.Últimos bocejos

. Todas as águas

. Todos os poemas

. Hold back your love, Whit...

. Hallelujah Money, Gorilla...

. 4

. 3

. Love & Hate, Michael Kiwa...

. T-shirt weather in the ma...

. Yonkers, Tyler, the Creat...

. 2

. 1

. i

. Anacreonte

. Educação do meu imbigo

. Voltei! Ou talvez não (co...

. Uma arte, de Elizabeth Bi...

. Uma arte, de Elizabeth Bi...

. Manual de Etiqueta e boa ...

. Aurora dos Pinheiros

. Versículos angélicos

. (19/01/2014)

. Cristianismo

. Arbeit macht frei

. Isso

. Limite

. Resignação solene

. LXXVIII

. Florentino Ariza num dia ...

. I've seen horrors... horr...

. Se bem me esqueço

. Enciclopédia Íntima: Pátr...

. LXXVII

. Experimental como o desti...

. Ruy do car(v)alhinho

. LXXVI

. Overgrown, James Blake

. MS MR - Hurricane

. Buscas pedidas: "filmes s...

. Para Thatcher

. S&M

. LXXV

. Mails da treta: Ímans e a...

. LXXIV

. Agnes Obel

. Amar, casar, perverter

. LXXIII

. LXXII

. LXXI

. Amar é dizer parvoíces

. Orgasm (Rock Cave), de Cr...

.Velharias

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Agosto 2016

. Maio 2016

. Janeiro 2015

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Janeiro 2006

. Novembro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Março 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

. Dezembro 2003

Terça-feira, 30 de Setembro de 2008
Buxo e buchos

Cena de Eduardo Mãos de Tesoura. Sem buxo.

 

A Gerana pergunta o que é buxo. Em primeiro lugar, é, de todas as plantas, provavelmente a que é mais utilizada na nem sempre nobre arte da topiária, que consiste em aparar árvores e arbustos de forma artística, como fazia o Eduardo Mãos de Tesoura. De facto, é das poucas plantas que gosto de ver aparadas. As árvores têm dignidade própria e uma beleza superior quando não são forçadas a caber nas formas do mau gosto humano. Claro que nem chego a falar do deplorável e criminoso costume de cortar drasticamente os ramos a árvores de grande porte, de modo a promover todos os anos uma copa desproporcionada de pequenos ramos enfezados - costume tão frequente no meu Portugal arboricida e que tem sido especialmente denunciado pelo meu amigo Nuno Teixeira Santos. O buxo (Buxus sempervirens), porém, permite devaneios artísticos ao jardineiro sem que a planta perca a sua dignidade. O jardim de "O Rapaz de Bronze", de Sophia de Mello Breyner Andressen dá especial atenção ao jardim de buxo, local que enchia as medidas da vaidade dos gladíolos.

 

Não confundir buxo com bucho, que é o estômago de alguns animais e que é utilizado na gastronomia da Beira Baixa e arredores. Na minha terra natal, o bucho de carneiro é utilizado para fazer "arroz de maranhos" que, geralmente, é confeccionado em bolsinhas de estômago cozidas. Quando havia a matança do porco (actividade que envolvia sempre muita gente, como se fosse uma festa) havia dois momentos altos que marcavam os trabalhos depois da morte do porco: quando se assava a passarinha e quando se assava o bucho. Quanto à passarinha, nunca entendi o que era bem ao certo - e não tem nada a ver com a genitália feminina, porque os porcos machos também a tinham. Santo Google diz-me que no Brasil chama-se passarinha ao pâncreas do Boi, mas não sei se poderei fazer a extrapolação. O bucho - o estômago do porco - era cozido com as morcelas logo no primeiro dia da matança e era comido grelhado mais tarde, marcando o final de toda a azáfama que se seguia à morte do porco - e que cabia sempre às mulheres. Os homens, depois de matar o porco, dedicavam-se à nobre arte de bem beber e petiscar.

 

Há ainda o bucho revirado, mal que dava a certas crianças e que não sei explicar. Terei de investigar. Santo Google não me ajuda.

