.Últimos bocejos

. Todas as águas

. Todos os poemas

. Hold back your love, Whit...

. Hallelujah Money, Gorilla...

. 4

. 3

. Love & Hate, Michael Kiwa...

. T-shirt weather in the ma...

. Yonkers, Tyler, the Creat...

. 2

. 1

. i

. Anacreonte

. Educação do meu imbigo

. Voltei! Ou talvez não (co...

. Uma arte, de Elizabeth Bi...

. Uma arte, de Elizabeth Bi...

. Manual de Etiqueta e boa ...

. Aurora dos Pinheiros

. Versículos angélicos

. (19/01/2014)

. Cristianismo

. Arbeit macht frei

. Isso

. Limite

. Resignação solene

. LXXVIII

. Florentino Ariza num dia ...

. I've seen horrors... horr...

. Se bem me esqueço

. Enciclopédia Íntima: Pátr...

. LXXVII

. Experimental como o desti...

. Ruy do car(v)alhinho

. LXXVI

. Overgrown, James Blake

. MS MR - Hurricane

. Buscas pedidas: "filmes s...

. Para Thatcher

. S&M

. LXXV

. Mails da treta: Ímans e a...

. LXXIV

. Agnes Obel

. Amar, casar, perverter

. LXXIII

. LXXII

. LXXI

. Amar é dizer parvoíces

. Orgasm (Rock Cave), de Cr...

.Velharias

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Agosto 2016

. Maio 2016

. Janeiro 2015

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Janeiro 2006

. Novembro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Março 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

. Dezembro 2003

Terça-feira, 19 de Fevereiro de 2008
Curta 37

Malmequer-amarelo com dois afídeos. Foto minha em Creative Commons

Há dias, de manhã, tive a impressão que o céu entre Guimarães e Braga estava pixelizado.
publicado por Manuel Anastácio às 22:06
link do post | Dizer de sua justiça | Quem disse o que pensou (6) | Adicionar aos favoritos
|
Sábado, 16 de Fevereiro de 2008
II
Castle on a Cloud, "Les Miserables", de Claude-Michel Schönberg e Alain Boublil


Lembro-me do cheiro a restos de comida meio azeda que se misturava suavemente com o cheiro a diluente e serradura das portas empilhadas que serviam de tampo para o sono que não queria ter. Num prego da parede, pendia a gambiarra que já estaria a desenrolar às seis da manhã entre os prédios  desdentados, dando avanço ao silencioso trabalho permitido antes das oito da manhã. Agora, a luz forte ofuscava de viés as páginas de um livrito com curiosidades sobre o Antigo Egipto, Alexandre Dumas filho, Bernardin de Saint-Pierre, Tolstoi e Enid Blyton, ecleticamente escolhidos, tanto na sala de adultos como na de crianças da Biblioteca Municipal daquela vila de caliça e carris cobertos de décadas de vagões a apodrecer. A mulherzinha que tratava da requisição dos livros não mostrava especial reverência pelas minhas improváveis escolhas e creio sinceramente que nem acreditasse que eu fosse além da página dez do Guerra e Paz. Mas a verdade é que entre o ressonar do meu pai na outra pilha de portas, os gritos dos jovens ociosos a caminho ou vindo dos bares e discotecas, abertos durante toda a semana, como convinha ao estio, entre a saudade do meu quarto com vista para os pinhais de Vila de Rei e a porta semi-fechada do portão da garagem que me servia de habitação durante os longos e intermináveis meses de férias, coexistiam os gritos da catatua Didi com os ambientes soturnos da comsupção devoradora da alma de Marguerite Gautier e o misticismo calmo e lúcido de Pierre Bezukhov. E, mais tarde, faltando-me a água com sabor a terra funda, caminhava entre labirintos de tijolo, sobre taipais que se enterravam no barro húmido de porcaria, fazendo adro frente à torneira de água com sabor a lixívia e cano de borracha. E na miséria fungosa daquela solidão sem esperança, chegava a sentar-me a um canto a divagar o olhar entre as sombras, imaginando planos cinematográficos que projectassem a pureza daquela escuridão, a aspereza das paredes, o cheiro fétido das latrinas improvisadas de onde até as lombrigas queriam sair, e sorria entre as lágrimas. Tinha de ser muito tolo para vez beleza naquilo. Mas via. Nada havia de mais belo e confortante que a minha dor. Triste ironia atroz, que senso humano irrita: Podia ser pior. O gosto pelo sofrimento, ele que doira a noite e ilumina a cidade, nem sempre é masoquismo. É apenas o sabor agridoce com que a solidão nos segreda que só amando outra pessoa poderemos ver a face de Deus
Artigos da mesma série:
publicado por Manuel Anastácio às 01:21
link do post | Dizer de sua justiça | Quem disse o que pensou (3) | Adicionar aos favoritos
|
Terça-feira, 12 de Fevereiro de 2008
I
Excerto de "Pedro e Inês", bailado de Olga Roriz. Música de Arvo Pärt (Tabula rasa). Cenografia de João Mendes Ribeiro.

