.Últimos bocejos

. Todas as águas

. Todos os poemas

. Hold back your love, Whit...

. Hallelujah Money, Gorilla...

. 4

. 3

. Love & Hate, Michael Kiwa...

. T-shirt weather in the ma...

. Yonkers, Tyler, the Creat...

. 2

. 1

. i

. Anacreonte

. Educação do meu imbigo

. Voltei! Ou talvez não (co...

. Uma arte, de Elizabeth Bi...

. Uma arte, de Elizabeth Bi...

. Manual de Etiqueta e boa ...

. Aurora dos Pinheiros

. Versículos angélicos

. (19/01/2014)

. Cristianismo

. Arbeit macht frei

. Isso

. Limite

. Resignação solene

. LXXVIII

. Florentino Ariza num dia ...

. I've seen horrors... horr...

. Se bem me esqueço

. Enciclopédia Íntima: Pátr...

. LXXVII

. Experimental como o desti...

. Ruy do car(v)alhinho

. LXXVI

. Overgrown, James Blake

. MS MR - Hurricane

. Buscas pedidas: "filmes s...

. Para Thatcher

. S&M

. LXXV

. Mails da treta: Ímans e a...

. LXXIV

. Agnes Obel

. Amar, casar, perverter

. LXXIII

. LXXII

. LXXI

. Amar é dizer parvoíces

. Orgasm (Rock Cave), de Cr...

.Velharias

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Agosto 2016

. Maio 2016

. Janeiro 2015

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Janeiro 2006

. Novembro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Março 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

. Dezembro 2003

Quarta-feira, 25 de Abril de 2012
Guimarães, O Passado numa breve homenagem à cidade: Património fotográfico e literário, de Célia Fernandes

 

 

Quando se passa grande parte da vida a recolher memórias, imagens, palavras, a vasculhar os cantos das prateleiras e das gavetas, a mente do investigador entra numa realidade nebulosa onde o passado e o presente se confundem, onde os lugares se tornam fantasmas. Guimarães, sendo uma preciosa caixa de memórias, é também uma cidade palimpséstica, como qualquer memória. Este livro de Célia Fernandes não é um livro que sistematiza, mas um livro que confunde. E nisso é o próprio retrato desta cidade onde as pedras nunca encontraram lugar fixo, onde as muralhas, as torres, as portas, as árvores, divagam ao sabor das vontades de cidadãos que vacilam entre a reverência ao passado e a vontade de o reescrever. E é isso que torna Guimarães uma cidade particularmente poética, saturada de simbolismos que vão para lá da honra fundadora de um país tão indefinido na sua Glória e no seu destino quanto as profecias nacionalistas do Bandarra. Lânguida, serena, vetusta, rica, trabalhadora... são adjetivos que se sucedem em textos que se sucedem sem outra vontade que não a de nos confundir e questionar que cidade é esta que tanto nos pesa no peito, que tanta nostalgia nos provoca e que tão contraditoriamente nos apaixona pela sua gente miserável e infinitamente feliz, honrada e arruaceira. E Célia Fernandes provoca-nos com os textos que escolhe e que foi recolhendo deste e daquele autor, sobre o mito, sobre as gentes, as ruas, os trabalhos, os cheiros. E, entre o negro e o branco das fotografias, distribuídas sem razão aparente, há um diálogo desconexo mas tão cheio de sentido quanto a sucessão de episódios no "Alice no País das Maravilhas", justamente citado pela autora no prefácio. Fragmentária ou fragmentada, cada peça apresentada não pretende informar, mas mergulhar o leitor ocioso e sedento de imagens do passado nas memórias que tomam formas vagamente reconhecíveis, como nas fotografias de um álbum encontrado num sótão alheio, onde as palavras escritas no verso aparecem na sua incógnita glória de pensamento arrancado a uma história que ninguém saberá contar nem reconstituir. Quem era esta gente que não deixou escritas as suas paixões? Que calaram elas entre as máquinas de fiação ou entre os eflúvios venenosos dos curtumes? Que vontades se perderam entre o aprumo fascista e orgulhoso do saudosismo das comemorações dos mitos fundadores? Que sensualidade estranha é a destas raparigas que encantam os escritores que delas falam como se o clima fosse mais quente e mais bafejado pelo Mediterrâneo, quando a chuva que se faz sentir nas paredes molhadas de granito é toda atlântica? É um livro de questões, não de respostas. Um poema de amor a uma cidade de "estreitos portais, escadas empinadas e miúdas gelosias", onde se escondem olhares que nos fazem fantasiar romances que nunca acontecerão, roubados que foram ao nosso tempo, por um Tempo que, aqui, passa como não passa em mais lado nenhum. 

