.Últimos bocejos

. Todas as águas

. Todos os poemas

. Hold back your love, Whit...

. Hallelujah Money, Gorilla...

. 4

. 3

. Love & Hate, Michael Kiwa...

. T-shirt weather in the ma...

. Yonkers, Tyler, the Creat...

. 2

. 1

. i

. Anacreonte

. Educação do meu imbigo

. Voltei! Ou talvez não (co...

. Uma arte, de Elizabeth Bi...

. Uma arte, de Elizabeth Bi...

. Manual de Etiqueta e boa ...

. Aurora dos Pinheiros

. Versículos angélicos

. (19/01/2014)

. Cristianismo

. Arbeit macht frei

. Isso

. Limite

. Resignação solene

. LXXVIII

. Florentino Ariza num dia ...

. I've seen horrors... horr...

. Se bem me esqueço

. Enciclopédia Íntima: Pátr...

. LXXVII

. Experimental como o desti...

. Ruy do car(v)alhinho

. LXXVI

. Overgrown, James Blake

. MS MR - Hurricane

. Buscas pedidas: "filmes s...

. Para Thatcher

. S&M

. LXXV

. Mails da treta: Ímans e a...

. LXXIV

. Agnes Obel

. Amar, casar, perverter

. LXXIII

. LXXII

. LXXI

. Amar é dizer parvoíces

. Orgasm (Rock Cave), de Cr...

.Velharias

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Agosto 2016

. Maio 2016

. Janeiro 2015

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Janeiro 2006

. Novembro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Março 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

