.Últimos bocejos

. Os filhos não devem ser o...

. Todas as águas

. Todos os poemas

. Hold back your love, Whit...

. Hallelujah Money, Gorilla...

. 4

. 3

. Love & Hate, Michael Kiwa...

. T-shirt weather in the ma...

. Yonkers, Tyler, the Creat...

. 2

. 1

. i

. Anacreonte

. Educação do meu imbigo

. Voltei! Ou talvez não (co...

. Uma arte, de Elizabeth Bi...

. Uma arte, de Elizabeth Bi...

. Manual de Etiqueta e boa ...

. Aurora dos Pinheiros

. Versículos angélicos

. (19/01/2014)

. Cristianismo

. Arbeit macht frei

. Isso

. Limite

. Resignação solene

. LXXVIII

. Florentino Ariza num dia ...

. I've seen horrors... horr...

. Se bem me esqueço

. Enciclopédia Íntima: Pátr...

. LXXVII

. Experimental como o desti...

. Ruy do car(v)alhinho

. LXXVI

. Overgrown, James Blake

. MS MR - Hurricane

. Buscas pedidas: "filmes s...

. Para Thatcher

. S&M

. LXXV

. Mails da treta: Ímans e a...

. LXXIV

. Agnes Obel

. Amar, casar, perverter

. LXXIII

. LXXII

. LXXI

. Amar é dizer parvoíces

.Velharias

. Agosto 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Agosto 2016

. Maio 2016

. Janeiro 2015

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Janeiro 2006

. Novembro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Março 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

. Dezembro 2003

Quinta-feira, 30 de Outubro de 2008
O Império dos Otários - Parte I

Estação de caminhos de ferro de Vilar Formoso. Painel de azulejos: Ponte da Canharda, Linha da Beira Alta

 

Carlos Nepomuceno, professor e pesquisador no Instituto de Inteligência Coletiva (Brasil), co-autor do livro "Conhecimento em Rede" responde, neste artigo, a uma provocação de Henrique Antoun, professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro: "o usuário que colabora [em sites colectivos, como a Wikipédia] é colaborador ou apenas um otário?". Segundo Nepomuceno, desenham-se duas teorias: a hipótese do elevador, em que, perante um problema que urge solucionar, todos falam. Num elevador é normal ficarem as pessoas com o olhar vidrado, incapazes de olhar nos olhos os companheiros que compartilham o espaço, ameaçados que se sentem pela proximidade violadora do seu espaço de respiração pessoal. Contudo, quando o elevador pára, subitamente, encravado em terra de ninguém, todos falam. Todos dão a sua opinião. Todos raciocinam colectivamente mesmo que da conversa nada saia de efectivamente praticável. Assim nasceram os fóruns da Internet. Incapazes de resolver um problema, as pessoas viram-se para Santo Google. Quando Santo Google não ajuda, vai-se a um fórum. Deixa-se a questão. E, com sorte, entre opiniões mal informadas, encontramos a saída que procuramos. A gratidão que nasce do alívio de encontrarmos uma resposta predispõe-nos, depois, a também ajudar outros que venham à procura de ajuda. Lemos as suas perguntas. Por vezes, fazemos a simples pesquisa que o pobre em dúvida não conseguiu, por inépcia, fazer. Ajudamos os outros mesmo que nada ganhemos em troca. Mas esta teoria parte sempre da possibilidade de nos virem, alguma vez, também a socorrer. O altruísmo (ou a qualidade de ser otário, segundo Antoun) não é completo.

 

Resta a teoria de que participa na rede quem procura amor na suas várias formas. Como quem frequenta discotecas, pubs e bares, à procura de alguém a quem se possa mostrar. Alguém que olhe para nós e diga: ah, tu existes. Não tenho a menor das dúvidas de que esta teoria, incorporando a primeira hipótese do elevador, é mais abrangente, explica mais casos. É a mais adequada. Mas não explica tudo.

 

Não explica o facto de o contribuinte da Wikipédia ser, geralmente, anónimo...

Artigos da mesma série: , ,
publicado por Manuel Anastácio às 21:48
link do post | Dizer de sua justiça | Quem disse o que pensou (2) | Adicionar aos favoritos
|
Quarta-feira, 29 de Outubro de 2008
Gosto de... Portugal e de Guimarães

Painel de azulejos na Estação de Caminhos de Ferro de Vilar Formoso: "Castelo de Guimarães"

 

Para alguns de Braga, Guimarães é Espanha. Para o resto da Nação, Guimarães é o Berço da Nação. E não vou agora contribuir para tal discussão.

 

Para mim, Guimarães é a Natureza lentamente torcida pelo peso do granito. É o que penso quando olho para o chão que piso (ainda há dias levei um raspanete de uma colega que me mandou olhar cima, levantar o queixo, como se olhar para o chão fosse um sinal de desalento, quando não é). Olho muito para o chão enquanto ando. Gosto de caminhos. Gosto de sentir o chão (para desespero da Carla que detesta ouvir-me a raspar o chão com as solas dos sapatos enquanto ando).

