.Últimos bocejos

. Os filhos não devem ser o...

. Todas as águas

. Todos os poemas

. Hold back your love, Whit...

. Hallelujah Money, Gorilla...

. 4

. 3

. Love & Hate, Michael Kiwa...

. T-shirt weather in the ma...

. Yonkers, Tyler, the Creat...

. 2

. 1

. i

. Anacreonte

. Educação do meu imbigo

. Voltei! Ou talvez não (co...

. Uma arte, de Elizabeth Bi...

. Uma arte, de Elizabeth Bi...

. Manual de Etiqueta e boa ...

. Aurora dos Pinheiros

. Versículos angélicos

. (19/01/2014)

. Cristianismo

. Arbeit macht frei

. Isso

. Limite

. Resignação solene

. LXXVIII

. Florentino Ariza num dia ...

. I've seen horrors... horr...

. Se bem me esqueço

. Enciclopédia Íntima: Pátr...

. LXXVII

. Experimental como o desti...

. Ruy do car(v)alhinho

. LXXVI

. Overgrown, James Blake

. MS MR - Hurricane

. Buscas pedidas: "filmes s...

. Para Thatcher

. S&M

. LXXV

. Mails da treta: Ímans e a...

. LXXIV

. Agnes Obel

. Amar, casar, perverter

. LXXIII

. LXXII

. LXXI

. Amar é dizer parvoíces

.Velharias

. Agosto 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Agosto 2016

. Maio 2016

. Janeiro 2015

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Janeiro 2006

. Novembro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Março 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

. Dezembro 2003

Domingo, 15 de Fevereiro de 2004
Sagração da Primavera

Sagração da Primavera

sc.JPG

Com que palavras queres que t' o diga?

Melhor o dizem as árvores em flor

Ao circular segundos de calor

Na seiva que o meu coração abriga.

 

Vê que sou uma Primavera em dor

Ciosa do gérmen de cada espiga

Que o cio das cigarras em cantiga

Converte nos ecos do meu amor.

 

Sente nos amentilhos de algodão

Os primeiros calores de Verão

Desejando o teu corpo de mulher.

 

Sente no meu silêncio uma canção:

Meus dedos desfiando em oração

As pétalas brancas de um malmequer...

Artigos da mesma série:
publicado por Manuel Anastácio às 04:20
link do post | Dizer de sua justiça | Adicionar aos favoritos
|
Sexta-feira, 13 de Fevereiro de 2004
Myrtho, de "As Quimeras" de Gérard de Nerval

 Klimt-Danae.jpg

MYRTHO

Gérard de Nerval ("As Quimeras")

Do altivo Pausílipo me enfeitiças,

Deusa, a mente, com mil fogos, brilhante:

Myrtho, que a luz d’ este inunda o semblante

Em trança d’ ouro, uvas negras, mestiças.

 

C’ o chispar de alegres olhos me atiças

A beber tua taça embriagante,

P’la Musa perfilhado Grego, ante

Lacchus curvado, entregue às suas liças.

 

 

Sei porque este vulcão se reabriu...

Mal o tocaste ontem com o pé, lesto,

de cinzas, o horizonte se cobriu.

 

Aos teus ídolos foi um normando infesto

E logo de Virgílio o láureo gesto                            

Pálida hortênsia a verde murta uniu!


(Versão de Manuel Anastácio)

 

Artigos da mesma série: ,
publicado por Manuel Anastácio às 02:02
link do post | Dizer de sua justiça | Adicionar aos favoritos
|
Terça-feira, 10 de Fevereiro de 2004
11’09’’01 – 11 Perspectivas

                                      11-de-setembro-3.jpg

Lembrei-me de Baptista Bastos a perguntar aos seus convidados de um programa de televisão: “Onde é que você estava no 25 de Abril?”… O caso foi anedota mas… num outro reverso, quem de nós não contou já em que circunstâncias recebeu a notícia de uma Nova Iorque coroada de martírio e caliça? Onde estávamos nós? A maioria correu para uma televisão. Era como se o homem voltasse a descer de novo pela primeira vez na lua. Verdade seja dita: havia clima de festa mesmo nas lágrimas e no horror. Uma orgia de imagens, de sons, comentários… Lembro-me de ouvir o Miguel Sousa Tavares a dizer: “muito se escreverá sobre este dia… muitos filmes serão feitos…”. Pensei o mesmo. Ainda não estamos no tempo certo para fazer render um filme tipo “Titanic” ou “Pearl Harbour”. Nem creio que o tempo torne as coisas mais objectivas neste caso. Antes pelo contrário. O tempo irá mitificar aquilo que queria  ser apenas um acto panfletário (à custa de um dos horrores mais cruciantes alguma vez tornados públicos de forma tão violenta graças à televisão e ao VHS dos turistas que passeavam em Manhathan) e nisso foi tornado. Não há um código deontológico para estas coisas (por isso mesmo até os embaixadores, gente tão diplomática, se atiram raivosos, hoje em dia, a objectos que apenas são arte, compreenda-se no contexto artístico actual, porque se questionam enquanto tal – há quem não perceba isso ou não queira perceber mas, a verdade, é que arte éngagé não deveria – digo eu, mas quem sou eu? – ser decorativa. O panfleto é em si mesmo belo ou aterrador pela verdade (há sempre uma verdade em qualquer panfleto). Não precisa de estética material. A própria ética dá-lhe a sua beleza. Quando vemos um filme cheio de imagens horrorosa - Lembro-me, por exemplo, do “Kanal” de Andrzej Wajda (poderiam ser outros…) - se essas imagens trazem consigo podridão mas, ainda assim, nos comovem, não é pelo artifício mas pela verdade implícita. É nesse contexto que percebo o que levou Stockhausen a afirmar que a destruição das Torres Gémeas foi a maior obra de arte alguma vez produzida, digna de ser levada à Bienal de Veneza… Apesar de errar numa coisa: a Bienal de Veneza é que não seria digna de tal obra de arte. Arte Satânica? Talvez algo pior que isso, é verdade, mas que nos comoveu e fez mexer o pior que há de nós em querermos vasculhar na dor, em ouvir de novo os últimos telefonemas das vítimas (como no mais gabado dos segmentos do filme do Mexicano Iñárritu). Sendo sinceros: só não viu o acontecimento como uma obra de arte quem o viveu… Ou, daí, talvez seja nessas alturas em que o desespero nos leva ao mais sincero apelo à poesia. Talvez num último acto poético queiramos alcançar o Paraíso. Talvez um telefonema, talvez um salto para o último raio de luz. A beleza é infinitamente estranha. E consegue ser infinitamente dolorosa. Sem dor, duvido que soubéssemos o que é a beleza. Talvez infelizmente. Não sei.

