.Últimos bocejos

. Todas as águas

. Todos os poemas

. Hold back your love, Whit...

. Hallelujah Money, Gorilla...

. 4

. 3

. Love & Hate, Michael Kiwa...

. T-shirt weather in the ma...

. Yonkers, Tyler, the Creat...

. 2

. 1

. i

. Anacreonte

. Educação do meu imbigo

. Voltei! Ou talvez não (co...

. Uma arte, de Elizabeth Bi...

. Uma arte, de Elizabeth Bi...

. Manual de Etiqueta e boa ...

. Aurora dos Pinheiros

. Versículos angélicos

. (19/01/2014)

. Cristianismo

. Arbeit macht frei

. Isso

. Limite

. Resignação solene

. LXXVIII

. Florentino Ariza num dia ...

. I've seen horrors... horr...

. Se bem me esqueço

. Enciclopédia Íntima: Pátr...

. LXXVII

. Experimental como o desti...

. Ruy do car(v)alhinho

. LXXVI

. Overgrown, James Blake

. MS MR - Hurricane

. Buscas pedidas: "filmes s...

. Para Thatcher

. S&M

. LXXV

. Mails da treta: Ímans e a...

. LXXIV

. Agnes Obel

. Amar, casar, perverter

. LXXIII

. LXXII

. LXXI

. Amar é dizer parvoíces

. Orgasm (Rock Cave), de Cr...

.Velharias

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Agosto 2016

. Maio 2016

. Janeiro 2015

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Janeiro 2006

. Novembro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Março 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

. Dezembro 2003

Sábado, 26 de Janeiro de 2008
Enciclopédia Íntima: Plano-sequência

Plano-sequência de Dunquerque, em "Expiação", de Joe Wright


Um plano-sequência pode ser muita coisa. Mas posso defini-lo como sendo o mais teatral dos planos. Em "A Arte do Cinema", Rudolf Arnheim usa a palavra "violenta" para referir-se à, actualmente, mais compreensível das estratégias narrativas cinematográficas: a montagem. Alguém bate à porta, e estamos na rua - e numa fracção de vinte quatro avos de segundo já estamos dentro de casa a abrir a mesma porta que também para nós estava fechada. No plano sequência só poderemos esperar que a porta se abra ou, então, procurar uma entrada alternativa: talvez entrar por uma janela ou pelo telhado; recurso  esse muito utilizado em alguns dos filmes mais insistentes da História do Cinema, como o "Citizen Kane" de Orson Welles ou o mais esquecido (mas frequentemente ressuscitado) "One from the Heart" (em português de Portugal, "Do fundo do coração") de Francis Ford Coppola. Os planos sequência permitem-nos fazer percursos "menos violentos" na perspectiva assustada de Arnheim, no nosso lugar fixo de espectador. Orson Welles, no seu "Touch of Evil", pretendeu, com certeza, brincar com a violência dos cortes da montagem depois de um longo plano em que subimos e deslizamos junto a uma fronteira onde, no momento em que tudo parece acalmar em braços apaixonados, o plano é subitamente interrompido.


Planos iniciais de "Touch of Evil", de Orson Welles.


Em "O Passageiro: Profissão Repórter, Antonioni prefere trazer a violência para o próprio plano, escondendo-a. Enquanto divagamos e atravessamos as grades, algo acontece no ponto de partida.

"O Passageiro: Profissão Repórter" de Michelangelo Antonioni.

Andrei Tarkovsky, autor de um tipo de cinema que só quem procura poesia nesta arte poderá apreciar, comete a inaudita violência da lentidão pendular, onde a fragilidade humana se concentra numa tarefa aparentemente sem sentido. Também aqui, como em Welles, o plano sequência é apenas um caminho que desemboca na vertigem da montagem onde perdemos consciência do que vemos, obrigados que somos a arrancar a alma do lugar onde estava.

"Nostalgia", de Andrei Tarkovsky


Mas se falo de planos-sequência, é apenas por causa do premiado "Atonement" ("Expiação", em Portugal), filme cuja habilidade técnica a nível de montagem e de mise-en-scène, não chega, ao que parece, para o tornar no filme do ano. De facto, não é nem pode ser. É um filme irremediavelmente datado como a inscrição numa lápide funerária. Todo o filme é, de facto, um monumento fúnebre que pretende, através da ilusão da imagem e do som, evocar as cinzas da eterna separação e dos actos imperdoáveis. Há uma passagem em "Os Anos de Aprendizagem de Wilhelm Meister" onde Goethe conduz o jovem iniciado a um mausoléu de luz. A descrição do ambiente tem algumas semelhanças com a relação que o estado totalitário de "Admirável Mundo Novo" pretende que os seus cidadãos tenham com a Morte. Este filme, sem ter grandes pretensões intelectuais, dá-nos, contudo, a ingenuidade num prato de suavidade. E a morte deve-nos ser servida assim mesmo: com a suavidade do que é irremediável e com a ingenuidade de quem pensa que a vida continua. Sendo um filme baseado em literatura, será normal levantarem-se as típicas e enjoativas vozes que dizem que o livro é melhor... Não faço ideia se é. Se for, tanto melhor. O filme  é académico até à exaustão, não tenho dúvidas, mas o movimento pendular da narrativa, usado de uma forma impecável e certinha aparenta este filme mais ao plano de Tarkovsky que a qualquer outro dos que apresento neste post, enquanto o Youtube os não fizer desaparecer por conta dos direitos de autor. O filme é datado, já disse. Tem um sopro de Joseph Losey e David Lean, seguindo a tradição britânica dos filmes que confundem os adereços com a alma. E a grande maravilha e espanto, o coração deste filme é um plano-sequência, na praia de Dunquerque, que resume em si a essência artística do  épico melodramático. Ninguém tenta atravessar a praia com uma vela acesa. O plano que se segue ao plano-sequência não quebra a corrente teatral do movimento. É apenas um plano-sequência, improvável até à exaustão, sem outro objectivo que não seja o de mostrar um percurso onde os horrores da guerra ficam, de facto, camuflados pelo movimento poético e patético de um plano muito bem filmado. Como uma estela funerária onde não devem figurar sinais que lembrem ossos ou podridão.
Artigos da mesma série: ,
publicado por Manuel Anastácio às 16:43
link do post | Dizer de sua justiça | Quem disse o que pensou (2) | Adicionar aos favoritos
|
Quarta-feira, 16 de Janeiro de 2008
Sobre