Artigos da mesma série:
publicado por Manuel Anastácio às 21:57
link do post | Dizer de sua justiça | Adicionar aos favoritos
|
Quinta-feira, 19 de Abril de 2012
O Coração Sabe, de Vasco Ferreira Campos

Que "O Coração Sabe" coisas que o intelecto se recusa, por teimosia, a olhar de frente, todos sabemos. Mas poucos são aqueles que as sabem transformar em certezas e, menos ainda, aqueles que as conseguem expor no seu esplendor de coisas não corrompidas pelo pensamento. Vasco Ferreira Campos é um poeta capaz de definir as certezas com a mesma convicção com que defendemos os nossos pressentimentos. É um poeta das coisas concretas, tal como a memória as desencanta dos recantos mais luminosos daquilo que nos define enquanto pessoas. Há nos seus poemas um clarão místico, de coordenadas meridionais e orientais, com toques de uma religiosidade e fé pagã, natural, alheia à catequese. Da mesma  forma que uma criança, perante o rosto das respostas que lhes são dadas, não aceita a possibilidade do engano, há uma puerilidade sábia e reflectida em cada um dos seus versos ("agora até sou mais inteligente, mais convencido / e, inevitavelmente, menos sabedor"). 

 

A dedicatória do livro de poemas que tenho agora ao meu lado é dirigida aos seus filhos. E Vasco Ferreira Campos deixa-lhes, neles, uma herança de certezas talvez deles recebida. É à luz do olhar infantil que a sua poesia, madura, justifica esta primeira impressão de infância recuperada, com uma força descritiva e evocadora ao modo de Proust, mas de forma sintética e quase epigramática. Chamei um dia, a um dos poemas deste livro, um tratado de antropologia íntima. É daquelas expressões que eu gosto de buscar ao baú das minhas impressões confusas, mas que, no fundo, o meu coração sabe estarem certas. Antropologia, dizia eu, mas poderia chamar-lhe, também, epistemologia prática. Uma epistemologia que legitima alguns enganos (não erros) que nos deixam uma esperança intimamente justificada de estarmos certos. Mas as palavras do Senhor Vasco, como o conheci pela primeira vez, nem são dessa esterilidade discursiva para a qual está a cair este meu texto (e que já me fez perder 60% dos leitores que avançaram para lá da segunda linha de texto), nem exigem profundidades de análise porque convém que sejam lidas de olhar lavado e com o estado de espírito próprio de quem vai ser admitido numa casa acolhedora, a meio de uma tempestade ou a meio da desolação da inexistência. E há, de poema em poema, um percurso onde nos confrontamos com a infância, as responsabilidades que assumimos e para as quais nos faltam a simples possibilidade de as manter, não por impotência, mas pela própria essência do devir e da entropia, a felicidade dos espaços familiares, a intimidade dos olhares sempre à procura de um horizonte fixo onde assentar certezas sem nome, mas luminosas e propiciadoras de uma paz que ora toma a forma de uma casa ora a sombra de uma árvore (talvez ambas, a mesma coisa). Mas sempre que evoca a árvore ou a casa, não o faz de forma abstrata. As árvores e as paredes têm uma realidade própria feitas de experiências sensoriais sugestivas, mas sugerindo sempre verdades íntimas que se confundem com verdades universais, da mesma forma que o contato erótico, sugerido mais pela cadência dos versos nos poemas que pelas imagens mínimas do cabelo ou da pele humedecida, toma a mesma certeza intemporal, semelhante à certeza da morte, tão próxima da certeza da própria existência. A dignidade humana é feita destes arrepios feitos de tempo, espaço, memória ("os nossos mortos / têm a localização exacta / dos seus vivos") e na conciliação de todas as dualidades graças à escolha, a cada passo, de um novo abrigo: a casa iluminada, a árvore, os objetos de um quotidiano harmonioso e belo, não obstante a corrupção do mundo e - principalmente - os filhos, herdeiros das certezas e dos enganos cósmicos que mantêm a sucessão das estações e a permanência das coisas belas enquanto manifestação da própria natureza em nós, que somos apenas um elo entre as ternuras a nós passadas ("As pombas esvoaçam em redor do meu pai. // A minha mãe por todo o lado") e as que, o coração sabe, transparecem na contemplação da luz que ilumina, reciprocamente, o amador transformado na coisa amada.

