.Últimos bocejos

. Todas as águas

. Todos os poemas

. Hold back your love, Whit...

. Hallelujah Money, Gorilla...

. 4

. 3

. Love & Hate, Michael Kiwa...

. T-shirt weather in the ma...

. Yonkers, Tyler, the Creat...

. 2

. 1

. i

. Anacreonte

. Educação do meu imbigo

. Voltei! Ou talvez não (co...

. Uma arte, de Elizabeth Bi...

. Uma arte, de Elizabeth Bi...

. Manual de Etiqueta e boa ...

. Aurora dos Pinheiros

. Versículos angélicos

. (19/01/2014)

. Cristianismo

. Arbeit macht frei

. Isso

. Limite

. Resignação solene

. LXXVIII

. Florentino Ariza num dia ...

. I've seen horrors... horr...

. Se bem me esqueço

. Enciclopédia Íntima: Pátr...

. LXXVII

. Experimental como o desti...

. Ruy do car(v)alhinho

. LXXVI

. Overgrown, James Blake

. MS MR - Hurricane

. Buscas pedidas: "filmes s...

. Para Thatcher

. S&M

. LXXV

. Mails da treta: Ímans e a...

. LXXIV

. Agnes Obel

. Amar, casar, perverter

. LXXIII

. LXXII

. LXXI

. Amar é dizer parvoíces

. Orgasm (Rock Cave), de Cr...

.Velharias

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Agosto 2016

. Maio 2016

. Janeiro 2015

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Janeiro 2006

. Novembro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Março 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

. Dezembro 2003

Sexta-feira, 11 de Maio de 2012
O Dom das Lágrimas, de João Nicolau

“O Dom das Lágrimas” é a mais recente curta metragem de João Nicolau, encomendada pela Capital Europeia da Cultura e que estreou ontem (hoje à noite, quando escrevo) no Cinema São Mamede. A sala, composta, mas não tanto quanto deveria estar, tinha a estranha presença de crianças de muito tenra idade. Caso para, cinicamente, perguntar quem é que se tinha lembrado de levar ali o Jardim de Infância. Cinicamente, digo bem, cinica e injustamente, até porque as crianças, e aquelas que ali estavam em específico, eram em grande parte autoras do filme, atrizes também e… não bastando isso, serviram-me ainda como guia de interpretação de um filme cujo esoterismo cinematográfico me colocou perante os quadros de que é composto com a mesma perplexidade com que os alquimistas neófitos olham para as pranchas do “Liber Mutus”. Se o Dom das Lágrimas serve de mote para uma história tão desconexa no seu onirismo geográfico, histórico e mental, o Dom do riso destas crianças permitiu-me ter uma primeira revelação quanto ao significado íntimo e místico dos cabelos em cascata dourada saindo de uma janela do Paço dos Duques. Um homem, em algo semelhante a um João-Sem-Medo decide ir à caça (talvez de gajas loiras, jeitosa fauna que povoa o imaginário do filme e que fará aos de fora julgar que por cá abundam), respondendo de forma insolente a uma voz para lá de uma porta onde não entramos, mas de onde saímos, como se saltássemos as muralhas vizinhas a “Chora que Logo Bebes”, entrando num universo tão encantado e nonsense quanto o de José Gomes Ferreira. O ritmo do filme, saltitando de forma despreocupada e misticamente empenhado num mantra qualquer que não nos é dado a ouvir, tende a uma purificação cuja chave é-me, curiosamente, dada por uma citação de “Rapace”, outro filme de 2006, do mesmo autor, e que foi apresentado logo a seguir: “o ritmo é o som de Deus desidratado”. Entre lágrimas junto a um rio Selho inauditamente expurgado de vestígios de poluição (magia do cinema?) e as pesadas pedras da Penha, indiferentes aos ataques de vandalismo da personagem que as quer esmigalhar à folha de lhes bater com um pau ou com um calhau, a um ritmo e intensidade diferente das obras que revolveram o Toural e que aparecem de relance, restam os fantasmas de quem aqui se perdeu, trazendo consigo fantasmas que julgava ter deixado para lá dos limites de uma terra que não faz mais que os recuperar a cada passo. E a cada passo, reconhecemo-nos como os irredutíveis fantasmas de que todas as histórias são feitas, faltando-lhes, para se dessedentarem, quem sabe, apenas o dom do riso das mesmas crianças que choram e que, através das lágrimas, transformam as paisagem em aguarelas – em fantasmas, em nós mesmos. Em nada que uma lágrima, ou um riso, não consiga definir com a mesma clareza e autoridade de um rio.

Artigos da mesma série: ,
publicado por Manuel Anastácio às 02:00
link do post | Dizer de sua justiça | Adicionar aos favoritos
|
2 comentários:
De glaucia lemos a 11 de Maio de 2012 às 15:04
Eu fico vendo filmes através das suas resenhas. Tal a clareza das suas descrições, parece-me de algumaa maneira tê-lo assistido. Parece-me, também, por outro lado, sem o pensar estar a prestar grande serviço a quem o lê, quando transmite a ideia precisa da essência da história. Que não é tal a intenção das resenhas, bem o sei, de qualquer modo, porém, muito obrigada, camarada, por você ser quem é e por merecer o c arinho q merece.Beijo grande.

De Manuel Anastácio a 11 de Maio de 2012 às 19:46
Não costumo contar histórias, porque um dos prazeres de ver um filme pela primeira vez é descobri-la. Mas no caso deste filme seria difícil contar a história... :)

Dizer de sua justiça

.Nada sobre mim
.pesquisar
 
.Março 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
.Artigos da mesma série

. notas

. cinema

. livros

. poesia avulsa

. só porque

. política

. curtas

. arte

. guimarães

. música

. estupidez

. traduções

. wikipédia

. religião

. poesia i

. gosto de...

. ono no komachi

. narrativas

. tomas tranströmer

. buscas pedidas

. plantas

. arquitectura

. blogues

. enciclopédia íntima

. blogs

. braga

. fábulas de esopo

. as quimeras

. gérard de nerval

. carvalhal

. animais

. cultura popular

. disparates

. Herbário I

. poesia

. póvoa de lanhoso

. estevas

. pormenores

. umbigo

. bíblia

. ciência

. professores

. vilar formoso

. barcelos

. cinema e literatura

. coisas que vou escrevendo

. curtíssimas

. Guimarães

. rádio

. receitas

. ribeira da brunheta

. teatro

. vídeo

. da varanda

. economia

. educação

. família

. leitura

. lisboa

. mails da treta

. mértola

. Música

. os anéis de mercúrio

. cachorrada

. comida

. cores

. dança

. diário

. direita

. elogio da loucura

. escola

. esquerda

. flores de pedra

. hip hop

. história de portugal

. kitsch

. memória

. ópera

. profissão

. recortes

. rimas tontas

. sonetos de shakespeare

. terras de bouro

. trump

. Álbum de família

. alunos

. ângela merkel

. arte caseira

. aulas

. avaliação de professores

. ayre

. benjamin clementine

. citações

. crítica

. ecologia

. edgar allan poe

. ensino privado

. ensino público

. evolucionismo

. facebook

. todas as tags

.O que vou visitando
.Segredos
  • Escrevam-me

  • .Páginas que se referem a este site

    referer referrer referers referrers http_referer
    .Já passaram...
    .quem linka aqui
    Who links to me?
    .Outras estatísticas
    eXTReMe Tracker
    blogs SAPO
    .subscrever feeds