Artigos da mesma série: ,
publicado por Manuel Anastácio às 20:25
link do post | Dizer de sua justiça | Quem disse o que pensou (6) | Adicionar aos favoritos
|
Segunda-feira, 29 de Setembro de 2008
Gosto de... buxo

Jardim do Palácio de Mateus, Vila Real.

Artigos da mesma série:
publicado por Manuel Anastácio às 22:10
link do post | Dizer de sua justiça | Quem disse o que pensou (1) | Adicionar aos favoritos
|
Domingo, 28 de Setembro de 2008
Gosto de... lençóis

Milheiro em Brufe.

Artigos da mesma série:
publicado por Manuel Anastácio às 18:08
link do post | Dizer de sua justiça | Adicionar aos favoritos
|
Sábado, 27 de Setembro de 2008
Gosto de... pãezinhos quentes

Pães quentes. Luz de Outono.

 

Disse num comentário abaixo que no Norte de Portugal (ou, pelo menos, numa determinada área onde me movo) pão não é o mesmo que na minha terra de origem. Na verdade, a questão não se prende tanto com o vocábulo pão, mas com o artigo que o precede. Onde nasci, tal como aqui, pão aplica-se a um alimento básico feito de farinha de cereais. A diferença linguística reside no momento da compra. Ninguém compra pão. Todos compramos um tipo específico de pão: onde nasci, havia papossecos e carcaças - aqui, são pães. Apenas pães. Onde nasci, um pão é uma unidade aimentar familiar que se corta em fatias. Aqui, um pão é uma unidade alimentar individual. Aqui, a unidade alimentar familiar é "o pão". A diferença está na utilização do artigo definido ou indefinido. Claro que os nomes dados ao pão em Portugal merecem outras considerações. Muito haveria a dizer sobre bicos, bicas, pão-de-ovelhinha, bolas, caralhotas - para não falar do que se entende pelas variedades regionais que, num espaço tão exíguo como é o de Portugal permite chamar de pão alentejano a coisas tão diferentes como um ovo de um espeto. Fica para depois.

Artigos da mesma série:
publicado por Manuel Anastácio às 18:07
link do post | Dizer de sua justiça | Quem disse o que pensou (1) | Adicionar aos favoritos
|
Sexta-feira, 26 de Setembro de 2008
Enciclopédia íntima: Memória II

Números 1, 5, 6, 7, 9, 11 e 14, das 'Catorze Anotações' de Fernando Lopes-Graça. Quarteto Lyra, no Salão Nobre da Câmara Municipal de Matosinhos, em Novembro de 2006 .

 

Há um tipo especial de memória que se prende directamente aos objectos em si mesmos, sem que exista neles, de facto. É a memória que reside nos próprios objectos pelo facto de terem estado fisicamente presentes em determinados acontecimentos. Em termos puramente objectivos, essa memória é inexistente. É uma crença que apenas beneficia os falsificadores de antiguidades, já que só se pode conceber em termos subjectivos: é a presunção dessa presença, verdadeira ou falsa, que, efectivamente, se imprime no objecto. Qualquer marca acidental, involuntária ou contingente num objecto não tem significado em si mesmo. Pode conter em si "pistas" que podem esclarecer determinados aspectos do passado que aí ficam fossilizados, mas não é a esse carácter detectivesco ou científico que me refiro. O ser humano, tal como os elefantes, fetichizam determinados objectos na sua qualidade de relíquias. E o facto de estas serem falsas ou não é secundário. Enquanto não se provar que determinada relíquia é falsa, ela é, para todos os efeitos, verdadeira na sua qualidade de relíquia. Uma relíquia é um objecto onde está impressa a ideia da morte, porque preterifica uma realidade. Torna-a absoluta, completa, canonizada. É por isso que ninguém é santo em vida - em termos teológicos, de facto, nem Cristo o seria até ao momento do sacrifício. O seu nascimento por obra e graça do Espírito Santo tenta resolver o problema ao colocar Cristo fora da ordem natural das coisas, mas o facto de existirem tentações no seu caminho implica uma real possibilidade do ingresso de Jesus na ordem material, imperfeita porque não consumada. Assim que o passado fecha um capítulo, os objectos a ele associados tornam-se as únicas testemunhas desse capítulo que ficará necessariamente por contar na sua globalidade.

