Terça-feira, 4 de Julho de 2006
Ono no Komachi - Cervos do monte


Cena de caça, de Paul de Vos (1596 - 1678)

Archotes de caçadores
Apagam-se no monte Ogura.
Um cervo chama p'las fêmeas...
Como facilmente
Adormeceria
Se não partilhasse
Também, dos seus medos.

(Versão de um poema de Ono no Komachi, a partir de uma tradução de Hirshfield & Aratami)

Nota: como prova da universalidade dos temas poéticos, lembro esta "canção de amigo" de Martin de Ginzo Pero Meogo [ver comentário de Deborah Cabral]:

Ai cervas do monte, vin vos preguntar:
foi-s' o meu amigu' e, se alá tardar,
que farei, velidas?
Ai cervas do monte, vin vo-lo dizer:
foi-s' o meu amigu' e querria saber
que farei, velidas.

Artigos da mesma série:
publicado por Manuel Anastácio às 18:59
link do post | Dizer de sua justiça | Adicionar aos favoritos
4 comentários:
De Artur a 5 de Julho de 2006 às 18:37
A universalidade dos temas poéticos não será antes a universalidade dos anseios da alma humana?

(grr! estes blogs do sapo! arre!)
De Manuel Anastácio a 6 de Julho de 2006 às 21:35
Com certeza. O que espanta são os meios utilizados para expressar esses mesmos anseios... :)
De Deborah Cabral a 24 de Março de 2010 às 18:33
Para constar, esta canção de amigo não é de Martin de Ginzo, mas de Pero Meogo.
De Manuel Anastácio a 26 de Março de 2010 às 00:28
Obrigado pela correcção. Não sei onde fui buscar tal disparate.

Dizer de sua justiça

.pesquisar