Terça-feira, 2 de Julho de 2013
Experimental como o destino

Quis saber o que faria um porco com pérolas.

Cheguei-me a um, sorrateiro, com vagares de terrorista,

enquanto chafurdava na fossa imunda

dos seus desejos.

Troquei-lhe o Financial Times

pela The New Yorker.


E foi vê-lo a ressonar que nem um camelo.


Troquei-lhe o Financial Times

pel' O Capital.


E foi vê-lo a ressonar.

Ruidosamente.

Ponto final.


Quis saber o que faria um ser humano com diamantes.

Cheguei-me a um, sorrateiro, com vagares de sedutor,

enquanto se afundava na fossa imunda

de desejos sem calor.

Troquei-lhe o Catecismo

por Sophia.


E foi vê-lo a ressonar que nem um camelo.


Troquei-lhe o último best seller

por Camilo.

E não fiquei tranquilo enquanto não aconteceu

o que já era de esperar.

Artigos da mesma série: ,
publicado por Manuel Anastácio às 22:44
link do post | Dizer de sua justiça | Adicionar aos favoritos
3 comentários:
De Menina Marota a 2 de Julho de 2013 às 23:27
Pois é... cultura no nosso País é como a agricultura: está de rastos!
Mas desistir de dar pérolas a porcos é que não... um dia as apreciarão!

Um abraço
De jrdd a 3 de Julho de 2013 às 08:55
Finalmente acordou, Levantou-se e foi comentar a crise no telejornal.
De Manuel Anastácio a 6 de Julho de 2013 às 00:35
:)

Dizer de sua justiça