.Últimos bocejos

. 3

. Love & Hate, Michael Kiwa...

. T-shirt weather in the ma...

. Yonkers, Tyler, the Creat...

. 2

. 1

. i

. Anacreonte

. Educação do meu imbigo

. Voltei! Ou talvez não (co...

. Uma arte, de Elizabeth Bi...

. Uma arte, de Elizabeth Bi...

. Manual de Etiqueta e boa ...

. Aurora dos Pinheiros

. Versículos angélicos

. (19/01/2014)

. Cristianismo

. Arbeit macht frei

. Isso

. Limite

. Resignação solene

. LXXVIII

. Florentino Ariza num dia ...

. I've seen horrors... horr...

. Se bem me esqueço

. Enciclopédia Íntima: Pátr...

. LXXVII

. Experimental como o desti...

. Ruy do car(v)alhinho

. LXXVI

. Overgrown, James Blake

. MS MR - Hurricane

. Buscas pedidas: "filmes s...

. Para Thatcher

. S&M

. LXXV

. Mails da treta: Ímans e a...

. LXXIV

. Agnes Obel

. Amar, casar, perverter

. LXXIII

. LXXII

. LXXI

. Amar é dizer parvoíces

. Orgasm (Rock Cave), de Cr...

. LXX

. LXIX

. Thom Yorke e Nigel Godric...

. Soneto retro fashion

. LXVIII

.Velharias

. Janeiro 2017

. Agosto 2016

. Maio 2016

. Janeiro 2015

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Janeiro 2006

. Novembro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Março 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

. Dezembro 2003

Sexta-feira, 11 de Outubro de 2013
Arbeit macht frei

Há dois dias escrevi no Facebook: “Há pessoas que estão fartas de ideias dos políticos. Querem ações. Será que se lhes derem um tiro nas trombas ficam satisfeitos? É uma ação...suponho que não gostem é da IDEIA…” Serviu-me este desabafo para compreender a minha solidão mental.


A ideia de que “é a trabalhar que se vai para a frente” está de tal modo inculcada na mente das pessoas, que qualquer tentativa para lhes abrir os olhos está condenada à partida. O trabalho dignifica o ser humano, se o trabalho for dignificante, perdoem-me a frase que poderia ter sido escrita pelos próprios soldados de La Palisse. Se me derem uma pá para escavar a minha própria sepultura e eu começar a cavar, estarei a trabalhar. Estarei a andar para a frente. Isso é desejável? Duvido. Eventualmente, será inevitável. E, das duas, uma. Ou me recuso a escavar e levo tanta porrada até ficar inconsciente, ou vou escavando devagar para prolongar a minha tortura. Num caso ou noutro, só tenho à frente a minha condição de condenado à morte, à humilhação e ao sofrimento.


Ideia genial foi a dos nazis quando escreveram à entrada dos seus “campos de trabalho” a famosa frase “Arbeit macht frei” - “o trabalho libertar-te-á”. O trabalho não libertaria ninguém que lá entrasse. A acção só apressaria a exterminação do “trabalhador” e daqueles que eram do seu afeto. Isso foi evidente, por exemplo, entre o grupo de judeus encarregados de falsificar a moeda dos aliados a favor do Reich. Atenuaram o seu dilema de colaboracionistas (mesmo que à força) com um constante boicote aos fins do trabalho que lhes foi destinado. Não foram heróis, mas esforçaram-se por não serem filhos da puta.


Hoje, são os próprios condenados a exigirem “trabalho” e “ação”, e menos blá blá por parte dessa coisa asquerosa que são os políticos. Ora, a política é discurso, é ideia (e só é asquerosa e mentirosa se for feita por gente mentirosa e asquerosa). E a ação, se não for comandada por ideias, estará sempre ao serviço de quem tem o poder e não ao serviço de quem trabalha. As coisas poderiam ser invertidas se quem tivesse o poder fossem os trabalhadores. Ora, isto não acontece porque os trabalhadores abdicam desse poder a favor da possibilidade de um dia serem eles os exploradores de outros milhares de almas esfomeadas por poder. Abdicam a favor de uma ideia que de tão mesquinha que é nem sequer é exteriorizada politicamente em discursos "repetivos".