 

Há uns anos atrás ouvi, num programa da manhã da Antena 2, alguém que já não me lembra a entregar à então presidente da Casa Fernando Pessoa uma tábua de um chão que teria sido pisado pelo poeta e, quiçá, que terá testemunhado a fricção da sola dos seus sapatos ou os calos dos seus pés contra o verniz em, provavelmente, alguns dos momentos decisivos da história da cultura lusófona. Momentos esses vividos, pressupõe-se, na solidão própria do escritor. Ora, o valor daquela tábua reside no quê ao certo? Alguém que a veja num museu não ficará em nada mais esclarecido quanto à obra do poeta em causa. Mas tenho a certeza de que se dissermos a um grupo representativo da nossa sociedade, composto por pessoas que já ouviram, pelo menos, falar de Fernando Pessoa e da sua importância como figura tutelar da nossa cultura, serão mais, em termos puramente estatísticos, aqueles que se sentirão arrepiados por estar a ver aquela tábua ("ELE pisou-a!") do que aqueles que se sentirão arrepiados ao ler qualquer um dos mais geniais poemas de Fernando Pessoa. E isso será assim, numericamente, porque é bem provável que aqueles que verdadeiramente são devedores de Fernando Pessoa (os que se arrepiarão com o génio da sua escrita) terão a mesma atitude irracional em relação a esse objecto.

 

O ser humano, como os elefantes, é um ser vivo religioso. Sempre. Mesmo quando é ateu.

 

Fernando Lopes-Graça, reconhecidamente não-crente, foi autor de uma das obras sacras mais profundas da arte portuguesa, se não a mais profunda: o seu "Requiem pelas Vítimas do Fascismo em Portugal". Já li muita justificação para a contradição intrínseca que existe na produção artística de muitas peças de Arte Sacra, desde a figurinha posta num altar a uma peça musical, por parte de artistas agnósticos ou ateus. E estas justificações centram-se sempre nos motivos subtilmente religiosos que moveram o autor. Este é o involuntário instrumento de Deus, que através dele providencia um objecto de veneração (quando o autor cria o objecto porque é de alguma forma forçado a fazê-lo ou por pura diversão) ou, pelo contrário, é realmente o artífice de um sincero testemunho de adoração teológica, seguindo um caminho paralelo à ortodoxia e/ou ao misticismo. Fernando Lopes-Graça pertence a este último grupo. Um dia, disse ao seu discípulo Pedro Amaral: "Rapaz: cada homem tem necessariamente um Deus, de outro modo não é possível viver... Ainda que esse Deus seja uma árvore, ou um rio". O Deus de Lopes-Graça pode bem não ser pessoal, omnipotente ou, simplesmente, místico. Pode ser apenas um Deus simbólico. De facto, os ateus não negam o valor dos símbolos. Ora, o símbolo é apenas uma forma mais abstracta da relíquia. O símbolo nasce quando o Homem se apercebe que a memória preterificada (o "pastness of the past") não reside nos objectos em si, mas na memória em si, pelo que o objecto de adoração ou de identificação pode ser criado no presente, com características mais ou menos convencionais que terão, por si mesmas, o poder da evocação (memória). De qualquer modo, o símbolo limita-se a heroizar um conceito absoluto, tal como o faz a relíquia, só que seguindo uma estratégia de linguagem diferente: em vez da metonímia que há num pedaço da "Vera Cruz", o símbolo recorre à metáfora e é, assim, que nasce o sinal da cruz. Memória gravada nos gestos. Poesia. Porque à memória histórica, científica, há que acrescentar e não desprezar a memória como poema; memória com que contamos as coisas para sempre invisíveis. É por isso que me arrepiarei se um dia estiver frente à tábua pisada por Fernando Pessoa. E apetecer-me-á roubar uma lasca e levá-la para casa. Eventualmente, para engastar num relicário. Mesmo que saiba que pode ser falsa.

publicado por Manuel Anastácio às 19:01
link do post | Dizer de sua justiça | Quem disse o que pensou (3) | Adicionar aos favoritos
|
Quinta-feira, 25 de Setembro de 2008
Gosto de... estendais

Horta, couves galegas, milheiros e muro. Em Brufe.

