.Últimos bocejos

. Os filhos não devem ser o...

. Todas as águas

. Todos os poemas

. Hold back your love, Whit...

. Hallelujah Money, Gorilla...

. 4

. 3

. Love & Hate, Michael Kiwa...

. T-shirt weather in the ma...

. Yonkers, Tyler, the Creat...

. 2

. 1

. i

. Anacreonte

. Educação do meu imbigo

. Voltei! Ou talvez não (co...

. Uma arte, de Elizabeth Bi...

. Uma arte, de Elizabeth Bi...

. Manual de Etiqueta e boa ...

. Aurora dos Pinheiros

. Versículos angélicos

. (19/01/2014)

. Cristianismo

. Arbeit macht frei

. Isso

. Limite

. Resignação solene

. LXXVIII

. Florentino Ariza num dia ...

. I've seen horrors... horr...

. Se bem me esqueço

. Enciclopédia Íntima: Pátr...

. LXXVII

. Experimental como o desti...

. Ruy do car(v)alhinho

. LXXVI

. Overgrown, James Blake

. MS MR - Hurricane

. Buscas pedidas: "filmes s...

. Para Thatcher

. S&M

. LXXV

. Mails da treta: Ímans e a...

. LXXIV

. Agnes Obel

. Amar, casar, perverter

. LXXIII

. LXXII

. LXXI

. Amar é dizer parvoíces

.Velharias

. Agosto 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Agosto 2016

. Maio 2016

. Janeiro 2015

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Janeiro 2006

. Novembro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Março 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

. Dezembro 2003

Quinta-feira, 29 de Janeiro de 2009
A Túlipa Negra, de Alexandre Dumas (onde não se fala da Túlipa Negra, de Alexandre Dumas)

Rouxinol Faduncho, "Dartacão e os Três Moscãoteiros"

 

A Gerana pede-me um comentário a "A Túlipa Negra" de Alexandre Dumas. E fico tentado a desenvolver o tema como se tivesse conhecimento de causa, recorrendo a algumas generalidades sobre o autor. Poderia falar do enredo. Falar de Dumas é falar de enredo. Foi graças ao enredo de "O Conde de Monte Cristo" que encontrei "As Conversas" ("Causeries") deste autor e que, tanto quanto sei, jamais foram traduzidas e publicadas em português. Por isso decidi começar a fazê-lo. A tradução do quarto soneto de "Cristo no Monte das Oliveiras" de Nerval não se dá muito bem com o inverno húmido e gelado que agora mesmo ouço a correr como louco pela ribeira abaixo, escavando as raízes dos choupos-negros no jardim público que ombreia a minha casa. Deveria dar-se bem. Mas não dá. As referências ao frio e o cenário bíblico podem ter pontos em contacto com a inspiração nua das ávores, mas a metafísica de Nerval precisa de clima mediterrânico. E o clima anda, aqui, a variar entre o continental e o atlântico. Alexandre Dumas e prosa parecem-me melhor opção, para alguém, como eu, que gosta de ir exercitando o seu francês. Melhor, se tivesse tempo de levar tal tarefa a cabo. Duvido. Mas não interessa.

 

Vamos aos factos: eu só li, de Alexandre Dumas, "Os Três Mosqueteiros" e o primeiro volume de um romance chamado "Ascanio", onde Benvenuto Cellini é transformado em figura pitoresca de romance de capa e espada, se não me falha a memória. Só o primeiro volume. A pessoa que mo emprestou, em Mértola, não tinha o segundo volume. Bons tempos esses, em que se desperdiçava o tempo a ler livros incompletos de Alexandre Dumas quando tinha Elias Canetti e Gonzalo Torrente Ballester na estante a acumular mosquitos mortos (coisa fácil, em Mértola).

 

Só li estes, do Pai, que do Filho, li e reli a "Dama das Camélias" e se, agora, não o pretendo ler de novo é para não ter a desilusão de achar o livro vulgar, agora que tenho referências que não tinha quando, à noite, entre a serradura e o cheiro a azedo das barracas para operários da má construção civil do Entroncamento, chorei com a morte de Marguerite e fui assaltado com sonhos do seu belo e terrível cadáver abraçado a Armand.

