Domingo, 7 de Abril de 2013
LXXIV

Deve-se ilegalizar o ódio? É impossível legislar sobre as consciências. E indesejável, aliás. Deve-se censurar o discurso do ódio? Tenho as minhas dúvidas. A perseguição movida aos grunhos não ajudará a disseminar e a radicalizar esse ódio, tornando em vítimas os agressores? As contramanifestações da esquerda junto das manifestações da infinita estupidez humana só poderão ter algum efeito junto da opinião pública se forem silenciosas e pacíficas. Ir para batalhas campais ou para ver quem grita mais alto cria na população a percepção de que os dois "extremos" se tocam. O avanço do toureiro Marcelo Mendes sobre manifestantes antitourada na Torreira fez mais pela causa da defesa dos animais que por qualquer manifestação barulhenta. É preciso não perder de vista o objetivo implícito numa manifestação, que é conquistar o apoio e simpatia das populações. Curiosamente, as populações não gostam de manifestações porque as associam a destruição e a violência. É preciso mostrar às pessoas de que lado está a razão, não confundi-las. É uma tarefa difícil, e difícil porque facilmente se minam manifestações pacíficas, seja porque a paciência tem limites, seja por introdução de elementos infiltrados, seja porque ninguém é obrigado a ser mártir. E, infelizmente, a martirização continua a ser o mais eficiente caminho para conquistar corações. É fácil admirar e honrar os mortos.

Artigos da mesma série:
publicado por Manuel Anastácio às 12:21
link do post | Dizer de sua justiça | Adicionar aos favoritos
5 comentários:
De jrd a 7 de Abril de 2013 às 15:46
Perfeito!

Estou mesmo a ver os mais ingénuos a voltarem às estampas com "pin-ups" para decorar os frigorificos.
:)
De jrd a 7 de Abril de 2013 às 17:33
Verifico que me enganei. Este comentário está deslocado, refere-se ao poste seguinte.
Peço desculpa.
De j a 7 de Abril de 2013 às 22:00
Por muito polémica que seja a minha resposta, creio que se deve ilegalizar quem, se e quando puder, acaba com a legalidade.
De jrd a 7 de Abril de 2013 às 22:03
Onde está "j" deve ler-se "jrd".
De Manuel Anastácio a 7 de Abril de 2013 às 23:29
Isso é um paradoxo. Se ilegalizarmos quem ilegaliza, teremos de nos ilegalizar a nós mesmos. É um beco sem saída. É uma forma de dizer: eu sou dono da verdade. Repara que os movimentos neonazis transmitem mensagens racistas e praticam atos de violência contra minorias, mas mascaram constantemente essa mensagem com outras mais simpáticas. Será que eles mesmos acreditam nesse lado mais simpático com que mascaram o seu racismo e xenofobia?

Dizer de sua justiça