Artigos da mesma série: , ,
publicado por Manuel Anastácio às 00:59
link do post | Dizer de sua justiça | Quem disse o que pensou (4) | Adicionar aos favoritos
|
Segunda-feira, 16 de Abril de 2012
Terceira canção última

Os estandartes vermelhos da penumbra

segredam promessas de bom tempo a quem conta ficar

mais um dia ao teu lado. E o calor que se escapa das pedras

passa por mim sem resistência. Não há, em ser, coerência

para mais um dia. Nem ciência que me cure desta invernia

em que entro, em pleno estio.

Tenho frio.

 

As muralhas cinzentas da manhã não terão já sentinelas

nem os meus passos encontrarão nelas o rasto dos teus.

A fome que tinha de ti, gravada em fotografia digital,

por ninguém será resgatada da cache universal

onde depositámos os nossos segredos,

esquecidos que estávamos da quarta parede.

Tenho sede.

 

O abismo gélido do meio dia será repasto de aves de rapina

com olhos de angélica virgem com pestanas de vadia.

Ter-me-ás abandonado.

Terei deixado as palavras e nem os sonhos nos ligarão.

Seremos talvez os sonhos.

Seremos talvez

 

As formas que as nuvens tomam quando não as vemos.

Seremos talvez isso.

O corpo morto sobre o qual se oficia o feitiço

Nada faz. Mas traz

de volta

a quarta parede

virada para uma plateia vazia

 

O abismo gélido do meio dia.

Artigos da mesma série: ,
publicado por Manuel Anastácio às 23:16
link do post | Dizer de sua justiça | Quem disse o que pensou (2) | Adicionar aos favoritos
|
Capitães da areia, de Cecília Amado

Dizer que esta adaptação de Capitães da areia é um filme belo é pouco. Como se poderia adaptar uma história destas hoje em dia, em que os excessos do cinema atual obrigam a mostrar as feridas sendo abertas e o sangue salpicando a tela? Esta não é uma história de violência, nem de delinquência, nem de bandidagem revoltada. É uma história de amor adolescente que pouco foge ao universo poético das histórias para a infância. Cecília Amado desenha a história com a mesma ingenuidade poética dos seus heróis, com a mesma ingenuidade com que terá lido a história quando tinha catorze anos e a fez apaixonar-se por Pedro Bala. O recurso a jovens atores não profissionais dá-lhe uma atmosfera de neorrealismo extemporâneo, mas a poesia plástica de cada plano obriga a classificar todo o conjunto como um conto de fadas doloroso, mas de uma doçura suavizada por intervenção dos orixás. Já muitas vezes o disse, e reafirmo, que nunca tendo estado no Brasil, encontrei aí uma Pátria que me foi roubada sem nunca a ter tido. Hoje voltei a encontrar essa luz de um país perdido, parafraseando Camilo Pessanha, e que nunca poderei encontrar. Da mesma forma que o Professor, que por justiça humana deveria ter o amor de Dora, é enjeitado a favor da virilidade extremada de Pedro Bala, também a Pátria que me acolhe em piedade o corpo e me cata os piolhos me recusa os beijos. E um filme, um livro, um conto ou um poema só são nossos quando neles nos encontramos - e eu encontro-me ali metido na minha insignificância perante a força daquelas personagens maiores que os Gregos e Troianos das epopeias. A história de amor adolescente criada por Jorge Amado é intocável, um clássico que conta verdades profundas e violentas sobre a natureza humana e a inexorabilidade dos afetos. A maior das violências e das crueldades mora no coração de quem ama. E é essa violência que conta e que tem de ser contada, mais que os golpes de capoeira e as navalhadas que algum público, sedento de sangue e arena, eventualmente procurará num filme dos dias de hoje. E este "Capitães da Areia" não é um filme dos dias de hoje, é um filme de época e de uma época, sem que deixe de ser um filme para todas as épocas. É magnífica a direção artística, são magníficos os trapos rotos que cobrem aqueles corpos juvenis onde aflora o desejo, é magnífico o sabor musical de uma ópera sambada a que não falta a tragédia de uma Pietá invertida nos seus polos masculino e feminino, mas mais magnífica é a capacidade de recusar o excesso e contar o desejo e a sua consumação sem o erotizar para além do próprio erotismo com que se nasce já, ingenuamente, num mundo onde não há, não haverá nem nunca houve, lugar para tais ingenuidades. Talvez todos vejamos apenas a luz dos países perdidos, dos paraísos perdidos transformados em estrela, como Dora, num céu onde ninguém arde de outra febre que não a da sua luz perene e sombria.