. Dezembro 2003

Quarta-feira, 30 de Março de 2005
A Blog is an insufflated dog

Joan Miró, pessoas, cão e sol

"Havia em Sevilha um doido, que deu no mais gracioso disparate e teima que nunca se viu. E foi que fez um canudo de cana pontiagudo, e, em apanhando um cão na rua, ou em qualquer outra parte, prendia-lhe uma pata com os pés, com a mão levantava-lhe outra, e, como podia, lá lhe adaptava o canudo em sítio, em que, soprando-lhe, o punha redondo como uma péla, e, quando o apanhava deste modo, dava-lhe duas palmaditas na barriga, e soltava-o, dizendo aos circunstantes (que sempre eram muitos): Pensarão agora Vossas Mercês que é pouco trabalho inchar assim um cão. Pensará Vossa Mercê agora que é pouco trabalho fazer um livro." - Miguel de Cervantes in "Dom Quixote de la Mancha"
Artigos da mesma série:
publicado por Manuel Anastácio às 03:21
link do post | Dizer de sua justiça | Quem disse o que pensou (4) | Adicionar aos favoritos
|
Terça-feira, 29 de Março de 2005
O Fantasma
Tenho um fantasma em casa. Tenho mesmo. Um fantasma erudito que passeia com os livros, os CD-ROMs de um lado para o outro sem dar cavaco a ninguém. Estou a alguns passos do castelo de Guimarães, por isso, é provável que o "locus" de São Mamede - a Batalha definidora da nacionalidade portuguesa tenha sido aqui mesmo. As fundações da casa podem, certamente, assentar em terra que se encharcou no sangue de quem defendia o filho ou a mãe. A verdade é que ninguém sabe ao certo o local. Mas pode ter sido aqui. Por isso, candidatos a fantasma não faltam... Junto a casa tenho uma ribeira mínima que há cem anos atrás era um rio onde se pescava e tudo. Talvez seja um pescador de peixinhos de rio que por aqui deambula (não pode ser nenhum marinheiro truculento como o "Fantasma apaixonado" do filme do Joseph Leo Mankiewicz, é certo)... É normal. Em pequeno, ouvia a minha mãe a contar a história da menina que morreu sem receber uma máquina de costura que lhe tinha sido prometida em vida... O fantasma era sobejamente conhecido na aldeia (e não só - faz parte do imaginário colectivo da zona centro de Portugal em geral). Toda a gente conhecia e já tinha ouvido claramente os sons da máquina a trabalhar noite fora e da tesoura a pousar no tampo - claro que ninguém tinha coragem para verificar a origem do barulho, mas toda a gente jurava a pés juntos que era verdade... Eu, claro, não acreditava, até ter o meu fantasma doméstico, mais dado às novas tecnologias. Claro que cada um tem o seu tipo de fantasma. Um bêbedo da terra, cujo nome já não me lembro bem, viu, numa meia noite ou coisa que lhe valha, na Cruz Carril (um cruzamento de estradas - o que mais podia ser? Um local no meio de um pinhal, sem nada à volta a não ser a massa branca de uma paragem de autocarros), um fantasma mais divertido -talvez com os copos... Viu (juro que não estou a inventar - se alguém inventou alguma coisa, foi o tipo, não eu) "uma bicicleta sem rodas a andar". Asustou-se, meteu-se pinhal adentro (lugar sinistro, eu sei, mas as meninas dos filmes de terror não fazem o mesmo?). Aterrado, encostado a um pinheiro, ouviu alguém a rir-se na copa da árvore. Agastado com o riso, já que preferia algo de mais lúgubre, foi a casa, pegou num machado e, bastante mais tarde, voltou para cortar o pinheiro, sem dar satisfações ao dono... Supostamente, haveria um pano preto agarrado à ponta da árvore - sinal de luto, mas pouco esclarecedor quanto às intenções espirituais da alma penada. Na mesma Cruz Carril, calhou ao Chico da minha rua (rua de infância - não esta aqui em Guimarães) encontrar um círculo de bruxas - tudo mulheres da terra, num grande regabofe. Estou a cometer uma indiscrição, já que não deveria contar isto a ninguém - foi-me pedido, com muita seriedade, pelos filhos do Chico, meus amigos de infância, há não sei quantas décadas atrás (não são assim tantas). O Chico conheceu as mulherzinhas todas que o ameaçaram de todo o género de desgraças se este viesse a revelar a identidade de uma que fosse... Se ele revelou o nome de alguma, não foi a mim... Houve também o Esquinsito (diminutivo de Joaquim) que levou uma estalada de uma mão fria saída de um marmeleiro no caminho ermo que levava à igreja velha (velha mesma, não havia nada de antigo na minha terra, a não ser os fantasmas, mesmo). Todos tinham a sua história de fantasmas. Eu estive perto de ter a minha, quando, naquelas tardes de inverno em que anoitece cedo, vi um corpo a sair da valeta numa estrada sem iluminação que ligava a paragem de autocarros até à minha rua - ao longo de campos salpicados de oliveiras cujos ramos desenhavam padrões móveis de sombras, como macacos a saltar de galho em galho. Era, afinal, um velhote escanzelado da Ribeira da Brunheta (a uns dez quilómetros dali) que tinha caído da bicicleta e adormecido na lama, a meio quilómetro da taberna (não sei como fez, depois, os outros nove quilómetros e meio)... Enfim, não tive fantasmas... Até que, por circunstâncias pouco amigas da narrativa curta, descobri que tenho um fantasma que gosta de investigar e... por incrível que pareça, não pára só cá em casa - gosta de sair. Talvez tenha aprendido com o Dom Quixote. Depois de ter andado a investigar as enciclopédias da casa (talvez me tenha também andado a "atentar" na wikipédia), acho que decidiu sair à aventura com o Dom Quixote e com o Sancho, rua abaixo, a caminho das terras que povoam os livros do Camilo Castelo Branco e da Agustina Bessa Luís... E voltou, de novo. Não sem antes deixar pousado junto ao sofá o segundo volume do Dom Quixote, depois de eu o ter procurado meses (e já ter equacionado comprar uma outra edição)... É: eu não rezo ao Santo António para achar objectos perdidos... Afinal, se é o fantasma que os tem, há-de ser ele a devolvê-los. Não me parece que o tipo sofra de cleptomania...
Artigos da mesma série:
publicado por Manuel Anastácio às 02:41
link do post | Dizer de sua justiça | Quem disse o que pensou (2) | Adicionar aos favoritos
|
Domingo, 27 de Março de 2005
Mignon
limoes3.jpg

 

“Di Provenza il mar e il suol” de “La Traviata" de Verdi, na voz de Lauritz Melchior, numa gravação de 1913 (por isso, não estranhem o som!), a acompanhar a nostalgia mediterrânica do poema.

 

Poema de Goethe, inserido em "Os Anos de Aprendizagem de Wilhelm Meister" - a tradução (livre, como sempre) é minha. A preparar mais um soneto de Nerval.

Conheces o país onde crescem os limoeiros,

Onde, na folha escura, as laranjas são luzeiros,

Onde do azul do céu uma ténue brisa sopra

E entre os altos ramos de loureiro, é calma a murta?

Não o conheces bem?

                   Seria para aí que eu iria,

Para estar contigo, oh, meu amor!

 

E a casa que em esteios e colunas é sustentada?

Os seus quartos radiosos e ofuscante entrada,

E onde o olhar de estátuas de mármore nos alcança?

“Mas o que fizeram contigo, pobre criança?”

Não a conheces bem?

                   Seria para aí que eu iria,

Para estar contigo, meu vero protector!

 

Conheces aquele monte de nuvens cercilhado?

