Segunda-feira, 22 de Outubro de 2012
Ar

desenho de Carla Cristiana Carvalho.

 

Quando desenhas olhos,

todo eu tremo por dentro.

Argos Panoptes, o que tudo vê,

cego de si,

à dor de tudo ver,

devassa nessas tardes o deserto do meu corpo.

E fujo, sem pedra que me abrigue em sepultura.

Quero que em mim se ergam miragens,

não imagens do que sou.

Quando desenhas olhos,

brotam olhos de água na areia,

no argueiro que em meu olhar pousou.

Quando desenhas olhos, caem em mim olhares,

colares de olhos e acusações.

Que entre olhar e acusar

não existem variações.

Quero que em mim se se ergam miragens,

não imagens do que sou.

Artigos da mesma série:
publicado por Manuel Anastácio às 21:00
link do post | Dizer de sua justiça | Adicionar aos favoritos
.pesquisar