Sei que há alturas em que criticar parece ser um exercício mórbido.

É por isso que elejo o filme de Sean Penn exactamente pela sua perigosa ambiguidade. Como o velho Borgnine diz para o espaço vazio onde deveria estar a sua amada: devias ter visto isto. Todos devíamos ver tudo. A tragédia é que a luz nos falta.

E estes filmes, irregulares, são sempre exercícios sobre a luz. Ensaios sobre a cegueira. Nunca conseguiriam ser grandes obras de arte porque morrem ofuscados pelo tema que elegeram: como diria Stockhausen (perversamente? Creio que não), por uma obra de arte infinitamente maior para a qual nunca haverá aplausos (que os houve) nem lágrimas (que as há ainda) que façam redimir um mundo onde a arte deixou de ser ficção.

 

Artigos da mesma série:
publicado por Manuel Anastácio às 01:51
link do post | Dizer de sua justiça | Quem disse o que pensou (1) | Adicionar aos favoritos
|
Sábado, 7 de Fevereiro de 2004
El desdichado, de "As Quimeras" de Gérard de Nerval

O sombrio, - o viúvo, - inconsolado,

 Eu, príncipe da Aquitânia vazia

 Minha estrela, a morte. Salter constelado

 Meu, soa um sol negro, Melancolia.

 

 Na noite tumular me hás consolado:

 A Pausilipo, flor que me aprazia,

 Ao mar de Itália, meu cor desolado,

 E a latada onde a vide à rosa alia.

 

 Lusignan?… Biron? Febo ou Amor hei?

 Inda do beijo da rainha coro

 E em sonho, em antro de sereia moro…

 

 O Aqueronte, vencedor, varei

 Repetido. A par, na lira de Orfeu,

 Som que a santa, como a fada, gemeu.

 

(versão de Manuel Anastácio)

Artigos da mesma série: ,
publicado por Manuel Anastácio às 02:05
link do post | Dizer de sua justiça | Adicionar aos favoritos
|
.Nada sobre mim
.pesquisar
 
.Agosto 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
.Artigos da mesma série

. notas

. cinema

. livros

. poesia avulsa

. política

. só porque

. curtas

. arte

. guimarães

. música

. estupidez

. traduções

. wikipédia

. religião

. poesia i

. gosto de...

. ono no komachi

. narrativas

. tomas tranströmer

. buscas pedidas

. plantas

. arquitectura

. enciclopédia íntima

. blogues

. braga

. fábulas de esopo

. as quimeras

. gérard de nerval

. carvalhal

. animais

. blogs

. cultura popular

. disparates

. Herbário I

. poesia

. póvoa de lanhoso

. estevas

. pormenores

. umbigo

. bíblia

. ciência

. professores

. vilar formoso

. barcelos

. cinema e literatura

. coisas que vou escrevendo

. curtíssimas

. educação

. Guimarães

. rádio

. receitas

. ribeira da brunheta

. teatro

. vídeo

. da varanda

. economia

. família

. leitura

. lisboa

. mails da treta

. mértola

. Música

. os anéis de mercúrio

. cachorrada

. comida

. cores

. dança

. diário

. direita

. elogio da loucura

. escola

. esquerda

. flores de pedra

. hip hop

. história de portugal

. kitsch

. memória

. ópera

. profissão

. recortes

. rimas tontas

. sonetos de shakespeare

. terras de bouro

. trump

. Álbum de família

. alunos

. ângela merkel

. arte caseira

. aulas

. avaliação de professores

. ayre

. benjamin clementine

. citações

. crítica

. ecologia

. edgar allan poe

. ensino privado

. ensino público

. evolucionismo

. facebook

. todas as tags

.O que vou visitando
.Segredos
  • Escrevam-me

  • .Páginas que se referem a este site

    referer referrer referers referrers http_referer
    .Já passaram...
    .quem linka aqui
    Who links to me?
    .Outras estatísticas
    eXTReMe Tracker
    blogs SAPO
    .subscrever feeds