 

Artigos da mesma série:
publicado por Manuel Anastácio às 19:18
link do post | Dizer de sua justiça | Quem disse o que pensou (3) | Adicionar aos favoritos
|
Quarta-feira, 24 de Setembro de 2008
Gosto de... plantas tóxicas

Festival de Jardins de Ponte de Lima. Vencedor de 2007: "O jardim das avestruzes". Ricinus communis. Tóxicos? Muito menos que nós.

Artigos da mesma série: ,
publicado por Manuel Anastácio às 19:05
link do post | Dizer de sua justiça | Adicionar aos favoritos
|
Terça-feira, 23 de Setembro de 2008
Das pedras

"A procura da luz" - de Maria Martins. Foto de Robert Portoquá.

 

O Saramago (que também já tem um blogue) também sempre nos prometeu livros que nunca chegaram a ver a luz. As minhas edições de capa suja e usada de alguns dos seus romances ainda continuam a prometer livros que nunca foram ou serão escritos, ou que foram convertidos, na sua intenção, em outros. Eu prometi um livro à Gerana. Chamar-se-ia "Só porque Deus não está ouvindo". Estou bem decidido a escrevê-lo. Poesia, claro. Não há tempo nem imaginação narrativa para romances, como deixo a entender numa auto-entrevista alguns artigos abaixo. O título, claro, tem uma sonoridade brasileira, até porque, sendo editado, sê-lo-á no Brasil. E achei, desde o início, que devia brincar exactamente com a tensão entre o português do Brasil com o português de Portugal. A certa altura, com poucos poemas (inéditos) ainda no forno da reescrita, decidi mostrar um à Gerana. Ela, compassiva (para usar um adjectivo com que o Brabo me presenteou um dia), abraçou o poema e quis dá-lo a conhecer como bebé prematuro, frágil e, talvez por isso, mais biologicamente necessitado de amor.  Estou crente de que o livro, ainda que com pequena tiragem, será editado. Ainda que o poema já tenha sido publicado no blogue da Gerana, acho por bem deixá-lo aqui também.


Está quieta. Não te mexas.
Ignora-me.
Demora-me.
Enterra-me.

Distende agora os membros sobre o chão.
Pensa que o teu corpo é uma prisão.
E não tenhas dúvida de que o é.

Esteja quieta. Não se mexa.
Me ignora.
Me demora.
Me enterra.

Distenda agora o peso pelo chão.
Pense que seu corpo é metal em fundição.
Nem duvide, porque é.

Está quieta. Não se mexa.
Ignora-me.
Me demora.

Espreguiça-te lentamente, ao chão rente.

Levante-se agora.

Artigos da mesma série: ,
publicado por Manuel Anastácio às 20:59
link do post | Dizer de sua justiça | Quem disse o que pensou (1) | Adicionar aos favoritos
|
Segunda-feira, 22 de Setembro de 2008
Gosto de... coisas parvas

Paisagem parcial da freguesia de Rendufinho. Só porque foi o artigo 10 000 da Wikipédia Lusófona. No tempo em que ainda tinha algum tempo para nela escrever.

 

Um dia, o Indech, da Wikipédia, chamou-me de Manuel Anastácio, o Intenso. Gostei. Gostaria de ainda o poder ser. Não sou, mas não por falta de intensidade.