Artigos da mesma série:
publicado por Manuel Anastácio às 00:25
link do post | Dizer de sua justiça | Quem disse o que pensou (2) | Adicionar aos favoritos
|
Blues Control com Laraaji e Arji

Não sou, em termos de pensamento, muito dado aos tiques New Age e dos orientalismos místicos. Mas, às vezes, as ondas arrastam-nos até à beira desses oceanos. Molhamos neles os pés e compreendemos algo mais sobre quem somos, de uma forma ingénua, descascando as escamas que nos enchem de cataratas a vista. Não que se abram mais os olhos, nem se melhore a nitidez do que se sente, até porque os sentimentos não se exprimem em palavras a não ser através do enigma da poesia, mestra da destruição dos significados, imergindo-os no feitiço das coisas primordiais - das coisas que não sabemos, não entendemos, mas que nos empurram em direção à nossa felicidade. Laraaji (nascido em 1943) é um músico norte-americano, nascido em Filadélfia, com o nome de Edward Larry Gordon. Dedicando-se à música desde jovem, estudou violino, piano, trombone e voz nos seus primeiros anos em Nova Jersey. Frequentou  uma Universidade Historicamente Negra em Washington DC, a Howard University, com uma bolsa para estudar composição e piano. Depois, em Nova York, ainda tentou a carreira de comediante e ator.
No início dos anos setenta, ao estudar o misticismo oriental, encontrou um novo rumo para música e para a vida. Comprou a sua primeira cítara numa loja de penhores e adaptou-a depois a instrumento eletrónico, de modo a usá-la como piano. Em 1978, fazia interpretações de rua nos parques e nos passeios de Nova Iorque. No ano seguinte, foi descoberto por Brian Eno enquanto tocava na Washington Square Park. Patrocinado po Eno,  lançou o álbum "Ambient 3: Day of Radiance", o terceiro de uma série de Brian Eno dedicada à música "ambiente".  Começou então a compor versões mais longas das suas peças, gravadas em cassete e procuradas por grupos de meditação. Entretanto, expandia o seu entendimento místico do mundo com gurus como Swami Satchidananda Shri Brahmananda Sarasvati, fundador do Ashram Ananda em Monroe, Nova Iorque. Em virtude deste percurso, descobriu no riso um meio de meditação que, aliás, está bem presente nas suas composições, não só através da sua voz metálica como na da sua companheira Arji, a senhora da percussão, que entre caixinhas, vasos orientais e conchas, lança gargalhadas que irrompem numa malha sonora que, graças a um certo humor interpretativo, consegue ultrapassar a monotonia da música ambiente que, por vezes, empesta um certo tipo de comércio com cheiro a incenso. A junção da música mais electrónica dos Blues Control completa a atmosfera. Para ouvir com a cara lavada e o coração aberto ao riso do universo.

 

publicado por Manuel Anastácio às 00:18
link do post | Dizer de sua justiça | Adicionar aos favoritos
|
Sábado, 14 de Abril de 2012
Credo II

Creio em ti, margem escarpada à beira da qual me afogo.

Creio em ti sempre que morro.

Creio na solidez dos espaços em que abrigas as aves do céu,

Os répteis da terra e os insetos nascidos da podridão.

Creio na nossa perfeita solidão.

Creio em ti como centro do Universo

E eu, satélite perverso que te limita o horizonte,

Creio em quem, porém, me desenhou a órbita

E programou cada eclipse, para que creia

Na doce morte da tua teia

No doce porte da lua cheia

Para que creia.

Para que creia.

 

Artigos da mesma série:
publicado por Manuel Anastácio às 00:27
link do post | Dizer de sua justiça | Quem disse o que pensou (2) | Adicionar aos favoritos
|
Sexta-feira, 13 de Abril de 2012
Primavera I

A Primavera trouxe, ainda antes da chuva, um breve instante.

Que parolice. Um breve instante,

Como se não fossem breves todos os instantes.