 

Gosto de caminhos. Há uma versão, pouco aceite, aliás, e sem grande fundamento documental, que faz derivar o nome de Guimarães de uma suposta inscrição na porta de entrada da torre de menagem do Castelo, ou mesmo numa pedra do frontispício da já derrubada Capela de S. Tiago na Praça do mesmo nome. Capela essa, agora marcada em planta no pavimento granítico desta praça, comunicante com a da Oliveira. Diria a inscrição "Via Maris". Caminho do Mar. Gosto da hipótese. Gosto destes caminhos etimológico-toponímicos alternativos.

Artigos da mesma série: , ,
publicado por Manuel Anastácio às 20:12
link do post | Dizer de sua justiça | Quem disse o que pensou (2) | Adicionar aos favoritos
|
Terça-feira, 28 de Outubro de 2008
Gosto de... Portugal

Painel de azulejos na Estação de Caminhos de Ferro de Vilar Formoso: Almeida: antigo quartel general, depois cadeia e, hoje, Câmara Municipal (creio eu).

Artigos da mesma série: , ,
publicado por Manuel Anastácio às 07:59
link do post | Dizer de sua justiça | Adicionar aos favoritos
|
Sábado, 25 de Outubro de 2008
Gosto de... Portugal

Painel de Azulejos na Estação de Caminhos de Ferro de Vilar Formoso: Mosteiro da Batalha. Clicar para ver em pormenor (voltar a clicar na página que abrir).

 

... mesmo na versão postal.

Artigos da mesma série: , ,
publicado por Manuel Anastácio às 19:15
link do post | Dizer de sua justiça | Adicionar aos favoritos
|
Sexta-feira, 24 de Outubro de 2008
Fábulas de Esopo: o lobo e o grou

Capitel do portal da Catedral de Autun (1130 - 1140). Desenho de Eugène Viollet-le-Duc, em

Dictionnaire raisonné de l’architecture française du XIe au XVIe siècle.

 

Depois de ver morta a presa,

O lobo deitou-lhe o dente.

Mas calhou-lhe na empresa

Que um ossinho impertinente

Se viesse a alojar

No pescoço imprevidente.

Estando assim a agonizar,

Incapaz de engolir,

Incapaz de vomitar,

Tanto se pôs a ganir

À procura de conforto

Que, sem ninguém oprimir,

Para chegar a bom porto,

Desfez-se em suaves juras,

Por não poder falar torto

Às mesquinhas criaturas

De quem estava dependente.

"É com palavras seguras,

Que eu, agora penitente,

Prometo mundos e fundos

A quem se mostrar valente,

E nos estreitos profundos

Do meu nobre gorgomilo,

Onde os ais são oriundos,

Consiga tirar aquilo

Que agora me tira o sono

E não me deixa tranquilo."

Não deixado ao abandono,

Veio o grou em valimento

Pelo prometido abono.

Directo ao encravamento,

Fez perfeita a cirurgia

E apagou o sofrimento

Ao lobo que assaz gania.

"Abri, senhor, a goela

Até ver a luz do dia,

P'ra que dê uma olhadela,

E, com o bico, consiga

Remediar a mazela."

Antes que o grou se desdiga,

Fica o lobo escancarado

E o grou pronto investiga

Com o pescoço enfiado

Da boca até à barriga

Do predador melindrado

Até ter visto extraído

O ossinho aziago.

"O que me foi prometido

Espero qu' ora seja pago",

Disse o grou, persuadido

De não vir dali estrago.

Ao que o lobo respondeu

Mostrando os feros caninos

E assim agradeceu:

"Que desejos peregrinos

É que, tola, concebeu

A tua mente? Cretinos

São os que suspiram

E anseiam favor régio

E nem sequer se admiram

Nem do benefício egrégio

A que mui poucos aspiram

Nem do grande privilégio

Que é na minha boca entrar

E de lá sair inteiro."

Assim faz quem governar,

Que quem se vê em Primeiro

Bem se pode endividar,

Que o calote voa ligeiro.

Artigos da mesma série:
publicado por Manuel Anastácio às 18:59
link do post | Dizer de sua justiça | Adicionar aos favoritos
|
Quinta-feira, 23 de Outubro de 2008
Gosto de... Portugal

Painel de Azulejos na Estação de Caminhos de Ferro de Vilar Formoso: Mosteiro dos Jerónimos. Clicar para ver em pormenor (voltar a clicar na página que abrir).

 

... apesar de Portugal não gostar de mim.

publicado por Manuel Anastácio às 22:21
link do post | Dizer de sua justiça | Quem disse o que pensou (5) | Adicionar aos favoritos
|
Terça-feira, 21 de Outubro de 2008
Gosto de... repetições

Nas fotos: Aquilegia vulgaris, Pombeiro de Riba Vizela, Felgueiras.

