Quarta-feira, 24 de Julho de 2013
I've seen horrors... horrors that you've seen.

Baba-se, a criatura.

Escorre saliva pelo queixo.

Falta-lhe compostura.

É asquerosa, viscosa, a criatura,

porque saliva. Não se controla.

Vai de viola, a criatura.

No reino da normalidade,

a saliva tem sentido único. E há controlo.

Ordem, criatura.

Baba-se, a criatura. Coisa feia.

Decadente. Velhice, doença, estado demente.

Falta-lhe compostura,

à abjeta criatura.

E chora, parece que tem sentimentos, a criatura.

Talvez os tenha.

Mas falta-lhe a compostura.

Parece ter o mundo às costas

e, lá dentro, todas as culpas originais,

congénitas ou acidentais, florescem em doces súplicas.

Mas anormais.

Baba-se, a criatura.

É mais linda, que as demais,

Mais aberta, luminosa, e tudo o mais.

Mas baba-se, a criatura,

escorre saliva pelos queixos.

Não pode aspirar a mais.

Artigos da mesma série: ,
publicado por Manuel Anastácio às 20:50
link do post | Dizer de sua justiça | Adicionar aos favoritos
1 comentário:
De glaucia lemos a 25 de Julho de 2013 às 01:35
Pobre criatura...

Dizer de sua justiça