Árvore não identificada (peço ajuda à Manuela Ramos, ou a quem tenha olho para a identificação de árvores) junto à escadria de Nossa Senhora dos Remédios, em Lamego. Foto minha em Creative Commons atribuição 3.0 Unported

Sonho com cores esbatidas
e portas que nada escondem.
Sonho com folhas esmaecidas
em frio e nevoeiro
com um leve cheiro a maçãs e a partidas
sobre escadas que apenas seguem e regressam para ti.

publicado por Manuel Anastácio às 20:55
link do post | Dizer de sua justiça | Quem disse o que pensou (7) | Adicionar aos favoritos
|
Domingo, 6 de Janeiro de 2008
Circulares obrigações

Aspecto da nave transversal da Igreja de São Gião, Nazaré. 26 de Dezembro de 2007. Foto minha em Creative Commons atribuição 3.0 Unported

Não mando mensagens de Natal nem de Ano Novo a ninguém. Também não sou muito de dar os parabéns a aniversariantes. Tenho alergia a manifestações cíclicas de bondade postal ou electrónica, como se fôssemos um farol obrigado a emitir um sinal periódico. A única circularidade do tempo a que reajo com veneração é à sucessão das estações do ano. Sucessão cíclica essa que se deve apenas ao simples acaso de vivermos numa bola que gravita em torno de um luzeiro. Vivêssemos nós nas costas de uma tartaruga que nadasse num infinito oceano sob um eterno fundo cósmico de luz, e o calendário seria uma linha sempre em frente. Mas não. Devido a um mero capricho das leis físicas nascidas da nossa origem material, até a vida do nosso espírito se tem de submeter aos mesmos processos de repetição. É assim que a religião faz nascer deuses-meninos que leva, poucos meses decorridos, ao madeiro sacrificial. É essa a essência do Ritual e da vivência das Mitologias que dão sentido ao mistério de estarmos provisoriamente vivos. É por isso que não fico indiferente aos natáis e às páscoas, às passas e à louça velha atirada pela janela. As doze badaladas que ninguém ouve, ofuscadas que são pelo estalar dos foguetes, remetem-me para a inevitável condição de habitante de uma bola presa ao cordel elástico e latejante da gravidade. Mas não sinto que o meu desejo de felicidade se deva cingir ao calendário. Muito cómodo, dirá alguém com um sorriso irónico nos lábios. Talvez seja. Preguiça. Seja, deixem-me ser preguiçoso nestas alturas, para que possa responder com palavras e actos sinceros a outras solicitações que não estejam gravadas em repetição eterna na Google Agenda.
Artigos da mesma série:
publicado por Manuel Anastácio às 13:47
link do post | Dizer de sua justiça | Quem disse o que pensou (1) | Adicionar aos favoritos
|
.Nada sobre mim
.pesquisar
 
.Março 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
.Artigos da mesma série

. notas

. cinema

. livros

. poesia avulsa

. só porque

. política

. curtas

. arte

. guimarães

. música

. estupidez

. traduções

. wikipédia

. religião

. poesia i

. gosto de...

. ono no komachi

. narrativas

. tomas tranströmer

. buscas pedidas

. plantas

. arquitectura

. blogues

. enciclopédia íntima

. blogs

. braga

. fábulas de esopo

. as quimeras

. gérard de nerval

. carvalhal

. animais

. cultura popular

. disparates

. Herbário I

. poesia

. póvoa de lanhoso

. estevas

. pormenores

. umbigo

. bíblia

. ciência

. professores

. vilar formoso

. barcelos

. cinema e literatura

. coisas que vou escrevendo

. curtíssimas

. Guimarães

. rádio

. receitas

. ribeira da brunheta

. teatro

. vídeo

. da varanda

. economia

. educação

. família

. leitura

. lisboa

. mails da treta

. mértola

. Música

. os anéis de mercúrio

. cachorrada

. comida

. cores

. dança

. diário

. direita

. elogio da loucura

. escola

. esquerda

. flores de pedra

. hip hop

. história de portugal

. kitsch

. memória

. ópera

. profissão

. recortes

. rimas tontas

. sonetos de shakespeare

. terras de bouro

. trump

. Álbum de família

. alunos

. ângela merkel

. arte caseira

. aulas

. avaliação de professores

. ayre

. benjamin clementine

. citações

. crítica

. ecologia

. edgar allan poe

. ensino privado

. ensino público

. evolucionismo

. facebook

. todas as tags

.O que vou visitando
.Segredos
  • Escrevam-me

  • .Páginas que se referem a este site

    referer referrer referers referrers http_referer
    .Já passaram...
    .quem linka aqui
    Who links to me?
    .Outras estatísticas
    eXTReMe Tracker
    blogs SAPO
    .subscrever feeds