 

A essência da poesia é a repetição tornada não redundante pela variação. Isso é verdade para a literatura, mas também para a música, para a arquitectura, para a dança e para todas as artes que reclamem para si o desejo de dar uma ordem sublime ou significante - ou, simplesmente, interessante - a uma das mais arbitrárias medidas da percepção: o ritmo.

 

A Maria Helena pergunta-me se a repetição (sorte tenho eu em não dizer ela redundância...) é intencional. É, claro.

 

Intencional a repetição de gostos (ó) e de desgostos (ó) - estes últimos ainda por estrear.

 

Intencional a repetição de títulos e de articulações entre matérias e materiais e, especialmente, entre o orgânico e o inorgânico, o fútil e o sublime, o público e o privado, o partilhável e o impartilhável, o significante e o assignificante. Intencional a repetição sucessiva de referências geográficas que funcionam como unidades estróficas.

 

A repetição inscrita nestas variações entre extremos serve-me de meio expressivo. Dá-me a ilusão de criar um espaço independente a partir dos espaços que piso. A ilusão de que as léguas de terra que devoro  (citando Adolfo Rocha...) me concedem um pingo da sua lenta efemeridade nos segundos a que a elas sacrifico o meu olhar. Dá-me a ilusão de estar a dizer algo.

 

 

Mesmo que não tenha nada (mais) a dizer. Como quem reza o terço.

Artigos da mesma série: , ,
publicado por Manuel Anastácio às 23:07
link do post | Dizer de sua justiça | Quem disse o que pensou (1) | Adicionar aos favoritos
|
Segunda-feira, 20 de Outubro de 2008
Gosto de... bichos e de pedras

Formigueiro, Monte do Merouço, Aldeia de Carreira, Sobradelo da Goma, Póvoa de Lanhoso

Artigos da mesma série: ,
publicado por Manuel Anastácio às 21:58
link do post | Dizer de sua justiça | Quem disse o que pensou (2) | Adicionar aos favoritos
|
Gosto de... museus

Estatueta romana de um javali em bronze. Proveniência desconhecida. Espólio do Museu de Évora, em exposição no Museu D. Diogo de Sousa, Braga.

Artigos da mesma série: , ,
publicado por Manuel Anastácio às 00:32
link do post | Dizer de sua justiça | Adicionar aos favoritos
|
Sábado, 18 de Outubro de 2008
Gosto de... ervas

Urze e Helianthemum nummularium (penso eu). Monte do Merouço, Aldeia de Carreira, Sobradelo da Goma, Póvoa de Lanhoso

 

Em vez do ramo de flores

Que não te ofereço

Porque uma flor cortada

É um membro da terra decepado,

Ofereço-te um ramo de dores ardentes

Em amarelo iluminado.

São já tuas as flores

Em mim nascentes,

Porque em mim nada floresce

Que a ti não deva as sementes.

 

 

Para a Carla, como todos os poemas de amor que alguma vez escreverei.

publicado por Manuel Anastácio às 16:45
link do post | Dizer de sua justiça | Quem disse o que pensou (5) | Adicionar aos favoritos
|
.Nada sobre mim
.pesquisar
 
.Agosto 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
.Artigos da mesma série

. notas

. cinema

. livros

. poesia avulsa

. política

. só porque

. curtas

. arte

. guimarães

. música

. estupidez

. traduções

. wikipédia

. religião

. poesia i

. gosto de...

. ono no komachi

. narrativas

. tomas tranströmer

. buscas pedidas

. plantas

. arquitectura

. enciclopédia íntima

. blogues

. braga

. fábulas de esopo

. as quimeras

. gérard de nerval

. carvalhal

. animais

. blogs

. cultura popular

. disparates

. Herbário I

. poesia

. póvoa de lanhoso

. estevas

. pormenores

. umbigo

. bíblia

. ciência

. professores

. vilar formoso

. barcelos

. cinema e literatura

. coisas que vou escrevendo

. curtíssimas

. educação

. Guimarães

. rádio

. receitas

. ribeira da brunheta

. teatro

. vídeo

. da varanda

. economia

. família

. leitura

. lisboa

. mails da treta

. mértola

. Música

. os anéis de mercúrio

. cachorrada

. comida

. cores

. dança

. diário

. direita

. elogio da loucura

. escola

. esquerda

. flores de pedra

. hip hop

. história de portugal

. kitsch

. memória

. ópera

. profissão

. recortes

. rimas tontas

. sonetos de shakespeare

. terras de bouro

. trump

. Álbum de família

. alunos

. ângela merkel

. arte caseira

. aulas

. avaliação de professores

. ayre

. benjamin clementine

. citações

. crítica

. ecologia

. edgar allan poe

. ensino privado

. ensino público

. evolucionismo

. facebook

. todas as tags

.O que vou visitando
.Segredos
  • Escrevam-me

  • .Páginas que se referem a este site

    referer referrer referers referrers http_referer
    .Já passaram...
    .quem linka aqui
    Who links to me?
    .Outras estatísticas
    eXTReMe Tracker
    blogs SAPO
    .subscrever feeds