 

Nunca li, sequer, "O Conde de Monte Cristo". O que sei, sei da Banda Desenhada, dos filmes, dos desenhos animados. É destas referências que conheço a Túlipa Negra. Sei bem que nada substitui a leitura de um livro. Cada coisa é uma coisa e um livro é um livro, intraduzível para qualquer outro suporte que não seja o do campo puramente verbal. Mas há algo de sagrado nestas "Bíblias dos Pobres" que constituem as adaptações fast-food da grande literatura. A Gerana dizia, a respeito de uma adaptação televisiva do "Dom Casmurro": "viver a grandiosidade de Machado é ler e reler e reler o Bruxo do Cosme Velho". Da mesma forma, se Dumas foi grande (e foi-o, com certeza, mesmo que dele sejam parcas as minhas leituras), a sua grandiosidade só poderá ser avaliada pela sua leitura... Mas, independentemente dessa avaliação, a sua grandiosidade está disseminada no imaginário de mihões de pessoas que nunca o leram... Inclusive no meu.

 

...E isso levava-me, agora, ao "Slumdog Millionaire". Mas não sou como o Alexandre Dumas. Não vivo do que escrevo.

 

Continuo a ouvir lá fora o ribeiro. E não falei na Túlipa Negra. Quando me reformar, eu falo.

publicado por Manuel Anastácio às 00:18
link do post | Dizer de sua justiça | Quem disse o que pensou (3) | Adicionar aos favoritos
|
Segunda-feira, 26 de Janeiro de 2009
Bibliomancia

Carregar na fotografia para ver os créditos fotográficos e licença de utilização.

 

Um parvalhão qualquer roubou-me o nome e está a fazer-se passar por astrólogo. Haja paciência. De entre tantos nomes, tinha logo que ir buscar o meu. E, ainda por cima, parece que me anda a surripiar livros da estante. Tenho de comprar umas ratoeiras.

Artigos da mesma série: , ,
publicado por Manuel Anastácio às 22:44
link do post | Dizer de sua justiça | Quem disse o que pensou (3) | Adicionar aos favoritos
|
Domingo, 25 de Janeiro de 2009
Azuis, negras e amarelo

 

Diz Miguel Torga que a Natureza se recusou a pôr luto nas flores. Por isso não há flores negras. Poderão ser escuras, mas nunca negras. O homem, contudo, vive de e para as quimeras. Por isso criou, através da seleção artificial, das rosas com cinco pétalas, as mais belas aberrações genéticas que os amantes oferecem e que os crentes depositam aos pés da Virgem. Por isso procura destilar nas pétalas a cor impossível. Túlipas negras, como a de Alexandre Dumas que, como alguns mais atentos leitores já repararam, me tem feito alguma companhia ultimamente. Rosas azuis. A Gerana diz-me, contudo, que há rosas azuis no Peru, e o dogma em que professo vacila. Rosas azuis? As rosas, dizem-me os caros botânicos e geneticistas, não conseguem, de modo algum, produzir pigmentos azuis. Com sorte, micro ondulações na superfície das pétalas poderiam dar a ilusão da cor azul, num fenómeno semelhante ao que ocorre nas bolhas de sabão ou nas cascas pretas de quitina de alguns insectos que, graças aos padrões de relevo microscópico do seu revestimento, decantam a luz em tons azuis, ou outros: o que permite, copiando a natureza, criar tecidos coloridos sem tinta. Mas rosas azuis? Naturalmente, os senhores floristas, cientistas e botânico-frankensteinistas são unânimes: não há. E começaram a transplantar genes de petúnias ou da flor do anil-do-campo ou Indigofera tinctoria, a partir da qual se produzia, originalmente, o azul das calças de ganga, hoje produzido sinteticamente. Planta da família das leguminosas a que também pertencem os tremoceiros, por vezes azuis, como fez notar o Silvério Sagueiro em comentário ao artigo anterior. Na verdade, até esta planta tintureira não tem as flores realmente azuis, mas arroxeadas ou cor-de-rosa. O azul produz-se, não a partir das flores, mas das folhas após fermentação.

 

 

Outros técnicos procuram ainda obter pétalas azuis a partir de enzimas humanas como as que, presentes no fígado de Jorge III de Inglaterra, lhe criaram depósitos de azul indigo na urina na altura da sua demência. A informação que tenho é que o mais azulado que se conseguiu, em variedades de rosas batizadas com nomes como "Blue Girl", "Bleu Magenta" e "Blue Moon" não é mais que roxo. Assim como as túlipas mais negras que se conseguiram não são mais que azul escuro e púrpura, as mais negras das cores não negras.