A mula que passa pelo caminho enevoado,

E dragões que em grutas perpetuam a geração,

E rochedos polidos pela água em borbotão;

Não a conheces bem?

                   Seria para aí que eu iria,

É por onde temos de seguir. Pai, é essa a nossa via!

Artigos da mesma série:
publicado por Manuel Anastácio às 22:24
link do post | Dizer de sua justiça | Adicionar aos favoritos
|
Sábado, 26 de Março de 2005
Mo Cuishle
Mo Cuishle disse-me no fim que foi o mais belo filme que alguma vez viu... Talvez. Muito provavelmente. Porque não me lembro de outro filme onde o sangue, as feridas, a dor, a violência, a morte e a miséria se transfigurem assim, num sorriso de amor divino. Talvez este filme não seja cristão. Há nele o paganismo das opções conscientes e do gosto pelo circo a quem falta o pão. Há nele a nostalgia das ilhas encantadas e das noites que murmuram - a nostalgia dos fantasmas que povoam os palcos sujos onde nos estatelamos em náusea. Neorealista e melodramático. Triste como a mais amarga das lágrimas. Plácido como quem olha as margens de Innisfree, num lago qualquer onde nunca repousaremos as nossas chagas... Sim, Mo cuishle, talvez seja o mais belo filme que alguma vez vi... (Claro que estou a falar de "Million Dollar Baby", ainda.)
Artigos da mesma série:
publicado por Manuel Anastácio às 18:09
link do post | Dizer de sua justiça | Quem disse o que pensou (1) | Adicionar aos favoritos
|
The Lake Isle of Innisfree de William Butler Yeats

Vou levantar-me e ir agora, e ir para Innisfree,

Uma pequena cabana de argila construída aí, de colmo as telhas,

Nove filas de feijão, e uma colmeia de abelhas e mel, aí

E viverei só na clareira onde zunem as abelhas.

 

E teria alguma paz por aí, já que a paz goteja lenta,

Gota a gota dos véus da manhã até onde o grilo canta;

Toda a noite alta é luz fosca por aí, e o meio dia, púrpura, em luz violenta,

E, cheia com as asas dos pintarroxos, a tarde se levanta.

 

Vou levantar-me e ir agora, para sempre, noite e dia,

Ouvir o som alto da água nas margens do lago em convulsão;

Enquanto junto ao caminho, ou sobre o pavimento acinzentado me veria,

Ouvindo-o no mais fundo do cerne do coração.

 

Versão de Manuel Anastácio

Artigos da mesma série:
publicado por Manuel Anastácio às 02:11
link do post | Dizer de sua justiça | Adicionar aos favoritos
|
.Nada sobre mim
.pesquisar
 
.Março 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
.Artigos da mesma série

. notas

. cinema

. livros

. poesia avulsa

. só porque

. política

. curtas

. arte

. guimarães

. música

. estupidez

. traduções

. wikipédia

. religião

. poesia i

. gosto de...

. ono no komachi

. narrativas

. tomas tranströmer

. buscas pedidas

. plantas

. arquitectura

. blogues

. enciclopédia íntima

. blogs

. braga

. fábulas de esopo

. as quimeras

. gérard de nerval

. carvalhal

. animais

. cultura popular

. disparates

. Herbário I

. poesia

. póvoa de lanhoso

. estevas

. pormenores

. umbigo

. bíblia

. ciência

. professores

. vilar formoso

. barcelos

. cinema e literatura

. coisas que vou escrevendo

. curtíssimas

. Guimarães

. rádio

. receitas

. ribeira da brunheta

. teatro

. vídeo

. da varanda

. economia

. educação

. família

. leitura

. lisboa

. mails da treta

. mértola

. Música

. os anéis de mercúrio

. cachorrada

. comida

. cores

. dança

. diário

. direita

. elogio da loucura

. escola

. esquerda

. flores de pedra

. hip hop

. história de portugal

. kitsch

. memória

. ópera

. profissão

. recortes

. rimas tontas

. sonetos de shakespeare

. terras de bouro

. trump

. Álbum de família

. alunos

. ângela merkel

. arte caseira

. aulas

. avaliação de professores

. ayre

. benjamin clementine

. citações

. crítica

. ecologia

. edgar allan poe

. ensino privado

. ensino público

. evolucionismo

. facebook

. todas as tags

.O que vou visitando
.Segredos
  • Escrevam-me

  • .Páginas que se referem a este site

    referer referrer referers referrers http_referer
    .Já passaram...
    .quem linka aqui
    Who links to me?
    .Outras estatísticas
    eXTReMe Tracker
    blogs SAPO
    .subscrever feeds