Domingo, 9 de Julho de 2006
Arte e escravidão

Apolo e duas Musas (detalhe, com Euterpe), de Pompeo Battoni (1708-1787)

O que é que distingue a música clássica1da música dita ligeira? Todos sabemos que as diferenças não são estanques. Alguns dizem: a complexidade - mas há obras populares cuja complexidade é, de longe, superior à de muitos compositores, minimalistas ou não. A antiguidade não é critério  - a dita música clássica, música erudita-ou-lá-o-que-é refere-se, na linguagem vulgar também a música conteporânea (à música contemporânea, dirão os puristas). É uma música séria, dizem alguns - séria? Como assim? As receitas musicadas de Leonard Bernstein, "La Bonne Cuisine: Quatro Receitas para Voz e Piano" são sérias? A sério?... Ora, aquilo a que eu chamo de música enquanto Arte (substituindo apenas a questão: "o que é Música?" por "o que é Arte?"...), e que exclui muita mas não toda a música popular, tem apenas uma característica distintiva: a sua presunção. Não o digo com carácter pejorativo. A música enquanto Arte assume uma posição de superioridade sobre a música popular apenas porque assim se assume. Nada há de objectivo nessa assumpção. Mas o facto de querer ser superior é que a torna de facto superior. Assim, quando um cantor pop decide para os seus botões: "vou fazer uma obra de arte", para mim, estará a fazer música-dita-clássica (mesmo que eu não goste da mesma) - e sê-lo-á, de facto, se tiver potencialidade para presumir ou provar (com tempo) que continuará a ser tocada e ouvida para a posteridade. Aqui, a porca torce o rabo - quando classificamos o que é música enquanto Arte em contraste com a música enquanto simples entretenimento, teremos, então, de fazer futurismo para saber se existirá público, daqui a 100 anos, para uma peça musical? E, se existir, passa a ser música clássica? Ora, todos temos a certeza de que daqui a 100 anos ainda se ouvirão os Beatles, se ainda houver gente e meios de os ouvir. São, portanto, música clássica. Mas por que terão de ser 100 anos? Graças a Deus que Mendelssohn conseguiu resgatar Johann Sebastian Bach das prateleiras antes de decorrido tal tempo, caso contrário, ainda se conseguiria provar que Bach é uma questão de moda e não um valor cultural superior.

Mas, graças à cultura cristã, e, em especial católica, as pessoas têm, em geral, vergonha de assumir superioridade ou, se o fazem, sabem que serão atacadas por isso. Lia, ainda hoje, na Estrada  de Santiago (com as devidas ressalvas devidas ao virtuosismo semântico do autor):
Um só blogger representa um tal índice de vaidade e egocentrismo que pode causar danos colaterais graves nos organismos que o rodeiam.  A vaidade e o egocentrismo são, de facto, vistos como causadores de dano. Mas a verdade é que tudo o que seja criação (de um blog ou de uma peça musical) assenta a sua superioridade na vaidade do autor (de forma justificada ou não - isso cabe ao público ingrato e diacrónico decidir, ao compartilhar dessa vaidade). Vaidade que se expressa na crença de que a sua arte traz em si algo de intemporal. Será que um cantor pimba se preocupa com tal problema? Creio que não - a sua preocupação é a satisfação das necessidades imediatas de entretenimento do seu público. Um músico/artista pode, de facto, criar uma peça de valor duvidoso ou polémico - a 4' 3'' de John Cage será considerada uma peça nula por muito boa gente e por muitas boas razões - mas é feita com uma intenção que se baseia na vaidade do autor - na sua presunção de que tem autoridade para dispor do tempo do ouvinte. E os ouvintes/apreciadores da música/arte não são mais que escravos voluntários do ego do criador. O ouvinte exclusivo de música popular, como o detractor da arte de vanguarda, são, por seu lado, criaturas livres. Tão livres quanto um animal selvagem. Mas livres. Tenho de pensar nisto.
Artigos da mesma série: ,
publicado por Manuel Anastácio às 01:41
link do post | Dizer de sua justiça | Adicionar aos favoritos
7 comentários:
De Jo Lorib a 9 de Julho de 2006 às 03:30
Manuel, para mim parece que a música que permanece é a que tem elementos iniciáticos. Mozart e Duke Ellington tinham mais em comum do que um bom ouvido.
Abraços.
De Manuel Anastácio a 9 de Julho de 2006 às 04:03
Exactamente. O que há nos rituais iniciáticos? A imposição de uma escravidão voluntária, nem que seja apenas provisória, para, supostamente, aceder a um grau superior de consciência. Vai de encontro ao que refiro no texto. De facto, quase tudo se resume ao argumento da Flauta Mágica de Mozart... :)
De Artur a 9 de Julho de 2006 às 18:58
Iniciações ocultas... bah, crendices. A distinção está na qualidade do espaço - os ritmos simples da música ligeira são redutores, enquanto os ritmos complexos do jazz, da clássica ou da contemporânea despertam na nossa mente a consciência de espaços n-dimensionais povoados por formas que se intersectam.
De Manuel Anastácio a 9 de Julho de 2006 às 20:14
Não falo de rituais iniciáticos ocultos. Mas quem ingressa no maravilhoso mundo da arte, hoje em dia, tem, primeiro, de se curvar perante a excelência do génio criador do artista. Isso acontece especialmente na música dita clássica, mas também no mundo de toda a arte contemporânea. Por alguma razão se utiliza tanto o termo "neófito" para caracterizar quem começa a interessar-se pela arte em geral.
De Jo Lorib a 9 de Julho de 2006 às 21:53
Artur, não zombe do que não conhece.
E também não acho, Manuel, que seja uma escravidão provisória, me parece que as grandes obras musicais ou literárias são um um lamento sobre esse pequeno engano.
De Manuel Anastácio a 9 de Julho de 2006 às 23:10
Creio que existem aqui apenas diferendos de linguagem. Por isso mesmo creio que há muito a dizer e a pensar sobre este assunto. Os apreciadores da música enquanto arte não compartilham da mesma linguagem. Não se zanguem :). Até um ritual iniciático é apenas uma forma de linguagem com um fim e com uma mensagem que só o iniciado conhecerá secretamente.. E que é intransmissível. Caso contrário, não seria necessário manter eternamente o ritual. A conversa continua no próximo post.
De Artur a 10 de Julho de 2006 às 15:10
Não se ofenda, Jo. O meu desdém sobre coisas ocultas abrange qualquer tipo de religião ou de filosofia transcendental. Se me for permitida a charge, encontra-se em boa companhia...

Dizer de sua justiça

.pesquisar