.Últimos bocejos

. Os filhos não devem ser o...

. Todas as águas

. Todos os poemas

. Hold back your love, Whit...

. Hallelujah Money, Gorilla...

. 4

. 3

. Love & Hate, Michael Kiwa...

. T-shirt weather in the ma...

. Yonkers, Tyler, the Creat...

. 2

. 1

. i

. Anacreonte

. Educação do meu imbigo

. Voltei! Ou talvez não (co...

. Uma arte, de Elizabeth Bi...

. Uma arte, de Elizabeth Bi...

. Manual de Etiqueta e boa ...

. Aurora dos Pinheiros

. Versículos angélicos

. (19/01/2014)

. Cristianismo

. Arbeit macht frei

. Isso

. Limite

. Resignação solene

. LXXVIII

. Florentino Ariza num dia ...

. I've seen horrors... horr...

. Se bem me esqueço

. Enciclopédia Íntima: Pátr...

. LXXVII

. Experimental como o desti...

. Ruy do car(v)alhinho

. LXXVI

. Overgrown, James Blake

. MS MR - Hurricane

. Buscas pedidas: "filmes s...

. Para Thatcher

. S&M

. LXXV

. Mails da treta: Ímans e a...

. LXXIV

. Agnes Obel

. Amar, casar, perverter

. LXXIII

. LXXII

. LXXI

. Amar é dizer parvoíces

.Velharias

. Agosto 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Agosto 2016

. Maio 2016

. Janeiro 2015

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Janeiro 2006

. Novembro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Março 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

. Dezembro 2003

Quinta-feira, 4 de Abril de 2013
Orgasm (Rock Cave), de Cromagnon

Se a música serve para desinquietar, como pretende qualquer arte digna do nome, e não criar ambiente, como mera arte decorativa, os Cromagnon, banda dos anos 60, saberiam dar ao mundo uma boa dose de desinquietação, caso o mundo quisesse dar ouvidos a miúdos que, se calhar, só queriam provocar. O que já não é mau como projeto artístico, digo eu. O seu álbum “Orgasm”, que mais tarde foi republicado sob o título de Cave Rock não será, provavelmente do agrado de muita gente. Logo na primeira e mais famosa das faixas, Caledonia, sons guturais e volumes sincopados de toneladas de decibéis, que associamos hoje às bandas de Heavy Metal, em conjunto com referências primitivas, folclóricas (no melhor sentido da palavra) e mesmo visceralmente biológicas, formam um objeto sonoro a que qualquer amante da arte dos sons não devia ser indiferente. Ritual Feast of the Libido, a segunda faixa, dificilmente será considerada fruto de uma mente equilibrada. O som de rochas e gritos e regurgitações cavernícolas é capaz de provocar pesadelos ao mais resiliente dos ouvidos, mas é, definitivamente, uma experiência marcante. Organic sundown, mais tribal e xamânico, decepciona um pouco quem se tenha entusiasmado com o início do álbum, dado o seu carácter mais introspectivo. Em Fantasy, as gargalhadas e grunhidos iniciais e sons vocais semelhantes a flatulências dão lugar a ruídos urbanos contemporâneos que se diluem num tema terno que regressa após uma sucessão de estática com fragmentos radiofónicos sobre a linha persistente e aguda de uma sirene, desembocando em vozes que exigem liberdade. É difícil de dizer qual a verdadeira intenção, se é que há intenção nesta forma de indisciplina estética e de alegre desprezo pelas normas. Seja uma forma de humor ou um ato de pura contracultura, não se pode, contudo, considerar que isto seja lixo sonoro. A utilização da guitarra acústica em registo de mera repetição em Crow Of The Black Tree e as suas vocalizações uivadas tornar-se-ia, a certa altura, totalmente convencional na criação de um ambiente pagão tendente ao transe não fosse a liberdade escarninha que desconcentra tudo, tornando-se a canção num objeto que nega qualquer intenção séria do ponto de vista artístico, se considerarmos os estados alterados de consciência uma forma legítima de usufruir da dita cultura séria (quase exclusivamente aquela que não está institucionalizada). Genitalia, por sua vez, parece repegar na imagem dos corvídeos, conseguindo converter gemidos orgásmicos num frenesi a capella, dando conta do experimentalismo versátil de um álbum que não se sabe bem localizar na história da música, se em precedência de estilos musicais que viriam depois, se em vias paralelas. O ambiente religioso de um cântico gregoriano ou de um mantra em sobreposição e alheio a um louco solo de guitarra eléctrica termina um álbum tantas vezes amado pelo seu sopro de loucura profética, mais vezes ainda odiado pelo desconforto e estranheza que provoca e, mais ainda, injustamente ignorado, até pelos mais irreverentes e indisciplinados dos vanguardistas.  

Artigos da mesma série:
publicado por Manuel Anastácio às 03:20
link do post | Dizer de sua justiça | Adicionar aos favoritos
|
.Nada sobre mim
.pesquisar
 
.Agosto 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
.Artigos da mesma série

. notas

. cinema

. livros

. poesia avulsa

. política

. só porque

. curtas

. arte

. guimarães

. música

. estupidez

. traduções

. wikipédia

. religião

. poesia i

. gosto de...

. ono no komachi

. narrativas

. tomas tranströmer

. buscas pedidas

. plantas

. arquitectura

. enciclopédia íntima

. blogues

. braga

. fábulas de esopo

. as quimeras

. gérard de nerval

. carvalhal

. animais

. blogs

. cultura popular

. disparates

. Herbário I

. poesia

. póvoa de lanhoso

. estevas

. pormenores

. umbigo

. bíblia

. ciência

. professores

. vilar formoso

. barcelos

. cinema e literatura

. coisas que vou escrevendo

. curtíssimas

. educação

. Guimarães

. rádio

. receitas

. ribeira da brunheta

. teatro

. vídeo

. da varanda

. economia

. família

. leitura

. lisboa

. mails da treta

. mértola

. Música

. os anéis de mercúrio

. cachorrada

. comida

. cores

. dança

. diário

. direita

. elogio da loucura

. escola

. esquerda

. flores de pedra

. hip hop

. história de portugal

. kitsch

. memória

. ópera

. profissão

. recortes

. rimas tontas

. sonetos de shakespeare

. terras de bouro

. trump

. Álbum de família

. alunos

. ângela merkel

. arte caseira

. aulas

. avaliação de professores

. ayre

. benjamin clementine

. citações

. crítica

. ecologia

. edgar allan poe

. ensino privado

. ensino público

. evolucionismo

. facebook

. todas as tags

.O que vou visitando
.Segredos
  • Escrevam-me

  • .Páginas que se referem a este site

    referer referrer referers referrers http_referer
    .Já passaram...
    .quem linka aqui
    Who links to me?
    .Outras estatísticas
    eXTReMe Tracker
    blogs SAPO
    .subscrever feeds