 

 

Seja como for, por aqui, o tempo ainda não é de flores azuis, mas amarelas. Das invasoras acácias que já espreitam, como cancros, deslumbrantes para quem desconhece a sua voracidade violenta, pelas encostas do Minho, a anunciar o Entrudo português. Por aqui vejo poucas daquelas flores azedas que os meus colegas de infância por esta altura iam chupando a caminho da escola. Os trevos-azedos, erva-do-vinagre ou erva-ruim - que não convém às ovelhas delas abusarem. Nome científico, Oxalis pes-caprae ou Oxalis-pé-de-cabra em alusão ao ácido oxálico (que lhe dá o sabor azedo) e aos bolbos, nas raízes, que se assemelham a pés de caprinos.

 

 

Flores amarelas que, imitando a cor do sol, como ele renascem a partir do solstício.

 

Carregar nas fotografias para os devidos créditos fotográficos e outras informações.

Artigos da mesma série:
publicado por Manuel Anastácio às 23:37
link do post | Dizer de sua justiça | Quem disse o que pensou (3) | Adicionar aos favoritos
|
Buscas pedidas: "Flor de Miosótis'"

Naquelas associações que aprendemos a papaguear na escola a respeito das cores, há uma associação frequente entre o azul e os miosótis. Se pedirem a alguém para dizer o nome de uma flor amarela, branca ou vermelha, os nomes variarão, embora, mais tarde ou mais cedo alguém pense em rosas. Mas, se pedirem o nome de uma flor azul, a escolha recairá quase invariavelmente nos miosótis. Mas poucas pessoas reconhecem os miosótis. Eu mesmo, que julgava que os sabia identificar, segui um longo caminho até os saber reconhecer. Todos começamos por aprender que são flores azuis. Não rosas.

 

 

As rosas azuis são sempre rosas brancas coloridas artificialmente, pondo corante azul na água que subirá pelos seus vasos condutores, por capilaridade. Qualquer pessoa o pode fazer. Mas há mais flores azuis. A da chicória-do-café, ou almeirões, por exemplo. Planta muito apreciada para saladas, em casa dos meus pais, misturada com batata cozida para suavizar o amargo da erva.

 

 

Outra flor azul, que em nada se relaciona com os miosótis para além da sua cor, são as chamadas viúvas (Trachelium caeruleum). Flor que é muito frequente nos muros que sobem em direção ao Bom Jesus de Braga, mas que, um dia, encontrei na minha terra natal, junto à Cruz Carril, lugar de fantasmas e bruxaria. Desconhecendo eu tal flor - que nunca mais por lá vi, julguei, nessa altura, que fossem estes os miosótis.

 

 

Mas não. Os miosótis têm as flores dispostas em espigas e não em umbela. Têm uma corola composta por cinco pétalas azuis. Mas isso não basta para ser miosótis. Como no caso dos olhos-de-gato (Pentaglottis sempervirens).

 

 

Ou no caso das flores de algumas espécies do género Omphalodes, como uma a que os ingleses chamam de Maria-de-olhos-azuis ou, ainda, miosótis-rastejantes, apesar de não serem verdadeiros miosótis.

 

 

Esses, os verdadeiros, pertencem ao género Myosotis., que inclui cerca de cinquenta espécies, como o miosótis-de-água (Myosotis palustris).

 

 

Ou o miosótis-do-campo (Myosotis arvensis) que, como muitos outros, podem até não ser azuis.

 

 

 Aliás, a flor de miosótis costuma distinguir-se dos falsos miosótis dos géneros Pentaglottis e Omphalodes pelo seu centro amarelo aureolado de branco, sobre fundo de pétalas azuis, enquanto que estes géneros costumam ter centros brancos. Mas se isso é verdade para os Pentaglottis sempervirens (Cinco-línguas sempre verde), já não o é para algumas espécies de Omphalodes, como o Omphalodes scorpioides.

 

 

Haverá, com certeza, alguma vantagem evolutiva nesta forma floral para que se repita, de forma convergente em tantas espécies geneticamente desavindas. O mesmo se passa, aliás, com o padrão de amarelo aureolado de branco sobre o azul pentapartido. Ouro sobre azul. Nunca entendi bem a origem da expressão. A Natureza parece que sim.

 

Carregar nas fotografias para mais informações e créditos fotográficos.