O povo está farto de “ideias”, de “pensamento”, de “discursos repetitivos”, da “cassete dos comunistas”. Então, que trabalhem. Atuem. Quando o buraco estiver suficientemente fundo, os donos da arma de fogo terão muito prazer em satisfazer-lhes a vontade de ação. E o fim virá com uma pancada seca.


E seria muito bem feito. A natureza não se compadece dos fracos. E se o grupo dos “trabalhadores” é fraco, merece bem a morte sumária… Seria assim, mas os poderosos não querem matar ninguém. São demasiado requintados para isso. Preferem manter os espécimes minimamente saudáveis aptos para trabalhar. Crentes que, com o seu trabalho, um dia libertar-se-ão. Quando escravizarem os outros.


É bonito este mundo, não é?

Artigos da mesma série:
publicado por Manuel Anastácio às 21:29
link do post | Dizer de sua justiça | Adicionar aos favoritos
|
2 comentários:
De jrd a 12 de Outubro de 2013 às 18:08
Este mundo é bonito, quando visto de longe, i. é, do outro mundo...
De Laura a 20 de Novembro de 2013 às 10:51
No outro dia pensei o seguinte: se a nossa civilização desaparecesse da mesma forma que desapareceu a grega e da qual só temos alguns documentos, aqueles que viessem depois de nós, que "(n)os" encontrassem, poderiam pensar 'oh que maravilha seria viver no sítio x, com tantas regras, tão ordenado...'.
Pensamento pueril e utópico, é verdade. E pensamento de quem se está a adaptar a um sítio onde a ditadura económica impera e onde nós vamos fazendo o "nosso trabalhinho", ie, escavando a nossa sepultura.

Dizer de sua justiça

.Nada sobre mim
.pesquisar
 
.Janeiro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
.Artigos da mesma série

. notas

. cinema

. livros

. poesia avulsa

. só porque

. curtas

. política

. arte

. guimarães

. música

. estupidez

. traduções

. wikipédia

. religião

. poesia i

. gosto de...

. ono no komachi

. narrativas

. tomas tranströmer

. buscas pedidas

. plantas

. arquitectura

. blogues

. enciclopédia íntima

. blogs

. braga

. fábulas de esopo

. as quimeras

. gérard de nerval

. carvalhal

. animais

. cultura popular

. disparates

. Herbário I

. póvoa de lanhoso

. poesia

. estevas

. pormenores

. umbigo

. bíblia

. ciência

. professores

. vilar formoso

. barcelos

. cinema e literatura

. coisas que vou escrevendo

. curtíssimas

. Guimarães

. rádio

. receitas

. ribeira da brunheta

. teatro

. da varanda

. economia

. educação

. família

. leitura

. lisboa

. mails da treta

. mértola

. Música

. os anéis de mercúrio

. vídeo

. cachorrada

. comida

. cores

. dança

. diário

. direita

. elogio da loucura

. escola

. esquerda

. flores de pedra

. hip hop

. história de portugal

. kitsch

. memória

. ópera

. profissão

. recortes

. rimas tontas

. sonetos de shakespeare

. terras de bouro

. Álbum de família

. alunos

. ângela merkel

. arte caseira

. aulas

. avaliação de professores

. ayre

. citações

. crítica

. ecologia

. edgar allan poe

. ensino privado

. ensino público

. evolucionismo

. facebook

. fausto

. felgueiras

. todas as tags

.O que vou visitando
.Segredos
  • Escrevam-me

  • .Páginas que se referem a este site

    referer referrer referers referrers http_referer
    .Já passaram...
    .quem linka aqui
    Who links to me?
    .Outras estatísticas
    eXTReMe Tracker
    blogs SAPO
    .subscrever feeds