6 comentários:
De gláucia lemos a 10 de Julho de 2013 às 00:52
Nunca tinha ouvido ou lido sobre o nascimento do pais chamado Portugal. Ou melhor, em alguma aula de Geografia lembro-me de ter escutado algo como Portugal tivera o nome de Portugália, por ter sido território pertencente a Galia, depois sendo abreviado para Portugal. Não me lembro com exatidão, algo assim... Mas refiro-me a uma narrativa da sua origem, por isso foi completamente novo o q acabei de ler sobre a formação de um Estado como decisão de uma pessoa q se resolveu a ser rei e nisso acabou por se tornar, lutando e vencendo como o mais forte q se impôs. muito mesmo interessante. Principalmente para quem sobre a sua propria pátria tem uma historia romântica de navegadores q encontram um território habitado por pessoas de origem desconhecida e de características físicas diferentes de tudo o q era conhecido até então. Assim são as origens, assim se formam os países, assim é a vida. Grande narrativa, meu caro escritor amigo e talentoso.
De Manuel Anastácio a 10 de Julho de 2013 às 01:03
Gália era na França, Gláucia. ;) Eu falarei do nome de Portugal, então, assim que puder.
De Gláucia Lemos a 10 de Julho de 2013 às 01:13
Sei q Galia é na França, mas tinha uma coisa a ver com Galia, a posse daquele território, só q eu era criança e isso já está confuso na minha cabeça. é só uma lembrança remota de um assunto q nunca mais foi revisto ou tratado. Estou curiosa pela origem do nome Portugal. irei ler assim q o escreva.
De André Koehne a 10 de Julho de 2013 às 03:27
Manuel...
Sem querer ser ufanista, penso diversamente... Portugal foi o primeiro "estado-nacional" da modernidade; a Escola de Sagres "sagrou e singrou" os mares, revelando ao Velho Mundo que havia mais mundo por aí...
Serviu de modelo e foi copiado. Expandiu-se para tão além, vencendo ante de tudo todos os medos ancestrais ao desconhecido, em aventuras mais épicas do que Camões jamais cantaria!
Cá vejo heróis, aos milhares, povoando, semeando - e trazendo bem longe algo que apenas o português soube nomear: saudade...
Mesmo no Japão há lá um toque luso, quando agradecem algo: arigatô - nosso "obrigado", que lá deixamos!
Uma terra tão pequena, mas de alma tão grande!
Sim, altos e baixos temo-los aos montes, desde Trás-os-Montes... Mas, quem não os tem?
A ganância individual jamais teria sucesso não fosse todo este afã por crescimento!
E, mesmo ainda guardando as dimensões de séculos atrás, guarda enorme riqueza...
A começar por minha filha, que atravessou o mar-oceano 'té Lisboa! Portanto, fale bem desta terra, seu moço! heee
Forte abraço.
De Manuel Anastácio a 10 de Julho de 2013 às 18:28
Eu falo bem. Portugal é, ainda assim, a terra que mais amo. Mas não deixa de ser uma criação mítica. Uma ilusão.
De jrd a 14 de Julho de 2013 às 19:55
Portugal: Diz a História que Afonso Henriques era apenas um filho de Egas Moniz e os portugueses, um povo que não se governava nem se deixava governar.
A História é por vezes mentirosa outras não...


Dizer de sua justiça