Domingo, 31 de Março de 2013
LXVI

Os batedores de caça espantam as presas escondidas nos arbustos, e os nédios nobres teutónicos, preguiçosamente, apontam as armas para as peças que melhor figura farão como naturezas mortas nas suas fartas cozinhas.

 

Natureza morta com caça, de T. Mather, de 1671

 

La Règle du Jeu, de Jean Renoir. Cena da caça.
publicado por Manuel Anastácio às 00:16
link do post | Dizer de sua justiça | Adicionar aos favoritos
5 comentários:
De gláucia lemos a 31 de Março de 2013 às 00:57
As caças, do q os pintores barrocos tanto se utilizaram, invadindo as cozinhas e reproduzindo em suas telas os brunidos tachos de cobre, e os soberbos faisões, e galinhas, para alegria da sensibilidade dos fruidores q a posteridade presenteou com elas. Que bela portagem , querido Manuel.
De glaucia lemos a 31 de Março de 2013 às 02:05
Completando:
Elogiei a portagem pela obra de arte barroca ilustrativa. Mas assisti ao vídeo depois, e fiquei compungida com a crueldade e frieza com a qual são tiradas as vidas de pequenos animais indefesos. como se tiram vida unicamente pelo prazer de fazê-lo ...
De Manuel Anastácio a 31 de Março de 2013 às 02:41
E pelo prazer da avareza e da vaidade, mais que da gula...
De jrd a 31 de Março de 2013 às 17:27
Uma alegoria bem apontada...
Como um grande filme pode contemplar uma cena tão degradante.
De Manuel Anastácio a 31 de Março de 2013 às 17:30
Não é coisa rara... :)

Dizer de sua justiça

.pesquisar