 

A caminho do Gerês, sempre que passo por uma terreola chamada de Rendufinho, a intensidade vem ao de cima. Fico furioso por o pessoal da terra ainda não ter em letras hollywoodescas "Bem Vindo a Rendufinho - o artigo 10 000 da Wikipédia Lusófona". Mas fico ainda mais furioso pelo facto de o artigo se manter, hoje,  com a mesma incipiência franciscana com que nasceu das mãos do Jorge Candeias. Ingrata gente. Os rendufinhenses, claro. Que as candeias apagaram-se há muito.

 

Tal como me sinto triste por não poder dar o meu empurrãozito à grande e imperfeita epopeia que é a Wikipédia, sinto-me culpado por dizer que tenho um blogue e deixá-lo dias a fio com a mesma paisagem. Não sou muito pessoa de escrever sobre coisas de agora e para agora. Não sou muito adepto dos fotologs, e nem a qualidade da minha máquina fotográfica nem o meu dedo e olho fotográficos se ajustariam a tal propósito. Sou letras, definitivamente. Se fosse realizador de cinema, a coisa seria diferente. Um bom director de fotografia faz maravilhas, se bem mandado.

 

Só para justificar a proliferação de Gosto des nos próximos tempos. A regularidade de artigos "normais" (ou o-que-a-casa-gasta) será pouco mais ou menos a mesma. Para que os visitantes, simplesmente, não sejam presenteados com uma data insonsa  a servir de maçaneta.

Artigos da mesma série:
publicado por Manuel Anastácio às 22:37
link do post | Dizer de sua justiça | Quem disse o que pensou (2) | Adicionar aos favoritos
|
Gosto de... caminhos

Chão a caminho de "O Abocanhado" em Brufe, antes de comer javali com arroz de carqueja nas nas minhas bodas de madeira.

 

O "Gosto de..." é, obviamente, plagiado do Shark. Eu também gosto de pessoas. Mas não tenho lata de as fotografar. Sinto que lhes estou a roubar a alma. Sem que o consintam.

Artigos da mesma série:
publicado por Manuel Anastácio às 01:29
link do post | Dizer de sua justiça | Quem disse o que pensou (2) | Adicionar aos favoritos
|
.Nada sobre mim
.pesquisar
 
.Março 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
.Artigos da mesma série

. notas

. cinema

. livros

. poesia avulsa

. só porque

. política

. curtas

. arte

. guimarães

. música

. estupidez

. traduções

. wikipédia

. religião

. poesia i

. gosto de...

. ono no komachi

. narrativas

. tomas tranströmer

. buscas pedidas

. plantas

. arquitectura

. blogues

. enciclopédia íntima

. blogs

. braga

. fábulas de esopo

. as quimeras

. gérard de nerval

. carvalhal

. animais

. cultura popular

. disparates

. Herbário I

. poesia

. póvoa de lanhoso

. estevas

. pormenores

. umbigo

. bíblia

. ciência

. professores

. vilar formoso

. barcelos

. cinema e literatura

. coisas que vou escrevendo

. curtíssimas

. Guimarães

. rádio

. receitas

. ribeira da brunheta

. teatro

. vídeo

. da varanda

. economia

. educação

. família

. leitura

. lisboa

. mails da treta

. mértola

. Música

. os anéis de mercúrio

. cachorrada

. comida

. cores

. dança

. diário

. direita

. elogio da loucura

. escola

. esquerda

. flores de pedra

. hip hop

. história de portugal

. kitsch

. memória

. ópera

. profissão

. recortes

. rimas tontas

. sonetos de shakespeare

. terras de bouro

. trump

. Álbum de família

. alunos

. ângela merkel

. arte caseira

. aulas

. avaliação de professores

. ayre

. benjamin clementine

. citações

. crítica

. ecologia

. edgar allan poe

. ensino privado

. ensino público

. evolucionismo

. facebook

. todas as tags

.O que vou visitando
.Segredos
  • Escrevam-me

  • .Páginas que se referem a este site

    referer referrer referers referrers http_referer
    .Já passaram...
    .quem linka aqui
    Who links to me?
    .Outras estatísticas
    eXTReMe Tracker
    blogs SAPO
    .subscrever feeds