Artigos da mesma série: ,
publicado por Manuel Anastácio às 01:19
link do post | Dizer de sua justiça | Quem disse o que pensou (5) | Adicionar aos favoritos
|
Terça-feira, 20 de Janeiro de 2009
Buscas pedidas: O Bem e o Mal nos Contos de Fadas

"Fairytale" ("Shrek"), música de Harry Gregson-Williams, interpretada por Joseph M. Rozell.

 

A escrita para crianças deve focar, a nível da sua construção narrativa, as questões mais difíceis de entender ou de explicar por parte dos adultos. E deve fazer isso usando imagens que, por vezes, são particularmente cruéis, outras vezes oniricamente falsas e, muitas vezes assentes nos mais básicos estereótipos que, aqui, servem de símbolos a que não se deve retirar a sua força, a pretexto de não querer traumatizar os meninos. De nada nos serve querermos inculcar nas crianças mais jovens valores de tolerância relativista. O quadro mental inicial de uma criança é puramente maniqueísta e resume-se ao que é bom e ao que é mau. A pedagogia que subjaz, contudo, à maioria dos textos recentes para crianças aponta exactamente para o arredondar das arestas cortantes dos contos de antigamente. Para a proteção de um suposto mundo imaculado onde vive a criança. Isso é mau. Nascemos geneticamente preparados para enfentarmos a violência da nossa condição animal e humana, até porque nascemos já capazes das maiores violências sobre os outros, e é a educação que, gradualmente nos vai inserindo num pacto social de concórdia e tolerância. Não defendo, é certo, a violência como meio educativo (reguadas, vergastadas e bater com o cinto) - mas é um facto que a criança exige resoluções violentas para as suas angústias. A madrasta má deve sofrer de um fim mais sádico que aquele que a justiça deveria reclamar. Eram assim as histórias originais dos Irmãos Grimm. Hoje, a Gata Borralheira, mui cristãmente, perdoa à madrasta. Isso estará correto, com certeza, do ponto de vista de um adulto ou de uma criança já a caminho da pré-adolescência, mas é um erro que, por extensão, se julgue que também deve ser assim para quem o mundo é apenas uma sucessão de situações fantasmagóricas. É nesta fase que se deve apelar aos conceitos de bem e mal. É aqui que radicam todos os valores que a criança mais tarde desenvolverá. Usando a nomenclatura de Kieran Egan, ao modo somático de entender as coisas (dá prazer / dá dor) segue-se esta fase, o modo mítico de compreensão do Universo. Só depois se entra progressivamente na compreensão da realidade como coisa complexa, com os estádios romântico (em que se apreende a diversidade), filosófico e, finalmente, irónico (estádio a que já chegou a Manuela Ferreira Leite, mas não o comum dos portugueses). Como na velhinha teoria da recapitulação, que postulava que o embrião passava por todas as formas biológicas da sua árvore filogenética, e que sendo uma teoria refutada não deixa de ser útil para o nosso entendimento, também Egan postula que as nossas necessidades educativas passam por estádios que correspondem à evolução histórica da humanidade ou, pelo menos, da história das suas ideias (sempre no sentido da compreensão da complexidade dos fenómenos humanos). Ora, isso coloca alguns problemas interessantes: é lícito continuar a dizer que o mau era o lobo? Ou que o mau era muito feio, e que a bruxa tinha uma verruga no nariz? Ou que as personagens boazinhas são sempre bonitas? A minha opinião é: não, não é necessário, no caso das características dos seres humanos que não se prendem diretamente à sua bondade ou à sua maldade. Nestes casos é conveniente escreverem-se histórias em que os bons sejam feios (o caso do Shrek, no cinema, é um exemplo muito louvável, nesse sentido) ou em que as madrastas sejam boas ou, mesmo, que as madrinhas sejam más. O que importa, no que ao ser humano diz respeito, sempre, é a dicotomia bem / mal. Mas será sempre necessário apelar ao simbolismo dos elementos narrativos que devem ser facilmente reconhecidos como bons ou maus. É aqui que a fábula aparece como excelente meio de compromisso entre as necessidades de compreensão da criança e os pruridos do politicamente correto. O lobo pode perfeitamente ser exemplo de crueldade. Os valores ecológicos de preservação da biodiversidade não serão postos em causa pelo seu papel simbólico. Basta que as crianças não terminem a sua evolução no estádio mítico. Infelizmente, muitas terminam. E algumas até chegam a lugares cimeiros da administração pública.