Mas só assim chamamos àqueles que o não são.

A Primavera trouxe madrugadas barulhentas de chilreios

E do miar assanhado dos gatos de apartamento.

Um breve momento

Trouxe camélias murchas premiadas pelo vento

E ramos de tomilho. Trouxe Satã disfarçado de luz e sombra,

Tatuando o pecado nos nossos ombros,

Iluminando sorrisos libertos de vendas encardidas por fingida inocência.

E quando abrimos os olhos, e vimos que era Primavera,

Já as pétalas das Prunus tinham dado lugar às folhas roxas

sobre a esplanada onde raramente nos sentamos.

As glicínias imitam o teu perfume

E só na tua pele poderia, de novo enroscar-se

a serpente, rente às rosas que darão maçãs.

Noutras manhãs, para sempre nossas.

Artigos da mesma série:
publicado por Manuel Anastácio às 23:53
link do post | Dizer de sua justiça | Quem disse o que pensou (1) | Adicionar aos favoritos
|
Segunda-feira, 2 de Abril de 2012
Jura de amor

As coisas belas duram o instante em que são belas

E nelas há a eternidade do instante

e a permanência do que é distante

E daquilo que nelas, em luz floresce.

E quando as coisas belas perdem as graças

que as fizeram belas,

têm, ainda nelas, a graça daquele instante

em que nelas se acolheram

todas as estrelas.

Podem as coisas belas deixarem de ser belas

mas há sempre nelas um instante

de eternidade, e a gratidão de quem a elas não foi distante

verá, sempre, nelas, que são belas

porque se acolheram nas estrelas

do céu distante, no olhar terno de quem delas

foi,

desde esse instante.

Artigos da mesma série: ,
publicado por Manuel Anastácio às 17:00
link do post | Dizer de sua justiça | Quem disse o que pensou (1) | Adicionar aos favoritos
|
Domingo, 1 de Abril de 2012
À boca de cena

 

 

Transforma-se o amor em universo

E o desejo num lugar pequeno

Ou no inverso, o antídoto em veneno.

Transforma-se o sangue em rio

E o rio, enquanto rio, em oceano.

 

(cai o pano.)

Artigos da mesma série: ,
publicado por Manuel Anastácio às 15:11
link do post | Dizer de sua justiça | Quem disse o que pensou (4) | Adicionar aos favoritos
|
.Nada sobre mim
.pesquisar
 
.Março 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
.Artigos da mesma série

. notas

. cinema

. livros

. poesia avulsa

. só porque

. política

. curtas

. arte

. guimarães

. música

. estupidez

. traduções

. wikipédia

. religião

. poesia i

. gosto de...

. ono no komachi

. narrativas

. tomas tranströmer

. buscas pedidas

. plantas

. arquitectura

. blogues

. enciclopédia íntima

. blogs

. braga

. fábulas de esopo

. as quimeras

. gérard de nerval

. carvalhal

. animais

. cultura popular

. disparates

. Herbário I

. poesia

. póvoa de lanhoso

. estevas

. pormenores

. umbigo

. bíblia

. ciência

. professores

. vilar formoso

. barcelos

. cinema e literatura

. coisas que vou escrevendo

. curtíssimas

. Guimarães

. rádio

. receitas

. ribeira da brunheta

. teatro

. vídeo

. da varanda

. economia

. educação

. família

. leitura

. lisboa

. mails da treta

. mértola

. Música

. os anéis de mercúrio

. cachorrada

. comida

. cores

. dança

. diário

. direita

. elogio da loucura

. escola

. esquerda

. flores de pedra

. hip hop

. história de portugal

. kitsch

. memória

. ópera

. profissão

. recortes

. rimas tontas

. sonetos de shakespeare

. terras de bouro

. trump

. Álbum de família

. alunos

. ângela merkel

. arte caseira

. aulas

. avaliação de professores

. ayre

. benjamin clementine

. citações

. crítica

. ecologia

. edgar allan poe

. ensino privado

. ensino público

. evolucionismo

. facebook

. todas as tags

.O que vou visitando
.Segredos
  • Escrevam-me

  • .Páginas que se referem a este site

    referer referrer referers referrers http_referer
    .Já passaram...
    .quem linka aqui
    Who links to me?
    .Outras estatísticas
    eXTReMe Tracker
    blogs SAPO
    .subscrever feeds