Sexta-feira, 28 de Outubro de 2011
Estrofe e contraestrofe, de Tomas Tranströmer ("17 Poemas", 1954)

O mais exterior dos círculos pertence ao mito. Aí se afunda a pique o homem do leme

entre os dorsos refulgentes dos peixes.

Quão longe de nós! Quando o dia

se deixa ficar num desassossego abafado de calmaria―

tal como a verde sombra do Congo detém

os homens azuis no seu vapor―

e estes lenhos arrastados pelo mar na lenta e indutora

bobina do coração

se acumulam.

 

Versão de Manuel Anastácio, a partir da versão em inglês de Robin Fulton

Artigos da mesma série: ,
publicado por Manuel Anastácio às 00:12
link do post | Dizer de sua justiça | Adicionar aos favoritos
.pesquisar