Artigos da mesma série: , ,
publicado por Manuel Anastácio às 20:00
link do post | Dizer de sua justiça | Adicionar aos favoritos
|
Prefácio das "Conversas", de Alexandre Dumas

O texto que estava no lugar deste post não era para ser ainda publicado - aliás, estava na sua maior parte em francês..

 

Peço desculpa por qualquer incómodo causado.

publicado por Manuel Anastácio às 02:29
link do post | Dizer de sua justiça | Quem disse o que pensou (1) | Adicionar aos favoritos
|
Segunda-feira, 19 de Janeiro de 2009
Provavelmente

Gilbert Bécaud - L'important c'est la rose

 

Não sei se é numas das premiadas traduções de Jorge Luís Borges pelo João Barrento que aparece, a dado momento, a respeito da teologia trinitária, que o Espírito Santo está em eterna procissão em relação ao Pai. Das duas, uma, e ninguém me esclarece: ou o erro saiu do lápis do João Barrento e foi mantido, tendo em conta a sua autoridade intelectual, prescindindo-se de qualquer revisão do texto, ou o revisor não conhecia a palavra processão e decidiu mudar o e para um i. Afinal, estava-se a falar de coisas de padres, é bem provável, que o Espírito Santo ande por aí, em eterna procissão, talvez de autocarro, os cegos dos ateus é que não veem. Ainda assim, faz-me impressão a ligeireza com que os livros são dados à estampa em Portugal, mesmo quando os autores são gente consagrada, ou especialmente nesses casos. Somos um país de Doutores. Toda a gente sabe isso. Até me envergonho de estar a escrever tamanha banalidade. Mas é verdade. Portugal é um país de Doutores. Muitos dos quais, no topo das suas cátedras e escorados em antolhos têm uma especial predisposição à Mourinho para estarem constantemente a posar para um retrato de absoluta autoridade. São esses Doutores que dizem que a blogosfera é um antro de escritores falhados. E não falharão muito nisso, mas também não faltam escritores falhados fora da blogosfera - eu tenho para mim que todos os escritores são falhados, caso contrário, não escreveriam. Escrever é um eterno ato de compensação por uma falha qualquer. É o Inferno em eterna processão em relação ao buraco espiritual que, qual buraco negro do CERN, os positivistas ateus e agnósticos experimentam no coração. Se forem ateus ou agnósticos. Há escritores crentes, mas até esses têm de trazer heresia no sangue para que sejam, de fato, escritores. Têm que ter uma falha. Caso contrário, estão no Paraíso. E no Paraíso está tudo escrito. O Corão, linha por linha, e a Bíblia também. Ninguém precisa de escrever nada. As pessoas perfeitas nem sequer precisam de ler. São elas mesmas a literatura. Lerem-se, seria a autoreferência, e a autoreferência é o paradoxo. E o paradoxo levaria ao fim do mundo. Leva ao fim do mundo. O Mundo provavelmente não existe, porque é que eu hei de estar aqui a preocupar-me? São esses Doutores, alguns deles falhados o suficiente (só que não sabem) para escreverem na blogosfera, que dizem que a Wikipédia tem erros porque é anárquica, e não percebem que há erro em todo o lado, até nas suas cabecinhas laureadas. Deus pôs o fruto proibido ali à mão da coisa porque queria erro. Queria tempo. O tempo é erro. É falha. É a heresia escrita por Deus.

Artigos da mesma série: , ,
publicado por Manuel Anastácio às 20:00
link do post | Dizer de sua justiça | Quem disse o que pensou (1) | Adicionar aos favoritos
|
Domingo, 18 de Janeiro de 2009
Segunda canção última

Cemitério de São Dinis, Vila Real.

 

Sobre os arbóreos tramos

Que para nossa abóbada escolhemos,

Enquanto apenas em nós vivemos,

Passou a aragem dos teus gestos entre os ramos.

Sacudiste a seiva que escorria de cada galho

E, tremendo, chovi em pétalas sobre o teu rosto.

 

Passa o verão, seca o orvalho,

E logo vem a estação do mosto

Destilar, no cobre fosco do alambique,

Alheios fantasmas de vapor entre o calor que morre.

Lá fora, a água escorre.

O musgo medra.

O vendaval procria.

Chegados aos átomos,

Pragmáticos,

Os sábios matemáticos consagram-se à poesia.

