Domingo, 26 de Fevereiro de 2012
Do servilismo da direita vimaranense

Nesta última sexta feira à noite houve Assembleia Municipal em Guimarães. O Bloco de Esquerda apresentou uma Moção pela reposição do normal funcionamento do Centro Hospitalar do Vale do Ave e pela qualidade do serviço nacional de saúde no concelho. De forma absolutamente excepcional, tendo em conta que a Assembleia apenas tem dois deputados do Bloco de Esquerda, a Assembleia votou a favor desta moção. Votaram a favor as bancadas ditas de Esquerda, ou seja, PS, CDU e BE. Os partidos associados ao governo atual de direita, ou seja, CDS-PP e PSD, numa atitude de puro servilismo político votaram contra, mostrando bem como preferem estar nas graças do Governo Central do que em defesa dos interesses legítimos das populações que os elegeram. No entanto, a cobardia política da bancada do PSD tornou-se evidente quando, numa declaração de voto, alguém do PSD que eu não sei identificar, teve a lata de dizer que a bancada não tinha votado a favor da moção porque não concordava com uma mentira que se encontrava no texto, nomeadamente que não tinha sido intenção do governo fechar os centros de saúde aos fins de semana e feriados, mas que essa decisão tinha sido do ACeS (Agrupamento de Centros de Saude) de Vizela - e isso, sim, é que é mentira. Seria bom que os vimaranenses soubessem da forma como os seus interesses são secundarizados por parte dos seus representantes eleitos de direita, mas dá-se o caso de as notícias publicadas serem também tendenciosas e mentirosas. Acontecerá isto propositadamente? Veja-se o caso desta notícia do Guimarães Digital onde é dito, a este respeito, que César Teixeira "deixou clara a preocupação dos sociais democratas vimaranenses". Ora, o jornalista não deve ter estado na mesma Assembleia Municipal que eu, porque se a bancada do PSD demonstrou alguma coisa sobre o assunto foi despreocupação. Sobre a moção, nem uma palavra.

 

Apresento de seguida o texto da moção apresentada:

"O Centro Hospitalar do Alto Ave (CHAA)  encontra-se a funcionar sem direcção clínica e apenas com dois membros do Conselho de Administração.

O  Conselho de Administração  do CHAA tomou posse em Fevereiro de 2010, sendo então constituído por cinco elementos, designadamente António Barbosa, Gabriel Pontes, Emanuel Barros, José Ribeiro e Carlos Guimarães que assumia as funções de Director Clínico. No entanto, desde então, Gabriel Pontes e Emanuel Barros abandonaram as funções que desempenhavam, e Carlos Guimarães deixou a direcção clínica do CHAA, após ter apresentado a sua demissão em Março.

Assim, desde há meses que o CHAA funciona apenas com dois elementos do  Conselho de Administração.

Não é admissível que um centro hospitalar, pela sua dimensão e área de abrangência, possa funcionar neste regime, uma vez que tal põe em causa a qualidade dos serviços de saúde prestados no concelho.

 

Esta situação vê-se agravada, uma vez que foi dada a conhecer no início do ano a intenção do governo de fechar os centros de saúde aos fins de semana e feriados. 

Num momento em que há ainda indefinição sobre a manutenção dos serviços nos centros de saúde dos concelhos de Guimarães e Vizela, podendo o governo avançar com a decisão de encerrar os centros de saúde ao fim de semana e feriados, aumentando assim o número de acorrências ao hospital, é da maior importância exigir para o concelho serviços de saúde capazes de dar resposta às populações, e que estejam à altura de requisitos especiais como é o caso da CEC 2012.

 

Considerando que é incompreensível que uma unidade hospitalar possa estar em funcionamento sem Conselho de Administração e sem direcção clínica e que esta situação contribui para a degradação do funcionamento hospitalar bem como dos serviços prestados aos utentes,

 

Atendendo a que as populações serão altamente penalizadas com o encerramento dos serviços prestados pelos centros de saúde aos fins de semana e feriados e atentando ao facto de que a capacidade de resposta do hospital poderá ser posta em causa e pode fazer perigar a própria vida dos utentes, seja com o tempo de espera ou pela qualidade de serviços prestados,

 

A assembleia Municipal não pode ficar indiferente a esta ameaça que paira sobre a cidade, o concelho e a região, nem deixar protelar a situação.

 

Pelas razões explanadas, o grupo Municipal do Bloco de Esquerda, propõe que, a Assembleia Municipal de Guimarães, reunida em Sessão Ordinária, a 24 de Fevereiro de 2012, mostrando desta forma que põe de facto os interesses da sua terra e região acima de quaisquer outros, delibere:

1- exigir que o governo nomeie o Conselho de Administração do Centro Hospitalar do Alto Ave.

2- manifestar-se contra os cortes nos serviços e encerramento dos Centros de Saúde ao fim-de-semana e feriados.

3- remeter a presente moção ao Ministério da Saúde.

 

Guimarães, 24 de Fevereiro de 2012

O grupo municipal do Bloco de Esquerda"

publicado por Manuel Anastácio às 19:14
link do post | Dizer de sua justiça | Adicionar aos favoritos
.pesquisar