.Últimos bocejos

. Todas as águas

. Todos os poemas

. Hold back your love, Whit...

. Hallelujah Money, Gorilla...

. 4

. 3

. Love & Hate, Michael Kiwa...

. T-shirt weather in the ma...

. Yonkers, Tyler, the Creat...

. 2

. 1

. i

. Anacreonte

. Educação do meu imbigo

. Voltei! Ou talvez não (co...

. Uma arte, de Elizabeth Bi...

. Uma arte, de Elizabeth Bi...

. Manual de Etiqueta e boa ...

. Aurora dos Pinheiros

. Versículos angélicos

. (19/01/2014)

. Cristianismo

. Arbeit macht frei

. Isso

. Limite

. Resignação solene

. LXXVIII

. Florentino Ariza num dia ...

. I've seen horrors... horr...

. Se bem me esqueço

. Enciclopédia Íntima: Pátr...

. LXXVII

. Experimental como o desti...

. Ruy do car(v)alhinho

. LXXVI

. Overgrown, James Blake

. MS MR - Hurricane

. Buscas pedidas: "filmes s...

. Para Thatcher

. S&M

. LXXV

. Mails da treta: Ímans e a...

. LXXIV

. Agnes Obel

. Amar, casar, perverter

. LXXIII

. LXXII

. LXXI

. Amar é dizer parvoíces

. Orgasm (Rock Cave), de Cr...

.Velharias

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Agosto 2016

. Maio 2016

. Janeiro 2015

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Janeiro 2006

. Novembro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Março 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

. Dezembro 2003

Quinta-feira, 14 de Julho de 2005
Herbário I - Origanum virens

                 Orégãos - Origanum virens

Trinquei uma minúscula folha de orégãos e veio-me o sabor de Carvalhal à boca. Como Proust comendo uma madalena com chá de tília - comparação vulgar, mas necessária, voltei a percorrer os trilhos dos pinhais e das hortas da minha infância. E Carvalhal, nessa altura, era uma enorme massa vegetal aninhada em vales e montes redondos. As estradas retalharam os locais mágicos onde, como coelhos, fazíamos túneis no meio das silvas, madressilvas, heras, trepadeiras, pilriteiros, medronheiros e nabos-espanhóis. E Carvalhal, sem o saber, tinha o sabor e o cheiro que só notei mais tarde, como quase com tudo, pela ausência. Não seria o sabor de Carvalhal, com certeza - será o sabor que vem à boca de quem teve uma infância agreste e passou tardes selvagens na solidão acompanhada de um silêncio verde nas catedrais das ladeiras e das galerias de ribeiras escondidas por choupos, salgueiros e videiras. E para mim, só Carvalhal tem (tinha) isso. Mértola sabe a poejos macerados. O Gavião, a pão quente às quatro da manhã. O Alandroal - não, não sabe a aloendros - sabe a um copo de tinto, a queijo seco e gasolina. Sintra sabe a serradura (declaro, para quem ficar chocado com esta comparação que, para mim, Sintra é Chão de Meninos, perto do cemitério, onde antes havia uma serração). O Canadá sabe a água. Berlim sabe a mostarda. Barcelona sabe a pastis e licor de maçãs verdes. Sardoal sabe a loureiro. Cabeça-das-Mós sabe a livros com um leve toque a caruncho. Aveiras de Cima sabe a mosto a fermentar. Lisboa sabe a sangria aromatizada com hortelã. Aveiro sabe a detergente. Joane sabe a broa de milho. Braga sabe a gelado de ovos moles (num sítio chamado colheradas - é o melhor gelado do mundo, com direito a orgasmo). Andreus sabe a pútegas. Santarém sabe a pampilhos. Abrantes sabe a éter. Guimarães, não sei ainda ao que sabe. Vivo cá. Sinto ainda um sabor de cada vez...

Mas Carvalhal sabe a orégãos - ainda que não se veja quase nenhum... Nisso, isto difere da madalena do Proust. Não me lembro de encontrar orégãos em Carvalhal - claro que as azeitonas traziam o seu perfume. Mas o sabor que me veio à boca foi o das pétalas de marmeleiro que comia em direcção à escola; o sabor dos medronhos das tardes em que não lanchava porque não me apetecia ir para casa; o sabor da água com lodo e elódeas quando não tinha aulas à tarde e ia caçar girinos; o sabor dos rebentos ácidos, amargos e tenros das silvas; o sabor a terra dos bolbos minúsculos de umas plantas azuis que a inconsciência da infância nos fazia comer; o sabor das amoras negras; das cerejas e nêsperas roubadas que nos enchiam de melaço os bolsos; o cheiro do pequeno copo de vinho abafado que a tia Augusta nos deixava provar...

Sabe a tudo. Na memória apenas. Quando lá volto, já não é o mesmo sabor. Basta-me trincar uma minúscula folha de orégãos.

Artigos da mesma série:
publicado por Manuel Anastácio às 20:39
link do post | Dizer de sua justiça | Quem disse o que pensou (3) | Adicionar aos favoritos
|
Quarta-feira, 13 de Julho de 2005
Fauno e rapariga

fauno.JPG

Trago a embriagez de frutos por fermentar,

E a suave doçura do mel nos meus braços.

Trago a luz do sol nos meus cabelos baços.

E muito mais do que queres desejar.

Não sei que desejo é este,  de me dar,

E me oferecer em cada bago que trago,

pronto a fecundar os teus lábios com graínhas,

Quando temes cada um dos meus passos

E foges, com asco, dos meus abraços,

Correndo por florestas queimadas,

descansando em margens desviadas,

E dormindo sem saudades minhas.