 

A cristal geometria do crisol

Solidifica a demora, e o sol,

Noutra abóbada, noutro lar, noutros tramos,

Sobre outro olhar, onde não estamos,

Apenas orvalhará primaveras noutro, agora, ausente rosto,

Indiferentemente renovado, no seu quase eterno posto.

Artigos da mesma série:
publicado por Manuel Anastácio às 20:00
link do post | Dizer de sua justiça | Quem disse o que pensou (5) | Adicionar aos favoritos
|
Sábado, 17 de Janeiro de 2009
"Os anéis de Saturno" de W. G. Sebald

Metamorphosis, de Ricardo Thome.

 

O primeiro livro que li de Sebald é um livro de percursos. Poderia dizer que é um livro de viagens, até porque não foge muito do conceito que deu origem, por exemplo, ao "Viagens na Minha Terra" de Almeida Garrett, embora percorra espaços mais metafisicamente íntimos que os politicamente comprometidos com uma agenda, nesse romance clássico português. É um livro de percursos porque, partindo da não linearidade narrativa, nega a própria linearidade do espaço, do tempo, das memórias e dos sinais com que interpretamos os outros, ainda que persista, ao longo de todo o romance uma linearidade temática que, ao contrário do fio de Ariadne, não guia ninguém a uma meta ao ser desnovelado, mas a um princípio, ao ser enovelado como faz a larva dos bichos-da-seda ao se envolver no fio pelo qual encontra a morte, a transformação ou, quiçá, as duas coisas. Essa não linearidade narrativa, unificada por uma múltipla linearidade temática dá espessura ao romance. Espessura, porque ao contrário do romance típico que encerra as personagens ao espaço concebido ad hoc, "Os Anéis de Saturno", tal como as estruturas geladas que adornam o astro celeste, prolongam o corpo para além da sua esferecidade espacial. As personagens deste romance, não deixando de ser personagens de romance, fictícias, são reais. São, em primeiro lugar, o próprio autor ou alguém que com ele se confunde, e, depois, outras pessoas que existem realmente mas que, magicamente, aparecem dispostas no percurso segundo uma lógica ficcional, envoltos no fio de seda que Sebald vai segregando sobre a realidade espácio-temporal, transformando-a numa ninfa, numa pupa, numa crisálida. Envolta num casulo. Numa urna. Num caixão. E, lá dentro, fantasmas ecografados por fotografias cinzento-esbatidas mal enxergáveis.

 

O livro que eu gostaria de reescrever. Mesmo que o resultado fosse, obviamente, inferior. Talvez já o esteja (ou estivesse) a fazer com este blogue.

 

Na edição que li, da Teorema, a tradução de Telma Costa exige, por vezes, uma revisão mais cuidada. A escrita de Sebald merecia-o.

Artigos da mesma série:
publicado por Manuel Anastácio às 20:59
link do post | Dizer de sua justiça | Quem disse o que pensou (2) | Adicionar aos favoritos
|
Sexta-feira, 16 de Janeiro de 2009
Ninfas

Cisnes brancos, foto de S Sepp em Creative Commons e GFDL.

 

Hoje (ontem, em relação à data de publicação deste artigo) a Wikipédia fez oito anos. O colega Eduardo Pinheiro foi à Antena 3 falar sobre aquele que, para mim, é o maior feito da Internet desde que se decidiram juntar computadores a uma escala global. É há de continuar a ser. Entretanto, penso em implementar projectos a nível da escola, para que possa, de novo, voltar a participar naquele projeto que tanto amo sem que tenha de roubar tempo às atividades de carácter pedagógico. O que é complicado. É que os computadores da escola são claramente insuficientes para fazer algo do género, e os computadores da e-escola continuam por aparecer para a grande maioria dos alunos (será que serão entregues na próxima legislatura?).

 

