.Últimos bocejos

. Os filhos não devem ser o...

. Todas as águas

. Todos os poemas

. Hold back your love, Whit...

. Hallelujah Money, Gorilla...

. 4

. 3

. Love & Hate, Michael Kiwa...

. T-shirt weather in the ma...

. Yonkers, Tyler, the Creat...

. 2

. 1

. i

. Anacreonte

. Educação do meu imbigo

. Voltei! Ou talvez não (co...

. Uma arte, de Elizabeth Bi...

. Uma arte, de Elizabeth Bi...

. Manual de Etiqueta e boa ...

. Aurora dos Pinheiros

. Versículos angélicos

. (19/01/2014)

. Cristianismo

. Arbeit macht frei

. Isso

. Limite

. Resignação solene

. LXXVIII

. Florentino Ariza num dia ...

. I've seen horrors... horr...

. Se bem me esqueço

. Enciclopédia Íntima: Pátr...

. LXXVII

. Experimental como o desti...

. Ruy do car(v)alhinho

. LXXVI

. Overgrown, James Blake

. MS MR - Hurricane

. Buscas pedidas: "filmes s...

. Para Thatcher

. S&M

. LXXV

. Mails da treta: Ímans e a...

. LXXIV

. Agnes Obel

. Amar, casar, perverter

. LXXIII

. LXXII

. LXXI

. Amar é dizer parvoíces

.Velharias

. Agosto 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Agosto 2016

. Maio 2016

. Janeiro 2015

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Janeiro 2006

. Novembro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Março 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

. Dezembro 2003

Quarta-feira, 19 de Julho de 2006
O Caminho de Damasco

Michelangelo Merisi (Caravaggio) "A Conversão de São Paulo", Capela Cerasi, Santa Maria del Popolo, Roma, Itália. cerca de 1601.

Já estava perto de Damasco. Saulo sacudiu a cabeça e cairam algumas gotas de suor sobre a poeira amarelada do chão. O jumento estava parado e os companheiros de viagem comentavam algo à sua frente. De facto, estava pouco interessado. O caminho amarelado estendia-se à sua frente, com uma cor um pouco mais clara que os montes salpicados de arbustos ralos e endurecidos pela secura. O caminho. Ondulava como uma serpente. Serpentes. Tinha uma especial aversão a serpentes e a tudo o rojasse a barriga no chão a coberto da protecção dada por escamas. Escamas. Lembrou-se de Estêvão. De aspecto um pouco asqueroso, diga-se de passagem. Por acaso, vira-o apenas uma vez. Mas o aspecto dele era igual a todos os que seguiam o mesmo Caminho. Se não tinham escamas, para lá andavam. À sua frente, os companheiros continuavam a discutir qualquer coisa. Um deles apontava para o céu. Prognósticos de trovoada, provavelmente. Olhou para o chão e notou um minúsculo ponto na poeira fofa e barrenta do chão, um pouco antes do limite da estrada, marcado por uma linha de ervas secas. Um ponto marcado pelo seu suor. Na verdade, o suor descia-lhe pelas faces como se fossem lágrimas. Não estava a chorar. Chorara muito na sua vida, com certeza - quem não chora?... Mas agora não lhe passaria pela cabeça que estivesse a chorar. O ar tinha algo de translúcido, é certo, como se lhe cobrissem os olhos com um véu líquido. Como quando chorava em criança, quando os adultos o deixavam no seu canto, indiferentes aos seus caprichos e desejos. Olhava em redor e via tudo como um fantasma de cores esborratadas. E o efeito era tão lindo que dava vontade de continuar a chorar. Ou a manter as lágrimas como um mar ondulando sobre a vista, antes que engrossassem sob a pálpebra inferior e se transformassem em lágrima propriamente dita, devolvendo a claridade ao olhar. Mas ultimamente, o horizonte deixara de ser uma linha, mas uma faixa. O que lhe distorcia a visão não era propriamente líquido. Era escamoso - ou reticulado, pelo menos. A paisagem, o céu ou o chão, apareciam divididos por um padrão difuso que persistia por mais que esfregasse os olhos. Lembrou-se de lhe terem dito que Estevão estava morto. Ele sorrira. Parecera uma óptima notícia. Ele mesmo procurou os outros. Entrou-lhes pela casa dentro. As mulheres aos berros, gritando por Deus e apelando à misericórdia de um outro Deus, supostamente com o mesmo nome. Ele mesmo ordenou que arrastassem para fora os escondidos sob as enxergas onde crianças tremiam de medo. De um medo feroz que ele bem compreendia. Compartilhava com essas crianças o mesmo medo. E por isso mesmo sabia que era nelas, de corpo frágil e quebradiço, que residia o maior perigo. Não nos corpos escanzelados daqueles velhos, venerados como anciãos, testemunhas de uma verdade confusa, arrastados até à luz do dia para serem entregues às trevas, recebidas como aos braços acolhedores da amada, desejada mas intimidante. Eram aquelas crianças indefesas que tornariam indefeso o seu futuro. Sabia-o bem. Duvidava agora da origem das gotas que lhe caiam pelo queixo. Olhou o céu. Viu apenas braços levantados a apontar um risco branco desfocado. Saulo viu-se repentinamente cercado por uma luz que vinha do céu.

