. curtas

. arte

. guimarães

. música

. estupidez

. traduções

. wikipédia

. religião

. poesia i

. gosto de...

. ono no komachi

. narrativas

. tomas tranströmer

. buscas pedidas

. plantas

. arquitectura

. blogues

. enciclopédia íntima

. blogs

. braga

. fábulas de esopo

. as quimeras

. gérard de nerval

. carvalhal

. animais

. cultura popular

. disparates

. Herbário I

. poesia

. póvoa de lanhoso

. estevas

. pormenores

. umbigo

. bíblia

. ciência

. professores

. vilar formoso

. barcelos

. cinema e literatura

. coisas que vou escrevendo

. curtíssimas

. Guimarães

. rádio

. receitas

. ribeira da brunheta

. teatro

. vídeo

. da varanda

. economia

. educação

. família

. leitura

. lisboa

. mails da treta

. mértola

. Música

. os anéis de mercúrio

. cachorrada

. comida

. cores

. dança

. diário

. direita

. elogio da loucura

. escola

. esquerda

. flores de pedra

. hip hop

. história de portugal

. kitsch

. memória

. ópera

. profissão

. recortes

. rimas tontas

. sonetos de shakespeare

. terras de bouro

. trump

. Álbum de família

. alunos

. ângela merkel

. arte caseira

. aulas

. avaliação de professores

. ayre

. benjamin clementine

. citações

. crítica

. ecologia

. edgar allan poe

. ensino privado

. ensino público

. evolucionismo

. facebook

. todas as tags

.O que vou visitando
.Segredos
  • Escrevam-me

  • .Páginas que se referem a este site

    referer referrer referers referrers http_referer
    .Já passaram...
    .quem linka aqui
    Who links to me?
    .Outras estatísticas
    eXTReMe Tracker
    blogs SAPO
    .subscrever feeds