Hoje andei às voltas com a palavra "ninfa", no que diz respeito às metamorfoses dos insectos. Ensinei numa aula que é a fase intermédia entre a fase larvar e o inseto adulto. Depois, li algures: "o gafanhoto passa por metamorfose simples, passando apenas por uma fase larvar ou ninfa". E fiquei confuso. Teria, na próxima aula, de fazer errata das minhas afirmações. Não sou propriamente dos professores que nunca erram e raramente têm dúvidas. E há muitos destes últimos: não me refiro apenas a um certo professor de economia. E, ao contrário da maioria dos meus colegas, não tenho medo de responder "não sei" às perguntas que os alunos fazem (e são muitas), apelando à sua própria pesquisa. Contudo, não é assim. Julgo eu, agora. Ninfa é uma palavra utilizada indiscriminadamente, em português, tanto para definir a forma larvar já algo semelhante ao imago (insecto adulto) dos insetos hemimetabólicos, como a cigarra, como para se referir à fase inativa, intermédia entre larva e imago nos insetos holometabólicos. Como é hábito, a nomenclatura científica em português é confusa a esse respeito. A Wikipédia reflete essa confusão e o artigo Ninfa da Wikipédia em português ainda não esclarece a confusão. Mas há de esclarecer. Acredito que a Wikipédia serve como centro gerador de conteúdos científicos. Sei que os académicos portugueses fogem da Wikipédia-cruz-credo-canhoto-canhoto como o diabo supostamente foge da cruz, mas isso é apenas sinal do provincianismo da nossa elite cultural. Os conteúdos da Wikipédia estão sujeitos a muitos erros, mas ao abrir os portões à participação de todos, principalmente aos não especialistas, está-se a criar um ponto de referência que poderá congregar e descodificar a linguagem obscura que os académicos portugueses tanto gostam de cultivar, para mal do progresso da Ciência em território nacional. E grande parte dessa obscuridade advém de cada académico usar as palavras de forma rigorosa, admito-o, mas cujo rigor se limita ao campo lexical da sua panelinha que, provavelmente, difere de Universidade para Universidade. Um país tão pequeno com tamanho separatismo vocabular a nível das elites é coisa que espanta. A coisa piora, claro, quando passamos a englobar nestas diferenças académicas as versões brasileiras (que as outras lusófonas ainda não têm qualquer expressão). É por isso que é importante cutivar a Wikipédia em português: porque é o único recurso que temos para podermos vir a compreender tanta gíria obscurantista. A Ciência é só uma. A sua linguagem devia ser também, tendencialmente, una. A Wikipédia Lusófona é ainda apenas um reflexo fantasmático do que poderá vir a ser um dia. Mas está a dar frutos. Não nela própria, mas fora das suas fronteiras, entre outras fontes ditas mais confiáveis que começam a reagir criando e disponibilizando conteúdos que, não fosse a Wikipédia, se manteriam nos cofres dos senhores ciosos da sua egoísta sabedoria.

Artigos da mesma série: , ,
publicado por Manuel Anastácio às 00:13
link do post | Dizer de sua justiça | Quem disse o que pensou (9) | Adicionar aos favoritos
|
.Nada sobre mim
.pesquisar
 
.Agosto 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
.Artigos da mesma série

. notas

. cinema

. livros

. poesia avulsa

. política

. só porque

. curtas

. arte

. guimarães

. música

. estupidez

. traduções

. wikipédia

. religião

. poesia i

. gosto de...

. ono no komachi

. narrativas

. tomas tranströmer

. buscas pedidas

. plantas

. arquitectura

. enciclopédia íntima

. blogues

. braga

. fábulas de esopo

. as quimeras

. gérard de nerval

. carvalhal

. animais

. blogs

. cultura popular

. disparates

. Herbário I

. poesia

. póvoa de lanhoso

. estevas

. pormenores

. umbigo

. bíblia

. ciência

. professores

. vilar formoso

. barcelos

. cinema e literatura

. coisas que vou escrevendo

. curtíssimas

. educação

. Guimarães

. rádio

. receitas

. ribeira da brunheta

. teatro

. vídeo

. da varanda

. economia

. família

. leitura

. lisboa

. mails da treta

. mértola

. Música

. os anéis de mercúrio

. cachorrada

. comida

. cores

. dança

. diário

. direita

. elogio da loucura

. escola

. esquerda

. flores de pedra

. hip hop

. história de portugal

. kitsch

. memória

. ópera

. profissão

. recortes

. rimas tontas

. sonetos de shakespeare

. terras de bouro

. trump

. Álbum de família

. alunos

. ângela merkel

. arte caseira

. aulas

. avaliação de professores

. ayre

. benjamin clementine

. citações

. crítica

. ecologia

. edgar allan poe

. ensino privado

. ensino público

. evolucionismo

. facebook

. todas as tags

.O que vou visitando
.Segredos
  • Escrevam-me

  • .Páginas que se referem a este site

    referer referrer referers referrers http_referer
    .Já passaram...
    .quem linka aqui
    Who links to me?
    .Outras estatísticas
    eXTReMe Tracker
    blogs SAPO
    .subscrever feeds