 

Fauna.JPG
Artigos da mesma série:
publicado por Manuel Anastácio às 21:16
link do post | Dizer de sua justiça | Adicionar aos favoritos
|
Terça-feira, 12 de Julho de 2005
a) Nerium oleander
Contavam à minha mãe que era o suicídio mais doce: um ramo de aloendros debaixo da almofada... Na verdade não sei de ninguém que desta forma se tenha rendido... Mas, mito ou não, percorre-me um frio na espinha sempre que vejo estas flores a arder no escuro da noite e o silêncio que se desprende delas. Faz lembrar os romances de Zola, como a donzela de "O crime do Padre Mouret" que se suicida sufocada em flores; como o cemitério de "A Fortuna dos Rougon", repleto de ervas daninhas furiosamente adubadas pelos corpos em putrefacção, onde os dois amantes se encontram; como a estufa exótica de "O Regabofe" onde o drama grego do incesto se repete, entrelaçado com o retorcer das plantas venenosas e belas: o apelo e a náusea vegetal, a armadilha de Vénus: a morte escondida no paraíso. A mais forte das drogas; fazendo lembrar o conto infantil que li em criança, de um livro de que não me lembro, a não ser da imagem de uma bela donzela sentada numa pilha de caveiras, numa gravura a negro sobre papel amarelecido... O conto de um pobre estudante de medicina que não soube, em determinada altura, dizer qual era o mais forte narcótico do mundo; o mesmo pobre estudante que, sem o saber, vê todos os seus desejos, para sua má sorte, realizados e que por serem realizados o levam ao patíbulo onde tem direito ao seu último desejo. E pede, perante o fantasma da morte dolorosa, o mais forte narcótico do mundo... Que lhe é misericordiosamente administrado pelo machado do carrasco. Já não me lembro bem da história - ficaram apenas farrapos. Hoje em dia as crianças já não lêem contos destes. É tudo suavizado e em tom pastel - e as crianças vingam-se, trazendo à luz o sadismo que têm no íntimo mas que não lhes é administrado por contos que, mais que povoar os sonhos com fantasmas , nos faziam conviver face a face com os fantasmas que já nascem connosco.
Artigos da mesma série:
publicado por Manuel Anastácio às 02:38
link do post | Dizer de sua justiça | Quem disse o que pensou (2) | Adicionar aos favoritos
|
Herbário I - Nerium oleander

Sem titulo.JPG

Vi almas penadas a voar

e lanças espetadas nas estrelas

Em grupos de três, a sangrar...

Vi pétalas de lividez

Em grupos de cinco, a gangrenar...

Vi nos sonhos de quem morre

Aquilo que a vida enterra.

Vi as hastes vegetais irrompendo da terra parindo

Aloendros brancos

Símbolos eróticos da seiva

Da noite

E da morte.

Ouvi o sussuro da calmaria

E os passos de quem colheu o silêncio branco

Das flores que oferecem o doce odor do sono eterno.

Ouvi o sussurro da calmaria

E na vida que irrompe da terra parindo

Cheirei

Os alandros brancos

Brancos loendros

Aloendros brancos

Oleandros

Em grupos de três

Almas penadas a voar

Colhidas e escondidas na cabeceira de quem não quer acordar.

Artigos da mesma série:
publicado por Manuel Anastácio às 02:04
link do post | Dizer de sua justiça | Adicionar aos favoritos
|
.Nada sobre mim
.pesquisar
 
.Março 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
.Artigos da mesma série

. notas

. cinema

. livros

. poesia avulsa

. só porque

. política

. curtas

. arte

. guimarães

. música

. estupidez

. traduções

. wikipédia

. religião

. poesia i

. gosto de...

. ono no komachi

. narrativas

. tomas tranströmer

. buscas pedidas

. plantas

. arquitectura

. blogues

. enciclopédia íntima

. blogs

. braga

. fábulas de esopo

. as quimeras

. gérard de nerval

. carvalhal

. animais

. cultura popular

. disparates

. Herbário I

. poesia

. póvoa de lanhoso

. estevas

. pormenores

. umbigo

. bíblia

. ciência

. professores

. vilar formoso

. barcelos

. cinema e literatura

. coisas que vou escrevendo

. curtíssimas

. Guimarães

. rádio

. receitas

. ribeira da brunheta

. teatro

. vídeo

. da varanda

. economia

. educação

. família

. leitura

. lisboa

. mails da treta

. mértola

. Música

. os anéis de mercúrio

. cachorrada

. comida

. cores

. dança

. diário

. direita

. elogio da loucura

. escola

. esquerda

. flores de pedra

. hip hop

. história de portugal

. kitsch

. memória

. ópera

. profissão

. recortes

. rimas tontas

. sonetos de shakespeare

. terras de bouro

. trump

. Álbum de família

. alunos

. ângela merkel

. arte caseira

. aulas

. avaliação de professores

. ayre

. benjamin clementine

. citações

. crítica

. ecologia

. edgar allan poe

. ensino privado

. ensino público

. evolucionismo

. facebook

. todas as tags

.O que vou visitando
.Segredos
  • Escrevam-me

  • .Páginas que se referem a este site

    referer referrer referers referrers http_referer
    .Já passaram...
    .quem linka aqui
    Who links to me?
    .Outras estatísticas
    eXTReMe Tracker
    blogs SAPO
    .subscrever feeds