.Últimos bocejos

. Os filhos não devem ser o...

. Todas as águas

. Todos os poemas

. Hold back your love, Whit...

. Hallelujah Money, Gorilla...

. 4

. 3

. Love & Hate, Michael Kiwa...

. T-shirt weather in the ma...

. Yonkers, Tyler, the Creat...

. 2

. 1

. i

. Anacreonte

. Educação do meu imbigo

. Voltei! Ou talvez não (co...

. Uma arte, de Elizabeth Bi...

. Uma arte, de Elizabeth Bi...

. Manual de Etiqueta e boa ...

. Aurora dos Pinheiros

. Versículos angélicos

. (19/01/2014)

. Cristianismo

. Arbeit macht frei

. Isso

. Limite

. Resignação solene

. LXXVIII

. Florentino Ariza num dia ...

. I've seen horrors... horr...

. Se bem me esqueço

. Enciclopédia Íntima: Pátr...

. LXXVII

. Experimental como o desti...

. Ruy do car(v)alhinho

. LXXVI

. Overgrown, James Blake

. MS MR - Hurricane

. Buscas pedidas: "filmes s...

. Para Thatcher

. S&M

. LXXV

. Mails da treta: Ímans e a...

. LXXIV

. Agnes Obel

. Amar, casar, perverter

. LXXIII

. LXXII

. LXXI

. Amar é dizer parvoíces

.Velharias

. Agosto 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Agosto 2016

. Maio 2016

. Janeiro 2015

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Janeiro 2006

. Novembro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Março 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

. Dezembro 2003

Domingo, 19 de Janeiro de 2014
(19/01/2014)
Amigo, as coisas mudaram.
Heráclito sabia o que dizia,
Quando as palavras que não escrevia
Eram ditadas de outra forma.
Não somos os mesmos
Amigos.
O mundo virou páginas.
Não as virei eu. Talvez Deus,
O do nosso cinismo partilhado,
Tenha aberto com o teu desvio,
Tolle et lege
Um capítulo novo que diz
Já não estou ao alcance de te ouvir
Sem outro intermédio que o ar.
Os afetos ganharam novos contornos,
Outras sombras
Por outras luzes.
Não estás. Deixaste no teu lugar uma candeia
E por isso, porventura, pensarás
Que me basta velar a tua ausência.
Já não me chegam os teus postais de Natal.
Ainda os escreverás, alegrando-te
No nascimento de um deus morto?
Amigo. Não te escolhi
Não te procurei
Não te achei. O teu mundo era outro
Os teus livros eram outros e eram mais que os meus.
Mas fazias os meus parecerem mais vastos do que eram.
Eras dos poucos que celebravam cada letra morta
Dos poemas que morriam na minha mão.
As coisas mudaram.
Talvez já não possas vir cá a casa
Como ficou pendente.
Talvez venha por ti outra amada gente.
As coisas mudaram,
A ausência escreve outros poemas.
As rimas escasseiam. Perderam-se cheiros.
Ligo-te e não atendes
Porque as coisas mudaram
Para algo tão parecido com o momento em que, sem o esperar
Disseste
Amigo.
As coisas mudaram
Há links mortos, páginas expiradas
Onde me dedicavas cantos órficos
Digitais.
As coisas mudaram.
Mas ainda espero.
Assim prefiro. Assim o quero, amigo,
A esse livro
Aberto pela casa onde comi e bebi contigo.
Artigos da mesma série:
publicado por Manuel Anastácio às 17:16
link do post | Dizer de sua justiça | Adicionar aos favoritos
|
1 comentário:
De glaucia lemos a 19 de Janeiro de 2014 às 18:16
Um poema que fala de perda. Eu que tanto conheço de perda e de espera, e de perda depois de espera, a mim é tão fácil penetrar no sentimento de quem fala da perda de amigo, de afecto . Dói perder quem quer que foi significante, ainda mais, quem foi significante não foi, sempre será pois continua sendo, mesmo quando parece que apenas foi e já não é, mas não, todo o que em verdade foi, sempre será, ainda q na reserva do silêncio conveniente. Este poema sentido e verdadeiro é um recado, como a maioria dos poemas. Por certo chegará ao endereço destinado dada a clareza e a verdade que transmite. O Amigo que talvez pareça já não ser, há de lhe dizer se ainda o é, como assim parece a mim, ou calará se já não o for. Mesmo em outro mundo, diz o autor, as mãos não se apartam quando tem certeza. Que se reúnam! que insistam em se reunir!

Dizer de sua justiça

.Nada sobre mim
.pesquisar
 
.Agosto 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
.Artigos da mesma série

. notas

. cinema

. livros

. poesia avulsa

. política

. só porque

. curtas

. arte

. guimarães

. música

. estupidez

. traduções

. wikipédia

. religião

. poesia i

. gosto de...

. ono no komachi

. narrativas

. tomas tranströmer

. buscas pedidas

. plantas

. arquitectura

. enciclopédia íntima

. blogues

. braga

. fábulas de esopo

. as quimeras

. gérard de nerval

. carvalhal

. animais

. blogs

. cultura popular

. disparates

. Herbário I

. poesia

. póvoa de lanhoso

. estevas

. pormenores

. umbigo

. bíblia

. ciência

. professores

. vilar formoso

. barcelos

. cinema e literatura

. coisas que vou escrevendo

. curtíssimas

. educação

. Guimarães

. rádio

. receitas

. ribeira da brunheta

. teatro

. vídeo

. da varanda

. economia

. família

. leitura

. lisboa

. mails da treta

. mértola

. Música

. os anéis de mercúrio

. cachorrada

. comida

. cores

. dança

. diário

. direita

. elogio da loucura

. escola

. esquerda

. flores de pedra

. hip hop

. história de portugal

. kitsch

. memória

. ópera

. profissão

. recortes

. rimas tontas

. sonetos de shakespeare

. terras de bouro

. trump

. Álbum de família

. alunos

. ângela merkel

. arte caseira

. aulas

. avaliação de professores

. ayre

. benjamin clementine

. citações

. crítica

. ecologia

. edgar allan poe

. ensino privado

. ensino público

. evolucionismo

. facebook

. todas as tags

.O que vou visitando
.Segredos
  • Escrevam-me

  • .Páginas que se referem a este site

    referer referrer referers referrers http_referer
    .Já passaram...
    .quem linka aqui
    Who links to me?
    .Outras estatísticas
    eXTReMe Tracker
    blogs SAPO
    .subscrever feeds