Dois ladrilhos quadrados dispostos na horizontal fazem a parte superior do tronco - os ombros. Ao centro, sobre a junta, outro ladrilho faz o pescoço. Acima deste, tocando com um canto o centro do lado superior, dispõe-se a cabeça. Quatro ladrilhos quadrados. Era assim a boneca do lar na casa dos avós de Saramago. Não me lembro da que guardava o fundo da lareira à minha avó. Na fria cozinha dos meus pais, abrindo no lado norte do pátio comum, sentado num dos cepos que ainda hoje lá fazem o lugar de bancos, quando li Saramago pela primeira vez, já a boneca tinha sido arrasada para dar lugar ao quadrilátero escuro, mas muito útil e ecológico, de uma caldeira que aquece a água dos banhos, aproveitando o calor que de outro modo se escaparia pela parede e pelo chão. Mas é pena que sobre a superfície férrea do coração de água não tenham reposto o boneco. Na minha memória sempre o chamei de boneco. Falar para o boneco, para mim, era segredar às chamas o que mais ninguém podia, queria ou se interessava em ouvir. Hoje em dia, escrever para um blogue é algo semelhante, com a diferença de que o boneco, por vezes, dá sinal de vida, e quem parece ficar sem voz no seu posto, atrás das chamas, coberto por camadas de cal e fuligem alternadas, sou eu mesmo. A noite não perdoa aos acendedores de candeeiros.
Artigos da mesma série:
publicado por Manuel Anastácio às 00:37
link do post | Dizer de sua justiça | Quem disse o que pensou (1) | Adicionar aos favoritos
|
.Nada sobre mim
.pesquisar
 
.Março 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
.Artigos da mesma série

. notas

. cinema

. livros

. poesia avulsa

. só porque

. política

. curtas

. arte

. guimarães

. música

. estupidez

. traduções

. wikipédia

. religião

. poesia i

. gosto de...

. ono no komachi

. narrativas

. tomas tranströmer

. buscas pedidas

. plantas

. arquitectura

. blogues

. enciclopédia íntima

. blogs

. braga

. fábulas de esopo

. as quimeras

. gérard de nerval

. carvalhal

. animais

. cultura popular

. disparates

. Herbário I

. poesia

. póvoa de lanhoso

. estevas

. pormenores

. umbigo

. bíblia

. ciência

. professores

. vilar formoso

. barcelos

. cinema e literatura

. coisas que vou escrevendo

. curtíssimas

. Guimarães

. rádio

. receitas

. ribeira da brunheta

. teatro

. vídeo

. da varanda

. economia

. educação

. família

. leitura

. lisboa

. mails da treta

. mértola

. Música

. os anéis de mercúrio

. cachorrada

. comida

. cores

. dança

. diário

. direita

. elogio da loucura

. escola

. esquerda

. flores de pedra

. hip hop

. história de portugal

. kitsch

. memória

. ópera

. profissão

. recortes

. rimas tontas

. sonetos de shakespeare

. terras de bouro

. trump

. Álbum de família

. alunos

. ângela merkel

. arte caseira

. aulas

. avaliação de professores

. ayre

. benjamin clementine

. citações

. crítica

. ecologia

. edgar allan poe

. ensino privado

. ensino público

. evolucionismo

. facebook

. todas as tags

.O que vou visitando
.Segredos
  • Escrevam-me

  • .Páginas que se referem a este site

    referer referrer referers referrers http_referer
    .Já passaram...
    .quem linka aqui
    Who links to me?
    .Outras estatísticas
    eXTReMe Tracker
    blogs SAPO
    .subscrever feeds