Caiu por terra.

E não ouviu nada.
Artigos da mesma série:
publicado por Manuel Anastácio às 14:30
link do post | Dizer de sua justiça | Adicionar aos favoritos
|
3 comentários:
De Maria Helena a 20 de Julho de 2006 às 18:48
Lindo, o texto.

Não ouviu.
Escutou.
De Manuel Anastácio a 20 de Julho de 2006 às 20:35
Subtil, a diferença entre ouvir e escutar. E diferente de ouvinte para ouvinte.
De Sizenando a 31 de Março de 2008 às 01:15
Ola

Muito boa esta narrativa da imprevista queda de Saulo,
Melhor ainda a narrativa de Paulo que se levanta um
Novo Homem o Grande Apóstolo Paulo que de perseguidor
Tornou-se um perseguido do Evangelho.

Tenham uma boa nova vida

Dizer de sua justiça

.Nada sobre mim
.pesquisar
 
.Agosto 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
.Artigos da mesma série

. notas

. cinema

. livros

. poesia avulsa

. política

. só porque

. curtas

. arte

. guimarães

. música

. estupidez

. traduções

. wikipédia

. religião

. poesia i

. gosto de...

. ono no komachi

. narrativas

. tomas tranströmer

. buscas pedidas

. plantas

. arquitectura

. enciclopédia íntima

. blogues

. braga

. fábulas de esopo

. as quimeras

. gérard de nerval

. carvalhal

. animais

. blogs

. cultura popular

. disparates

. Herbário I

. poesia

. póvoa de lanhoso

. estevas

. pormenores

. umbigo

. bíblia

. ciência

. professores

. vilar formoso

. barcelos

. cinema e literatura

. coisas que vou escrevendo

. curtíssimas

. educação

. Guimarães

. rádio

. receitas

. ribeira da brunheta

. teatro

. vídeo

. da varanda

. economia

. família

. leitura

. lisboa

. mails da treta

. mértola

. Música

. os anéis de mercúrio

. cachorrada

. comida

. cores

. dança

. diário

. direita

. elogio da loucura

. escola

. esquerda

. flores de pedra

. hip hop

. história de portugal

. kitsch

. memória

. ópera

. profissão

. recortes

. rimas tontas

. sonetos de shakespeare

. terras de bouro

. trump

. Álbum de família

. alunos

. ângela merkel

. arte caseira

. aulas

. avaliação de professores

. ayre

. benjamin clementine

. citações

. crítica

. ecologia

. edgar allan poe

. ensino privado

. ensino público

. evolucionismo

. facebook

. todas as tags

.O que vou visitando
.Segredos
  • Escrevam-me

  • .Páginas que se referem a este site

    referer referrer referers referrers http_referer
    .Já passaram...
    .quem linka aqui
    Who links to me?
    .Outras estatísticas
    eXTReMe Tracker
    blogs SAPO
    .subscrever feeds